Sexta-feira, 30 de Julho de 2010

Histórias quase reais - O Trovão

 

         A Zabel nasceu no sítio alto dos jornaleiros e dos artificies, lá para o cimo da Vila, perto da Igreja de S. Pedro, onde as casas são, por regra, térreas. O pai não era homem de trabalhar para os outros e, para si, trabalhava quanto baste. Trabalhos pesados, nem pensar! Alto demais para se curvar sobre a terra, preferia olhar o céu, de sacho de rabo comprido, ao ombro, chapéu de feltro desassombrado do olhar e cigarro pendente. Apavorava os garotos: - Ah ladrão! Foste tu que deitaste fogo à ribeira! A acusação de tanto repetida acabava por ser uma saudação.

         Os dias de Verão eram um inferno de calor e de trabalho. Os corpos crestados pela inclemência do sol, vergados ao peso dos instrumentos agrícolas que, ora esventram o solo com violência, ora o dessedentam com água do rio, ora lhe alisam a face, ora o ondulam em gomas e socalcos, ora lhe catam, docemente, as ervas ruins, ora lhe tornam os frutos. Às vezes, cortam-lhes os cabelos.

         A Zabel vive numa comunhão imensa e intensa com a terra, a ponto de tirar as alpergatas. Não sabemos se para as poupar, se para a pisar levemente. De tanto olhar a terra, de tanto a amanhar, fica-lhe o corpo arqueado como se aí se esgotasse o seu ser. Ela gosta, obsessivamente, da terra: Antes do sol nascer, galga o caminho ara lá chegar para, durante o dia todo, a mimar, desta ou daquela maneira, de forma tão absorta que só quando a escuridão a impede de prosseguir volta para casa. E, certamente, os seus sonhos hão-de ser térreos: do canto que ficou por debruar, da ribeira que seca e do renovo que estiola, das batatas que, de tão grandes, não cabem nas sacas.

         A Zabel não cantava. Falava. Às vezes, sozinha, às vezes, docemente, com as cabras e o burro, se andavam às direitas. Mas, quando o burro não encarreirava ou as cabras, gulosas, deitavam o dente ao renovo, praguejava: - Bitardas, coirões, almas do Diabo, almas de cevada, marranas, filhas da puta.

         Também falava com as pessoas:

         -Ó senhor João, você já viu o nosso batatal? No princípio, no valiam nada, até paresque lhe tinha dado o mal murche! Mas arrepare agora nelas!

         E o senhor João:

         - Oxalá que no seja apenas vício! Olhe que as nossas, o ano passado prometiam e depois eram uns batatecos sem jeito.

         A Zabel não tinha tempo que não fosse para a lide das terras.

         O Joaquim nasceu filho de lavrador e cresceu, olhando os campos que o pai rasgava para enterrar os grãos donde haviam de nascer loiras espigas. E, de tudo isso, aprendeu que é a força do trabalho que gera os alimentos, que sustentam o homem. Da junta de vacas, copiou a força tranquila e a lentidão do passo. E da tapada maior que o pai lavrava, aprendeu como a persistência é necessária, de como das coisas pequenas se fazem coisas grandes. Ele parecia forte como o carvalho que cresce devagar mas seguro, que verga o suficiente mas mantém a direcção. Por isso, Valente de nome, não precisou que o acertassem com a vida. Dos animais com que, diariamente, lidava aprendeu as perícias de cada um. Viu, com os seus próprios olhos, como a Natureza se sustentava e como apareciam os seres novos. Via o pai, semeador, com o saco de grãos de centeio e que, de mão cheia e gesto largo de braço, se lançava, uniformemente, à terra. Ele próprio pingava milho, feijão, batatas por regos, que a enxada do pai abria e fechava. E como as ervas daninhas apareciam de pequenas sementinhas.

         No dia em que o pai semeava a Tapada, num canto da mesma, onde o arado não chegava e, tinha de ser ele a fazer o cadabulho, abriu um buraco, meteu uma bolota dentro e tapou com terra. Passaram dias e meses e nem se lembrara mais da bolota enterrada. Passado um ano, pelo dealbar do mês de Setembro, ao guardar as ovelhas, olhando para o canto da sua sementeira, reparou que um pequeno rebento saíra da terra. Sentiu-se um deus criador com poderes extraordinários. Tratou de lhe construir uma sebe em volta, protegendo-a da ameaça dos roedores, nomeadamente, das cabras que têm um dente excomungado. Hoje, é um carvalho de copa imponente onde o viandante se protegeria do sol em tempo de Verão e haveria de servir de sala de refeição aos ceifadores se ainda houvesse seara na tapada. Cumpre as leis da Natureza e, todos os anos, se despe da folhagem e se despe dela na altura certa. E todos os anos dá boletas e bogalhas e faz sombra mesmo que ninguém dela aproveite. Mesmo que ninguém saiba, faz o que tem de fazer.

         Sem cogitações metafísicas nem lições, o Joaquim apreende a essência da matéria, da vida e dos processos. Do carvalho aprende o enraizamento à terra, a verticalidade e firmeza do tronco, a flexibilidade dos ramos, a leveza da folhagem, o sabor amargo do fruto. E o vagar do carvalho que respeita o ritmo do tempo.

         Depois havia o vivo que o seu pai cuidava: a piara do gado e mais as cabras, mais as vacas, mais o burro e o marrano, para além do Farrusco, cão guarda da família e as pitas e os coelhos. E tudo junto era o vivo que era preciso sustentar e que, de acordo com a mãe Natura, se ia reproduzindo. Era pelo mês de Maio. O Joaquim lá foi ao entardecer, a caminho dos Labaços, buscar as vacas ao lameiro, sempre amedrontado, não fosse sair-lhe ao caminho algum lobo que abundavam mais na sua imaginação do que na realidade. Na vinda, a Amarela, todo o caminho desassossegada, ia montando para cima da Moirisca. Ao jantar, à volta do lume, era quando se punha a conversa em dia – sobre o que se tinha passado e sobre o que no dia seguinte se haveria de fazer. É, então, que o rapazito diz:

         - Ó pai, olhe que a Amarela, hoje, só vinha a montar p’ra Moirisca!

         O pai, cansado de um dia de trabalho, vira-se para a mulher:

         - Ó Joaquina, então tu não deste conta, raio! Tinhas mandado o garoto com ela a Aldeia da Ribeira, com dia! A vaca anda toironda. É preciso ir com ela ao boi. O rapaz que se levante bem cedo e que vá a cavalo na burra. O raio da vaca que já está forra há mais de um ano, pode ser que desta pegue.

         O Joaquim já havia aprendido os comportamentos e o vocabulário da procriação animal: da porca que anda barronda, da cadela que anda cachonda, da burra que anda parada, das cabras e das ovelhas que andam saídas. Ele bem sabia como o pai se lamentava quando as fêmeas ficavam forras ou, quando prenhas, deitavam a barriga (abortavam) por mor do prejuízo que acarretava. Daí que, sabendo que o pai tinha mais que fazer que andar a tratar de vacas toirondas, calculou que, para chegar a tempo à escola, tinha que se levantar bem antes do pôr-do-sol.

         A mãe lá ia atanazando o lume, puxando as brasas para baixo da panela, onde fervia o caldo das couves-galegas. Tira o testo. Uma pitada de sal. Na sertã, derrete umas fatias de toucinho, cuja gordura há-de temperar o caldo. O garoto vai ao tonel, tira uma jarra de vinho que coloca na mesa, vestida de toalha de linho grosseiro, umas fatias de pão, os chicharrões da carne frita, um queijo de cabra feito à tarde, retirado agora do acincho e um copo de vinho bebido de uma vez só. Depois, lapareia-se do caço o caldo das couves a fumegar. Toca às Almas: um Pai-nosso, três Ave Marias e uma Glória pelas nossas obrigações e pelas almas do Purgatório, principalmente, pelas que mais precisarem. Sempre pelas que mais precisarem. De seguida, a mãe:

         - Ó Joaquim vai-te deitar que amanhã tens de te levantar cedo, que bem sabes que o professor Rosa não aceita atrasos. Eu acordo-te que já dei corda ao despertador. O despertador era um daqueles objectos de luxo utilitário que intrigava o garoto pelo tic- tac, pela disposição dos algarismos romanos em círculo perfeito e não percebia como um objecto assim, chegada a hora, começava a tocar. Havia ali uma metafísica incompreendida. Segundo ouvira dizer, fora herdado do bisavô que, na necessidade de tomar o “Trama”, na Cerdeira, às tantas da matina e porque o comboio não espera, terá comprado o dito relógio.

         O garoto levanta-se do moirão:

         - Deite-me a sua bênção, pai. - Deite-me a sua bênção, mãe.

         - Deus te abençoe. – diz um e outro.

         Sai da cozinha alumiado pelo lume e pelo tremeluz da candeia e, às cegas, enfia-se na cama, onde, breve, os olhos se fecham e se abre o mundo dos sonhos.

         Meio a dormir, meio acordado, saiu da cama. A mãe passou-lhe a mão molhada pela cara com água morna. O pai tinha soltado a vaca e aparelhado a burra, agarra o garoto e monta-o no catrapão:

         - Quando chegares, chama o homem pelo nome e não te demores que tens a escola!

         Quanto à primeira recomendação, havia-lhe contado o pai que o homem, de nome de baptismo, se chamava Zé Ferreira, mas que de nome lhe chamavam Grilo e que, uma vez que o seu avô o mandou lá nas circunstâncias em que agora ele ia, chamou cá de baixo, na escadaria: - Ó ti Grilo! Ó ti Grilo! E bem se fartou de chamar, mas o homem não apareceu e teve de regressar sem o serviço feito. O tempo propício à cobrição passou, donde resultou um prejuízo incalculável. Ao ti Grilo tanto lhe fazia, era mais uma menos uma que a clientela para o boi, para o cavalo, para o burro não lhe faltava dada a extensa área que cobria e dadas as necessidades certas e permanentes.

         Quanto à segunda recomendação, ele não parava de picar a burra:

 - Arre burra! Arre burra! Quanto à vaca, que já conhecia o caminho, até parecia saber ao que ia. Nesta pressa animada, as estrelas foram desaparecendo uma a uma e, ao passar junto às alminhas, restava no céu apenas a estrela do Bom Pastor, que ele tão bem conhecia.

         Agora, era uma questão do ti Zé Ferreira estar já a pé, pensava, ao atravessar a ponte que a casa do homem era já ali, um pouco acima da Igreja.

         Tanta sorte que nem precisou de chamar pelo homem que descia a escada com uma grande caldeira a fumegar. Certamente, a vianda para o boi e que, apercebendo-se da situação, abriu a porta do curral para onde a vaca entrou, antes de qualquer conversa.

         - De onde és rapaz? – Sou da Vila. Ora, Aldeia da Ribeira e Vila não eram boas vizinhas. Mas o ti Grilo seguia a máxima “Inimigos, inimigos, negócios à parte”.

         -E de quem és tu?

         - Sou do ti Zé Valente e, – para ver se o apressava –, venho cá por mor da vaca que anda toironda.

         - Pois, sim! Deixa o boi comer a vianda que já trata dela.

         Entretanto, o rapaz estava admirado. Tudo lhe parecia enorme, desmesuradamente grande. O ti Grilo, o burro, o cavalo e o boi, tudo animal de cobrição.

         Depois, a cerimónia foi breve – O ti Grilo soltou o boi e deu-lhe duas palmadas no lombo:

         - Vai-te a ela, boi! Não se sabe se a ordem representou alguma coisa para o animal, mas nunca se viu ordem com tão grande cumprimento. Desembainhou o instrumento e, em breves minutos, num ritual vezes sem conta actualizado, estava consumada a inseminação e realizado todo o mistério da vida.

         As contas seriam feitas pelo S. Bartolomeu e a forma de pagamento havia de ser o número de alqueires de centeio acordados pelas partes.

         Agora, de regresso a casa, voltou a passar nas alminhas, o sol inundando já a paisagem e o sino da torre do relógio bate as oito horas. Grande relógio, – ouvia o pai comentar, – o de Aldeia da Ribeira que se ouve clarinho na Balsa e até nas Retortas se o vento for de feição.

         - Arre burra! Anda Amarela, alma de cevada! A Amarela parece que perdera o fulgor e era preciso picá-la com a vara.

         O garoto começava a imaginar o cenário da possibilidade de não chegar a tempo à escola e da reacção do professor Rosa. E, quanto mais atiçava os animais para se despacharem, mais sentia um aperto por dentro. E é, nesta corrida de regresso que, entrando na vila, ao dobrar para a Rua do Curral Grande, ouve o sino da escola a tocar ao chamamento dos alunos e vê o Manel, mais a Irene e o Francisco e outros em quase corrida, a irem para a escola. A mãe, pelos cabelos, aguardava-o à porta do curral com uma malga de leite migado. Mas o garoto nem lhe deu atenção. Atirou-se abaixo da burra, correu a casa a buscar a mochila dos livros e não quis saber de comer, na esperança de não despoletar a ira do professor Rosa. Correu pela rua de baixo. Pela Praça já não se via garoto. Sobe, ofegante, a escadaria do muro. Põe o ouvido à escuta: Seis vezes um seis, seis vezes dois doze… o cantarolar da tabuada.

         Abriu devagarinho a porta e a cantilena parou, abrupta, num silêncio expectante.

         - Bom dia, senhor professor. – disse, baixo.

         -Bom dia, menino Joaquim! Então? Isto é que são horas de chegar? O que andou o menino a fazer?

          - O mê pai mandou-me a Aldeia da Ribeira ca vaca ao boi….

          - E, então, o teu pai não podia fazer isso?

         - Não, senhor professor! Tinha que ser mesmo o boi.

         O professor Rosa mal se conteve e saiu, apressadamente, da sala. Fechando a porta, riu, riu que daquela não estava à espera. E o Joaquim e os colegas nunca chegaram a perceber porque é que ele se tinha safado de umas reguadas valentes.

         E, nesse dia, o Joaquim até achou o mundo bem melhor, porque uma das coisas que atormentava a sua infância era o professor Rosa e as reguadas que distribuía, equitativa e generosamente, pela incorrecção comportamental, pelos erros do ditado e da tabuada, pelas falhas da leitura, pelo borrão da tinta no caderno, pela cara que não estava lavada como ele queria, pela linha do desenho demasiado grossa ou demasiado fina, pelo sombreamento que estava a menos ou a mais, pela perna do p mais para a direita ou mais para a esquerda…Enfim, por todas as imperfeições deste mundo. Neste Vale de Lágrimas, era o professor Rosa que infernizava a vida. Não bastando o sofrimento das reguadas do professor Rosa, a catequista, com a bênção do Senhor Reitor, pintava o Inferno de forma tão realista que, dir-se-ia, que nele tinha vivido uma eternidade.

         E, foi assim, que o Joaquim foi crescendo na imensidão de coisas sempre novas num primeiro acontecer e num pasmo incrédulo do ser assim. Depois, viu que tudo se repete e que a vaca toironda o há-de voltar a ser e que de novo parirá e que mãe e filha toirondas andarão e novas crias crescerão. E que as noites sucedem aos dias e que as estações se repetirão sempre. E, neste repetir, vai o Joaquim vivendo os dias, amadurando como o carvalho que plantou e já o ultrapassou em altura. É, agora, um viçoso reboleiro que resiste ao vento, à geada e à seca estival.

         A Zabel é uma rapariga que, em altura, atira ao pai e que, mais do que aprender as lides de casa, se ocupa do cultivo dos campos e do cuidar do vivo que são o burro e as cabras que a consomem por mor da voracidade e da guloseima das verduras proibidas. Não foi criança de jogar às “Escondidas”, “ A lua sai que agarra”, “ O Sapo”, “A Fustigada”, “ o Corcho Lorego” e, muito menos, o jogo do “Anel”. Não dada a cogitações metafísicas, as coisas são o que são, sem fintas nem rodeios e desgostava-se com transições, com mudanças que lhe roubavam as certezas. Não entendia porque as coisas haviam de mudar e, menos ainda, pelas mudanças que ela própria sofria. E, foi nesse mudar, que deu consigo adulta, mulher, a sentir tensões que, como fogo, se acendiam e apagavam.

         O Abril, que havia de ser de águas mil, foi seco e, em Maio, o calor subiu tanto que era insuportável quando o sol estava a pino. É certo que a ribeira corria abundantemente. Valeram os nevões de Dezembro e as chuvas de Fevereiro. Mas, naquele dia, que ficaria a ser o dia dos dias, a temperatura era desmedida. Ao Joaquim que deslabrava o batatal, valia-lhe a presa da Fonte Fria para se dessedentar. Não lhe bastava o calor do sol senão que, sentia da outra margem do rio, o sacho da Zabel que arrancava as ervas daninhas de entre os feijoeiro, ao mesmo tempo que estava de olho nas cabras do cabeço, não fossem comer o renovo. – Chiba p’ra lá, alma do Diabo! Estás com a gosma! Levas cá uma barrocada! E agarrava uma pedra que lhe atirava, afastando-a. A Zabel bem ouvia do outro lado o assobio do Joaquim, trauteando as melodias na moda que eram as melodias de sempre. Como quem não quer a coisa, é certo que se espiavam mutuamente. Às tantas, a Zabel desce a parede para o rio e, deitando-se sobre a pedra de lavar, atromba na água, seguindo o mui sábio conselho de que água corrente não mata a gente. O Joaquim, que se apercebera, acorre à margem e vê a Zabel, de pernas desnudas, num sorvedoiro, como se quisesse secar o rio e resolveu assobiar-lhe, como se assobia aos burros quando bebem.

         - Ai, o alma do Diabo! Nunca a água me amargou quando o Diabo me assobiou!

         - Não fosses tu marrana da pia que ninguém to dizia!

         Bem quereriam avançar conversa, mas, antes que o vissem, ouviram o inconfundível passo do ti Pachocho que, manco, se encostava a um cajado que, como uma batuta, lhe marcava um ternário compasso de marcha.

         E ao Joaquim não lhe saía da cabeça a imagem das pernas desnudas e a Zabel sentia um calor que não era, apenas, o do sol. E o som da sachola do Joaquim passou a dialogar com o sacho da Zabel, obedecendo a um mesmo ritmo, com aumento e diminuições de ritmo e com as mesmas pausas. E os dois sentem uma harmonia como música que os embriagava tanto, que o sol se escondera por detrás de um céu quente de cor de chumbo que, súbito, se abriu em trombas de água, raios e trovões. Corre ele e corre ela para o Choço da ti Zabel do Latoeiro, entalado entre duas enormes penedias. Encharcada, a roupa, colava-se aos corpos. Agora, é o peito da Zabel que, desnudo, se oferecia, no meio dos trovões e raios ao Joaquim, a quem nenhuma força conteria o vulcão de lava que, assim, explodiu no corpo dela, no exacto momento em que um trovão, o mais tronante trovão alguma vez ouvido, se seguiu ao raio que, de cima abaixo, rasgou a cerejeira da entrada do portão.

         Depois uma imensa calma pairou sobre a terra. Calmos os corpos aproximam-se e num terno abraço beijam-se. Umas lágrimas quentes desceram pelo rosto da Zabel que o Joaquim, carinhosamente, limpou. Nada disseram. Saíram do choco. A trovoada tinha passado. No chão branco, coberto de granizo ficavam os sulcos do caminhar do Joaquim e da Zabel a caminho de uma nova vida.

In, Histórias Quase Reais - Júlio Marques

 

 

 

 

 

publicado por julmar às 20:34
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Viajar

Vou ali dar uma voltinha pela Irlanda. Fazer o que gosto - conhecer outros povos, outras culturas. Até breve.

publicado por julmar às 11:46
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sábado, 24 de Julho de 2010

Oferta Laboral

 A pedido do nosso Presidente da Junta de Vilar Maior, António Cunha, aqui fica publicitada esta oferta de trabalho.para informação mais completa consultem

 http://www.trabanca.com/

 

 

OFERTA LABORAL DE 64 POSTOS DE TRABALHO PARA SEREM CONTRATADAS NO MUNICÍPIO DE TRABANCA.

Enquadrada dentro do objectivo de dinamizar economicamente a zona rural da Fronteira de Castela e Leão com Portugal e o Parque Natural de Arribes del Duero.

Até o dia 31 de Julho de 2010, o Ayuntamiento de Trabanca desenvolverá através da Agencia de Empleo y Desarrollo Local, o recrutamento e contratação de 64 trabalhadores para dar cobertura à oferta laboral das diferentes entidades do Município.

As actividades que este pessoal vai desenvolver são amplas e variadas, desde a promoção turística até a incorporação das energias renovaveis, passando pela atenção a pessoas dependentes, actividades culturais, modernização do capital empresarial, actividades ambientais, programas de marketing, assessoramento laboral, igualdade de oportunidades, aplicação e incorporação das novas tecnologias, fisioterapeutas, guias de rota, cooperação internacional, assessoramento empresarial, Serviço de Atenção Preventiva, reincorporação de gado caprino na fronteira, atenção domiciliária para miúdos de 0 a 3 anos, promoção das actividades desportivas, levantamento dos recursos culturais da fronteira, que permitirá dotar dos profissionais adequados e necessários para a zona progredir económica e socialmente.

Programa Estratégico de Geração de novas oportunidades de inserção laboral
Projecto Self-Prevention
Projecto AMAS
Serviço Integral de Emprego S.I.E.
Projecto de criação de emprego através da Actividade Desportiva
Empréga-te na Ruta Internacional del Vino 2010
Estudo e Dinamização das potencialidades da Água no Parque Natural
Centro de Recepção de Visitantes
Voluntariado em Rios
Programa de Recuperação do Património
Criação do Observatório da Cultura Tradicional do Eixo Duero - Douro
Programa de Valorização dos Recursos Endógenos e Territoriais
Centro Internacional V.I.D.
Programa de Melhora do Meio e conservação do Ambiente
Implantação das energias renovaveis
Serviço de Orientação Laboral
Programa de criação de empresas
Programa de Marketing Territorial.

Exactamente os postos de trabalho a cobrir são os seguintes:

 

Administração e Direcção de Empresas                        6

Ciências do Ambiente                                                   4

Desenvolvimento Local e Desenvolvimento Rural         4

Desenho Gráfico e Publicidade                                      1

Educação Infantil                                                          2

Fundos Europeus                                                          3

Igualdade de Oportunidades                                        3

Marketing e Comunicação                                             1

Assessoramiento Laboral e criação de empresa           12

Sociologia                                                                       3

Psicologia                                                                       1

Turismo                                                                          4
Trabalho Social                                                              4

Tradução Português e Inglês                                        2

Direito                                                                           1

Veterinária                                                                    1

Engenharia Agrónoma                                                  1

Engenharia Informática                                                2

Engenharia de Montes                                                 1

Ingeniería Técnica Agrícola                                           1

Técnico Superior em Educação Desportiva                   2

Monitor Socio-cultural                                                   1
Administrativo                                                               2
Guia de Rota                                                                 1
Enologia                                                                        1

 

53 dos postos de trabalho correspondem categoria de Técnicos Superiores, ou seja Licenciados ou Doctorados, 8 correspondem a postos de trabalho de Diplomados e 3 postos de trabalho correspondem à categoria do grupo C.

A oferta laboral de todos estes postos de trabalho, poderá ser consultada na página web do Ayuntamiento de Trabanca a partir do dia 15 de Julho de 2010, encontrándose na página www.trabanca.com, os formulários para solicitar os postos de trabalho, podendo apresentar, via on-line, a solicitude e o curriculum.

 
Plaza Egido s/n - Tlf. 923 141 504 - Fax: 923 141 448 - 37173 TRABANCA (Salamanca)
e-mail: ayuntamiento@trabanca.com

 

 

publicado por julmar às 17:53
link do post | comentar | favorito
|

Requiescat in pace

Faleceu em Lisboa Deolinda Vaz, viúva de António Nobre Valente, nosso conterrâneo , e irmã do padre António da Ruvina. O funeral é hoje na Ruvina da parte da tarde. Aos filhos e demais familiares sentidas condolências.

publicado por julmar às 17:40
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

Tempo de Vacances

Bons tempos! Quando dava para passar um mês inteirinho na aldeia e havia muita gente no mês de Agosto. Enchia-se a taberna, enhcia-se a praça, enchia-se a igreja, enchiam-se as casas, enchiam-se as estradas e os mercados. Conversas em portugês e francês.  Um desejo forte de afirmação traduzido nas rodadas de cerveja, na compra de um lameiro, de uma vinha, de uma veiga ... ou no Renault 8 a brilhar. Era a década de 60.

Para tdosos os que recordam esse tempo, a canção francesa

http://www.youtube.com/watch?v=M28peN9XoGk

publicado por julmar às 17:43
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Julho de 2010

Requiescat in Pace

Esta é a imagem do Rodolfo que eu guardo: imagem sempre bem cuidada, alegre franco e generoso; imagem de há 33 anos atrás quando com frequência vinha (trabalhava numa companhia aérea) da Holanda passar uns dias a Vilar Maior.

A todos os familiares sentidas condolências.

publicado por julmar às 21:14
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Terça-feira, 13 de Julho de 2010

Histórias de velha ao sol

Uma mãe tinha 3 filhas para casar, sendo que as 3 eram fanhosas. Um dia apresentou-se um pretendente e a mãe recomendou-lhes que não falassem, que apenas ela falaria.

Apresentou-se o rapaz na cozinha, local nas aldeias de recepção de visitas. Encontrava-se uma panela ao lume que fervia e deitava o conteúdo para fora.

 

Diz uma:

- Fufa a panela

Diz outra:

- Mete-lhe a cucharela

Responde a terceira:

-Fufasse ou não fufasse, não disse a mãe que não falasses?

publicado por julmar às 07:56
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Julho de 2010

Mais informação

O visitante da vila, na falta de um cicerone, não se encontrará agora tão perdido. Ao todo são 10 placards informativos espalhados pela urbe. Também o Pelourinho já tem instalados os holofotes. Quanto ao arruamento que deveria chegar até ao castelo, como é? 
publicado por julmar às 21:52
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Sábado, 3 de Julho de 2010

Quando eu era criança

Estaríamos pelo ano de 1956 e eu espreitava o mundo ... que havia de conquistar

publicado por julmar às 22:06
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
29

30
31


.posts recentes

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds