Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

III Feira de Talentos - A Parábola dos talentos

Com a diferença de que na vila todos fazem render os seus talentos, ninguém irá ser julgado e vai ser uma grande festa. 

«Será também como um homem que, ao partir para fora, chamou os servos e confiou-lhes os seus bens. 15A um deu cinco talentos, a outro dois e a outro um, a cada qual conforme a sua capacidade; e depois partiu. 
16Aquele que recebeu cinco talentos negociou com eles e ganhou outros cinco. 17Da mesma forma, aquele que recebeu dois ganhou outros dois. 18Mas aquele que apenas recebeu um foi fazer um buraco na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.
19Passado muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e pediu-lhes contas. 20Aquele que tinha recebido cinco talentos aproximou-se e entregou-lhe outros cinco, dizendo: 'Senhor, confiaste-me cinco talentos; aqui estão outros cinco que eu ganhei.' 21O senhor disse-lhe: 'Muito bem, servo bom e fiel, foste fiel em coisas de pouca monta, muito te confiarei. Entra no gozo do teu senhor.'
22Veio, em seguida, o que tinha recebido dois talentos: 'Senhor, disse ele, confiaste-me dois talentos; aqui estão outros dois que eu ganhei.' 23O senhor disse-lhe: 'Muito bem, servo bom e fiel, foste fiel em coisas de pouca monta, muito te confiarei. Entra no gozo do teu senhor.'
24Veio, finalmente, o que tinha recebido um só talento: 'Senhor, disse ele, sempre te conheci como homem duro, que ceifas onde não semeaste e recolhes onde não espalhaste. 25Por isso, com medo, fui esconder o teu talento na terra. Aqui está o que te pertence.' 26O senhor respondeu-lhe: 'Servo mau e preguiçoso! Sabias que eu ceifo onde não semeei e recolho onde não espalhei. 27Pois bem, devias ter levado o meu dinheiro aos banqueiros e, no meu regresso, teria levantado o meu dinheiro com juros.' 28'Tirai-lhe, pois, o talento, e dai-o ao que tem dez talentos. 29*Porque ao que tem será dado e terá em abundância; mas, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. 30*A esse servo inútil, lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.'»
publicado por julmar às 22:31
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Personagens marcantes do século XX - António Gata

António Gata (1876-1938), filho de Bernardo António Guerra e Ana Cardoso foi uma das personagens mais marcantes da primeira metade do século XX na Vila como proprietário, lavrador e comerciante. Pessoa bem formada e íntegra, defendeu o padre Júlio Matias na tentativa (bem sucedida) de o colocar fora da freguesia, quando os ventos da instauração da República eram pouco favoráveis à defesa do clero. Foi presidente da junta e era uma figura com peso político local. Teve três filhos ordenados sacerdotes - Abel, Júlio e Alberto. Foi o Aníbal que deu continuidade à atividae económica, sobretudo a comercial.

O Comércio de António Gata era um dos maiores da região servindo não apenas Vilar Maior mas freguesias próximas, sendo incrível a quantidade e variedade de bens que se vendiam que era praticamente tudo o que se consumia desde bens alimentares, vestuário, bebidas, tabaco, ferramentas para as várias profissões, petróleo, artigos de papelaria e correio, folha de flandres para o latoeiro, brochas e pregos de tamanhos vários, protetores e graxa para sapatos, artigos de higiene e toilete, guloseimas, retrosaria e tudo o que costureiras e alfaiates necessitassem,  artigos de papelaria e correio ... tudo admiravelmente organizado e arrumado. Tudo isto feito por um só homem que tinha uma contabilidade de tudo isto e de todos os gastos de casa numa escrita de fazer inveja. Era preciso estar atento às necessidades dos clientes, fazer as encomendas aos  aos fornecedores, avaliar a qualidade dos produtos,escolher os melhores preços, fazer reclamações...

O livro de cartas comerciais de António Gata é um manancial de informações históricas sobre o consumo dos vilarmaiorenses nessa época e donde retirámos, entre muitos outros, estes apontamentos:

 

Este livro de 500 páginas contém as cartas comerciais de António Gata aos seu fornecedores, sendo que começa na página 150, abrange o período que vai de 1 Junho de 1921 a 4 de Setembro de 1924.

Algumas das cartas são o envio de dinheiro para crédito: «Anexo envio escudos 305$00 que me creditarão com os meus agradecimentos para saldo»

Outras em que há diferendos quanto a preços e que caso não haja redução de preços e ampliação de prazos a devolverá

Ou fazendo notar,

«Estou informado que no Porto, à porta de vários armazéns se vê arroz, em sacos marcado para  $50  e $60, bacalhaus por preços muito mais baixos do que me fazem a mim, parece que não deveria ser assim»

«Sou a dizer-lhe que continuo no mesmo propósito, não aceito as fazendas sem que haja probabilidades de as vender, por aqui não se corta um metro de fazenda nenhuma, só fazendo-se um preço muito reduzido … em muitos artigos estou a perde muito dinheiro, as coisa não estão boas»

E a contrariedade com os produtos: «Bacalhau desta vez fiquei muito mal servido…»

Ou reclamar de descontos «disse que o desconto que fazia era de 4% sobre o total da factura e eu pedi para me fazerem 5%...» e promete devolver os lenços se não lhe fizerem o preço a que os estão a vender na Cerdeira.

Exemplo de carta:

Exmo Sr Guimarães Ayres  Porto

«Anexo envio a Vª Shª escudos 181$06 que creditarão em m/ conta bem assim o bónus de 3% de antecipação e transferência.

(…) »

 

Solicitação de amostras de arrozes, açúcar, bacalhau e respectivos preços

Em 2 de fev. de 1922 faz uma encomenda de folha de Flandres que era a matéria prima de Albino Leonardo, latoeiro

1 cx chapa … … … 1,20x0,40 m

1 cx chapa ……..    1,20x0,30m

1 cx chapa ………   1,20x0,25

 

publicado por julmar às 06:36
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 22 de Julho de 2014

Feira de Talentos - Da primeira vez foi assim

Uma reportagem sobre os talentos da Vila. Vamos colocar a Vila no mapa

http://videos.sapo.pt/UenBEJlQNhISog3zL4SK

publicado por julmar às 10:25
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Julho de 2014

III Feira de Talentos - O cartaz


publicado por julmar às 16:40
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Julho de 2014

Requiescat in pace - Manuel Gonçalves Boavida Castelo Branco

Tivemos notícia de que faleceu em Lisboa Manuel Gonçaves Boavida Castelo Branco, filho de figuras marcantes em Vilar Maior, na segunda metade do século XX: Fernando Boavida Castelo Branco e professora Adélia Gata Gonçalves. Aos irmãos e demais familiares as nossas sentidas condolências.

publicado por julmar às 17:37
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 15 de Julho de 2014

III Feira de Talentos - Venha ser feirante por um dia

Venha divertir-se

Uns  vieram na primeira, outros vieram na segunda e chegou a vez de vir colocar a sua banca na III Feira de Talentos. Não se engane a si dizendo que não tem jeito para vender ou que não tem nada para vender. O ideal é que todas as pessoas vendam alguma coisa que todos têm alguma coisa para vender desde produtos agrícolas (cebolas, batatas, feijão, gravanços, chícharos, alhos, abóboras e tudo o mais comestível), compotas (o doce de ginja, cereja, amora, abóbora, a marmelada) frutos sêcos (figos, nozes, amendoas), bebidas (vinho, licores, aguardentes, geropiga), queijos (frescos, curados...) ervas aromáticas, chás (poejos, tilia...), mel do Cimo da vila. Este ano é ano de muito bracejo, faça uma vassouras. Vá até ao Cesarão, Coa, Barragem de Alfaiates pesque uns barbos, umas bogas e venha vendê-as. 

Se não vá à arca e tire de lá aquela toalha de linho esquecida e mostre-a ou venda-a; venda os atafais da burra, o cabresto, a cilha. Venda alguma coisa.

A única coisa que pedimos é que não venda é a alma ao diabo! 

publicado por julmar às 12:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 12 de Julho de 2014

Requiescat in pace

Foto de José Valente

Faleceu a esposa de José Simões Valente no p.p. dia 4 a quem apresentamos sentidas condolências. José Simões Valente reside há muitos anos em Filadélfia. Todos nos lembramos com carinho dos seus pais Aurélio Simões e Marquinhas Ferreira, moradores na Rua de Cima na casa contígua à do ti Fernando Cerdeira. Ao Zé Simões Valente devemos uma boa parte de fotografias, dos anos cinquente e sessenta do século passado, sobre pessoas, paisagens e acontecimentos da vila, algumas delas publicadas neste blog. Obrigado

publicado por julmar às 12:12
link do post | comentar | favorito
|

O trabalhador é digno do seu trabalho (Lucas, 10-7)

No longo caminho da humanização refere-se que a descoberta do fogo terá sido o maior dos inventos humanos, não sendo difícil aportar razões que suportam tal tese. Porém, prefiro sustentar que a maior invenção do homem foi Deus  ou os deuses e que sem tal descoberta jamais o homem se inventaria a si mesmo. As mais belas histórias do homem, aquelas que dão sentido à sua história, são em todas as civilizações histórias dos deuses. 

Por isso, olhamos para a Vila e os monumentos mais importantes e abundantes são os religiosos desde cruzes,cruzeiros e alminhas a capelas e Igrejas. Sejamos mais ou menos praticantes, do que não restam dúvidas é que a nossa matriz cultural é uma matriz cristã. 

Num país cada vez mais reduzido a uma estreita faixa ao longo do mar, com um interior cada vez mais de ninguém, onde por falta de uma polítiva clarividente há cada vez menos economia, menos pessoas  levando ao fecho de escolas, de centros de saúde, de estações de correio, de postos da GNR, conforta-nos ver a atitude da Igreja, apesar da exiguidade de recursos, a manter os serviços litúrgicos mínimos, a abrir as portas das Igejas pelo menos ao domingo. Independentemente das questões de fé, todos temos que reconhecer a importância da presença da Igreja. Quando, às vezes, na missa de domingo conto o número de pessoas e chego às vinte, lembro-me da passagem do Evangelho que diz «onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, eu etarei entre eles».  

Vilar Maior tem a sorte de ter um pároco jovem empenhado na evangelização e na promoção ativa dos valores humanos, que se interessa pelas pessoas, pela cultura e pelo povo de Vilar Maior como é bom exemplo a Representação da Paixão de Cristo que se realizou pela segunda vez. 

Por tudo isto, me chocou saber que o total da Côngrua da Vila para o pároco não ultrapassou os quinhentos euros, em 2013, a mais baixa (muito mais baixa) de todas de todas as freguesias que assiste. Alguma coisa não bate certo, mas penso que os homens de boa vontade da vila estarão de acordo em reverter esta situação. 

Porque quando a Igreja de Vilar Maior tiver encerrado, teremos encerrado Vilar Maior.

publicado por julmar às 11:09
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 11 de Julho de 2014

Cão como nós

Displaying foto.JPG

Fui hoje à minha consulta anual à senhora Dra Veterinária que me faz sempre uma grande festa:

- Olá Czar, como estás?

Depois os procedimentos profissionais: Peso 28 Kg, igual ao ano anterior; Verificação do estado de dentes e boca, ouvidos, olhos, apalpação, oscultação e uma pica.

Desta vez tive direito a cortar unhas, coisa que me arrelia e que não fora o patrão convencer-me jamais lho permitiria. Como me portei bem deu-me um biscoito. Diz que estou muito bem com os treze anos de idade, mas que a idade não perdoa. Saí vaidoso com os elogios recebidos e não lhe disse mas pensei-o, à maneira de cão: Cá starei para o ano.

 

publicado por julmar às 11:18
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 10 de Julho de 2014

Do lado de lá, do lado de cá o mesmo destino

 

No facebook de Vilar Maior o Vítor Gonçalves publicou em: https://www.youtube.com/watch?v=FzKHddELD4U
uma reportagem interessante sobre Alamedilla: Campaña Aquarius: Gente que necessita pueblos y pueblos que necessitan gente
Fui lá faz um ano numa caminhada organizada por Badamalos. Alamedilla era nos anos sessenta do século passado um dos locais, a par dos comércios da Vila e dos mercados de Miuzela e Alfaiates, onde se faziam as compras.A pé ou de burro (mais tarde de bicicletas), numa viagem de três horas para cada lado, ali fui comprar sandálias, pana para calças, azeite e, claro, trigo. Trigo que o de Portugal era pão. Por fim, comprava-se uma garrafa de gasosa com que nos deliciávamos pelo caminho. Os comércios - do Julio, da Teresa, do Emílio, do Paco - tinham um cheiro tão especial que ainda hoje guardo em memória. Entrávamos no comércio da Teresa e tratáva-nos como se fossemos da família. Na padaria do Jorge, ouvia-lhe as blafêmias num rosário pegado com que, ouvidos de menino, me arrepiava ao convocar Deus, sua mãe,anjos e santos do paraíso, começando sempre num me cago en la leche. Jorge, sem o saber, tentava derrubar muros com que a política, a religião, o poder nos cercava a todos. O que nos cansava era subir as barreiras das Batocas. As outras, as que separavam o Céu do Inferno, a raia que separava Portugal de Espanha guardada por fiscais e carabineiros eram as que nos faziam andar com o credo na boca e com o cu às fugas. Era um tempo de medo que os contrabandistas se encarregavam de desafiar durante a noite. De dia, a ti Pinta, a Rosa, o ti Diogo, mais os sem nome vindos do lado da Miuzela jogavam com a complacência dos guardas da fronteira.
À Alamedilla íamos à cata de alimento, de calçado, de roupa e do Praticante para aliviar uma dor de dentes. E visitar o Jorge.
publicado por julmar às 16:21
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
14
16
18
19

20
24
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. III Feira de Talentos - A...

. Personagens marcantes do ...

. Feira de Talentos - Da pr...

. III Feira de Talentos - ...

. Requiescat in pace - Man...

. III Feira de Talentos - V...

. Requiescat in pace

. O trabalhador é digno do ...

. Cão como nós

. Do lado de lá, do lado de...

.arquivos

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds