Sábado, 22 de Setembro de 2007

Fiat Lux - candeeiro de mão

0002ccwe

Candeeiro de mão, assim se chamava por se , ao contrário da candeia e do candeeiro de vidro, se transportar na mão. Quando era preciso ir buscar bens às lojas ou tratar dos animais, ou circular de noite nas ruas ou ir manhã muito cedo apanhar o Trama ao Noémi. Enfim, sempre que fora de casa era necessário dissipar as trevas da noite. O seu concorrente era a lanterna que podia ser alimentada a azeite em vez de petróleo.

publicado por julmar às 21:51
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Setembro de 2007

Pontão de Portovelha

0001p793

Este é o pontão sobre o rio Côa. Quando de Vilar Maior se ia apanhar o combóio ao Noémi (Quase sempre o Trama que por ali passava cerca das 8 horas da manhã) atravessavam este pontão, homens e burros que transportavam a mercadoria. Em baixo, no leito do rio corre um corredor empedrado onde passavam os carros dos bois.

No tempo em que os caminhos de ferro eram o único meio de comunicação que nos ligava ao mundo.

publicado por julmar às 16:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

Ao Romper da bela aurora

No tempo em que o povo sabia poesia, cantava cantigas e bailava nos largos da aldeia.

Destas pessoas, poucas masi restam que a ti Olinda, que entre muitas outras me confiou esta. Fez 100 anos neste mês de Setembro e continua sã de corpo e sã de espírito.

00028x26

Ao romper da bela aurora

Sai o pastor da cabana

A gritar em altas vozes

Muito padece quem ama

 

Muito padece quem ama

Mas muito mais quem namora

Mais padece quem não vê

Os seus amores a toda a hora

 

Na serra é que se encerra

Os segredos do amor

O leite é branco pr’a gente

Só é negro pr’ao pastor

 

Ó minha pombinha branca

Quando há-de ser a hora

Que eu te veja dar o salto

Do teu pombal para fora

 

 

Da tua casa para fora

Da minha para dentro

Para podermos combinar

O dia do nosso casamento

publicado por julmar às 11:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Tradições

Pôr  a cadeira

 00029yaz

Esta era uma das tradições de Vilar Maior. Sempre que havia um casamento, as crianças arranjavam uma cadeira a qual ornavam com uma toalha, normalmente de linho, colocando no assento uma bandeja ou um simples pires ou prato. Faziam uma fila e os noivos e acompanhantes ao passar deitavam moedas ou rebuçados

publicado por julmar às 11:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007

Abastecimento de água

Senhor Presidente da Câmara

Há muitos anos que o abastecimento de água a Viar Maior, sobretudo no Verão é problemático. Até aí sempre se foi tolerando o problema por as fontes de abastecimento serem deficitárias. O que já se não entende é que após a ligação à barragem do rio Côa o problema persista. E persiste, em primeiro lugar, por incompetência política dos autarcas. A inconpetência técnica a existir vem em segundo lugar. Então, como é que essas aldeias não hão-de estar desertificadas? Então como é que se pode lá ir passar férias? Então, como é que as famílias se vão reunir no dia da Festa do Senhor dos Aflitos? Sim porque foi exactamente no 1º sábado e domingo de Setembro que a água falhou. Eu que conheço pessoas que gostam de Vilar Maior, que vão a Vilar Maior, que até poderiam comprar casa para passar uns tempos, como as incentivarei a fazê-lo?
Por que razão hão-de gastar dinheiro a fazer requalificações se não são capazes de assegurar um bem tão básico como o é a água?
O que aqui expresso foi dito pessoalmente ao senhor Presidente da Junta.
Este indignado  e educado protesto está publicado em
http://vilarmaior1.blogs.sapo.pt

publicado por julmar às 12:45
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 4 de Setembro de 2007

Morreu o Senhor Carlos

0002ax8q

- Pai, morreu o senhor Carlos.

Foi assim que recebi, pelo telefone, a notícia da morte de quem dois dias antes teve a habitual amabilidade de me oferecer um café. Se houvesse de se escolher uma figura dominante na segunda metade do século XX, tal escolha recairia na pessoa de Carlos Freire. Foi Presidente da Junta de Freguesia durante largos anos, antes do 25 de Abril. O poder que exercia (diga-se que sem arrogância e sem alarde), era um poder natural que muito se devia à maneira de ser. Nada o poderá definir melhor do que aquilo que se designa como mediador, aquele que faz ligações, constrói pontes, quer entre os habitantes da Vila como na relação destes com o exterior. Ele era também o conselheiro: desde obras particulares a obras públicas, desde constituição de comissões sagradas a comissões profanas, desde a compra de um electrodoméstico à compra de uma propriedade. Era uma autoridade que se construiu ao longo da vida pela forma como estava atento e prestável aos outros.

Requies in pace

publicado por julmar às 22:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Ter uma aldeia

. Porque hoje é dia da mãe

. O que me liga ao concelho...

. Os Martírios da Paixão

. Restaurar a Forca da Vila...

. Requiescat in Pace, Mique...

. O Presidente Marcelo visi...

. Requiescat in pace, Alexa...

. Gente da Vila, Quem são?

. Visita do bispo a Vilar M...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds