Segunda-feira, 29 de Junho de 2009

A voz do Presidente

http://www.youtube.com/watch?v=PflGCQhku84

publicado por julmar às 22:23
link do post | comentar | favorito
|

Visita guiada

Viajando pelo youtube também encontramos Vilar Maior.

http://www.youtube.com/watch?v=WB1c_0jLh4o

publicado por julmar às 22:12
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Domingo, 28 de Junho de 2009

O museu do linho

Se ao menos alguém ainda nos pudesse fazer promessas credíveis!... E a criação de um museu do linho até seria ralizável. Com eleições autárquicas à porta, quem sabe?

Vá lá ... alguém nos prometa alguma coisinha...

publicado por julmar às 15:11
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Junho de 2009

Histórias quase reais 2

            Junho corria quente e seco como convém ao desenvolvimento das culturas, à ceifa do centeio e dos fenos.  Aquele dia estava excepcionalmente quente. O pai, ainda o sol estava para lá de Castela- a- Velha, e já tinha saído para o lameiro dos Labaços para agadanhar. Os outros todos se tinham levantado antes do nascer do sol para tratar das regas e dos animais ou para isto ou para aquilo. O sol no pino, é hora de dormir a sesta. Mas a avó Isabel, desembaraçada e decidida como sempre, pôs todos fora de casa:

 - Fora, vão dormir para a loja!

Ela era a parteira de um novo hóspede que estava prestes a chegar. Pouco depois, a notícia chegava rápido pela avó que, sem cerimónia, fez a  1ª anunciação:

- Já nasceu e é menino! Um homenzarrão!

E, logo, de seguida, virando-se para mim:

 - Vai dar a notícia a teu pai! Anda rápido, seu samurano!

Ainda hoje continuo a desconhecer o que exactamente quer dizer samurano. Certo é que me pus a caminho ao mesmo tempo que ia ruminando sobre os mistérios da vida tão absortamente a essa hora, de sol no pino,  nem desejei a companhia do ti Manel Adrião nem tive o medo como companheiro. A história da sarangonha que traz os bébes nunca na verdade fez parte do nosso imaginário, mas também não sabia como é que aquelas coisas aconteciam e também não perguntava, pois havia perguntas que não se faziam. Ninguém nos dizia para não perguntar, mas não perguntávamos. A observação da natureza, em geral, dos animais, em particular, junto com as conversas entre iguais era suficiente para se chegar, paulatinamente, ao conhecimento dos processos procriativos. Como quer que fosse, havia alguma vergonha e falta de à vontade para falar destas coisas e eu sentia-me embaraçado. Mas a avó tinha-me tornado mensageiro da anunciação e tinha que cumprir a missão.  Felizmente, quando cheguei o pai estava a dormir a sesta à sombra cerrada do freixo mais frondoso, no limite da Canjeira . Eu, sem barulho, deitei-me a seu lado e cansado da caminhada caí em pesado sono e até sonhei. Quando acordei, o pai, lá ao fundo, cheio de força e em compasso ritmado, numa dança monótona ao som de ignota e silenciosa música, cortava o feno.

Levantei-me e, vagarosamente, enquanto preparava as palavras, ia-me aproximando. Mal reparou em mim, com uma alegria que nunca mais lhe vi, dispara:

- Então, já temos mais um menino!?

E senti-lhe uma felicidade tão grande que me teria enchido de beijos e abraços se a expressão aberta da ternura e dos afectos fizesse parte das condutas familiares de então.

-      É. A avó mandou-me para lhe dizer.

-      É. Passou aí a Maria da ti Zabel do Alípio e disse. Vamos cortar mais uma ou duas envelgas e vamos mas é para casa. O que não se faz num dia faz-se ao outro dia ou no dia de Santa Luzia

E com uma pressa que lhe não conhecia, não tardou a esconder a gadanha com o corno e mais os ferros de picar entre a erva. Mandou-me à presa a buscar a garrafa do vinho. Levou-a à boca e bebeu muito  longamente. Depois, virando-se  para mim:

- Bebe aí um gorcho, catano, que está fresquinho! Ála, vamos embora!

Coisa inédita com  o sol tão longe do ocaso  vê-lo  dirigir-se para casa,  de passo estugado que eu tinha de compensar, de vez em quando, com pequenas corridas.

Em casa, criou-se um ambiente de alegria, como se não fosse já a décima vez que tal acontecia! E o tio polícia e esposa que já tinham sido padrinhos de quase todos os outros eram-no agora com mais vontade ainda. Antes que ele tivesse de ir apresentar-se ao serviço na Guarda apressou-se o baptizado. Esconjurado o espírito do mal e liberto do pecado cometido por Adão e Eva, estipuladas as garantias  de educação e constância na fé de Cristo, terminado  o repenicar dos sinos da torre anunciando ao povoado a entrada de mais um  elemento na Cristandade,  pais e irmãos, tios e tias, mais os padrinhos reúnem-se á volta da mesa com alvíssima toalha de linho. O café leão ferve à lareira numa grande panela de ferro e uma brasa enorme é colocada dentro para que o polmo assente. A casa enche-se do cheiro forte do café. Trigo, vinho, leite, queijos frescos e curados, choiriço e presunto para saciar e satisfazer os corpos. Àparte o trigo de Almedilha, obrigatório em festas, todos os outros produtos são da casa.

E foi assim que o Zé apareceu entre nós.

 

publicado por julmar às 21:11
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Terça-feira, 23 de Junho de 2009

Bela Luz

Pela festa do S. João acendiam-se fogueiras pelas ruas cujos elemnetos principais eram o rosmaninho e a bela luz. O divertimento consistia em saltar por cima delas.

Diz o povo que é poeta:

Quem pela bela luz passou

E a bela luz não cheirou

Do seu amor não se lembrou.

 

 

publicado por julmar às 16:24
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Domingo, 21 de Junho de 2009

Depois de morto, cevada ao rabo

Um interessante artigo do amigo e conterrâneo João Valente que só lhe faltou concluir com o provérbio por aqui usual « Depois de morto, cevada ao rabo»

http://capeiaarraiana.wordpress.com/2009/06/17/carta-aberta-ao-presidente-da-camara-do-sabugal/

publicado por julmar às 17:55
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Junho de 2009

Os Meus amores - Trindade Coelho

 

Se gosta de boa literatura e de temáicas rurais, nada melhor que ler Trindade Coelho. Basta clicar neste sítio

 http://alfarrabio.di.uminho.pt/vercial/ebooks/os_meus_amores.pdf

 

 

publicado por julmar às 18:04
link do post | comentar | favorito
|

Que grande cabra!

 

 

 

Quem já encontrou uma cabra
que tivesse ritmos domésticos?
O grosso derrame do porco,
da vaca, do sono e de tédio?

Quem encontrou cabra que fosse
animal de sociedade?
Tal o cão, o gato, o cavalo,
diletos do homem e da arte?

A cabra guarda todo o arisco,
rebelde, do animal selvagem,
viva demais que é para ser
animal dos de luxo ou pajem.

Viva demais para não ser,
quando colaboracionista,
o reduzido irredutível,
o inconformado conformista.


(João Cabral de Melo Neto)

publicado por julmar às 17:49
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Junho de 2009

A riqueza da flora beirã

publicado por julmar às 21:45
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 14 de Junho de 2009

Justificação

Venho por este meio justificar a ausência durante uma semana neste espaço da blogosfera.

Uma pausa no trabalho que férias mesmo só em Agosto. Tempo aproveitado para uma viagem cultural por Ávila, Madrid, Segóvia. Na fotografia, em fundo, a cidade de Toledo.

 

publicado por julmar às 22:32
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Ter uma aldeia

. Porque hoje é dia da mãe

. O que me liga ao concelho...

. Os Martírios da Paixão

. Restaurar a Forca da Vila...

. Requiescat in Pace, Mique...

. O Presidente Marcelo visi...

. Requiescat in pace, Alexa...

. Gente da Vila, Quem são?

. Visita do bispo a Vilar M...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds