Segunda-feira, 6 de Junho de 2011

As Hortas da Ribeira

Agora que o mundo - Vilar Maior - regressou à normalidade, sem inversões, falemos das Hortas da Ribeira.

Descemos pelos cabeços, tapadas, vinhas, lameiros até às margens da ribeira que as mãos dos homens pedreiros obrigaram a seguir o seu estreito curso. Das aluviões vindas dos altos se foi formando o húmus propício às culturas de regadio. Deixemos as vêgas ou veigas para outra ocasião. As hortas da Ribeira começavam às poldras das Eiras e, de uma margem e de outra vinham até à ponte. A maior parte das famílias tinha aqui a sua horta, às vezes apenas uma leira de três ou quatro passos de largo. Cavadas à enxada que nelas não cabia a junta de vacas. Uma burra para tirar água. Ali se abastecia a dona de casa de leguems e hortaliças com abastança: Os pimentos e as tomatas, as cenouras e as cebolas, as alfácias e as terrábias, as abóbras meninas e as porqueiras, os melões casca de carvalhoe as melancias, mais a leira do feijão de estaca, ervas aromáticas e tudo o  a dona de casa precisava para uma mesa farta.

Este ainda era o tempo que o homem comia o que produzia.

 

publicado por julmar às 15:12
link do post | comentar | favorito
|
12 comentários:
De VM a 6 de Junho de 2011 às 23:10
Fotografia bem antiga.
Ain da se vê a ruralidade dos terrenos em torno da ribeira (muitos lavrados) que agora estão abandonados e cheios de silvas. Também ainda não se visualiza o posto de bombagem do saneamento.


De Carlos gGata a 3 de Fevereiro de 2016 às 05:06
Esta fotografia deve ter (tem, de certeza ,autor).
Penso que esta fotografia foi tirada por mim ,de um dos sinos da torre, e que fez parte de um conjunto de postais-os primeiros que, se bem me lembro, foram editados , a cores, com motivos da nossa Vila.
Portanto esta fotografia tem história e foi por mim selecionada para fazer partes do referido conjunto de postais que foram (também) vendidos no nosso (já saudoso) comercio e tudo isto se passou no ambiente da realização de uma festa do Senhor dos Aflitos,a qual com esta iniciativa (minha e da mordomia ? da festa desse ano)deverá ter sido ainda mais interessante.A coleção de postais foi feita num atelier fotográfico em Campo de Ourique, Lisboa, por um senhor que me recordo ser de Aldeia da Ponte, mas de quem já não lembro o nome.Os postais correram ,algum mundo na altura e relembram-nos o Vilar Maior dos principios da década de oitenta;talvez a última decada do século XX em que a Vida( vivida) na Vila ainda tecia as suas complexas malhas em que dependiamos uns dos outros e todos da Mãe Natureza , dos seus ritmos e do muito trabalho do Homem.
(No caso de ter produzido alguma afirmação errada em relação à foto peço desde já desculpa.) Carlos


De santos a 7 de Junho de 2011 às 07:33
cette photo date d'une 30 ene d'années car la petite chapelle juste apret le pont n'est pas encore restoré


De Lince a 8 de Junho de 2011 às 00:08
Très bien observer monsieur(?) Santos.


De Graminês a 7 de Junho de 2011 às 09:01
Abastança?
Então porque emigraram todos, ou quase?
Gostei do comentário em françoguês.


De Fiel ao Sr. "Leal" a 9 de Junho de 2011 às 12:05
Pela qualidade do comentário, este deve ter tido origem na vinha onde o graminês se fez vinho. Só pode... Faça-me o rico favor...


De O ilustrado a 7 de Junho de 2011 às 12:44
Abastança, claro! Abastança do que havia: frescura dos alimentos que não se encontrará mais; fartura de todos os produtos mencionados; já viu o regresso da horta depois da rega o baldo de regar cheio de tomatas e pimentos?! Então isso não era abastança?


De O Costa do Castelo a 7 de Junho de 2011 às 23:39
Para quando uma Junta de Freguesia que se encha de brio e lute pela restauração da dignidade e beleza da ponte como se vê na foto ?
Para quando a retirada de todo aquele entulho encostado à ponte que a foto antiga não mostra mas que faz chorar o coração de qualquer Vilarmaiorense que agora por ali passe ?
Toca a defender o nosso património com actos efectivos e não meras intensões e lamúrias !


De lince a 8 de Junho de 2011 às 00:13
Quando as casas são começadas pelo telhado!!!


De manuel leal freire a 12 de Junho de 2011 às 12:45
AS HORTAS,PARA ALÉM DE PROPICIAREM UM FORTE CONTRIBUTO PARA O DIA A DIA DA ALIMENTAÇAO DO INCOLA,VALIAM AINDA COMO MEIO DE REFORÇO MONETARIO DO ORÇAMENTO FAMILIAR,NORMALMENTE ESCASSO ANTES DA EMUGRAÇAO E PARA A OBTENÇAO,POR TROCA,DE PRODUTOS QUE O LIMITE NÃO PRODUZIA OU SÓ ESCASSAMENTE SE COLHIAM.
AS POVOAÇOES DA RAIA.SUL,NOMEADAMENTE O SOITO,~ENTREGUES Á MONOCULTURA--TRIGO,BATATAS,CASTANHA,UMA PECUARIA INTENSIVA-NÃO SE DEDICAVAM ÁS HORTAS.
MEU PAI,QUE,DURANTE VÁRIOS ANOS,ESTANCIOU COMO SOLDADO DA GUARDA-FISCAL NO POSTO DE ALDEIA DA PONTE E DEPOIS,FRUTO DUMA PEQUENA PROMOÇAO,PEREGRINOU UM POUCO POR TODO O LIMES FRONTEIRIÇO E SABUGAL E ALMEIDA CONTAVA QUE FOI A PRIMEIRA PESSOA A CULTIVAR POIMENTOS,TOMATE E DEBOLA E A FAZER ALFOBRES EM VARIAS ALDEIAS DA RAIA.
NO FIM DO VERAO,CHEGAVAM AOS POVOADOS CASTELHANOS,GRANDES CARREGAMENTS DE PIMENTOS QUE VINHAM PARA PORTUGAL ,ONDE AS PESSIAS OS CURTIAM EM VINAGRE.
MAS DURANTE A SAZAO,DESDE AS PRIMICIAS AÉ Ã PLETORA ESPANHOLA ERA vilar maior a grande fornecedora daqueles e doutros mimos.
POR VENDA A DINHEIRO,OU TROCA POR CASTANHAM,
TRIGO OU BATATAS,NOMEADAMENTE DE SEMENTE
BENDIGAMOS,POIS,AS HORTAS


De MANUEL LEAL FREIRE a 12 de Junho de 2011 às 13:09
UM SONETO DE CESARIO VERDE QUE PODIA RETRATAR VILAR MAIOR DOS MEUS VERDES ANOS,QUANDO NA VILA HAVIA BURGUESAS QUE FAZIAMK PIQUENIQUES E NOS CAMPOS SE SEMEAVAM GRAVANÇOS,CULTURA SACHADA NA MANHÃO DO DIA DE SAO MARCAS,LEMBRAVA A MAE DA DONA LEONOR,VIUVA DO SAUDOSO CABO SEIXAS

NAQUELE PIQUENIQUE DE BURGUESAS
HOUVE UMA COISA SIMPLESMENTE BELA
E QUE SEM TER ALARDES DEBGRANDEZA
EM TODO O CASO DAVA UMA AGUARELA.

FOI QUANDO TU,DESCEBDO DO BURRICO,
FOSTE COLHER SEM IMPOSTURAS TOLAS
A UM GRAZOAL AZUL DE GRAO DE BICO
UM RAMALHETE RUBRO DE PAPOILA

POUCO DEPOIS,EM CIMA DUM PENHASCO,
NÓS ACAMPÃMOS,INDA O SOL SE VIA
E HOUVE TALHADAS DE MELÃO,DAMASCOS
E PAO DE LÓ MOLHADO EM MALVASIA

MAS TODO GLABRO,A SAIR DA RENDA
DO TEU SEIO..COMO DUAS ROLAS
ERA O SUPREMO ENCANTO DA MERENDA
O RAMALHETE RUBRO DE PAPOILAS


NÃO GARANTO QUE O POEMA,FALSAMENTE UM SONETTO,SEJA ASSIM TAL QUAL,POIS JÁ O NAO LEIO HÁ MAIS DE MEIO SECULO.
MAS QUE PODIA TER ACONTECIDO A CENA NO VILAR MAIOR DA MINHA JUVENYTUDE ISSO PODIA

NÃO ESCASSEAVAM MOÇLOILAS NEM PAPOILAS,NEM DAMASCOS NEM OENHASOS...


De 3vairado a 12 de Junho de 2011 às 22:40
a relação dos da vila com os pimentos não passou despercebido aos outros povos. no meu diz-se, de alguém que gosta muito de pimentos, que é como os da vila. também se comentava que os levavam curtidos para a frança, como um produto valioso, uma espécie de pimenta tardia.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
29

30
31


.posts recentes

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds