Segunda-feira, 31 de Maio de 2010

Despedida de Maio - Maio Maduro Maio

Dizia o poeta que Maio é o mês das rosas. Na Vila era o mês da maia, do semear e do cuidar das tenras plantas, do começo das regas; das primeiras cerejas e da esperança em boas colheitas e das searas que começavam a ficar loiras; dos fenos que cresciam nos lameiros.

http://www.youtube.com/watch?v=IuVmWzTulK4&feature=related

publicado por julmar às 09:22
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Maio de 2010

Requiescat in pace

Há notícias inacreditáveis! Hoje com as novas tecnologias chegam num instante. Esta recebi-a por mail do Carlos Marques:

«É só para dizer, que tive conhecimento, ontem à noite, via Facebook (Tiz Silva), de que morreu o Walter (Valter?), filho do Adriano e da Mena Cerdeira».
Incrédulo, fiz um telefonema, como se uma coisa destas fosse dita sem ser verdade! Mais um amigo que parte, cedo, cedo demais.
Ao Adriano, à Filomena (Pais) e à Silvie (irmã), em momento de tão grande dor, sentidas condolências.
publicado por julmar às 22:14
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

Fotos antigas

(Foto Cedida Por José Valente Simões)
Paisagem estival (Agosto/Setembro)com o pasto seco do Chão da Ponte mas os quintais com as árvores frutícolas dão-lhe um ar de amenidade e de frescura. Os telhados das lages ainda mantêm as suas cotas que acompanham o relevo.
publicado por julmar às 12:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Maio de 2010

Mens sana in corpore sano

       Caminhadas pelo Interior ou a prática do velho aforismo "Mens Sana in Corpore Sano".
Desde Fevereiro a esta parte que no nosso concelho se orgazam caminhadas pelas suas freguesias, apoiadas pelo município umas, outras por Associações Culturais das respectivas freguesias.
Foi assim que no dia 16 de Maio teve lugar a da freguesia de Ruivós. Vilar Maior também se fez representar por um grupo de caminheiros cujas idades eram compreendidas entre os 8 anos (Sara) até aos 88 anos (Ti Fernando). Não deixaram os pergaminhos por mãos alheias e todos terminaram no grupo intermédio de um conjunto composto por cerca de 200 pessoas, não sendo necessário recorrer aos serviços do carro de apoio (vulgo carro vassoura).
ás 9,30 da manhã foi dado "o tiro de partida" e passados minutos já esta mole de gente serpenteava por montes e vales daquela freguesia numa organização perfeita. Em algumas subidas mais prolongadas "a coisa era bem puxadinha" e chegados ao alto, os bofes pareciam querer sair para fora. Mais ou menos a meio da prova foi servido o pequeno almoço, composto por sandes de conteúdo variado assim como de bebidas que iam desde o vinho ao sumo.
Revigorados pelos alimentos lá partimos novamente para o derradeiro percurso que nos levaria ao ponto de partida. Havia pessoas de toda a região e num ambiente de alegria, de boa disposição, de um rever de pessoas para aqueles que já se tinham encontrado em eventos desta natureza, num ambiente puro do ar do campo, chegámos ao fim uns com mais fôlego que outros.
De imediato começaram a ser servidos aperitivos para o almoço que dali a pouco teria lugar. Entretanto pairava no ar um aroma intenso do churrasco que estava em andamento. Começou o almoço que era servido em regime de self-service, composto por churrasco de frango ou porco, acompanhado por um malandrinho arroz com feijão. Veio depois a fruta e o respectivo cafezinho. Tudo isto por uma quantia simbólica de 3,5 euros.
Uma nota para a organização que esteve impecável a todos os níveis.
O grupo da Vila tratou então do regresso e após algum descanso merecido das pernas, cerca das 5h rumou ao ringue das escolas onde teve lugar um rijo embate na modalidade de futsal entre as equipas local e da freguesia do Ozendo (torneio inter-freguesias).
O resultado não foi o melhor para as nossas cores (derrota por 6-3), mas isso não tira de modo nenhum mérito aos nossos que deixaram "a pele" dentro do campo. É de todos conhecida a inexistência de estruturas para uma equipa que possa ombrear com a de outras terras. Não bastam apenas a vontade e tenacidade com que se batem. Também não são tão somente os resultados que interessam!!.
Assim se passou um domingo "com qualidade de vida" que nos deixou satisfeitos e prontos para entrentar uma nova semana. Digam agora que as nossas aldeias já estão mortas e enterradas. Necessitam, isso sim, é que todos demos uma mãozinha para as manter bem vivas.


Um abraço.
João Marques.

 

publicado por julmar às 21:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Maio de 2010

A poesia requintada do Fernando

 

Vilar Maior

 

V ejo o castelo velhinho

I greja Matriz relicário

L ogo além a Capela

A onde à luz de uma vela

R ezei por minha mãe o rosário

 

 

M isericórdia, Saudade

A s casas com os seus brasões

I mponente Pelourinho

O nde vou carpir baixinho

R ecordações...Recordações

 

                                                                       Fernando Alves Pereira (Requinta)

O agradecimento ao Sérgio Brito que me enviou este sentido poema sobre Vilar Maior. Quanto ao Fernando não precisa de apresentação. Uma alma cheia de música e de poesia.

Um grande abraço. 

 

publicado por julmar às 18:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Maio de 2010

E esta, ah?

(Foto de João Marques)
Este é um dos lugares de referência da Vila. Em qualquer outro sítio lhe chamariam de miradoiro ou miradouro. Aqui lhe chamam, incorrectamente, mirante. Talvez tenha sido obra do Sr José Dias que cuidou de o assombrar com uma glicínia. Dali observavam os passantes, que eram quase todos porque ali, na praça, desaguavam as ruas como rios num lago. Tudo o que era vida profana ali se concentrava. Ao cimo da praça, um carro de vacas, uma cadeira em cima e o Chico dos Fóios zanburreando melodias que pares de dançarinos desenhavam em movimentos.
Os mirantes hoje são outros. Mas que (ad)miram e que pasmam está bem patente na foto.
publicado por julmar às 18:22
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Sábado, 8 de Maio de 2010

Paisagem

Lendo Bachelard não posso deixar de pensar na paisagem de Vilar Maior quando a necessidade feita vontade a moldava aos seus desejos. Como se de uma gravura se tratasse jornaleiros com suas enxadas, lavradores com seus arados, pedreiros com seus picos, martelos, martelões e maços desenhavam-na em forma que a natureza se encarregava de pintar. Por trás de todos o ferreiro na fráuga, a ferro e fogo, era o mago sem o qual nada feito.

 

«E sempre a paisagem é simplificada pelo trabalho do homem, felizmente simplificada. É bela uma terra geometrizada pelos labores, com seus campos justapostos tão simplesmente. Quanto a mim confesso que o campo da minha região, com as suas lavouras divididas, possui mais poesia que uma savana. (...) Que triunfo da simplicidade: sentir-se em casa na terra dividida, terra talhada pelo trabalho, possuir pelo olhar a aveia e a colza, a vinha e a alfafa!»

In O direito de Sonhar, Gaston Bachelard

publicado por julmar às 18:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Maio de 2010

O Edgar

Sábado, dia 1 de Maio.

Os dias são grandes, as estradas são boas e os pais, as mães, os parentes, os amigos agradecem uma visita ainda que curta. E no sábado fui e vim. Almoço na Bica dos Covões, em Badamalos que pelo preço é mais que bom, acrescentada a amabilidade dos proprietários. E chega a Lena(do Bernardino) com o seu rebento e dispara:

- Ó senhor Júlio, porque é que só põe notícia dos que morrem?

A verdade é que a gente se desabituou. Mas tem toda a razão. Aqui fica a foto, tirada na hora, do mais novo habitante de Vilar Maior, o Edgar.

 

publicado por julmar às 17:42
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Maio de 2010

Histórias reais - João Valente Martins

 Lembrando o José Alves

 

Apresentaram-nos na praça e ficamos logo amigos. Os dois formados em Direito, a mesma idade e amantes da natrureza, daquela rusticidade da nossa terra, que só as almas cristalinas, como as águas do Cesarão entendem

A última vez que nos vimos, estava eu sentado na lage do açude das Retortas e apareceste dos lameiros do César, de entre os salgueirais. Trazias uma perdiz no cinturão, arma no ante-braço, seguia-te o fiel Setter branco que tanto amavas.

  Sentados na margem, sobre uns barrocos que ali havia, partilhámos a merenda: pão centeio, queijo de cabra duro, um vinho branco que pesquei da água fresquinho e no fim a última laranja que trazias no burnal. Ali partilhámos a vida, os sonhos as frustrações da vida, gomo a gomo como aquela laranja, embrevecidos naquela nossa gentil e franca amizade.

   Perfeitamente ao alcance da Beretta, um casal de perdizes levantou no lameiro mais acima. Visaste-as ainda e baixando subitamente o cano da arma, comentaste naquele teu sorriso desconcertante:

  - Deixá-las ir João. estão no arrulho, deixá-las ir, têm direito ao amor como nós!

    E apanhando o Burnal, chamaste o cão, desaprecendo no cabeço da vinha do João Monteiro na margem oposta e despediste-te:

   - Vê se apareces logo á noite no Gata para jogarmos uma cartada!

   Mas não apreci amigo. Ía tão cansado da subida do castelo que dormi no sofá da sala. Jogamos aí no céu um dia destes uma boa partida de sueca... mas com baralho novo, pode ser companheiro?

   Guarda-me  o lugar, que desta vez apareço. Prometo!

João Valente Martins

publicado por julmar às 22:04
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 4 de Maio de 2010

«Pegar ao menino Jesus»

                                                                           

(Foto cedida por José Valente Simões)
Que grandes que eles ficaram! Quem são, Quem são?
publicado por julmar às 20:09
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds