Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2007

2008 está a bater à porta

A todos quantos por aqui postaram, a todos os que visitam este blog e a todos os vilarmaiorenses e amigos de Vilar Maior desejo um ano cheio do que torna uma vida boa: paz, alefria,saúde e amor.
publicado por julmar às 16:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Caro António Gata

Nos finais da década de 60 (para a nossa geração é uma década mágica) o homem pousou na Lua. Fomos testemunhas porque o padre Francisco Vaz tinha uma televisão que funcionava com uma bateria e decidiu que o povo deveria televisionar tal facto histórico. À época em Vilar Maior (e nas aldeias) os estudantes constituíam como que um grupo especial – uma elite.  Por razões várias, o padre Francisco incentivou à constituição de uma associação de que tu, o Joaquim Simões e eu constituímos a direcção. É verdade que teve uma existência efémera mas não deixou de ser importante. Enfim, tudo isto para dizer que o ser conterrâneo, ser vizinho, ser amigo e termos partilhado projectos  de desenvolvimento para a nossa terra se sobrepõe a qualquer divergência de ideias ou de perspectiva sobre o que está bem ou o que está mal. Acrescento que por formação académica, profissional e por forma de estar na vida a crítica me é absolutamente indispensável como forma de melhoramento pessoal e só faço crítica quando entendo que a mesma pode ser útil aos outros. Finalmente, uma crítica à obra não é uma crítica ao autor. Se alguém diz que faço poesia de má qualidade, não está a dizer que sou má pessoa, mas apenas mau poeta.

Porque sei que muitos não têm em conta estes pressupostos é que é sou parco  a opinar quer por escrito, quer oralmente sobre assuntos da nossa terra.

Devo dizer-te que fiquei agradado pela forma como expuseste os teus pontos de vista e considero legítimo que defendas as obras realizados nos teus mandatos. Considero que poucas pessoas se terão empenhado tanto pelo desenvolvimento de Vilar Maior como tu. Que nunca se realizaram tantas obras em Vilar Maior como nos teus mandatos - à excepção das que estão em curso. E lá está! Nem tudo o que acontece em Vilar Maior é por virtude (ou falta de virtude) do Presidente da Junta. As que se estão a realizar presentemente são as maiores obras de vulto jamais realizadas até hoje.

Concordo contigo que houve obra meritória e o Centro de Dia é o seu maior testemunho. E, certamente, é também de reconhecer a disponibilidade e atenção constante para resolver mil e um pequenos problemas dos fregueses que nenhuma retribuição paga. E aqui está a tua confusão. Eu não estou contra o facto de o Presidente da Junta de Vilar Maior ser remunerado. Sou contra o facto de os presidentes da junta serem remunerados. No Verão passado visitei várias aldeias raianas da parte de Espanha, entre elas Navas Frias. Ora, aí o equivalente ao Presidente da Junta não recebe remuneração. Em contrapartida existe um funcionário administrativo a tempo inteiro que, sem favor, atende a todos os problemas, nomeadamente os burocráticos. Mas também mostra o museu aos visitantes, como foi o meu caso, e desempenha outras funções. São formas diferentes de entender as questões: O Presidente da Junta é um político (candidata-se com um programa por uma força política e é sufragado pelos eleitores) não um funcionário administrativo.

Quanto á tua confessada tristeza quanto à afirmação de que algumas obras terão sido feitas “por palpite misturadas com interesses alheios ao interesse comum” tem a ver com a tua perspectiva de centrares tudo em ti. Obviamente que se tudo quanto foi feito dependeu de tua inteira vontade terás de assumir total responsabilidade. Porém, estou em crer que como me dizes “muitas variáveis estão em jogo e que muitos condicionalismos interagem” e, nesse caso, tu melhor que os que estão de fora saberás responder porque as coisas foram desse modo e não de outro qualquer. Estando de fora e nunca me tendo sido explicado, nunca entendi porque se fizeram obras que não responderam a nenhuma necessidade: Um tanque de lavar roupa ao cimo das eiras, um bebedouro ao largo das portas, um posto de recepção do leite(?) na Ladeira; terá havido um projecto a montante da ponte romana que levou ao início de obras (com expropriações?) que deram no que lá está; Depois não basta fazer obra, é preciso que seja obra bem feita. Na minha opinião, a casa onde está sediada a Junta de Freguesia foi um atentado às mais elementares regras de urbanismo. E, sinceramente, acho que são obras por palpite e que qualquer engenheiro ou arquitecto, digno do nome, teria vergonha de assinar. Mas lá está: não é a Junta de Freguesia que licencia obras, pelo que não deves centrar tudo em ti. Como, certamente, não és responsável por atentados urbanísticos, que certamente também lamentarás, alguns dos quais são anteriores aos teus mandatos, cujos intervenientes são particulares e Câmara Municipal.

Não me move nenhum especial gosto de polemizar com um amigo que prezo mas seria pouco curial não responder de forma leal e sincera ao repto lançado.  Aliás, o BLOG a que presido e cuja leitura te levou ao artigo publicado no RENASCER, iniciou-se com um convite a todos os vilarmaiorenses para que escrevam sobre a sua terra. O RENASCER é dos poucos elos que une os conterrâneos espalhados por todo o mundo, sobretudo os mais velhos. Aos mais novos habituados a navegar na Internet, este BLOG pode ser uma forma de lhes manter viva a memória da terra dos seus pais, avós e quem sabe de os motivar a visitá-la com mais frequência. A todos apelo à participação neste moderno meio de comunicação, fazendo comentários, sugestões, contando histórias, mandando fotografias que eu prometo publicar. Então, o endereço é http://vilarmaior1.blogs.sapo.pt

Se quiser colocar questões pode usar o mail:  julmarjsm@hotmail.com

Estou a escrever (não sei quando será publicado – quando é que em Vilar Maior temos sinal para aceder à Internet?)no último dia de 2007. Por isso, desejo a todos um novo ano cheio de saúde, paz e alegria. Além destes votos, um abraço ao amigo António Gata.

publicado por julmar às 15:57
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007

Missa de Natal

A mesma Igreja, as mesmas leituras, as mesmas músicas, o mesmo padre. O tempo nublado e frio. Uma homilia curta para vincar que o importante não são as riquezas exteriores - o presépio é bem o exemplo da pobreza que contrasta com o consumismo; o importante são as riquezas do espírito colocdas ao serviço do próximo.

Difrente mesmo era o exíguo número de pessoas presentes, seriam não mais de setenta. Uma igreja quase vazia. Distraído da liturgia ia olhando os bancos completamente vazios, os cabelos brancos da maioria, a presença de apenas duas ou três crianças, comparando os que vieram com os que cá estavam. De muitas famílias nem um só que a representasse. DeFrança nem um; de Lisboa creio que nenhum.

Quando não havia auto-estradas, quando as distâncias eram difíceis de percorrer a aldeia enchia-se: os filhos vinham passasr o Natal com os pais; a situação inverteu-se e os pais saem para passar o natal com os filhos.

A desertificação é uma tragédia. Nascimentos por aqui só o do Menino Jesus. Como será o natal daqui a dez anos?

publicado por julmar às 23:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 22 de Dezembro de 2007

Casas urbanas

0002p4se

Na rua de Baixo que conduz à misericórdia, encontra-se um correr de casas que constituem o maior conjunto do que poderíamos designar como casas urbanas o reboco que apesar do aspecto continua sólido, as tintas que teimam em dar testemunho da sua qualidade artesanal (deve ter ali mão do ti Zé Seixas); as portas duplas com as tintas teimando resistir ao tempo; as tradicionais janelas de guilhotina; o número por cima da porta reportado aum tempo em que a vila era sede administrativa.

publicado por julmar às 18:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

Sobre a casa da discórdia - Ribacôa

E ESTA HEM !
Fala-se, comenta-se e tecem-se variados considerandos sobre casas bem feitas, mal feitas, de granito trabalhado, de pedra tosca, grossa, miúda , do fundo e do cimo da Vila. Não fosse esta fotografia e eu nem me lembrava da existência desta casa. A razão que encontro para tal é simples e radica no conceito que eu tenho de casa de aldeia, de lar, de habitação, de família vista em moldes mais ou menos tradicionais. Efectivamente, a casa da discórdia, não reúne nenhuma dessas características . Contudo, nem por isso deixa de levantar celeuma, mormente quando se questionam aspectos relacionados com a sua génese, estilo arquitectónico e, quiçá, o seu tamanho. Por mim, não sei será uma grande casa. Mas lá que é uma casa grande, disso não tenho dúvidas. Tão grande que asseguram alguns que a sua área de implantação ultrapassa o espaço do imóvel de origem e seus anexos o que, a ser verdade, é reconhecer que entrou pelo espaço público ( e se fosse caso único!) . Quanto à traça arquitectónica, não vale a pena recorrer à adivinhação. É exactamente aquilo que ali está. A meu ver e para simplificar, direi que é uma aproximação à arquitectura do chafariz recentemente retirado - "transladado"?- , com o argumento de não ter qualquer valor arquitectónico e não obedecer às boas regras de enquadramento do novo espaço remodelado. A ser assim e por maioria de razão, os mesmos argumentos deveriam ter prevalecido quanto à casa, a qual deveria ter seguido as pisadas daquele, ou seja, o caminho do buraco, onde, diga-se, o proprietário possui espaço de sobra. Se tal tivesse acontecido e com a partilha de um espaço próximo entre ambos (casa e chafariz), resultariam enormes benefícios para a preservação da paisagem envolvente ou, no mínimo, o minorar o daquilo que poderia ser uma verdadeira catástrofe ambiental.
Nota; Tudo isto que venho de referir seria assunto sério se as duas edificações em causa fossem cinsideras verdadeiros monos, abortos ou mamarrachos. Mas como não os vejo como tal, há que tirar as devidas elações.

Dizem os versos modernos (os meus)

É a casa da discórdia
o certo é que ela está feita
mas dizem que quem torto nasce
tarde ou nunca se endireita.

O homem não é culpado
por tal obra ter erguido
aplicassem o legislado
e logo o teriam sustido.

A quem rédea solta dão
não lhes peçam pra parar
abrem carreira e então
é ve-los a galopar.

Dizem que parece um tolo
mas há muitos que ele conhece
que não sendo o que ele é
são aquilo que ele parece.
(Adaptada
publicado por julmar às 22:27
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 18 de Dezembro de 2007

Chove. É dia de Natal

Chove. É dia de Natal.
Lá para o Norte é melhor:
Há a neve que faz mal,
E o frio que ainda é pior.

E toda a gente é contente
Porque é dia de o ficar.
Chove no Natal presente.
Antes isso que nevar.

Pois apesar de ser esse
O Natal da convenção,
Quando o corpo me arrefece
Tenho o frio e Natal não.

Deixo sentir a quem quadra
E o Natal a quem o fez,
Pois se escrevo ainda outra quadra
Fico gelado dos pés. 

Fernando Pessoa

publicado por julmar às 14:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007

A casa da discórdia

0003gh0y

 

Dizem os versos antigos:

Quem fez sua casa na praça

A muito se assujeitou

Uns dizem que ficou baixa

Outros que muito alta ficou

 

 

publicado por julmar às 19:28
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Sábado, 15 de Dezembro de 2007

Casas de ontem

Casa do ti Mergildo

O nome de baptismo é Hermenegildo, mas a lei do menor esforço e da simplificação levou a este novo baptismo. A casa era na década de 50 habitada por duas famílias. Por uma das portas entrava a família do ti Zé da Cruz e Isabel Afonso ( ou Afonsa que os sobrenomes aqui tinham género) e pela outa porta entrava a família Mergildo e Anunciação. Nesse tempo a janela da esquerda era igual á da direita e não existia o corrimão da escada. Os serralheiros aida não tinham aparecido para invadirem com portões de ferro e janelas do mesmo material. Está é mais uma típica casa de lavrador: com a escadaria graníca exterior e o balcão com grossas resguardas de granito. As lojas, o curral com estrume e a moreia de lenha completam o quadro. A construção ao lado (já restaurada) chama Botica e efectivamente ali funcionou de acordo com testemunho de pessoa nascida no século dezanove. Incrustada no muro encontra-se uma das estações da via sacra.

 

publicado por julmar às 19:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2007

O lar

Casa, residência, habitação, moradia. Nomes para uma construção artificial que se constitui como local de protecção dos fenómenos naturais (a chuva, a neve, o vento, o frio), mas também como lugar de defesa terceiros e de privacidade.

Mas a casa é também o lar enquanto lugar de afecto, de segurança e de laço familiar. Daí derivou o nome de lareira que por aqui chamávamos de lume, que assente em lage granítica nunca se deixava extinguir no Inverno que os fósforos (palitos) custavam dinheiro (as caixas pequenas vinte centavos e as grandes 50 centavos) Fonte de luz, de calor e de energia onde se cozinhavam os alimentos, era à volta dele, que a vida se aprendia.

publicado por julmar às 18:59
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

Casas de ontem

 

 

0003cyc6

 Todos reconhecemos esta casa ladeando o largo do Senhor dos Aflitos, propriedade dos descendentes de João Valente que a restauraram. Não sei se o sonhei se me disseram que o proprietário a terá construído na segunda década do século vinte ( a mesma altura em que se construiu o corpo da capela do Sr dos Aflitos). Será da mesma época da que construiu Albino Marques (propriedade actual de Cláudia Marques) quando regressou da Argentina, destino de emigração habitual juntamente com o Brasil.

O alinhamento das pardes é exímio; a varanda em cimento terá sido obra do artista que na altura começou a trabalhar em cimento - José Seixas.

0003b7a4

publicado por julmar às 18:57
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds