Domingo, 26 de Abril de 2009

Onde Fica ... o monumento

 

publicado por julmar às 23:05
link do post | comentar | favorito
|
14 comentários:
De O Ignorante a 26 de Abril de 2009 às 23:32
Já ouvi falar em imagens a três dimensões. Mas também existem a quatro? Será o caso desta?
Não obstante toda a minha ignorância, aí vai o meu palpite. Parece-me a arrecadação dos foguetes sita em Vilar Maior.


De V.M a 26 de Abril de 2009 às 23:48
Em cheio. É mesmo a casa do fogo de Vilar Maior (nem o zoom consegue tirar essa duvida)


De O Ignorante a 27 de Abril de 2009 às 20:39
Normalmente, um achaque nunca vem só; É que eu, para além de ignorante, também sou céptico. Por isso não garantindo nada, matenho o meu mero palpite.


De agent-provocateur a 27 de Abril de 2009 às 20:46
É a sala de sauna do resort&spa de vilar maior!
Verdadeira jóia ArtDeco (assinada pelo próprio Alfred Mucha) - é o que consta no Guia do American Express "Vilar Maior e a região de Riba-Côa".
Mais uma atracção turística da antiga urbe.
Não admira que os indígenas das terriolas à volta se roam de inveja.
Pudera!
Com tais monumentos!


De O bairrista a 27 de Abril de 2009 às 21:52
Pois que se trata da casa dos foguetes não tenho dúvidas. Pena é que ja não sirva para o fim que foi feita. Infelizmente parece que as festas já não precisam de foguetes, já não há o brio que havia antigamente. Uma festa rija era uma festa que tinha muitos foguetes e dos fortes. ´Também já não há infelizmente a rivalidade com as terras vizinhas, sobretudo Aldeia da Ribeira. Ficou tudo muito amaricado e com o medo das canas até arranjaram uma coisa que se chamam balonas. É uma tristeza.


De Katekero a 27 de Abril de 2009 às 22:49
Festa rija é que tem muitos foguetes? E o que me diz a uma boa dose de fogo de artifício? Não há brio nem rivalidade com terras vizinhas? è uma tristeza? Vejo que não sabe qual a dor e o sofrimento por ter perdido um ente querido num estúpido desastre com foguetes. Essa ideia megalómana e peregrina por muitos foguetes é que é, para alem de estúpida, uma verdadeira tristeza. A ser a construção que dizem, só pecou por tardia. Como sempre e com razão, lá diz o ditado; Depois de casa roubada...


De O bairrista a 27 de Abril de 2009 às 23:19
Pois estou de acordo que esta magnífica (ainda que simples) construção pecou por tardia, pois teria evitado a tragédia que se deu. Mas lá que os foguetes muitos foguetes e fortes fazem uma grande festa, lá isso fazem. Ainda bem que concorda comigo.


De O Ignorante a 28 de Abril de 2009 às 08:52
AMÉN !!!


De "O Canivete" a 28 de Abril de 2009 às 14:42
Sem dúvida que uma boa sessão de fogo de artifício à meia-noite é um belíssimo espectáculo e varia um pouco o programa, fazendo uma interrupção no baile que recomeça depois. Se esse espectáculo suceder junto das escolas, propicía aos habitantes da Bismúla um evento para o qual não precisaram de pagar bilhete (espera aí que já levas a resposta!!! ahahaha ...). Quanto ao foguetório propriamente dito, convenhamos que mudam-se os tempos (mudam-se as vontades...), mudam-se as mentalidades e neste caso acho que para melhor. O gerador já não é preciso com toda a chinfrineira para produzir energia para as lâmpadas, o entusiasmo da subida do balão foi esquecido para bem de todos na medida em que a finalidade é de preservar os bens de todos ou de cada um em particular. A alegria essa sim pode e deve continuar e usem-se todos os ingredientes mais díspares para isso, desde que em liberdade para todos (liberdade na verdadeira acepção da palavra ).


De VM4ever a 28 de Abril de 2009 às 09:42
Mais uma infiltração aqui do indígena. É que uma festa com tal relevo como a nossa, tens esta instalações...


De VM4ever a 28 de Abril de 2009 às 20:09
correcção: (...) tem estas instalações(...)


De V. G. a 28 de Abril de 2009 às 20:23
Duas coisas indicam fraqueza: Calar-se quando e preciso falar e falar quando e preciso calar-se.


De Sergio a 30 de Abril de 2009 às 11:52
Vao-me talvez 'queimar' por dizer o que se segue, mas quero acreditar que talvez tantas outras vozes, silenciosas, concordariam.
E digo-o, quem sabe, por ser de uma geracao que vive as Festas de Vilar Maior sem ter la' nascido e sem nunca ter la' vivido, mas que todavia se sente em casa sempre que regressa. Ca' vai:

Nao e' ja' tempo de nao se gastar dinheiro em explosivos? Dinheiro que se vai num instante, que se vai num 'bang', que apenas oferece literal fogo de vista, e ja' nos ofereceu vitimas e fogos (nos quais, adolescente inconsciente, derreti as solas dos tenis, aos saltos no mato alem do campo da bola).

Nunca percebi o fascinio dos foguetes, mesmo que perceba o quanto tem sido parte integral da festa. E nao e' so' porque me acordavam irritado nas manhas de festa em que queria era dormir - miudo mandriao que era - mas tambem porque nao lhes percebo a piada, o perigo, o fulgor fatuo. Talvez tambem me escape um significado mais profundo, historico ou cultural, mas gosto de pensar que de muito mais se fazem as festas, e que se passava melhor sem explosivos. Nao?

Cumprimentos e parabens pelo blog.

[escrevo num teclado sem acentos]


De Velhote a 30 de Abril de 2009 às 12:00
Apesar de pertencer aos mais velhos, acho que há que mudar mentalidades.....plenamente de acordo com este comentário.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Lendas de Portugal

. Requiescat in Pace, Ana D...

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds