Segunda-feira, 30 de Outubro de 2006

Trabalhos

00013xw9

No Outono sachando as nabiças. Só a gente da 3ªidade vai cultivando os campos. Depois deles, como será?

publicado por julmar às 19:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 29 de Outubro de 2006

O pão nosso - terra lavrada

00012s53

Em Agosto, garantiu-me o José Carlos Cerdeira e eu granti-lhe que ajudaria. haverá a festa do pão. Queremos lmostrar aos mais novos  e fazer recordar aos mais velhos como se processava esta actividade. Era uma cultura bienal. isto é a terra usada num ano ficava no seguinte de pousio. Antes dsa sementaira dava-se a primeira lavra (decruar) e depois uma segunda (estravessar). Pelo mês de Outubro fazia-se a sementeira. O lavrador atrelava agrade ao jugo das vacas punha-se em cima dela e alisava a terra. Depois pegava num saco de semente que com técnica específica pendurava do ombro e com a mão cheia de centeio em gesto largo projectava uniformemente a semente por toda a terra. Depois com o arado de relha temperada sulcava tera rego após rego até cobrir toda a semente. O lavrador primava em deixar regos direitos como se fossem feitos com régua e esquadro  e perfeita medição. Mas não era tudo a olho e à mão executado na perfeição. Nesta obra de arte ficava inscrita a marca do artista.

Na fotografia em cima, no sítio do serrado, contíguo ao Centro de Dia lá está a terra lavrada pronta a receber a semente. Quem sabe se em Janeiro o veremos verdegar?

publicado por julmar às 18:27
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Outubro de 2006

As árvores morrem de pé

0001010a

Todas as gigantescas cerejeiras que conheci, incluindo algumas a que subi para colher cerejas, desapareceram ou teimam e m continuar na sua imponência cadavérica a ver passar as estações do ano. É triste saber que a Primavera chegará e que continuará igual sem folhas, sem flor e sem fruto. Os campos ajardinados são uma memória, ainda. Qualquer dia nem isso. Tudo crescerá livremente de acordo com a lei da selva. Vencerão os mais fortes e os mais fortes quase nunca são os melhores. Olho a velha cerejeira e fico triste. 

publicado por julmar às 09:01
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 21 de Outubro de 2006

O que está mal

0000z018

Quem viajar na estrada fronteiriça no sentido Vilar Formoso - Sabugal, no sítio do Carril, antes dedo cruzamento para Aldeia da Ribeira e Vilar Maior depara com a fotografia que aqui apresentamos. E quem não conhecer pensa que se tratará do Castelo do Sabugal quando de facto se trata do Castelo de Vilar Maior. Trata-se de um completo abuso e usurpação. Por estas terras vão-se fazendo destas tropelias porque ninguém dá conta e se dá não reclama. O senhor presidente da junta de Vilar Maior alguma vez tinha reparado nisto? E se reparou tomou alguma diligência? Se aparece  o nome do concelho não deveria primeiro aparecer o nome de Vilar maior? 

publicado por julmar às 19:36
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Outubro de 2006

Estados do tempo

000029ck

Cincilro

Cinlcilro por aqui, que noutros lugares lhe chamam sincelo, é um dos fenómenos interessantes que é possível contemplar no Inverno quando em tempo não chuvoso e frio dia após dia a geada cai e se vai acumulando por vários dias. As árvores vestem-se de branco e vergam-se sobre o peso do gelo. Se num dia destes subir ao lugar das moitas poderá contemplar um dos mais belos espectáculos que a natureza pode oferecer.

 

publicado por julmar às 21:57
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Outubro de 2006

Nordestinas e Sabatinas

Vaz, Francisco Santos (2003) Nordestinas e Sabatinas, Crónicas ficcionadas do quotidiano aldeão, Sabugal, Edição do autor

 

Padre Francisco:

            Foi com satisfação e sem surpresa que recebi de minha mãe, «Nordestinas e Sabatinas», o livro que lhe mandou entregar-me. Sem surpresa porque várias vezes me interrogara por que ainda não havia reunido em livro crónicas dispersas que ao longo dos anos foi produzindo. Com satisfação e com emoção porque me apraz recordar alguém que positivamente fez viagem numa parte importante da minha vida e dela me ensinou sem querer ensinar. Iniciou a sua vida de pároco num tempo, num contexto e num espaço que partilhámos e com sonhos de uma vida boa que não queríamos só para nós. Em tempos difíceis em que as estradas eram de pó no Verão e de lama no Inverno e em que a escuridão das noites longas e escuras de Inverno eram cortadas pelo moderníssimo candeeiro a gás, que contrastava com as humildes candeias de petróleo ou os um pouco menos humildes candeeiros de igual combustível. O seu exíguo escritório era, então, para mim, nas férias que passava na aldeia um pequeno oásis: Para além, da conversa possível entre um adolescente progressivamente descrente na sua vocação sacerdotal  e um padre estreante nas lides paroquiais, havia a música em discos de vinil a quarenta e cinco ou trinta e três rotações (lembra-se do Zeca Afonso, do Adriano Correia de Oliveira, do Carlos Paredes - quem nos iria aí incomodar por ouvir essa música?-, do Jacques Brell, do Juan Manuel Serrat entre outros). Havia uma máquina de escrever com a ajuda da qual actualizou todo o registo paroquial e na qual escreveu muitas das crónicas que agora reúne em livro. Havia também os livros. De todos recordo, «Os Canhões de Navarone» a «Trilogia Perfeita» de Francisco Costa e, de um modo particular, «D. Camilo e o seu pequeno mundo». Sem aquela velha televisão alimentada por uma bateria, eu, e quantos conterrâneos como eu, não teria assistido ao mais extraordinário acontecimento do século XX – a chegada do homem à Lua!

Tinha havido o Vaticano II, e a Igreja vivia um momento de grande renovação da qual participava entendendo que não pode haver vida espiritual digna sem uma vida material decente. As suas homílias dominicais afirmavam-no das mais variadas formas, e nem sempre a verdade dita era politicamente correcta, como hoje soe dizer-se. Nem sempre a acção e o gesto tinham em conta o amadurecimento do tempo. Mas nós não somos de uma terra morna: quando é frio é frio e quando é calor é calor e com isso nos livramos da maldição evangélica dos que não são carne nem peixe. E ouvi ou li, que eu não era capaz de o inventar, que um homem para ser perfeito tem que ter pelo menos um defeito.

Já lá vão para cima de 30/40 anos. Longos anos para as nossas curtas vidas. E no entanto, sentimos hoje que tudo isso teve sentido e que as reclamações, queixas, reivindicações das suas crónicas tiveram cumprimento. Tinham que ter cumprimento mas era preciso gritar que éramos gente e como tal queríamos ser tratados.

Queria-lhe dizer também que soube semear, estimular, guiar, fazer crescer. Porque aos mais novos é necessário deixá-los experimentar, dar-lhe oportunidade: - Ó Júlio, faz um artigo para o «Arraiano», sobre a festa. E na verdade, foi a minha experiência na escrita publicada. A mim e a outros foi dizendo que era necessária uma associação. Deitámos mão à obra e a associação nasceu.

Se como as árvores crescemos, enraizamos, damos flores e damos frutos, considero que a sua palavra, dita e escrita, é flor e é fruto. Como flor alegra-nos no perfume e na cor do tempo da «aldeia da triste sina», da vida difícil de então, mas de uma vida cheia, de uma vida boa, ainda que não de boa vida; como fruto tomamos-lhe hoje o merecido sabor de ter mudado um pouco a sina de todos os que, como eu, viajámos no mesmo combóio e na mesma carruagem.

 

Júlio Marques

publicado por julmar às 15:16
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Outubro de 2006

Requies in pacem - Francisco Jacinto Fernandes

Fui a estrear a A26 que torna Vilar Maior mais próximo do litoral. Há um provérbio popular que diz acerca do porco: Depois de morto cevada ao rabo. As aldeias raianas estão também elas mais mortas que vivas, se quisermos moribundas e agora de pouco vale colocar saneamento, vias de acesso, etc. Ao chegar num sábado à tarde, com o toque lúgubre dos sinos e não vendo vivalma, disse para comigo que lá se tinha finado mais um. Afinal era o toque para a missa que o padre não pode abranger todas as freguesias ao domingo. Mas a primeira notícia que me deram foi de que o Chico, Barroco de alcunha, tinha morrido. Em Vilar Maior cada um que morre sentimo-lo como uma perda nossa, porque cada um faz um pouco parte das nossas vidas, por que passava pelas ruas que passávamos e ao passar se mais não houvesse havia a salva: Vá com Deus! Mas aqui todas as pessoas têm história, têm pais e irmãos que conhecemos, têm jeitos e feitios, maneiras de ser e de dizer que torna cada um um personagem de uma história real.
publicado por julmar às 18:01
link do post | comentar | favorito
|

Pessoas

0000x280

Ao centro está José Seixas, pintor de profissão, fabricante das tintas que usava e de que ainda se podem ver restos nalgumas casas de Vilar Maior. Tem do seu lado direito sua irmã Augusta Seixas (de fora da fotografia está a irmã Isabel Seixas e o irmão Bernardo Seixas). Do seu lado esquerdo a sua primeira mulher Ana Cerdeira e a irmã desta Filomena Cerdeira. O cão também teve direito a ficar no retrato.

publicado por julmar às 17:41
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 8 de Outubro de 2006

Convívios de Lisboa

Antes de os vilarmaiorenses demandarem as terras de França, demandavam Lisboa. Muitos, feita a 4ª classe, no tempo em que não se falava de trabalho infantil e que a lei permitia começassem a trabalhar ao s 12 anos, lá iam caminho da Estação de caminho de ferro do Noémi, metidos no combóio a ter a casa de um familiar. Moços de recado de loja de comércio ou emprego similar. Outros mais velhos partiram com as famílias para trabalho de fábrica ou de construção civil. Outros mais afortunados tinham lojas próprias em que faziam comércio. Outros eram polícias, bancários, funcionários públicos. Diferentes na condição social e económica havia um traço muito forte que os ligava:eram da terra, eram conterrâneos. Para além dos laços de sangue e parentesco nenhum outro era mais forte. E todos os anos durante

0000t3ew

 

Fotografia do início dos anos 70

muitos anos, se reuniam um dia em alegre e saudável convívio que mais fortalecia a identidade natal.

 

 

 

 

 

publicado por julmar às 21:57
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds