Sexta-feira, 29 de Julho de 2011

Em maré de responsos

SALMODIANDO

SANTO ANTONIO ESTAVA Á PORTA
TINHA A SUA CAPA POSTA
A CAPA ERA DE ESTAMENHA
QUEM QUISER REZAR QUE VENHA.
VEIO A VELHA DO BORDAO«
RECITAR UMA ORAÇAO.
PAX MECO,PAX TECO
VADE DEMO VADE RETRO
ERA A HORA DO MEI.DIA
SAO MIGUEL AO CEU SUBIA
NOSSO SENHOR ERA MENINO
JÁ CUMPRIA O SEU DESTINO

JÁ ANDAVA PELO MAR
COAS TRES MARIAS A PAR
UMA ERA MADALENA
OUTRA ERA MARTA IRMÃ DELA
A TERCEIRA SANTA RITA
IRMA EM TAMANHA DITA

SOPRAVA O V ENTO NABARCA
A NOVA FOEDERIS ARCA
SAO PEDRO O LEME GUIAVA
TIAAGO MAIOR AJUDAVA
COO FILHO DE ZEBEDEU
IA SAO JUDAS TADEU
AS ESTRELAS NA BARQUINHA
IAM DISPOSTAS EM LINHNA
OS PEIXES ROXO CARDUME
REBRILHAVAM MAIS QUE LUME

AOS TRES DIAS DE VIAGEM
ERA MAIS FRESCA A ARAGEM
NOSSO SENHOR DORMITAVA
A BARQUINNA ONDEJAVA
EMBAALAVA SAO JOSÉ
GLORIA TIBI DOMINE
              Enviado por  MANUEL LEAL FREIRE
publicado por julmar às 16:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Julho de 2011

Outra forma de responsar - Olívia Dias

Júlio a minha mãe sabe (e a tua também o sabia)outro responso que é infalível:

S. António de Lisboa
Que em Lisboa nascete
Em Pádua foste criado
Quando vós estaveis a pregar
Uma nova vos veio
Que vosso pai estava cercado
Vós lá foste
Livrinho perdeste
Maria vo-lo achou
3 vezes Maria vos disse:
O perdido seja achado
O morto rescussitado
que o vivo ao longe está cercado.

Rezar um Pai Nosso

Este sei eu que funciona, com fé e intenção.

publicado por julmar às 12:26
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Julho de 2011

Responso a Santo António

Das muitas orações populares que na vila se sabiam e se usavam, aqui vai uma, que uma amiga me recuperou. Afirma com convicção que não há coisa perdida que esta reza, feita com devoção, não recupere.

O melhor é tentarem. Se não conseguiram é porque a fé foi hesitante ou a devoção insuficiente, ou uma coisa e outra.

 

Se milagres desejais,
Recorrei a Santo António;
Vereis fugir o demónio
E as tentações infernais.

Recupera-se o perdido,
Rompe-se a dura prisão,
E no auge do furacão
Cede o mar embravecido.

Pela sua intercessão
Foge a peste, o erro, a morte,
O fraca torna-se forte
E torna-se o enfermo são.

Recupera-se o perdido... (repetir)

Todos os males humanos
Se moderam, se retiram,
Digam-nos aqueles que o viram;
Digam-no os paduanos.

Recupera-se o perdido... (repetir)

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo
Como era no princípio, agora e sempre
Ámen.

publicado por julmar às 17:20
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Terça-feira, 19 de Julho de 2011

Contradições - O Riba- Côa e a construção da Europa

 Como diria o outro - o mais sábio de todos -, «depois não digam que eu não avisei». Agora que a crise bateu à porta (não se pode dizer que não seja bem educada, ainda que as pancadas sejam um pouco violentas), olha-se para trás e todos constatam os erros. Entre muitas coisas, acabou-se com a agricultura e acantonoaram-se as populações à beira mar confiados que o país iria viver do turismo e demais serviços. Com isso se foi encerrando aos poucos o interior do país. Afinal, parece que isso tem um preço tão elevado que ninguém sabe como resolver.  

 

             «Que pena me faz a mim, filho desta terra, conhecedor do que foi num passado ainda recente, vê-la extinguindo-se, tão irremediavelmente, num país que dizem estar a desenvolver-se, a modernizar-se, a europeizar-se. O que sinto não é saudade ou saudade apenas, mas dor e uma raiva impotente. Nos dias que vivemos, chegam–nos, por todos os meios, notícias em defesa de tal animal ou de tal planta, - seja do lince da Malcata ou do azevinho -, de um monumento, de um costume ou usança. Há manifestações de solidariedade para com o povo de Timor que, justamente, quer viver segundo a sua cultura e recusa a subjugação a uma alheia. Somos, até, capazes de, convictamente, nos pronunciarmos em defesa dos índios da Amazónia. Assistimos, entretanto, indiferentes à morte de comunidades e culturas seculares que foram parte activa e enriquecedora do que foi e é a nação e a cultura portuguesa. Entre elas está a região de Ribacôa que foi a última parcela a integrar o território nacional do continente, após longas e devastadoras guerras que terminaram com o tratado de Alcanizes, no reinado de D. Dinis. Grande foi a atenção que, a partir de então, tiveram os monarcas, manifesta na defesa (lá está toda a linha dos castelos do Sabugal, Alfaiates, Vilar Maior, Castelo Bom e Castelo Rodrigo) e no povoamento, como o atestam os forais e a criação dos municípios. Muitos são os vestígios dos povos antigos que aqui se fixaram. Ao longo de séculos, pela acção do poder político, do poder da Igreja e do labor das gentes, aqui se foram forjando formas próprias de vida, isto é, uma maneira própria de ser português e de o ser, tão plena e dignamente, como em qualquer outra parte do território. Esta maneira de ser português, esta forma de participar na cultura nacional está em extinção. Pelo simples facto de que não há pessoas. Cada uma das suas múltiplas aldeias está morta ou em vias de extinção. Basta olhar para as estatísticas. Na década de 50, era ainda um fervilhar de gente. A vida pulsava por todos os caminhos, veredas, hortas, casas e ruas. Era muita vida para tão pouco espaço. Hoje há tanto espaço para nenhuma vida. Não foi uma barragem que submergiu Ribacôa, mas sim um poder político que o abandonou e, diga-se, uma Igreja que deixou de estar presente. Desapareceram o professor primário e o padre, os dois pilares fundamentais da cultura, nestas comunidades. As escolas fecharam e já se não houve o cantarolar da tabuada. Já se não fazem contas à vida. Algumas igrejas ainda abrem, algumas vezes, ao Domingo, por enquanto, e sempre que a morte bate à porta. Acabem os jornais como o "Nordeste" e terão cortado os ténues laços que unem aqueles que, ausentes, guardam a memória do passado.

Que país é este que tão distraído anda com o que tão longe acontece e se esquece de si? Andam os políticos tão ocupados com a construção da Europa! Quem mais que os ribacudanos a ajudaram a construir? Com pá, suor, cimento e lágrimas. Muitas lágrimas. E sangue. Abandonaram tudo: os campos, os gados, as mulheres e os filhos. Viveram em barracas, levantaram-se manhã cedo, muito cedo e chegavam à noite, tarde, muito tarde. Não havia sábados de descanso e, quantas vezes, Deus lhes perdoe, sacrificaram o dia do Senhor, para que a Europa se construísse. E o seu país também. Na Europa, ficava a obra feita. Para o país, vinha o dinheiro que ajudou a transição para a democracia, em 74/75, que ajudou a reintegração dos retornados de África, que permitiu aos nossos políticos passearem-se pelos corredores da CEE, pelos corredores do Centro Cultural de Belém e por outros corredores.

            Que recebemos em troca? A sua ruína e a da sua região porque, se num lado ficou a obra e, para o outro, foi o dinheiro aqui cavou-se o vazio, o deserto. A terra se não é cuidada morre».

                        Júlio Silva Marques, in "O Nordeste", 1992

 

publicado por julmar às 15:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 16 de Julho de 2011

Você é um galucho - António Lucrécio Soares

Já o sabemos: Em Vilar Maior todo o indivíduo é um personagem. Porém, alguns pelo, jeito, pelo modo, pelo feitio foram-no mais do que outros. É o caso do ti Lucrécio que assim descrevi no livro Memórias de Vilar Maior, minha terra, minha gente.

 

Para que serve um jornal

            Analfabetos podem ser, incultos é que não. A maior parte não vê uma letra do tamanho dum boi, expressão usada aqui para dizer que fulano ou sicrano não sabe ler. Não é que não houvesse escola mas muitos pais não podiam prescindir do rapazito ou da rapariguita para tomar conta do gado ou dos irmãos mais novos e também não viam, por vezes, grandes vantagens em aprender a ler e a escrever.

 

                                                                         A casa onde habitou

 Os livros eram raros, revistas não havia e jornais, durante muitos anos, chegava com dois ou três dias de atraso o " Diário de Notícias" a que, por ser correspondente, tinha direito o senhor António Lucrécio que também por esse facto era a pessoa mais bem informada  do que se passava pelo mundo fora. Extraídas as mensagens do jornal, seguiam alguns exemplares para a ti Pureza. Quem não se lembra dela? Durante anos e anos, todas as tardes  de domingo, no fundo da praça, sentada no cais, com o caldeiro de tremoços à beira e um monte de folhas de jornal de diversas medidas. Lá iam os garotos, um a um, a comprar um tostão ou dois de tremoços. Cinco tostões era um cartucho grande e dez tostões um cartucho enorme. Assim, os mais velhos acompanhavam o copo de vinho que se tinha ganho a jogar a arraioila ou a jogar às cartas;  assim os rapazes começavam a ronda  ao som do realejo na falta de melhor instrumento:

 

                                   Venha o copo, venha o vinho

                                    Venha mais uma rodada

                                    Que o dinheiro paga tudo

                                    Não lhe fica a dever nada

 

            Entardecia. Lá ia a ti Pureza para casa, com os restos dos jornais que não sabia ler mas de que fazia úteis cartuchos, cozer tremoços, demolhar tremoços para o domingo seguinte , no tempo em que os tremoços eram chochos. Às vezes, serviam os jornais para a rapaziada fazer papagaios, quando algum deles mais  cuidadoso havia guardado o fio (linhol) dos canudos das canas dos foguetes que apanhara na alvorada da festa do Senhor dos Aflitos. Outras vezes, decorava basais ou guarda-louças e até havia quem forrasse todas ou partes das paredes interiores das casas. Não fora o senhor António Lucrécio correspondente do citado jornal e estamos a imaginar  como se haveriam de resolver tais situações. Para além do citado jornal compor a figura do nosso correspondente que presumo ter sido um homem inteligente, com uma filosofia de vida que o levava a um distanciamento dos outros, a um olhar crítico, a uma independência  e a um desprezo pelo servilismo e estupidez humana. Exercera a profissão de comerciante. Exerceu a profissão de agricultor mas diferente dos outros: Mais do que trabalhar organizava o modo de produção: Mandou construir condutas de água em granito e privilegiava a cultura do feijão bem mais rentável que a batata; dedicou-se à apicultura daí conseguindo uma diferente e fácil fonte de rendimento. Lia-se-lhe no olhar, por vezes, uma certa amargura talvez porque  sabia poder ter ido muito alto e, no entanto, ficara por aqui a ver  restos de jornal a embalar tremoços. Ele era o dono da praça, quando os outros cavavam, lavravam, pastoreavam: Chapéu, capote, bengala, jornal debaixo do braço, praça acima, praça abaixo, vezes sem conta. Às vezes, aparecia o militar ou o proprietário rico mas quem sabia disto ou daquilo era ele, lançando-lhes  o epíteto: “são galuchos”. E coisa que dissesse haveria de manter. Contou-me, que quando estava na tropa, certo dia , na formatura se cantava  "A Portuguesa". O sargento observou que o soldado Lucrécio não abrira a boca. Ordenou, então, o sargento que cantasse . "Não canto, não canto e não canto", repetiu  o soldado. Desobediência que levou ao prolongamento da vida de soldado. Um dia adoeceu. Não houve mais jornal, cartuchos, nem tremoços e a praça nunca mais foi o que era.

publicado por julmar às 15:39
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Julho de 2011

A Vila pelo mês de Julho

Com a ribeira infestada de todo o tipo de vegetais mas com abundância de água que ningém precisa; com casas de portas fechadas que ningém abrirá; com árvores de copiosíssimos frutos que hão-de amadurecer e cair ao chão; com vinhas encobertas em matagal que oferecerão as uvas à passarada.

E também a vila que resiste: O ti António Rasteiro, o ti Fernando, o ti António Lavajo, o ti Zé da Cruz ... e outros mais novos.

E a construção civil -   O Cimento em transformação, o calcetamento da envoltura do Centro de Dia, e mais um telhado novo aqui e outro além

E o Nuno que preserva os modos antigos da economia rural. Tudo isto existe, tudo isto ainda faz a vila viver.

 

 

 

publicado por julmar às 09:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 3 de Julho de 2011

Casamento de João Marques

Dia 2 de Julho, João Marques , filho de Júlio Marques e de Teresa Seixas, contraiu matrimónio com Cristina Martins, filha de Ilídio Martins e Helena Grego Leal. O evento, em Vila Nova de Gaia, contou com a presença de amigos e familiares.

O blog faz  votos de longa  e feliz vida  ao novo casal e desejos que e fortaleçam os laços com Vilar Maior.

                                                                         A saída da casa dos pais do noivo

                                                                                           Família Seixas

                                                                           Família Marques

 

Família Nazaré Martins 

                                                                            Pais e irmã do noivo

                                                                             JOÃO e CRISTINA

publicado por julmar às 22:53
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

ADES – Exposição de Pintura em Vilar Maior

 

A ADES em parceria com a Junta de Freguesia de Vilar Maior promove uma Exposição de Pintura na Sede da Junta de Freguesia, referente a quadros do Pintar Sabugal 2009, evento realizado nesta Freguesia.

 

A ADES – Associação Desenvolvimento Sabugal, informa a todos os interessados de que poderão visitar e até adquirir as obras expostas numa exposição de pintura alusiva à Freguesia histórica de Vilar Maior, no decorrer do mês Julho de 2011, no salão da Junta de Freguesia.

A referida exposição, retrata o património histórico e cultural da Freguesia de Vilar Maior, e está inserida no contexto do Evento "Pintar Sabugal 2009" com o seu vasto e rico património histórico e paisagístico. Foram elaborados vários trabalhos por parte do GART – Grupo de Artistas e Amigos da Arte e por alguns artistas locais, como foi o caso do Sr. José Chapeira e do Sr. António Alves (artista emigrante e natural do Casteleiro), e pretende-se expor os trabalhos realizados nesta Freguesia possibilitando aos residentes locais, naturais e visitantes em geral apreciar esta arte. Os interessados poderão visitar a exposição em horário de atendimento da Junta de Freguesia de Vilar Maior aos Domingos e Quartas-Feiras das 14 às 16 horas, ou contactar com os elementos da Junta de Freguesia, para solicitar uma visita em outra data, até ao dia 7 de Agosto de 2011.

 

A ADES, informa ainda de que decorre em simultâneo uma exposição de pintura no Mini Preço do Sabugal junto ao bar, e uma outra exposição na Sede da Academia de Música e Dança do Sabugal.

publicado por julmar às 21:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds