Segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2011

Verbos de que se faz o pão

 

 

Para mim o pão ainda faz parte de todas as refeições. Na vila da minha infância ele era o elemento essencial que sustentava a vida de todos. Ele era inteiramente produzido ali.

O desafio é identificar todos os verbos (operaões) até chegar à mesa.

Começando: Decruar, estravessar.


 

publicado por julmar às 22:26
link do post | comentar | favorito
|
12 comentários:
De Jarmeleiro a 1 de Março de 2011 às 15:04
Eu lá irei assim que acabar de aricar a tapada de pão que samei em Outubro passado. Como o tempo vai de feição, é zumba e dar-lhe. Ora, mas estando eu a mangar com a aricadela do pão, cousas há que as digo a sério.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Eu lá irei assim que acabar de aricar a tapada de pão que samei em Outubro passado. Como o tempo vai de feição, é zumba e dar-lhe. Ora, mas estando eu a mangar com a aricadela do pão, cousas há que as digo a sério. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Munto</A> bôa tarde.


De Jarmeleiro a 1 de Março de 2011 às 15:11
Mas que grande marranada que aí ficou o meu comentário. Pior do que andar àricar o pão a chover.


De Arraiana a 1 de Março de 2011 às 17:35
Que bela "fatiga de pão que eu comia!
Adoro pão, mas não do pão de plástico que hoje as pessoas da cidade comem. Fico parva, não sou "parva" de ver pedir as pessoas na padaria
- Quero pão , mas branquinho (só plástico).
Se comessem pão feito pela minha mãe.... Bem vamos ao assunto sugerido pelo director do blog.
Semear, frezar, ceifar,malhar,espalhar, levantar,ensacar,guardar,moer, peneirar ,amassar, cozer e comer, e...


De Contrabandista a 1 de Março de 2011 às 20:55
Bom era o centeio, cozido no forno comunitário e que tinha que durar 15 dias, duro, azedo, que hoje ninguém comeria.
Bom meio de transporte era o burro.
Boa água era a que se ia buscar à fonte de mergulho.
Boa era a carne de badana com varejeiras.
Bom colchão era o de folhelho, com nós a massajar as costas.
E por aí fora.
O pão da gravura tem cara de ser de "plástico".


De O Ilustrado a 1 de Março de 2011 às 21:34
Olha frezar! Isso foi depois de virem os tractores!


De Vila a 2 de Março de 2011 às 00:01
E +: fintar, tender, torrar no lume e passar-lhe um dente de alho cru ou um bocado de toucinho ficando uma torrada saborosa quer a saber a alho (remédio para a ascaridíase-mal das bichas-) ou a sabar´`a carne gorda ou entremeada.
Não do tal pão plástico mas sim umas fatigas daquele escuro, genuíno. Cozia-se um taboleiro e dava para quinze dias, dependendo dos do número de bocas em casa.


De Jarmeleiro a 1 de Março de 2011 às 22:19
Ora, como a torna era comprida e todo dia rêgo acima rêgo abaixo, foi chegar a casa deitar uma facha de feno às vacas, cear e cama, porque o corpo não é de ferro e amanhê é outro dia. A Maria, essa é que coitada; lá ficou ao lume de roca na mão, à luz da candeia, a fiar mais umas massarocas de linho. Há que aproveitar agora que as noutes são grandes.
Munto bôa noute a todos.


De Manuel Leal Freire a 2 de Março de 2011 às 17:56
proverbios
a quem tende e amassa,tudo se lhe passas
carne de hoje,pão de ontem,vinhol do outro verao
pão com olhos, queijo sem olhos e vinho que salte aos olhos
com fome não há ruim pao
eu sou o trigo e vou ás festas
eu sou a praganuda que acudo ás pressas
eu,centeio não me gabo,nem deixo de me gabar
mas quem me não comer,poco forte ha~de andar


De O Ilustrado a 2 de Março de 2011 às 20:56
O que todos temos aprender com o Dr Leal!
Bemvindo ao clube


De Jarmeleiro a 3 de Março de 2011 às 15:31
Tenho cá pra mim que essa tal preganuda, era a feia cevada, da qual todos faziam escárnio em tempos de abastança. Mas, vindo o mês de Maio e a custo se ajuntava o último alqueire de centeio meio perdido na arca para ser levado ao moinho, ai cevada, cevada! Que saborosas bôlas tu davas, enquanto não fossem feitas as malhas.
Munto bõa tarde a todos.


De Jarmeleiro a 3 de Março de 2011 às 01:36
PRIMEIRA PARTE


Aqueles que tal como eu amanharam as tapadas e samearam algumas fanegas de grão, sabem quantas voltas há que dar ao pão até chegar à mesa do rico, do pobre do rei, à Casa de Deus e até ao pai nosso, na passage do pão nosso de cada dia. E eu como muntos outros, até comemos o pão que o diabo amassou. Ora e por môr dele ser o alimento princepal em casa de cada um, é que reza o ditado; Casa onde não há pão todos ralham e nenhum tem razão. Mas indo agora às fainas do pão temos:
A decrua da terra, que era feita durante a Primavera nas tapadas onde em Julho se havia ceifado , rasgado-se aterra pelas gomas dos regos deixados da colheita anteroir. Faço aqui um àparte pra dezer que as terras de pão eram semeadas ano sim ano não pois ficavam um ano de poisio. Depois, pelos meses de Junho Julho fazia-se a estravessa, lavrando-se de atravesso os regos feitos na decrua, mas quando a torna era estreita lavrava-se de forma inviezada pra que as vacas, ou burros não virassem tantas vezes, já que isso era tempo perdido. lá por Novembro faziam-se as sementeiras e para isso era preciso gradear a terra desfazendo os regos deixados da estravessa. Aí era ver o lavrador montado na grade de madeira segurando-se com uma das mãos ao rabo de uma das vacas, aguilhada na outra mão, pra frente e pra trás até deixar a terra lisa e pronta pra receber a semente. Logo a seguir com um saco de estôpa ao ombro contendo o grão, ia retirando o mesmo repetidamente, de mão cheia e certeira lançando-o à terra por gestos ritmados e passadas certas, de maneira que as sementes ficassem destribuidas por igual, não fosse o pão nascer ralo ou aos mochões. O calibrador da saída da sementes era composto plo dedo polegar e plo indicador, conforme se abriam mais ou menos. Uma vez espalhada a semente era coberta com a abertura de novos rêgos, feitos no sentido contrário dos da estravessa. Pelo mês de Março o pão era aricado, serviço feito com arado de pau, de abecas curtas de maneira a lavrar alviando a terra do fundo do rego e sem apanhar a goma aonde iria crescer o o cereal . Este serviço tinha por fim matar ervas, dar algum barbeito à terra e desimpedir o rêgo pra evitar o estancamento das águas impedindo que o pão ficasse chôco e amarelado . Em Julho juntavam-se os ranchos de ceifeiros e enquanto ceifavam as louras cearas lançavam cantigas ao vento e d'algumas inda me lembro bem. Finda a ceifa, em cada tapada os molhos eram juntos por todos e enrolheirados, por quem sabia, de modo que as espigas ficassem protegidas pela palha, por môr dos animais não as comerem e tamém pra não se molharem caso viesse alguma trevoada. E o tempo da malha estava logo ali a chegar, pois como dezia o ditado, quem malha em Agosto malha com desgosto. Mas o pão só podia ser malhado na eira e pra isso era preciso acarranjá-lo, o que se fazia nos carros das vacas com aqueles estadulhos especiais, altos lisos e luzidios. E não fosse a demora, até esplicava aqui a maneira complicada como a carrada dos molhos era feita travando-se uns aos outros. Fica pra outra vêz. Trazido para a eira carro carro, os molhos eram empihados na méda que tamém não era feita à toa, mas segundo certas regras. Depois, era a malha que quando feita a mangual, era cousa digna de se ver. Mas esse e o resto dos passos do pão, fica pra mais logo, porque a hora já vai adiantada.
Munto bôa noute a todos.


De Trovador a 3 de Março de 2011 às 09:29
Temos homem. Gostei muito de ler o que escreveu e fico à espera do que ainda tem para nos dizer sobre tão interessante tema, no qual muitas pessoas desta região se poderão rever, principalmente as menos novas.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds