Domingo, 21 de Dezembro de 2014

Concerto de natal, não falte

concerto de natal.jpg

 

publicado por julmar às 17:44
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 20 de Dezembro de 2014

Parabéns a Você

1a A.JPG

 

 Parte1

António Seixas

Sou António Cerdeira Seixas e cheguei à Vila no dia 20 de Dezembro de 1924, faz hoje 90 anos. Nenhum de vós tinha ainda chegado, salvo o meu primo Fernando que chegara há dois anos. Em 90 anos o mundo e a vila mudaram muito e a minha vida também. Quando cheguei não havia estrada, não havia eletricidade, não havia televisão nem rádio, não havia telefone.

Apesar de tudo, cheguei.

No ano em que cheguei, acabavam de construir um cemitério novo com a pedra de uma igreja muito antiga, a Igreja de Nossa senhora do Castelo; nesse mesmo ano, três meses antes de eu chegar tinham inaugurado a Capela de Nosso Senhor dos Aflitos, pois, à capelinha acrescentaram o corpo, feito com pedra de uma igreja muito antiga a Igreja do Espírito Santo. Nem uma cruz, em pedra, deixaram a testemunhar o sagrado lugar.

Apesar de tudo cheguei

No ano em que cheguei, mais de metade dos que chegaram, morreram passados poucos dias, meses ou anos. A vila era uma fábrica de anjos. Não havia, por perto, farmácias, hospitais, médicos, ou Segurança Social. O pão era negro e escasso.

Apesar de tudo sobrevivi.

Durante estes 90 anos muitos chegaram, muitos partiram. 

Ainda aqui estou convosco, enquanto Deus quiser.

Todos nós temos a nossa história. A minha vai longa, é um livro com muitos capítulos, com muitas páginas e as infinitas linhas da minha vida cruzam-se com as vossas próprias linhas de sangue, de palavras e de obras. O privilégio de nascer na vila, de viver na vila, de morrer na vila é poder ter tantos parentes, ter tantos vizinhos, ter tantos amigos.

A minha mãe, que perdi antes de completar quatro anos de idade(16 de Abril de 1928), chamava-se Ana. Tinha três, irmãs: a Filomena (mãe da Leonor que casou com o meu irmão César); A Justina (a mãe do Xico Cunha); a Maria. Tinha dois irmãos o Francisco (1891-1965) e o Manuel (1891-1965). Todos filhos de José Cerdeira, pastor, e de Isabel dos Santos tornaram-se numa das famílias maiores da Vila que enquanto a emigração não chegou se cruzaram com os diversos ramos de outas famílias, por regra, da vila também: Com Monteiros, Cerdeiras, Caramelas, Silvas, Lavajos, Fonsecas, Proenças, Santos, Cunhas, Seixas, Pratas, Badanas. Por eles, para além da costela de Eva, terei uma costela galega, se verdade for que os Cerdeiras da Galiza aqui vieram parar.

O meu pai chamava-se José Seixas (1884-1948) era filho de João António Seixas, com a profissão de caiador, e de Ana Monteiro (1852-1917) que tiveram ainda, a Isabel e o Bernardo, gente de que só os mais velhos se lembram. Casou com a minha mãe no dia 5 de Fevereiro de 1916, ele coma idade de 32 anos e ela de 26 anos. Quando cheguei já tinha cá o irmão César  e a irmã Isabel. A Hermínia chegou e foi antes de mim. Depois mais uma Hermínia que chegou e foi depois de mim. Mais dois anjinhos a aumentar a corte celestial. Todos Cerdeiras de mãe e Seixas de pai.

A mãe morreu. Não me lembro. Meu pai precisava de mulher para ele e de mãe para os filhos, casando em Novembro de 1928 com Mercês Dias, de 27 anos, natural de Badamalos. Nasceu, então, a Maria, o Adriano e o João.

 A esse tempo não havia meninos, mas garotos; não havia educação mas instrução. Os pais davam a criação que, para além do sustento, significava tornar os filhos bem-mandados o que se fazia sempre à porrada. Os mal-mandados eram malcriados. A instrução primária na escola seguia o mesmo objetivo – ser bem-mandado – e seguia o mesmo método – porrada.

Devo confessar que ainda que me tenham aplicado o método com rigor, o objetivo ficava muito aquém, o que levava sempre a mais método, isto é, mais porrada.

Os anos passavam e, quase sempre, com mais pau e menos pão ia crescendo à pressa e pouco, o suficiente para aprender o essencial à vida, procurar o bem e fugir do mal, baseado em estratagemas e artimanhas, em safar-me desta que depois logo se vê. A artimanha era para os filhos do deus dará a mais necessária de todas as artes, a única mesmo que resultava na luta pela vida.

Mas, porque filho de peixe, sabe nadar, ainda que contrariado, lá ia com meu pai caiador chegar-lhe isto e chegar-lhe aquilo, fazer-lhe um recado a este e outro aquele, ir ao comércio comprar uns pregos caibrais, com umas lamparinas pelo meio, por mor de não fazer as coisas como lhe era dado. Foi assim que de garoto passei a rapaz e, mais, do que pensava, aprendi as regras do ofício de meu pai, mesmo as que eram segredo seu: a composição das cores. Sempre que chegava esse momento havia de arranjar maneira de que eu não visse e me afastasse do local e do momento. Umas vezes espreitei, outras vezes a D. Balbina minha protetora tomava nota para depois me transmitir as doses, sequências, jeitos e formas de confeção que faziam o milagre da cor, em mistura que resultava uma tinta inigualável.  Quem disto duvidar que dê um passeio pela Rua de Baixo e que atente nos beirais deteriorados, nas orlas de janelas a desfazerem- se, no reboco gasto pelo tempo a desprender-se … e lá está a cor como se imanente fosse aos materiais.

Era isto que o ti Zé Seixas temia, que alguém se botasse a fazer tintas como só ele fazia.

- Nem o meu Tonho algum dia o saberá!

 Dizia, em voz baixa, ao Zé Duarte, Sapateiro e ao Albino Linardo, Latoeiro, uma trindade cujo deus das horas vagas era baco, o único a que verdadeiramente adoravam naquele altar que era a taberna do senhor António Gata. Ali alongavam as horas como se o mundo e a vida passassem a uma dimensão transcendente e só ali encontrassem perguntas e respostas incomuns. O Albino dizia, solene, em parte adiantada do cerimonial:- É do vinho – digo-vos- é do vinho que virá a salvação da humanidade. Convicto da sua tese, resolveu proceder ao surribamento de terras e plantação de vinhas, tanto quanto o amealhar do ofício e a bondade da sua Zabel lho permitiam. E deleitava-se a fazer cântaros para medir e transportar o líquido salvífico e funis grandes para o enfiar em enormes tonéis. Sem vinho, nem verdade, nem salvação.  In vino veritas

Para o Zé Duarte era diferente. O mundo é o que é, mesmo quando o vinho o inspira, o mundo não deixa de ser o que é. O melhor que há a fazer é aceitá-lo e ajeitarmo-nos a ele. E numa filosofia feita de evidências não pensadas dizia que as imperfeições e as asperezas da vida é que são a razão de haver ofícios como o dele. E virando-se para o Linardo que era homem que vasculhava livros antigos e outros de sabedoria oculta, como o Livro dos Engimanços do S. Cipriano ,o questionou sobre como é que Adão e Eva podiam sair do paraíso para a terra, sem caminhos feitos, e sem calçado que os protegesse de espinhos e abrolhos. Não iriam muito longe, a menos que a terra ficasse logo ali ao virar da esquina.         

 

Deixados os éteres tabernis, baixado à realidade banal e brutal o que o meu pai temia era a concorrência, porque eu rapaz, para ganhar algum, fazia os ajustes mais baixos e, não me tendo instruído muito na escola, depressa a vida me ensinou a fazer contas sem prova dos nove mas com prova real. Claro que as minhas tintas não eram as tintas do ti Zé Seixas, mas quem se interessou pelas tintas do ti Zé Seixas senão ele mesmo? Estou em crer que meu pai era um artista capaz de perder tempo e dinheiro a fazer pintura para olhos que a não apreciavam. Há pinturas dele no côro da Igreja de S. Pedro, alguém repara nelas? A pintura do Escudo de Armas na parte inferior do coro, que eu lhe vi fazer, taparam-no, sem cerimónia, com o para-vento da porta principal. Meu pai, sim, era um artista. Um artistão, diria o Zé Vicente, uma alma cujo génio ficou encolhida no emaranhado das circunstâncias atrofiadoras do espírito criador.

Eu sou um artesão com gosto na obra bem feita, mas sem paciência para esperar por amanhãs longínquos. Impaciento-me se o caldo demora, se a fruta demora a amadurar. Por isso, porque o sol não tem pressa tanta vez me levantei antes dele. Sei que é preciso dar tempo ao tempo mas desgosto-me que assim tenha que ser. Talvez porque tive que me fazer à pressa: se ficava para trás ninguém me esperava, caída a noite ninguém me procurava, se não comia ninguém se ralava. Assim que pude libertei-me do mando do meu pai a quem servia a troco de quase nada, justando um reboco aqui, uma taipa ali, uma pintura acolá, tudo coisas de pequena monta mas que me permitiram dar cumprimento à maldição bíblica do “ganharás o pão com o suor do teu rosto” e ser dono de mim mesmo, pela primeira vez, o gozo de ter dinheiro, de poder dispor dele, de comprar um espelho e um pente, uma caneta de tinta permanente, um relógio, de comprar uns sapatos, uma navalha. Ou um lenço para oferecer à Ana. Sim, à Ana filha do amigo de meu pai, o Zé Duarte, o ti Zé Sapateiro.

A amizade descobri-a desde cedo na partilha da condição de outros garotos como eu, filhos do deus dará, que era o único que cuidava de nós. Na ausência do que de nosso pudéssemos partilhar, congeminávamos idas aos ninhos, subidas a sítios impossíveis, desafios de cuspir longe e de mijar alto, de atirar pedras mais longe, cada vez mais longe, de fazer uma barrela ao Pantaleão ou de atentar o tonto de Valongo. E, claro, mais do que ir ao rebusco, roubar fruta pelo prazer de roubar e pelo prazer da fruta. Nada que saiba tão bem como fruta roubada.

O amor é coisa mais complicada que a amizade. Não se sabe quando vem, não se sabe como chega: talvez seja uma chispa nascida de um cheiro, de uma cantiga atirada ao ar, ou, mais provável, de um olhar. Aceso o lume será, ora brando brasio ou labareda intensa, ou incêndio indomável reduzindo tudo a cinza. E a cinza pode parecer apenas cinza, mas, por vezes, há uma brasinha que restou escondida e que, acarinhada, reacende a chama do amor. As vidas longas, se são vidas vividas, passam por tudo.

publicado por julmar às 09:59
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014

Vale do CÔA

Por aqui encontrará as suas raizes...

http://granderotadocoa.pt/pt/o-vale-do-coa-vale-de-patrimonios/patrimonio-rural

publicado por julmar às 11:23
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 16 de Dezembro de 2014

Requiescat in Pace - Joaquim Lavajo

Lemos a notícia no Facebbok (Sara) do falecimento de Joaquim Lavajo, residente na Arrifana do Côa, estando há alguns anos no Lar do Soito. O Funeral realizar-se-á na 4º feira. 

Se os meus dados estiverem certos, Joaquim Lavajo era filho de Manuel Lavajo e Beatriz Cunha e nasceu no ano de 1924. Mais conhecido, por residir na Vila,, era António Lavajo seu irmão.

Do ti Joaquim, que todos os domingos vinha à Vila encontrar-se com Deus e com os amigos, guardo o rosto onde um sorriso tinha residência permanente, um tratamento amável, um queixume resignado das dores dos ossos e uma história de vida, feita de dificuldades, com a qual ele próprio se surpreendia. Hei-de, com tempo, encontrar uma fotografia tua, daquelas das procissões da festa do Senhor dos Aflitos, e postá-la-ei aqui, para que a tua memória perdure.

Aos familiares,  sentidas condolências.

publicado por julmar às 10:16
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2014

Dias curtos de Dezembro

DSC_0004.JPG

Dias pequenos de Dezembro. Daqui a meia hora será noite fria. Tudo prenuncia uma geada de se lhe tirar o chapéu.

publicado por julmar às 16:08
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2014

Parabéns a Você

DSC_0008.JPG

(Apanha da azeitona) 

A vila é, antes de mais, os lugares, as casas, as ruas, as terras, os rios, a paisagem que estavam antes e estarão depois. A vila  é as gentes que lá moram e que não deixam fechar as portas. Mas a vila é também o lugar das raízes de muita gente espalhada pelo mundo todo. Consoante suas vidas uns vão muito, outros pouco e outros só em pensamento e recordação. A Susana não lhe perdoa, sempre que pode põe-se a caminho. Parabéns à Susana que hoje faz anos.

publicado por julmar às 09:35
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2014

Ninfas do Cesarão

B2.jpg

 

Setembro, dia da Festa de Aldeia da Ribeira, finais da década de 60. O que elas se divertiam! 

publicado por julmar às 11:20
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

Árvores com história - As Cerejeiras

( de um poeta da Vila)

À curva das cerejeiras, o horizonte ermo, silencioso;

e ao longe, o recorte cinza das colinas.

O vermelho dos primeiros telhados assoma na paisagem.

As árvores e os lameiros descem a prumo sobre a ribeira,

onde as águas correm no açude fugidias...

Há séculos. Que mimoso quadro!

Há momentos assim que param o tempo…

É esta a memória que guardo

dos passos do meu avô a extinguirem-se à curva das cerejeiras

, nas áleas da minha infância...

O lume do cigarro de enrolar a morrer-lhe na mão e aquele

– Queres um cigarro meu anjo?

O ruído dos passos naquele dia,

apagou-se no ar com uma nuvem de pó...

No último instante um chapéu acenando:

- Adeus meu anjo!

Ele já não existe.

As cerejeiras, entretanto secaram.

Mas ainda vejo uma jaleca preta afastando-se no horizonte ermo, silencioso...

E um vulto apressado que acena:

- Adeus meu anjo!

Da curva das cerejeiras da minha infância, aceno-lhe também:

-Adeus avô!

publicado por julmar às 10:30
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Requiescat in pace - Henrique Silva Valério

Faleceu no dia 21 do corrente mês, no Hospital de Santa Maria (Lisboa), o nosso conterrâneo Henrique Valério Silva, filho de Manuel Alves Silva e de Elvira dos Santos Valério. Assim recebemos a notícia postada no grupo de Vilar Maior (Facebook), postada por Carlos Marques.

A Vila não morre apenas quando os residentes nela morrem mas sempre que parte um seu filho,  esteja onde estiver. O Henrique partiu para Lisboa pelos finais da década de 50 do século XX. Nessa época a Vila tinha gente a mais e recursos a menos. A exploração do minério que gerou trabalho de dia, na exploração, e de noite, no contrabando, aportou dinheiro para todos mas a muito poucos riqueza perdurável. Fechadas as portas da emigração, muitas famílias rumaram a outras terras do continente, sobretudo a Lisboa cuja periferia começaca a crescer. Antes que, a salto, começasse a saída para França, algumas famílias estabeleceram-se nos arredores de Lisboa. Foi assim que o Henrique, calculo que antes de terminar a escola primária, demandou Lisboa com a família. O Henrique,  quando vinha à Vila, na sua sociabilidade e simpatias naturais, gostava das pessoas e prontificava-se, com um saber fazer muito prático, a resolver um problema de uma fechadura que não  dava à volta ou a caturrice de um motor de rega que não havia jeito de pegar. Eu desconhecedor das artes mecânicas ficava de boca aberta com tais sucessos. Era assim o Henrique: os problemas da vida tinham solução.  

A todos os familiares as minhas condolências. 

publicado por julmar às 09:59
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

Árvores com História - A Moreira do Curral Grande e outras

amoras.jpg

De todas as árvores grandes da minha infância, a Moreira (não se trata de erro, não tinha o a inicial) do Curral Grande era mesmo muito grande: com um tronco não muito alto mas muito grosso, rodeado de umas pedras grandes que, deste modo, facilitava o arrupar-se até aos enormes braços que sucessivamente ramificados formavam uma copa enorme. Tudo ali era grande: a entrada sem portão, o curral, a amoreira e a velha casa, ao tempo abandonada, onde terá havido grande riqueza. De modo que, ainda que sendo propriedade privada estava assim como se de todos fosse. E a moreira de todos era no tempo das moras. Sobretudo dos garotos que aí supriam o açúcar que em casa mingava. E a minha avó Joaquina, numa idade em que já não podia, nem ficava bem ir por elas, dizia: -Ó Júlio, vai-me lá colher um pucarinho de moras! E lá vinha eu contente e pintado com a encomenda. Esta velhíssima árvore, talvez do tempo em que os reis quiseram o incremento da produção de seda e incentivaram a sericultura mandando cuidar do seu principal obreiro o bicho da seda .

DSC_0084.JPG

Existe ainda um conjunto de amoreiras no Chão da Ponte que devem ser muito antigas e acabaram na toponímia da rua onde moram: As Amoreirinhas. Rua que em tempos era rua principal de acesso à cidadela a quem vinha de leste. Uma outra, recente, que os meus olhos viram crescer, encontra-se, em propriedade que foi de José Fonseca (Laranja) e que se implantou na paisagem onde outrora foi sítio de uma atalaia. Mas a paisagem muda.

publicado por julmar às 17:41
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
18
19

22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Concerto de natal, não fa...

. Parabéns a Você

. Vale do CÔA

. Requiescat in Pace - Joa...

. Dias curtos de Dezembro

. Parabéns a Você

. Ninfas do Cesarão

. Árvores com história - As...

. Requiescat in pace - Henr...

. Árvores com História - A ...

.arquivos

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds