Segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2011

Verbos de que se faz o pão

 

 

Para mim o pão ainda faz parte de todas as refeições. Na vila da minha infância ele era o elemento essencial que sustentava a vida de todos. Ele era inteiramente produzido ali.

O desafio é identificar todos os verbos (operaões) até chegar à mesa.

Começando: Decruar, estravessar.


 

publicado por julmar às 22:26
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011

A vestustez da acácia - Manuel Maria

Poesia bela demais para ficar nos bastidores

Deixaste passar a estação das flores e da fruta
e as pétalas das roseiras caíram,
secaram os figos na árvore, esquecidos.
Deixaste o tempo do amor passar,
deixaste partir os homens e os poetas.

Descansas agora sob a velha acácia do largo
com todo o vagar do mundo nos olhos,
um extremo cansaço nos ombros,
absorta no interminavel silêncio da tarde.
As tuas lembranças trazem a chuva de Outono,
os braços caídos são ramos que mergulham na terra encharcada...
Chegaria uma leve brisa nessse restolho seco da tua alma
uma faúlha no ar incendiando o céu,
para a seiva te subir pelos flancos como um rio,
os teus lábios me saberem de novo a mosto,
uma rosa nova florir no teu cabelo.

 

publicado por julmar às 22:11
link do post | comentar | favorito
|

Brincar à moda antiga

Das muitas formas de brincar - morar era o termo usado - algums as consistiam em lengas-lengas, rimas que se faziam acompanhar por moafas, mímicas, signifófias, danças, posturas corporais, movimentos rítmicos.

Experimente com crianças e vai ver que ficam deliciadas:

Assim se amassa

Assim se peneira

Assim se dá volta

Ao pão da masseira

Se tiver a idade que eu tenho lembra-se dos movimentos.

 

publicado por julmar às 21:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

Palavras que morrem - A parva

Quem sabe ainda o que significa (va)?

A palavra parvo era por aqui pouco usada. O que havia mesmo era tontos, so apoucados de juízo.

Da pergunta que se faz nada tem a ver com parvos, tontos, malucos, palermas, doidos.

A palavra parva está no dicionário e era usada na vila que conservou muito na sua língua da genuidade latina.

Parvus do latim significa pequeno. Parva era uma refeição pequena: uma merenda, um toca dente, uma côdea, uma bica. Uma toalha, um pano de estopa ou de linho sobre o qual se colocava o pão, o queijo, o chouriço e o vinho. E assim se retemperavam forças para o trabalho. E como por aqui tudo se fina, também a parva morreu.

publicado por julmar às 17:43
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 13 de Fevereiro de 2011

Acácia do Pelourinho

(fotografia tirada em 12-02-2011)

Árvore centenária, testemunha de quem entra e sai na vila, de tristezas e alegrias, de cortejos casamenteiros e de acompanhamentos à última morada, das procissões festivas, das rondas dos rapazes, dos bailes da praça, dos cavadores de enxada ao ombro, dos ceifadores e dos carrs de bois. E quantos segredos guardas ...

Parte de ti, moldou-se em escultura de mulher. A outra em breve com a Primavera voltará a rejuvenescer, a vestir-se de folhagem. Não me esquecerei de no próximo verão gozar a tua sombra ... para que sejas minha testemunha .

publicado por julmar às 21:13
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

Natal de 1984

                                                                                                (Fotografia de Manuel Fonseca)

publicado por julmar às 21:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Lameiros

(imagem de Loriga)

Começámos na maior altitude, nos cabeços e vamos descendo até ao curso dos rios – O Cesarão e a Ribeira de Alfaiates. Ao longo dos tempos, as águas vindas das partes superiores vão arrastando as terras soltas para as partes mais baixas empobrecendo aquelas e enriquecendo estas. O homem com o seu trabalho humaniza a natureza, fazendo regadeiras, mudando cursos de água de pequena dimensão, limpando terras, cercando terrenos e construindo muros de suporte de terras (cômoros), fazendo quarteirões, evitando a erosão dos solos.
Lameiro vem de lama. Não há lameiros sem água, daí que uma boa parte deles acompanhem ribeiros ou regatos correntes entre montes. Bastará pensar no Ribeiro dos Labaços que mais abaixo toma o nome de Regatos. Os lameiros são sempre propriedades muradas variando muito de extensão – quando mais pequenos tomam o nome de lameira que por vezes roteada servia para culturas de regadio – e de qualidade, valorizando-se também a proximidade da povoação. Se o meio mais natural da cabra é o cabeço (maior altitude), o lameiro (baixa altitude) é por excelência o pasto ideal para a vaca, sendo que a ovelha prefere as tapadas (média altitude) e sendo verdade, claro, que tudo isto é simplificar. O lameiro era das propriedades mais valorizadas pela quantidade de erva que ele produzia, não esquecendo o feno que podia produzir. Não podia haver lavrador que não tivesse lameiro e nabal. Com efeito, seria porventura mais fácil sustentar uma dúzia de cabras do que uma vaca. Daí que as rendas mais caras eram as dos lameiros. Foram das propriedades que se venderam mais caras aquando das remessas da emigração dos anos sessenta e setenta. Ainda hoje com toda a falta de actividade continuam a ser as terras mais estimadas. A árvore de eleição dos lameiros é o freixo, como o carvalho o é das tapadas.

Bom e já agora vamos à lista que não há-de ser pequena. Não fosse o sr Jarmeleiro e ninguém daria aresto dos nomes.

publicado por julmar às 17:58
link do post | comentar | ver comentários (22) | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011

Verdes são os campos - a poesia e a música

http://www.youtube.com/watch?v=RlevIRdf4NM&feature

 

Verdes são os campos
De cor de limão:
Assim são os olhos
Do meu coração.

Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,
De ervas vos mantendes
Que traz o Verão,
E eu das lembranças
Do meu coração.

Gados que pasceis
Com contentamento,
Vosso mantimento
Não no entendereis;
Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração.

Luís de Camões

 

 

publicado por julmar às 21:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2011

Palavras que morrem - O Povo

Que o povo faz a língua tornou-se um axioma. E quem tem o poder para fazer tem o poder para mudar e para desfazer. E se a voz do povo é a voz de Deus bem poderá acontecer que a voz de Deus tenha mudado ou que tenha ficado mudo. Com efeito, o povo já não é aquilo que era e, porventura, já não será.

O povo. O que é o povo? Há cinquenta anos todo o habitante da Vila lhe saberia responder. Hoje filósofos, antropólogos, sociólogos, linguistas e de outras especialidades da matéria terão dificuldade em responder ou responderão de maneira tão diversa que será difícil encontrar um denominador comum. Dir-lhe- ia o analfabeto, que não inculto, canivete: povo somos todos nós; povo são todos os de cá; o povo são as pessoas todas mais as ruas, as casas com seus currais, os largos, as fontes, os quintais, as eiras, os moinhos, a acácia e o pelourinho. Povo é o sino da torre cujo toque dita o que as gentes hão-de sentir: piedade, devoção, compaixão, alegria … ou raiva. O povo é a festa, é a procissão, é a missa e o sermão e o baile na praça. O povo é oração, é trabalho. O povo é a rodada do copo de vinho emborcado de uma vez só. O povo é o vivo de que é preciso cuidar. O povo é a gente e a povoação; povo é o ti Junça  no toque das Trindades e a ti Zabel Espanhola ao Arco berrando alto pela filha: Ó Libânia, ó Libânia! e, baixinho maldizendo os desvarios da sorte que lhe coube.

Assim vão morrendo as palavras porque já não são precisas.

publicado por julmar às 12:13
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011

Chães e Quintais e outras terras secadais

Rasas das Moitas, tapadas e terras de vinha ocupavam, seguramente, mais de dois terços da terra agricultável. A juntar a estas terras de sequeiro havia ainda os chães e os quintais. Quanto aos chães eram, como as tapadas, propriedades muradas, por norma, em altitudes inferiores e de área mais reduzida e com uma terra mais forte, mais abrigados dos ventos prestavam-se à cultura do trigo (nomeadamente o trigo sacho), do milho, do gravanço, do tremoço. Por vezes, serviam rotativamente de nabal, de batata secadal e até de meloal. As paredes com boa exposição solar serviam para amparo a latadas. São tão disseminados que eu penso que mesmo uma pessoa tão versada como o sr Jarmeleiro terá dificuldade em os nomear, para além daqueles que são os principais, os maiores e os melhores: O Chão da Ponte (em tempos o sr Fernando arrendava as sobras das águas do pio para rega) e o Chão de S. Pedro – que do santo há-de ter sido.

 

Figos de Arroz-doce - Arronches - Portugal

Depois existe uma infinidade de quintais que se caracterizam, para além de serem de cultura de sequeiro, por terem pequena dimensão, por existirem dentro do povo ou nas suas proximidades, por serem agricultados à enxada. Complementam muitas vezes a cultura das hortas, havendo neles quase sempre árvores frutícolas: marmeleiros, figueiras, nogueiras, romanzeiras, amendoeiras como mais comuns. Neles se cultivava as couves galegas, as ervilhas, as favas, os alhos e, junto às paredes, de modo espontâneo cresciam os cardos para o coalhamento do leite. Havia alguns que de tão bem cuidados nada ficariam a dever ao jardim do Éden onde a desgraçada humanidade teve origem.

publicado por julmar às 18:08
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

. Feira de Talentos de Vila...

. Marias há muitas!

. Vaca loura

. Descubra a sua ascendênci...

. Ter uma aldeia

. Porque hoje é dia da mãe

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds