Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

A nossa pobre e desequilibrada balança de pagamentos - Dr Leal Freire

II-No funeral da sogra do meu amigo...

 

 

Sou também inversado frequentador de  enterramentos, não daqueles que têm origem em tragédias ou levaram cedo de mais para o Além pais  de menores ou cidadãos cujo desaparecimento a Comunidade vai sentir por fas ou nefas.

Mas quando um cidadão dá a alma ao Criador depois de ter passado bem pela vida e se fina como um passarinho ao fim de bem cantado dia, o convívio é de arromba.

Juntam-se amigos esparsos um pouco por todo o mundo. Ouvem-se relatos de cenas quase inimagináveis. E concluída a funçanata, ainda há margem para uma banqueteação  de culto à gastronomia da   zona.

Enfim, a   bonomia, quando nos assiste, dá direito a tudo. Desta vez, todavia, o cenário era diferente.

É que tudo o que dava corpo ao acto, salvo o cadáver da defunta era espanhol:

Espanhol, o padre oficiante; Espanhol, o sacristão – e que bem que ele entoava os salmos do dies irae; Espanhol, o coveiro; Espanhol o agente funerário.

E eu dei comigo a pensar no tempo em que nós enchíamos  os seminários do Continente e municiávamos os de Angra do Heroísmo e Macau, com levitas que se espalhavam até pelos mais recônditos  lugares de todo o nosso vasto mundo ao serviço da FÉ.

E em que as irmandades das Benditas Almas, existentes em todas as paróquias, destacavam andantes, mordomos e pregoeiros, empunhando umas grossas velas de cera e outros estandartes e insígnias , mas todos envergando distintivas opas. E em que as mesmas irmandades, mal anunciado o decesso faziam tanger os sinos e abrir a cova.

Algumas, com ou sem o contributo das famílias enlutadas, mandavam cozer fartos moios de pão ou até panelões de arroz de bacalhau – a carne era  interdita – e tudo para  oferecer  aos  participantes na cerimónia.

O que dava lugar até a ditos jocosos como este.

Vale mais ir a um enterro do que a um casamento

Neste só se come badana e naquele bacalhau

No enterro não se dá prenda

E o espectáculo é mais completo, porque no casamento não se vê enterrar

Mas o que mais me entristeceu neste funeral foi constatar que, aqui na Raia, que foi viveiro de sacerdotes e deconfraraias das Almas já nem sequer detemos meios  para uma cerimónia fúnebre

publicado por julmar às 18:28
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Instantes eternos

 
Nas muralhas do castelo, numa noite de Agosto, estrelas no céu, uma pequena luz de isqueiro para cortar o escuro, música no silêncio da noite com a distância de trinta e tantos anos. E o fumo dos cigarros. e as conversas, e o silencio da ribeira ao fundo. E tudo ... e nada e entre eles cinco amigos que alguém tinha de ficar de fora a fazer o registo.
 
publicado por julmar às 17:46
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Novembro de 2011

Torga pela Miuzela

Porque vai chegando o tempo de andar mais devagar, resolvi (em vez de meter na A25 em Vilar Formoso a Caminho de Gaia) sair pelas Portas, passar a Ponte da Guarda, subir os Galhardos, descer ao Belo Luís, arribar a Badamalos, descer ao Côa e subir as barreiras da Miuzela. E, aí, tive de parar para dar passagem a um enorme rebanho de ovelhas, quinhentas disse-me o pastor.

Hoje, relendo Torga encontro o poema inspirado nesta temática, em altura em que o autor dava lugar ao seu hobby preferido- a caça:

 

«Miuzela, 7 de Novembro de 1971

 

Manhã

 

Largo sorriso da terra

A festejar o sol nado;

Um arado

Aguça a ponta de ferro

Na luz macia,

Antes de começar o dia

De trabalho;

Por um atalho,

Vestido de lã churra,

Rola um rebanho, à frente

Do pastor paciente

Que o empurra»

publicado por julmar às 16:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

A nossa pobre e desequilibrada balança de pagamentos - Dr Leal Freire

I - A lenha espanhola

 

 Talvez por uma forte mistura de sangue judaico com algumas influências egipcianas, tenho em alto grau o culto das relações de parentesco, muito para além daquilo que o Código Civil considera relevante.

De resto, os nossos legisladores têm-se ferozmente encarniçado em sucessivas alterações legislativas a que pomposamente chamam reformas, contra as relações de consanguinidade. No momento presente, o último grau com alguma relevância é o de primo direito que, para quem ande um pouco arredado destas coisas, informarei que é nosso colateral em quarto grau.

E passo a explicar porquê.

Na linha colateral, os graus contam-se subindo primeiro até ao tronco comum e depois descendo. Assim, os irmãos são parentes em segundo grau, pois vai-se até o pai, tronco comum e, depois, desce-se. Um tio é parente em terceiro grau porque o tronco comum é o nosso avô, que é pai do tio. Ora, eu, nas minhas deambulaçoes vou até parentes em grau enésimo e tenho a sorte de ser magnificamente recebido.

É isto que me dá matéria para a presente croniqueta

De uma maneira geral, os meus parentes que moram e demoram na Raia Transcudana – ou Ciscudana – segundo o ponto de onde se parte – são proprietários de bons canchais – para os que ignorem estas reminiscências de falar charro, por contraposição a falar grabe – canchais são campos ricos em lenhosas aborígenes – carvalhos robles, freixos, giestas, até carrascos...

Pois nas cozinhas de todos encontro boas rimas de carrasco, mas carrasco vindo de Espanha, cortado à medida e ali descarregado por  espanhóis, de   tractores, se logo na primeira linha de fronteira, ou camionetas, se mais distantes.

Bom patriota, insurjo-me contra a invasão.

- Então, a lenha a cobrir as tapadas, lameiros e veigas, e vós a empobrecerdes o erário público?

- Pois é! Mas se mandar cortar um dos meus carvalhos ou desbastar-lhe as pernadas, fica-me quatro vezes mais caro.

O mesmo sucede com as giestas, substituídas na incandescência por acendalhas

publicado por julmar às 15:50
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Novembro de 2011

Quem é quem?

Este ainda era o tempo dos burros encabrestados, com rabeiro e albardados como lhe era dado. E do chafariz no sítio onde nasceu.
E quem serão os três infantes?
publicado por julmar às 17:47
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|
Terça-feira, 22 de Novembro de 2011

Quem é quem?

A foto anda por ali muito próxima dos anos sessenta: Ainda se pode ver a tradicional e belíssima varanda da casa dos Esperanças, a frondosíssima amoreira do Curral Grande e lá para o Buraco apenas o palheiro do ti Joaquim André, a casa de António Seixas ( a parte velha), a garagem do sr Fernando e, mais em cima, as recentes - na altura- escolas do plano cinquentenário.
publicado por julmar às 18:18
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Mocidade de Vilar Maior

Sete magníficos rapazes: Zé Seixas e Tó Zé Bárbara - à frente

Quim Bárbara, Victor, Zé Adelino no meio)

Cristóvão Monteiro e João Seixas (atrás)

 De que ano é a fotografia?

publicado por julmar às 18:00
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011

E a Guarda ali tão perto

(Foto de Sérgio Fava)
Num dia radioso de sol é assim que se avista a cidade da Guarda. Bem se compreende assim como este castelo era tão estratégico para a sua defesa.
publicado por julmar às 20:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 19 de Novembro de 2011

A Avó Zabel

  

(1887-1982)
Isabel Maria da Silva, nascida em 1887 filha de José Silva e Margarida Pereira pais de uma extensa prole. Casada com Albino Leonardo com ele aprendeu e exerceu a profissão de latoeira.
Muito do que sei devo-o à minha avó Isabel e muitas das recordações mais gostosas da infância estão ligadas a ela: desde os morangos do Mindagostinho, ao arroz de tomate das vindimas, aos bolinhos de bacalhau comidos no Moitão ou à simples fatia de trigo espanhol. As coisas da avó tinham um sabor diferente. ensinou-me da história de Vilar Maior ligada à história do país - as guerras liberais; da passagem por aqui da rainha D. Amélia, de histórias dos franceses aquando das invasões; do tempo em que na vila havia quartel da Guarda e Botica. Conversava comigo como se fosse uma pessoa crescida em caminhadas para a estação do caminho de ferro para a Cerdeira ou para as águas termais do Cró, ou a caminho da horta do Mindagostinho. E contos mais contos sem conta. Não sabia ler mas sabia contar. Espírito brilhante, um humor saudável, uma atitude vencedora. Foi uma sorte ter tido uma avó assim.
publicado por julmar às 21:43
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Novembro de 2011

A melhor gente do mundo- 3

A pedido de uma eugénia do ano de 1953, aqui vão os nados desse ano. Entre eles estarão muitos nados-mortos.

Fruto dos avanços na saúde a corte celestial dos anjos deve estar muito diminuída.

António Fonseca Duarte Duarte, Artur Ninfa, Ermelinda da Fonseca 1953
António José Martins Esteves Martins, António Joaquim Esteves, Maria de Lurdes 1953
António José Seixas Badana Badana, Manuel Joaquim Sexas, Maria Dias 1953
António Tendeiro Afonso Esteves, António Tendeiro, Maria Araújo 1953
Anunciação Rasteiro Dias Dias, Manuel Marques Fernandes, Maria Rasteiro 1953
Conceição Rasteiro da Cruz Cruz, José Cunha da Matilde Rasteiro 1953
Fernando Bárbara Cunha Cunha, Francisco Cerdeira Bárbara, Justina 1953
Fernando Silva Proença Cerdeira, António Proença Martins, Filomena 1953
Filomena dos Santos Santos, José dos Proença, Elvira 1953
Francisco Lopes Valente Valente, José Joaquim Lopes, Prudência  1953
Ilda dos Santos Leal Fernandes, Francisco Leal Brigas, Maria de Lurdes 1953
Isabel da Cruz Franco Franco, Lourenço Pereira B., Justina da Cruz 1953
Joaquim António Gonçalo Robalo Robalo, José Augusto Lavajo, Amélia Gonçalves 1953
José Bernardo Serrano Serrano, Joaquim Augusto Afonso, Maria Cândida 1953
José Marcos Fernandes Fernandes, António Lopes Marcos, Maria Monteiro 1953
Leonor Soares Cunha Cunha, António Martins Soares, Olímpia 1953
Manuel André Lavajo Lavajo, José Cunha André, Maria dos Anjos 1953
Manuel dos Santos Cerdeira Cerdeira, António Santos, Maria da Luz dos 1953
Manuel Jarmela Fernandes Fernandes, César Lourenço Lourenço, Maria Isabel 1953
Manuel Lourenço Rasteiro Rasteiro, Francisco António Lourenço, Isabel 1953
Maria dos Anjos Costa Rasteira Rasteiro, Manuel Fernandes Costa, Dulce 1953
Maria Teresa Cunha xxxxxxxxxxxxxxxxx Cunha, Hermínia 1953
Olívia da Assunção Leonardo Dias Gonçalves, José Dias Leonardo, Lúcia Silva 1953

 

publicado por julmar às 22:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds