Terça-feira, 25 de Outubro de 2011

Ora batatas, senhores!

Pois, à conta da PAC (política agrícola comum) foram as vinhas, foram as veigas e com elas foram as pessoas. É doloroso ver as margens dos nossos rios. Fizeram de nós um país terciarizado acreditando que podíamos viver a fazer mesuras uns aos outros, sobretudo aos estrangeiros, que bastaria engomar camisas sem ter que as produzir. Parece que se está a chegar a uma conclusão. Ora, batatas!

Se estivéssemos no século XX, antes do êxodo  migratório do início de sessenta, ser-nos- ia incompreensível que se pudesse  viver na vila sem batatas. Terá sido trazida da América do Sul pelos espanhóis como mera curiosidade botânica. Segundo Leite de Vasconcelos a primeira vez que a palavra batata aparece em português é no ano de 1647 e parece que o seu cultivo e consumo generalizado apenas terão ocorrido ao longo do século XIX, de norte para sul do país. 

E com o cultivo da batata muda-se a vida e muda-se a paisagem. Dada escassez de terras, os mestres pedreiros levantam paredes ao longo dos rios e criam sucessivos cômoros que ficam cada vez mais altos que o leito dos rios para o que terão de erguer essas construções cilíndricas  - os passeios das rodas (noras) - para desgraça da qualidade de vida dos burros chamados à ingrata tarefa  de num tempo infindo  terem de andar à nora. Há coisas que nem uma besta suporta sem dar em louco. Por isso lhe tapavam os olhos. E para levar a água cada vez mais longe e vencer alturas, os mestres pedreiros levantavam condutas de água rasgadas em duro granito.  É que a batata exigia mais terra do que qualquer outra cultura de regadio.

Tapada para o centeio, vinha para o vinho e veiga para as batatas. Pão, vinho e batata, eis a trilogia agrícola fundamental que sustentava as vidas. Por isso, o lavrador chegado o Outono era um homem feliz se na loja a tulha das batatas, a arca do pão e o tonel do vinho tivessem de abonda até à nova colheita. O marrano  desfeito em enchido e carnes na salgadeira, mais o pote do unto haveria de vir trazer o acompanhamento e o gosto à batata e ao pão. Tudo o mais, ainda que importantes, são suplementos ou complementos.

E as batatas eram boas de todas as maneiras e sempre com sabor diferente. Ouvia contar da desgraça que foi um ano em que a colheita se perdeu. A criatividade que era colocada para fazer o caldo. Sim, tentem fazer um caldo sem batatas os dias todos do ano! O arroz e a massa eram bens raros para dias de festa. Sim, porque a batata podia ser cozida de novelo, rachada ou descascada dando sempre sabores diferentes. E diferentes não só segundo as variedades mas segundo a terra onde eram cultivadas, constando que as melhores eram as da Balsa; tal como as secadais eram melhores que as regadias.

Porém as que sabiam melhor, eram as que no dia do arranque das batatas eram preparadas e comidas in loco!

publicado por julmar às 18:56
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

E A BATATA, SENHORES! - Dr Leal Freire

Antes do grande êxodo, todas as terras  que  pudessem beneficiar de rega eram afectadas ao cultivo da batata, exceptuadas umas pequenas leiras, mais ricas e cuidadas,  reservadas para a horticultura — couve galega, tomates, pimentos, pepinos e cebolas.

Este tipo de produtos eram efectivamente muito exigentes, tanto que deles se dizia que todos os dias exigiam a presença do cultivador, embora, porém, em menor grau, também a cultura da batata requeria grandes cuidados.

Para começar logo a preparação e estercagem dos solos.

Depois a escolha das sementes, pois como dizia o povo, quem merda semeia, merda colhe.

E até a escolha data de deitar à terra os pequenos fragmentos, que tinham de ter pelo menos um olho, era objecto de análise pela importância atribuida às fases da lua e ao grau de humidade da vessada — se seca, o olho não despontava, se excessivamente húmida, apodrecia.

O doseamento das leiras, a sua inclinação, os regos a marginá-las — tudo  tinha de ser bem pensado

Até porque  ao lado se plantavam alfaces e beterrabas —  as primeiras para consumo precoce, as segundas   para  forragem hibernal, tal como as abóboras, que tinham campo  à parte...

As ervas daninhas eram  cuidadosamente arrancadas, à sacha, primeiro, e, depois, por arranque manual.

Na minha meninice, só havia três variedades — a vermelha, maioritária, a branca, menos abundante, e a riscada, mais rara ainda.

Como semente, usavam-se tubérculos de média dimensão, entre os grossos, para consumo caseiro, ou venda, e a miúda, para os gados, especialmente os porcos.

Para evitar os malefícios  da repetição, trocava-se com os vizinhos.

Os de mais rasgo e posses, aventuravam-se até os Foios, terra de alma para as batatas de semente.

Entretanto, começa a globalização e com ela a vinda de novas variedades do Estrangeiro.

Com a praga do escaravelho, primeiro  apanhado para baldes e queimado, depois combatido pelo DDT, a que o parasita ia ganhando resistências, nos chões encravados entre rochedos e na zona eram a maior parte, foi tempo de abastança para os lagarto luzídios   como unto sem sal.

Mas entretanto, o íncola habituou-se a outras espécies

Veio a rambana — aportuguesamento por aférese  e apócope do nome  verdadeiro

Veio a rancousa, nome epentético.

Veio a especial rosa branca — evocativa do tempo em que o tubérculo se não  comia e se julgava até  pai de enfermidades  e, por isso, colocado na lista das plantas  ornamentais.

É verdade!

Foi necessário que sobreviesse uma época de grandes fomes, para que nós europeus  começássemos a consumi-la.

A exemplo das famílias reais que lhe louvavam o sabor e virtudes e que, para estimular o desejo da prova proíbiam o acesso aos jardins onde o tubérculo se exibia numa profusão de flores.

Passada a crise, a batata cimentara-se já no gosto alimentar da generalidade das   populações e tornou-se mesmo  o produto de maior consumo, o que obrigou  a uma redescoberta   de variedades.

Presentemente, a coqueluche são as batatas selvagens do Peru, as CHUNO, palavra que para os incas significa exactamente batata.

Pois a mama chuno foi desde há dez mil anos a  sua base  alimentar.

E  dizem os sábios que  aquele tipo de batatas nos fornece o quantum satis de vitamina C,  tem poucas calorias  e muita força antioxidante.

Aqui na orla raiana do Sabugal, a batata, para além de alimentar homens e gados foi o principal financiador das populações.

É  um bom agente publicitário do nosso bom nome, pelos milhares de toneladas que concentrada na Freineda, na Ceredira, na estacão da Guarda e no Barracão se disseminavam depois  aquém e além fronteiras, criando armazenistas de tomo e comissários de uma apreciável mediania

publicado por julmar às 11:42
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Outubro de 2011

Caminhada em Vilar Maior, In Cinco Quinas

O «Cinco Quinas dá-nos conta deste evento - Consulte e veja fotos em:

http://www.cincoquinas.com/index.php?progoption=news&do=shownew&topic=3&newid=5170

A quinquagésima primeira caminhada, pelo interior das riquezas paisagísticas do concelho do Sabugal fez-se em Vilar Maior, uma das aldeias com castelo. O passeio aconteceu no passado domingo e ficou marcado pela presença notória do Outono.

a111cb07024cc763da843f3990fbfde0.jpg
Cerca de oitenta pessoas participaram nesta caminhada em Vilar Maior, entre crianças e adultos.
Os participantes reuniram-se no Centro de Dia da freguesia, por volta das nove da manhã e meia hora mais tarde, os caminhantes fizeram-se ao caminho.
O percurso foi “um pouco acidentado” e coincidiu com a rota do “Vale Cesarão” que tem cerca de oito quilómetros de extensão. O percurso é circular e liga Vilar Maior à Arrifana pelas margens do rio Cesarão, também chamado de Ribeira de Aldeia da Ponte. O passeio permitiu a passagem pelo castelo, pelourinho e ainda a ponte. Outras vistas proporcionou a caminhada, como os testemunhos medievais, calçadas e sepulturas antropomórfica, em que a freguesia é rica.
O pequeno-almoço foi servido a meio da manhã na localidade anexa, Arrifana do Côa.
A chegada para o almoço estava prevista para a uma da tarde, mas o ritmo acelerado do passeio pedestre provocou uma chegada antes do planeado, ao Centro de Dia de Vilar Maior, onde se repuseram as energias gastas.
As Caminhadas pelo Interior, iniciativa da Câmara Municipal do Sabugal, voltam no próximo mês com mais um passeio (52.ª Caminhada, em Aldeia de Santo António, dia 13 de Novembro) e caminham assim para as quase sessenta passeatas pelas terras do concelho.
publicado por julmar às 17:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Outubro de 2011

Casamento

No dia 1 de Outubro, Michael Marques Freire casou com Janine Cabrita. O evento ocorreu em Joanesburg, onde residem. O noivo é filho de Isabel Maria Silva Marques ( a Belita da ti Graça) casada com Carlos Munhá Freire e que vão repartindo o tempo entre Maputo e Joanesburg. Assim a descendência dos vilarmaiorenses se vai espalhando pelos cinco cantos do mundo. Aos noivos desejamos as maiores felicidades.

publicado por julmar às 21:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

As nossas deliciosas uvas - Dr. Leal Freire

Neste nosso degraçado País, importa-se tudo. Até uvas de mesa, que, mais não são genericamente que uns grossos bagos, cheios de àgua e açucar. Em  2009, último ano a que se reportam estatísticas importamos  da África do Sul, Chile, África Mediterrânica e Espanha cerca de cinquenta milhões de quilos de  uvas de mesa... Sem contar com as que todos nós, a começar  pelo crítico que sou eu, trazemos de Espanha, em   espécie ou em passas, Comer fruta fora da época, além de ficar caro e desequilibrar a nossa pobre balança de pagamentos, faz mal. A fruta   só se deve comer quando no rancho a dão ao soldado, que então é que ela é boa, gostosa e madura E obviamente quando é barata. Para além  do custo para a bolsa dos gulosos e do peso na chamada balança de pagamentos, as uvas estrangeiras  não tem sabor   e por só serem água e açucar não ultrapassarão a categoria  lixo, nome com que, agora, os nutricionistas  apodam os maus alimentos e as agências  financeiras os produtos da bolsa que os seus donos querem adquirir ao preço da uva mijona, que atinge, mesmo assim, alto preço, se vier de fora, fora da época, duplamente, pois, de fora. E  que saudade nos despertam da malvasia, do moscatel de Hamburg, do ferral-tamarando São Paulo Morango ou até de outras castas que  os grandes lavradores cultivavam  para primícias ou fins de estação. Em Vilar Maior, as casas solarengas tinham nos quintais que as circundavam umas dúzias de   cepas. Pelo Santiago não era só o bago que pintava, mas todo o Moscatel Torrado a mais precoce das castas. E    já ia Novembro  em mais de meio e nas abrigadas aonde não chegara a geada, e ainda se viam parras ostentando ICAS  e  AREQUIPAS, trazidas do Peru pelos nossos vizinhos de Mirobriga e depois vindas para os Peçanhas por gentileza dos seus parentes castelhanos As soalheiras encostas da nossa zona,deveriam voltar-se para este tipo de produçao, revivescendo as nossas castas nobres   e introduzindo outras, nomeadamente as variedades mais tardias, ensaiadas na Itália e nas de sem graínha.  
publicado por julmar às 19:11
link do post | comentar | favorito
|

A cor da pele

Heraclito, filósofo grego, foi o primeiro a afirmar que a mudança é a própria natureza ou essência das coisas: Tudo  muda. Numa época em que para além das mudanças cíclicas da natureza pouco mais se via mudar. Com a as mudanças aceleradas  a que assistimos hoje vemos jovens de 30 anos a dizer "no meu tempo...".  Para quem tem 60 anos são muitas as coisas que já não são "como soía".

A gordura sinal de saúde, de força e de riqueza e de formusura passou a ser sinal exactamente do contrário. E não me esqueço do desgosto da minha mãe me ver, no verão, com a pele tão tisnada a ponto de ter comprado uma pomada que me colocava nas manhãs de verão, muito cedo, antes do sol nascer, acrescentada da recomendação:- Tu, põe o chapéu na cabeça. É que ser moreno, preto, tisnado era mesmo indesejável. A pele branca, alva, essa sim, era apreciável. Por isso, as mulheres usavam o largo chapéu de palha e as senhoras usavam as sombrinhas.

É o que nos conta Guerra Junqueiro (1850- 1923)

 

Morena

Não negues, confessa
Que tens certa pena
Que as mais raparigas
Te chamem morena.

Pois eu não gostava,
Parece-me a mim,
De ver o teu rosto
Da cor do jasmim.

Eu não... mas enfim
É fraca a razão,
Pois pouco te importa
Que eu goste ou que não.

Mas olha as violetas
Que, sendo umas pretas,
O cheiro que têm!
Vê lá que seria,
Se Deus as fizesse
Morenas também!

Tu és a mais rara
De todas as rosas;
E as coisas mais raras
São mais preciosas.

Há rosas dobradas
E há-as singelas;
Mas são todas elas
Azuis, amarelas,
De cor de açucenas,
De muita outra cor;
Mas rosas morenas,
Só tu, linda flor.

E olha que foram
Morenas e bem
As moças mais lindas
De Jerusalém.
E a Virgem Maria
Não sei... mas seria
Morena também.

Moreno era Cristo.
Vê lá depois disto
Se ainda tens pena
Que as mais raparigas
Te chamem morena!

Guerra Junqueiro, in 'A Musa em Férias'

 

publicado por julmar às 10:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 12 de Outubro de 2011

FLUMEN PATRUM OU CANTATA DO CESARAO - Dr Leal Freire

Robalos,enguias,trutas,
Peixes que a barbas enxutas
Não pesca o proprio Nereu
Fizeram ninho nas grutas
Leito de rochas hirsutas
Do Cesarão Cesareu

Perto de Aldeia da Ponte.
Vai-se a serra,vai-se o monte,
Ficam as veigas humosas
Mas os peixes,quem os conta
Á luz do sol que desponta
Pescarias milagrosas

Cesarão ,sigla romana
De que a Ribeira se ufana
Que César foi quem lha deu
Mas deu-lhe o povo outro nome
Que o tempo jamais consome
É Cesarao Cesareu

 

publicado por julmar às 11:06
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 9 de Outubro de 2011

Caminhada do Sabugal na Vila

Um exemplo das paisagens magníficas que os caminhantes poderão observar: O Saltadoiro dos Cães.
O Presidente da Junta, António Bárbara, faz-nos chegar a seguinte notícia:

A próxima caminhada do concelho está previsto que se realize em Vilar Maior  no próximo dia 23 de Outubro.
Apesar do programa ainda não estar definido penso que irá ser: Concentração ás 9 horas no Centro de Dia, seguindo o trilho das Escaleirinhas/Fraga até á Arrifana pelo antigo caminho. Pequeno almoço na Arrifana seguindo até ao encontro do rio Cesarão com a ribeira do Pereiro, passando pelos pisões até ao castelo para os mais arrojados.  Para os outros poderá ser pela Fonte Velha. O almoço será em Vilar Maior e que as incrições deverão ser feitas para telefone geral da Câmara 271 75 10 40 e o programa deverá ser consultado na agenda municipal.

publicado por julmar às 21:57
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Domingo, 2 de Outubro de 2011

Casamento

 

No passado dia 17 de Setembro casaram Ricci Câmara e Deryn Stephanie Lang, em cerimónia que teve lugar nas Ilhas Maurícias juntando a família mais chegada dos noivos. O Noivo é filho da Norberta (Beta) Marques e de Jaime Câmara, residindo todos na África do Sul.

Votos de felicidade para todos e, de um modo especial, para os noivos.

publicado por julmar às 21:10
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds