Terça-feira, 14 de Junho de 2011

Pst, pst ... ouça, ouça!

Formas apelativas, formas de expressar admiração, formas de saudação vincadamente individuais ou de grupos, ou do povo em geral.

Advinhe quem assim, na vila, chamava pelas pessoas: «Pst, pst ... ouça, ouça»

publicado por julmar às 12:06
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De Jarmeleiro a 14 de Junho de 2011 às 15:40
Ora ela!!! Esta está munto bem alembrada. Mas quem assim chamava, punha nisso um tom que só ouvido pois escrito não se pode intender nem esplicar. Trata-se de um home que não nasceu na Vila, mas que lá fez obra como poucos ou nenhuns. Dizem que ali chegou sem vintém, montado numa burra branca vindo dos lados de Castelo Branco, (como Branco ele era de nome) mas desposou alguém que os do lugar não tiveram manha ou arte pra tanto. E despois; depois numa parceria com o sócio da Guarda, compraram o Vale de Bôlos e todo o correr dos Labaços até ao Regatos (parte do Casal dos Pessanhas), onde estava o grande filão do minério. A partir daí ninguém mais teve mão nele. Foi o revoltiar da terra desde as Moitas, passando plos Labaços, Lameiro do Salgueiro, Canjeira, Tapada das Igreijas, até aos Regatos. Tudo esmifrado até ao tutano à précura do precioso metal, dando o jornal a ganhar aos que terras não tinham mas lhes sobrava a vontade de trabalhar. Mas despois... despois, cheio de rópia, vieram as invejas e por môr disso, chamavam-lhe denomes; uma alcunha que ficou prá história de toda a raia de ribacôa e arredores . Mas ele, na sua de quem pensa que em terra de cegos quem tem um olho é rei, não se incomodava nada. Cá pra mim, foi uma pessoa que marcou uma época em Vilar Maior.


De Lince a 14 de Junho de 2011 às 19:18
Depois de longa ausência, é de saudar o regresso de Jarmeleiro a este espaço, o qual, em abono da verdade tem andado um tanto esmorecido. E um regresso ao seu melhor nível. Esta forma aparentemente ingénua mas ao mesmo tempo sábia de dizer quem é o personagem do "ouça, ouça, pst, pst ", é de mestre. Com o seu contributo fiquei a saber de quem se trata.


De Pirilampo a 14 de Junho de 2011 às 22:06
Muitas vezes em pleno "cimento", para dar dois tostões a um garoto que lhe fosse buscar as vacas, tirava do bolso grosso maço de notas (quem as via nessa altura?!), para que toda a gente visse o que raramente viam em suas mãos de pobres.


De Lince a 16 de Junho de 2011 às 16:05
E terá sido por causa dessa "cagança " toda, que lhe puseram o tal denomes (alcunha) a que se refere Jarmeleiro . Não digam é que o homem foi um triste, até na morte, pois viveu a vida como poucos; Quem assim fala, por certo não o conheceu. Boavida (ai o que eu disse) como a dele ningém passou na Vila. Colhia centeio, batatatas, feijão, feno e até vinho (para não falar da exploração do volfrâmio), como poucos; tinha vacas, ovellhas, cavalos; mas não sabia destiguir um arado de uma charrua, ou um sacho de uma enxada. Teve uma prole de filhos (e...???) considerável, dos quais nenhum (?) ficou sem estudos; Como se isto não bastasse, rezam as crónicas que era decendente de... fidalgos. E sendo verdade que dizem ter chegado à Vila sem "cheta", tambem consta que já antes teria derretido uma pequena fortuna dos pais. Por isso, eu digo que o homem foi, o que se pode chamar " un bon vivant".


De Vilão a 14 de Junho de 2011 às 22:10
É pena que os herdeiros do Sr. Pst, pst ... ouça, ouça,.. não tenham seguido o seu exemplo na luta pelo desenvolvimento de Vilar Maior.
O Vilão


De VM a 14 de Junho de 2011 às 22:33
Também não estou a ver de que lhe possa ter adiantado. Morreu como todos outros (calhando de pior maneira) e o dinheiro que tanto amealhou se evaporou pelos seu herdeiros, que pouco significado lhe deram. "Era a chamada riqueza triste"


De Hudson a 14 de Junho de 2011 às 23:35
Quer dizer, então, que naqueles tempos (e nos dias que correm), bom mesmo era (é) a pobreza alegre. Foi das pessoas que, na vila, mais jornas pagou a quem precisava de as ganhar. Estranha, no mínimo, a sua filosofia de vida; como todos morremos, há que morrer pobre e quem cá fica que o ganhe. Ao invés, a minha é: morra homem fique fama.


De Hudsom a 14 de Junho de 2011 às 23:06
Dos primeiros, se não o primeiro, a ter automóvel próprio em Vilar Maior. E não poucas vezes teve que puxar do maço de notas para dar um cruzado aos garotos para servirem de motor de arranque da espada, quando a manivela não sortia efeito. Metiam-se a empurrar pela quelha do Poço do Açougue abaixo até à ponte. Como mais das vezes os cavalos do motor não davam sinal de si, lá tinha que mandar jungir a junta de vacas ao ti Zé Rocha, para o fazer regressa à garagem. É que a subir, não havia força de garotos que chegasse, tamanho era o peso do monstro.


De O Regedor a 15 de Junho de 2011 às 10:24
ahahhahah.... recordo-me bem do Sr. Fernando....


De Hudson a 15 de Junho de 2011 às 19:49
Lá diz o ditado antigo! Há muitas marias na terra... e fernados tambem. Chame-lhe DENOMES como diz o Jarmeleiro e todos ficarão a saber a que fernando se refere.


De Pirilampo a 15 de Junho de 2011 às 23:21
Cada qual, sabe da sua vida. Que dá que pensar quando se olha aquela casa com o telhado numa decadência acelerada, lá isso dá.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds