Segunda-feira, 29 de Abril de 2013

Porque vai haver eleições, lá para o Outono

A Vila, sobretudo nos últimos vinte anos, urbanizou-se com a dotação de infraestruturas importantes como o (re)calcetamento de ruas e largos, a instalação de saneamento, renovação da iluminação pública, o abastecimento de  água, etc.

Temos um museu etnográfico interessante quer pelo património que contém, quer pelo valor simbólico e arquitetónico do edifício.

Temos um posto de turismo, um forno comunitário restaurado.

Temos um campo desportivo com instalações de apoio.

A última obra foi a iluminação do Castelo e algumas controversas obras anexas, em curso.

Dizem muitos que foram obras que vieram tarde demais, quando o envelhecimento da população era irreversível; dizem o mesmo outros, servindo-se da sabedoria popular, que «depois  de morto cevada ao rabo». Um conterrâneo, há tempos, numa imagem feliz dizia que a vila é como m computador onde se gastou dinheiro no hardware tendo-se esquecido que para funcionar precisava de software. E, acrescentaria eu, que é preciso haver utilizadores. O resultado é termos uma “Caixa” bonita mas onde não acontece nada. Ou seja, está tudo ou quase tudo parado: As Instalações Desportivas, o Forno, o Posto de Turismo, o Museu.

O fácil, o que dá nas vistas e dá votos são as obras. É a matéria. Mete dinheiros, mete interesses e licenças e projetos … e jeitos.

Difícil e lento é criar conhecimento, qualificar pessoas, educar, fazer animação, fomentar atitudes, criar alma.

 Falamos de Vilar Maior, poderíamos falar do Concelho, poderíamos falar do país.

Todos somos responsáveis pela situação em que estamos. Todos somos chamados à solução dos problemas. Claro que os políticos são os primeiros e principais responsáveis. Porém, em democracia eles são eleitos.

Por mim, gostaria que quem se apresentasse a eleições apresentasse programas com o foco no “software”.

Desde já fica o convite a todos para apresentarem sugestões. Aos que se vierem a candidatar a oferta deste espaço para divulgarem os seus programas.

P.S.

Seria injusto não referir um bom exemplo: O Centro de Dia. Uma estrutura social de grande utilidade e das poucas (a única?) que criou postos de trabalho.

publicado por julmar às 18:16
link do post | comentar | favorito
|

Personagens do século XX - Albino Freire - Dr Leal Freire

0002epga

Comércio de Albino Freire, antes que construísse o da Rua da Misericórdia

Comecei, logo nos verdes anos, a frequentar Vilar Maior.

E ,  como  a   piedade   divina  me  permitiu  já   ir  nuito para    alem  do  octogenariato, basta   fazer  as  contas  para  concluir  que  já  passaram  as  bodas   de  diamante   sobre   as  minhas  primeiras  idas  à  Vila,como   entao  se  dizia,  prestando,assim.homenagem, à  sua   historica   categoria   de  sede  municpal.

O irmao  mais  velho  de  minha  mãe  estabelecera  alí familia  e  loja   de  tem-tudo...

Era o meu tio Albino, de  seu nome  completo  Albino  Monteiro  Freire, no burgo o  Senhor Albino, dono  do  segundo  estabelecimento  do povoado  que  o  primero  era o  do  Senhor  Gata...

Meus pais mantinham com aquele próximo e próspero familiar as  mais  apertadas  relações.

Para além do afectus, as  visitas   baseavam-se   também  numa  lógica   de  fornecimentos

Por  enfermidades   do  tubo  digestivo  e   fraqueza   pulmonar, meu  tio  tornara-se   dependente   de  alguns  produtos  espanhois, designadamende  de  ceregumis,vinhos   nutrificativos  de  carne  e  outros  tónicos

Afeiçoara-se também  às  azeitonas  de  Huelva, a  que  atribuía  efeitos  curativos  que  para  o  seu  caso eram  reais   e  adviriam  essencialmete  de serem  preparadas   com  sais   quimicos, aos  escabechados  de   peixe-chicharro, de  molhos  tonificantes, aos  trigos   de  que La  Raya   foi  tão  abundante   até  à  guerra  de  Franco.

Por seu turno, minha  tia Aninhas, da   família  dos  Frias,  preocupava-se  um  pouco  com o  seu  feminismo, encomendando visnus

E, sendo pródiga  no receber, gostava  de  ter  sempre   à  mão, galhetas  e  caramelos, torrões  de  Alicante   e  melocotones....

Meu pai que, enquanto  guarda-aduaneiro, tinha  fácil acesso aos  estanqueiros de   Alamedilha   e  Albergaria

E peregrinando entre Batocas ou Aldeia da  Ponte  e  a  Bismula  fazia, e   com  ele  também  minha  mãe   e  eu  próprio, embora   tamanhinho - desvio   por  Vilar   Maior, para   lhe  deixar   aquelas   mercancias.

Lembro-me agora  de  uma  ida   pela  Páscoa da  Ressurreiçao, nos   meus  cinco  reis  de  gente.

E vem-me  à  memória,um  poema  de  Pedro  Homem  de  Melo

É vila, Semana  Santa

Tudo  me  cheira   a  alecrim

Tudo me  sobe  à garganta

Para  me  falar  de  mim..

Mas  desse  remoto  ano, já  lá  vão  muitos  e  muitos, do  que   mais  me  recordo  é  dos   mimos  pascais   com  que  minha  tia  me  obsequiou - uns  ovos  de  cascas  coloridas   por   qualquer  unguento  e    um  bolo   podre  produzido  por  umas   padeiras   aí  da  Vila, cujo   nome  tento recordar.

E que ao que me  ditam  as  circunvoluções  cerebrais   seriam,   conhecidas, umas  vezes por  MEEIRAS, outras  por  PASSAREIRAS.

Mas que muito mais que pelos  folares  eram  famosas  por  um raio  de sete  léguas pelo   pão  que  fabricavam---pães  de  quartos   e  trigos   meeiros - tanto mais  apetecidos  quanto  é certo  que, de  mil novecentos  e  quarenta   a  mil novecentos   e  cinquenta, o  pão  espanhol, antes   e  depois  regalo   de  pobres, ricos   e  remediados  desapareceu   dos  mercados, por  virtude  sucessivamente  da  Guerra   de  Franco, da  Segunda  Guerra  Mundial  e do  Cerco  Economico  que  só terminou  com  o  advento  da  Tratado  Espano-Americano.

 

Nota de Júlio Marques

Havia efectivamente na vila a família Passareira que o Dr Leal refere e a especialista nps ditos mimos pascais seria a ti Maria Amélia Passareira, falecida em 1957 com 82 anos de idade. Já da ti Meeira nos aconselhavam, dadas as artes de bruxaria que dominava, que ao cruzar com ela cravássemos o polegar entre o médio e o indicador para nos isentarmos de qualquer efeito de arte mágica.

O Senhor Albino Freire, falecido em 1945 com 54 anos de Idade,. foi uma das personagens que marcou o século XX em Vilar Maior.

publicado por julmar às 12:01
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Abril de 2013

Feira dos Talentos – As Conservas em Vinagre – Dr Leal Freire

 Vilar  Maior,sob  o  ponto  de vista  agrícola, foi  sempre  uma  terra  de  exploração  intensiva.

As suas  terras  férteis, de grande  feracidade  é certo, são meras  linguetas.

Consequentemente não  se  coadunam   com  a   cultura   cerealífera que  domina   o  planalto  do  Carril.

Tão pouco  permitem  uma actividade extensiva como a  de  Aldeia  da   Ponte, com miríares  em  batatais, feijoais, ricas  pradarias a  inculcarem uma   rica agropecuária.

Ou a  do Soito, com  trigais, castanheiros   e batatas   de  sequeiro que  pouca  mão-de-obra  requerem. 

Inteligentes e  laboriosos, os  vilarmaiorenses  cedo  intuíram  que  tinham de  debruçar-se  amorosamente  sobre  suas  minguadas   leiras

Filhos  da  terra, dela  foram  pais,

Arroteando  até  os  pedregais

Em   rosas  e  mimos,o  chão  floriu

Tratada   com   carinho  a  terra  abriu

A horta  supríria  todas  as necessidades.

Demandavam-se  os  povos das  vizinhanças.

Vendiam-se  os  pimentos  e  os  repolhos.

Praticava-se   mesmo  a  troca  directa, trazendo  para  casa  alguidares   de  feijão  e rasas  de  trigo, saquitéis  de  castnhas   e   alforges   de   batatas.

Ao  dealbar   do outono, enfrentava-se, é  certo, a  concorrência   das  malagas, malaguenhas  e   malaguetas, descarregadas   às   toneladas  nos   pueblos   fronteiriços   de  Alamedilha   a  Valverde e  logo carreadas  para  Portugal  por  donas  e cargueiros  de  jorna.

Mas os   raianos   não  dominavam  as  técnicas   da  conservação  pela  acidez nem  dispunham   de  vinagre.

Pacientemente, em Vilar Maior, os  homens  iam  melhorando os  aldeidos, acicatando-lhes   a  eficácia  e  aprimorando-lhes  os  sabores.

Com mais  paciência, ainda, as  mulheres  afeiçoam  as  peças  que  carinhosamente   vão  introduzindo nos  vidrados--pimentos   doces  e  queimosos, carnudos, semi-carnudos   e  delgados, cebolinhas, pepinos, tomates  verdes....

É essa maravilha, pimentos de  Vilar Maior, curtidos  em  vinagre  de  Vilar  Maior, por  mãos  de  Vilar   Maior em  recipientes  que foram  da  Malhada  Sorda  ou vieram  de   Albergueria   que  queremos  ver  na  feira  dos  talentos  

 

publicado por julmar às 16:46
link do post | comentar | favorito
|

Exortação aos arraianos! - Alcínio Vicente, In Capeia Arraiana

  Não resisti à divulgação da pintura e do texto de Alcínio Valente. Merece ser visto, merece ser lido. E deveria sevir de efetiva exortação para tomarmos o destino nas nossas mãos e sair da resignação que, dia após dia, nos torna menores.

Malha - pintura de Alcínio

Porque nos recusamos a pactuar com aqueles, que nos condenaram a uma vida de agonia expectante.
A nossa vontade é inquebrantável.
Cruzámos o mundo de lés a lés.
Descalços, a pé,de carro, e carregados de contrabando ou de ilusões.
Estivemos em França, Alemanha, toda a Europa, África, América Latina e do Norte, Índia e China, em todas as partes do mundo.
Regressámos e voltaremos porque somos imparáveis e invencíveis.
Os cofres dos bancos abarrotaram-se com as remessas dos nossos emigrantes, mas como prémio recebemos o esquecimento.
Estamos fartos de políticos, tecnocratas, burocratas, de fazedores de opinião, dos iluminados e comentadores, porque com todo este saber o país afundar-se-á no Atlântico, mas nós beirões sobreviveremos ancorados aos nossos carvalhos centenários.
Dêmo-nos as mãos, onde nos encontremos, e veremos que somos do tamanho do Mundo.
O sol ainda se levanta, inundando de luz, os nossos vales e serras antes de se esconder no horizonte.
Há noites de prata ao luar.
No silêncio da noite, o rouxinol ainda se faz ouvir interpretando as suas infindáveis partituras, com cantos celestiais.
As águas dos ribeiros saltam de cascata em cascata, por entre os estreitos e sinuosos leitos.
Há festas e romarias.
Estrelejam foguetes no céu.
Bandas de música animam as nossas aldeias.
Desfilam os santos em procissões, nas ruas em dias de festa.
É dia de capeia na aldeia, por entre o arvoredo e poeira, divisa-se um cenário bélico, a infantaria avançada e a cavalaria atrás, entrará triunfante por entre a multidão, que se acotovela por todo o lado à passagem do tropel.
Á tarde é a espera ao forcão, com a praça apinhada de gente, a juventude entrincheirada atrás da pesada estrutura de madeira, espera firme o embate da fera, que roda para um lado ou outro, tentando ultrapassar a muralha, que parece telecomandada.
Se alguém for colhido, então o grupo actuará como um enxame humano sobre o touro.
Nesses dias as nossas aldeias, inundam-se de gentes vindas de todas as partes do mundo…
Ainda ouvimos os murmúrios dos contrabandistas, misturados com as sombras do arvoredo na solidão das noites invernosas.
Ouvi o ranger dos eixos e rodados dos carros de bois, no seu lento trepidar nos irregulares e estreitos caminhos.
Olhai e ouvi o ondular das searas ao vento.
Inalai o perfume das flores do campo, que trazem os odores dos nossos antepassados, que mourejaram por estas terras.
Há lágrimas de dor pungente nos nossos corações, torturados pela saudade sentida, por aqueles que connosco privaram.
Ouvi os manguais vibrar nos molhos de centeio, estendidos na laje granítica.
Vêde como a pá de madeira, lança ao ar o centeio, para o vento o separar das praganas.
As nossas casas de granito, serão o testemunho da nossa passagem por estas paragens, como as pegadas de dinossauros que o mundo não apagará.
Nós somos os que abrimos os caminhos da vida, carregando o corpo e a alma dilacerada, pelas venturas e desventuras da experiência.
Explodimos as lajes graníticas, para construirmos as nossas casas.
Esventrámos as nossas terras, para extrair água dos poços e semeámos e regámos todas as leiras de terra.
Plantámos pomares e vinhedos, entre os barrocais e montes eriçados.
Semeámos o linho, com que fabricámos as albas camisas e lençóis.
Partilhámos as nossas casas com os animais, e fertilizamos os campos com o seu estrume.
Para adquirir competências e saber, inundámos universidades e provámos nos Ministérios, Forças Armadas, outras instituições e associações profissionais, a nossa valia.
Mobilizemos as influências e competências de todos os arraianos, para alimentarmos ainda o sonho de mudança.
Não aceitaremos ser objecto de um parque jurássico…
Alcínio Vicente

publicado por julmar às 16:18
link do post | comentar | favorito
|

Um Sabugalense em Vila Nova de Gaia

Assisti com agrado e com orgulho à inauguração de um Centro Escolardo Pré-Escolar e 1º Ciclo em Vila Nova de Gaia cujo patrono é o grande escritor sabugalenese Manuel António Pina. Uma boa escolha.

A propósito qual é o patrono do Agrupamento das escolas do Sabugal?

 

A sopa de letras 

Era uma vez um menino
que não queria comer sopa de letras. 
Podiam lá estar coisas bonitas escritas, 
mas para ele era tudo tretas... 
Podia lá estar escrito COMER, 
podia lá estar GOIABADA, 
Como ele não sabia ler, 
a sopa não lhe sabia a nada. 
Tinha no prato uma FLOR, 
um NAVIO na colher, 
comia coisas lindíssimas
sem saber mas ele queria lá sabor! 
Até que um amigo com todas as letras
lhe ensinou a soletrar a sopa. 
E ele passou a ler a sopa toda. 
E até o peixe, a carne, a sobremesa, etc.... 



Manuel António Pina

publicado por julmar às 15:51
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 20 de Abril de 2013

Vilar Maior no Século XX

década de 20a.jpg

 

Ofíco enviado pelo Presidente da Câmara do Sabugal ao Presidente da Junta.

Sabugal 22 de Abril de 1952

«Exmo senhor Presidente da Junta de Freguesia

Festivamente se vai comemorar em todo o país o vigésimo quinto aniversário da entrada do Doutor OLIVEIRA SALAZAR para a Presidência de Governo da Nação.

Portugal deve-lhe PAZ, RENOVAÇÃO, PROGRESSO …

Dia 27 de Abril, será dia festivo em todo o concelho e essa Junta de Freguesia, em reunião com os senhores Párocos, Professores, Regedor e União Nacional, podem deliberar acerca da melhor forma de comemorar a data.

É meu desejo que os festivais se iniciem com uma missa em acção de graças, seguindo-se na escola da manhã uma breve exposição acerca de SALAZAR, aos alunos.

Na parte de tarde, com dispensa de serviço, podem os senhores professores pôr à disposição das autoridades locais, com permissão já concedida pelo senhor Director Escolar, as salas dos edifícios escolares a fim de que, nas terras onde telefonias se instalarem estas, de modo a ouvirem a mensagem que nesse dia, às 16horas é transmitida de Lisboa.

FICA PELO MENOS OBRIGATÓRIO:

A missa. O Repique dos sinos às 16 horas e durante, pelo menos, meia hora. A queima de foguetes à mesma hora.

Queira Vª. Exª apresentar os meus melhores cumprimentos às autoridades locais.

                                A Bem da Nação.

                O Presidente da Câmara Municipal

                                Francisco Maria Manso

publicado por julmar às 11:48
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Abril de 2013

II Feira de Talentos de Vilar Maior, 10 de Agosto

 

I Feira de Talentos de Vilar Maior

Ao programar as suas férias tenha em conta que este ano a II Feira de Talentos de Vilar Maior se realiza no dia 10 de Agosto, um sábado. Nesta feira você, sim você, é a pessoa mais importante, quer se limite a cirandar por lá, quer compre, quer venda, quer faça um número qualquer desde que esteja presente. Mas já que lá está, porque não dar o melhor de si? Você merece que os outros o apreciem. Então, vá lá descubra, invente, faça qualquer coisa.

De preferência, não trabalhe sózinho: peça ajuda, ofereça ajuda, fale com os familiares, convide os amigos, incentive-os a colaborar consigo. Faça a sua parte que é também opinar, dizer o que se pode fazer numa feira assim, dê sugestões.

Falem, digam coisas, digam que vão participar, façam publicidade do que vão vender ou fazer.Talvez nen sempre o segredo seja a alma do negócio, mas se o for, surpreenda-nos como na feira passada nos surpreendeu o número do ti Fernando e da Céu (e do burro, não vá ficar ogado!).

A feira é de quem a fizer e o objetivo é conseguir torná-la um evento de relevo na região.

Este blog VILAR MAIOR PRIMEIRO (vilarmaior1) tem como objetivo trabalhar para o engrandecimento da Vila e manter os vilarmaiorenses ligados às suas raizes. A feira é uma forma de o conseguir.

Aqui faremos toda a promoção da feira. E já sabe, é um lugar aberto onde pode livremente opinar, publicitar, informar. Todos os posts aqui colocados serão publicitados no grupo de Vilar Maior, no facebook que é por onde a informação corre mais.

publicado por julmar às 10:58
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Abril de 2013

O Século XIX em Vilar Maior

Procuramos através de documentos manuscritos dar a conhecer um pouco o que era a Vila no Século XIX. O conjunto de atas que a seguir referimos dá dados muito interessantes sobre questões económicas, sociais, políticas, administrativas, sobre usos e costumes.

Sessão do dia 17 de Março de 1850

«Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jezus Christo de mil oitocentos e cincoenta, nas Cazas da Camara onde se encontrava presente o Reitor Joze Ignacio Farias, Presidente da Junta da Parochia junto com os vogaes Joze Maria Cardozo e Francisco Ferreira Franco…»

Este é o início da primeira ata de um conjunto  47, tendo a primeira a data de 17 de Março de 1850 e a última de 29 de Dezembro de 1864.

Olocal de realização para além do citado são «Casa das Sessões da Junta da Parochia desta freguesia de Villar Maior», a «Sacristia da Igreja Matriz» e a  casa do Reitor

Todas elas são presididas pelo Presidente da Junta ,  oReitor  Jose Ignacio de Farias.

Os vogais (dois) vão-se sucedendo em mandatos  bienais:

- Jose Maria Cardoso e Francisco Ferreira Franco

Joze Ribeiro Leitão e Candido Osório da Fonseca

Jose Maria Cardoso e António Alves

Jose António Gatta Regueiró e Jose Francisco Ferreira

Jose Antonio Gatta Regueiró e Francisco Ferreira Franco

João Antonio Ferreira e Francisco Ribeiro Leitão

Jose António Gatta Regueiro e José João Vasconcelos

João António Ferreira e Joze Fernandes

Vicente Dias e Bernardo Gatta

Além dos membros da Junta, estão presentes nalgumas sessões o Regedor e cidadãos, estes quando se trata de tomar decisões mais importantes, assinando (os que sabem assinar), no fim.

Nomes constantes como regedores  – Francisco Ribeiro Leitão, António Martins, António Ozorio,  Antonio Joaquim Gonzaga, Bernardo Gato (que é também vogal da Junta)

Nomes de Juizes Eleitos – Francisco Ribeiro Leitão

                                                Francisco Ferreira Franco

publicado por julmar às 16:49
link do post | comentar | favorito
|

Quando (des)maio chegar

Maio é o mês das rosas. Para os crentes é o mês do rosário. Na minha aldeia, nos anos sessenta, era o mês da maia amarela, era o tempo em que a natureza se enchia de frutos verdes e tulhas, arcas e tonéis se esvaziavam. E faltando o pão era a fome. O chefe de família olhava para a cevada, mais temporã que o centeio, na esperança de produzir um pão ruim, mas pão que mata a fome. Ou, então, de gastar o que tem guardado para a sementeira. Ou de pedir uns alqueires, por empréstimo, ao lavrador rico.

 Um amigo meu que excessivo na faculdade de imaginar, passa o tempo a fazer conjeturas sobre o que foi e o que será, explica,  baseado nos efeitos que a fome e a fraqueza provocam nos seres humanos, desde perda de sentidos, desmaios, descoroçoamento, desânimo, apsiquia, lipotimia, delírio, e ele sublinha delírio, conjetura o meu amigo que foi a fraqueza e a fome que levou os três pastorinhos a ver a imagem de nossa Senhora pousar sobre a azinheira.

Diz o meu amigo que quando Maio se for, quando desmaiar, neste ano de 2013, Portugal precisará de um milagre maior. E diz convicto: aguardemos!

publicado por julmar às 12:23
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 16 de Abril de 2013

Metamorfoses - Os rapazes solteiros

Os rapazes solteiros constituíam um grupo social específico nas comunidades rurais. Terminavam a quarta classe com exame feito na sede do concelho, no Sabugal, onde a duração das provas de exame os obrigava a pernoitar. Quanto a estudos a maior parte ficava por aqui, com sólidas aquisições no domínio do saber ler, escrever e contar acrescido com uma cultura na base da memória no domínio da geografia física (nomes de serras, rios) da geografia humana (distritos e capitais de distrito, produções, Linhas e estações de combóio), capitais dos países da Europa e conhecimentos geográficos extensivos às colónias Ultramarinas. No domínio da História imperava uma concepão patriótica feita de histórias dentro da História, a exaltação dos heróis, a Espanha (que para nós era encarnada na Almedilha onde nos borrávamos de medo dos carabineiros) como rival a quem vencíamos sempre. Algumas noções sobre anatomia e funcionamento do corpo humano. O resto era feito pelo enquadramento da disciplina e dos valores e dos retratos do Salazar e do Carmona pendurados na parede da sala da escola.

Feita a quarta classe os filhos dos lavradores continuavam a fazer o que já faziam, guardar cabras e ovelhas, iniciavam-se na rabiça do arado e na condução do carro das vacas; os filhos dos jornaleiros, tornavam-se jornaleiros e todos passavam a fazer parte do exército que, pela calada da noite, fazia contrabando para Espanha de minério para lá e de outros artigos para cá. Entre a saída da escola e a Inspecção militar mediavam cerca de sete, oito anos. Pelos 14, 15 anos acediam à categoria de "rapazes solteiros"através de um ritual que consistia no "pagamento do vinho" do iniciante, que em festa de confraternização o integravam. Ao toque da concertina, se havia tocador, ou ao toque do realejo, seguia a ronda, pela noite dentro, nas ruas da vila, com vozes aos despique, marcadas por aguguios:

 

Ó Pelourinho da Praça

Esta noite hás-de cair

Nos braços de uma menina

Quando estiver a dormir


E logo a seguir, um outro


Pedrinhas desta calçada

Levantai-vos e dizei

Quem vos passeia de noite

Que eu de dia bem o sei

E o neófito, deixava de ser garoto e passava a ser rapaz. De ora em diante, podia circular de noite pelas ruas da vila, sem ser escorraçado ao pontapé ou à cinturada para casa depois do Toque das Trindades; participará nas rondas, roubará com os demais a lenha e o toco do natal; roubará as flores com que se enfeita o Chafariz na Festa do Senhor dos Aflitos; agora que é o mais novo recém-chegado terá de ser ele a dirigir-se ao rapaz de fora que venha namorar à vila para lhe dizer quetem de pagar o vinho; agora tem que mostrar o que vale e, antes de mais, cada um vale a força que tem, no trabalho, no jogo, a pegar ao guião na Semana Santa. Tem de mostrar o seu valor na voz a cantar, no acerto do improviso na desgarrada, no toque do realejo ou no pé de dançarino. As raparigas solteiras estão atentas a todos os sinais e os rapazes sabem-no.

Secretamente, sabem que de nada vale o que fazem sem o olhar atento de uma mulher. Será o encantamento do namoro. Depois o casamento. Depois os filhos garotos que volverão rapazes solteiros. 

publicado por julmar às 10:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Ter uma aldeia

. Porque hoje é dia da mãe

. O que me liga ao concelho...

. Os Martírios da Paixão

. Restaurar a Forca da Vila...

. Requiescat in Pace, Mique...

. O Presidente Marcelo visi...

. Requiescat in pace, Alexa...

. Gente da Vila, Quem são?

. Visita do bispo a Vilar M...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds