Domingo, 14 de Janeiro de 2007

O Cimo da Vila está a morrer

Nos tempos primitivos em que mais que a razão dominava a força (ainda que não tenhamos muitas garantias de que hoje seja substancialmente diferente), os homens procuravam defender-se de grupos rivais ocupando o cimo de montes de onde melhor vigilavam possíveis inimigos. Por isso, muitas das grandes e pequenas povoações se ergueram em altas cercanias onde construíam torres e muros de defesa. Estas povoações cresceram e tornaram-se ao longo da história importantes praças militares, centros administrativos e religiosos até à altura em que novas meios militares, sobretudo a força aérea os tornou inúteis. A última vez que a fortaleza de Vilar Maior teve serventia foi no século XIX, aquando das Invasões Francesas.

A cidadela de Vilar Maior – O Cimo da Vila – estava muito bem delimitado: A entrada principal é no sítio designado o Arco onde se pode observar os sítios onde girava a porta. A outra entrada seria próxima desta ao cimo da rua das amoreirinhas que dava ligação à ponte romana sobre o Cesarão. Outra das entradas haveria de se situar no sítio chamado Craveiros onde são visíveis restos da muralha da cidadela. Haveria uma entrada que vinda do pontão do Pinguelo subia pelo Enxido a íngreme costa poente até ao Castelo até à porta norte das muralhas do mesmo. Para além destas entradas que permitiam a circulação de veículos de tracção animal havia outras como a da Escaleirinhas ao cimo das quais se encontrava uma atalaia (Junto da casa que era de José Laranja).

O cimo da vila, para além das estruturas de defesa militar tinha o lugar de culto religioso, provavelmente mais antigo que o Castelo e que foi a primeira Igreja Matriz a que em época posterior, e para a distinguir da nova matriz, a Igreja de S. Pedro, a denominariam de Igreja da Senhora do Castelo, a quem o povo orava, cantando:

Ó Senhora do Castelo

Protegei esta princesa

Nunca lhe deixeis roubar

O manto da realeza

A princesa era a vila de Vilar Maior a quem o rei D. Dinis atribuíra foral.

Cremos que a vila não terá saído para fora das muralhas e descido do monte antes do início da segunda dinastia e só quando o poder civil ganha força e se estabelece o poder judicial de que o Pelourinho manuelino e o foral do mesmo rei são os marcos da nova configuração física e sócio-política. Mas o passado secular não se apaga e o cimo da vila preservou a sua identidade. As suas casas são quase todas térreas em contraste com as do resto da povoação. Na primeira metade do século XX, as casas estavam cheias de gente  e as cortes cheias de animais.  Os seus habitantes eram na sua maioria jornaleiros que vendiam a sua força de trabalho aos lavradores que viviam na parte baixa ou livres artesãos que vendiam ou trocavam o seus artefactos na parte baixa da povoação ou em mercados e feiras de terras circunvizinhas.

Hoje, no sétimo ano do século XXI, residem não mais de seis habitantes em toda a velha cidadela.

publicado por julmar às 20:38
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Janeiro de 2007

Requies in pacem - Isabel Valente

Não queria que este blog se tornasse num boletim necrológico. Mas este ano a morte veio e bateu à porta de um, e outro e outro até final do ano. E neste berço onde nascemos, nesta terra onde vivemos, todos somos actores, todos somos protagonistas de uma história que tem aspectos trágicos, aspectos cómicos, que tem todos os ingredientes de um conto. No último mês do ano bateu à porta de Isabel Valente. Podíamos dizer que era uma mulher levada do diabo. Para os menos conhecedores das expressões usadas pelo povo deve-se dizer que levada do diabo nada tem de perjorativo. Pelo contrário, significa uma mulher de armas do género da minha avó Isabel: activa, trabalhadora, empreendedora.

A minha imagem de Isabel Valente é em cima da burra indo ou vindo da Correia ou do Porto Sabugal; de uma mulher alegre, conversadora e bem disposta. Era sempre um prazer cruzar com ela porque a salva era sempre uma verdadeira saudação.

publicado por julmar às 22:27
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

. Feira de Talentos de Vila...

. Marias há muitas!

. Vaca loura

. Descubra a sua ascendênci...

. Ter uma aldeia

. Porque hoje é dia da mãe

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds