Terça-feira, 27 de Maio de 2014

A porta, as portas

O primeiro era o pai, pela manhã, que,  bacia na mão, lançava a água  da lavagem matinal, sem dizer água vai. Depois a mãe, a seguir o filho mais velho. Abre e fecha, abre e fecha que foi para isso que foi feita. Tinha uma cor de madeira muito velha, com veios como se de impressões digitais se tratasse. E tinha um pincho gasto pelo uso da mão e do polegar que de cada vez fazia um ruído metálico leve. Dava directamente para a rua onde começava o mundo todo e que nessa altura era o largo e as histórias sempre iguais que nele se contavam.

Durante muitos anos, eu não entendia porque a propósito de amuos da minha mãe o meu pai a acusava de estar com o cu para a porta, como não entendia a sua esperança desesperada dizendo que quando deus fecha uma porta abre outra ou ainda quando as coisas lhe corriam bem dizia que nem sempre o diabo está atrás da porta. Não sabia o que é que a velha porta de carvalho tinha a ver com tudo isto porque haveria mais portas mas eu só conhecia aquela.

Não sei se era por não entender estas coisas que o meu pai aborrecido me dizia:és mesmo burro como uma porta, ficando sem saber se o insultos era para mim ou para a porta. Ainda não sabia o que era Braga e já, na persistência de não fechar a porta, me perguntavam: - Mas tu és de Braga?

Era no tempo que as portas serviam e cumpriam, silenciosamente ou com um doce ranger, a função para que foram feitas: abrir e fechar separando a vida pública da vida privada. Volveram anos e ninguém mais abriu a porta até uma umbada de vento a escancarar e ficar incomodamente assim sem ninguém se importar do dentro e do fora.

Meses sem abrir e uma couve nasce e cresce ao centro
A folha de Flandres a ajudar a passar o tempo
Para não destoar das casas dos homens, a casa de Deus
Carvalho cortado na lua certa, segundo a sabedoria dos antigos
Um ferrolho dos modernos
Aqui houve tempo que havia porta
Talvez o único exemplar com postigo
publicado por julmar às 16:05
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 25 de Maio de 2014

O Sabugueiro - Hortêncio da Silva

Sabugueiro Sambucus nigra

Sobre as virtides medicinais e muitas outras propriedades do sabugeiro remeto-o para o site:

http://www.especialista24.com/sabugueiro-propriedades-medicinais-e-beneficios/

Esta planta sempre foi familiar aos caros conterrâneos que sabiam aproveitar algumas das suas propriedades, nomeadamente as que aliviavam as dores de garganta ou a sua utilização para dar mais cor ao vinho. Dado que o interior dos seus ramos é oco, os mais habilidosos retiravam-lhe o miolo e nesse canal onde circula o ar abriam buraquinhos e conseguiam, nada mais nada menos, fazer um instrumento musical - um pífaro.

Mas se falamos das plantas que povoam a nossa paisagem, e já vimos que algumas imperam na paisagem, o sabugueiro impôe-se não na paisagem rural mas na paisagem urbana , por razões que não nos alegram. Nesta altura em que estão floridos - e que bonita é a sua flor - se olhar para o cimo da vila, vê-los-á como inquilinos dominadores das casas em ruínas, emergindo de dentro como se colocados por mão de artista dentro de jarras, numa espécie de beleza macabra.

.
.
.
publicado por julmar às 10:50
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Maio de 2014

O loureiro - Hortêncio da Silva

In Cantinho das aromáticas- http://www.cantinhodasaromaticas.pt/loja/plantas-em-vaso-bio/loureiro-laurus-nobilis-3/

Propriedades :

Medicinal: digestiva, tratamento de bronquites, gripes e constipações. Possui propriedades anticancerígenas, antissépticas, adstringente, carminativa, diurética, emética (induz o vómito), tonifica o estômago, estimula o apetite e a secreção de sucos digestivos. Quando consumida em doses elevadas apresenta propriedades narcóticas e é emenagogo (favorece a menstruação). O óleo do fruto é usado externamente para tratar entorses e hematomas; e o óleo as flohas tem propriedades narcótica, fungícida e antibacterial.

Condimentar: aromatizar diversas sopas, doces e pratos de carne. De aroma doce e balsâmico, ressaltam as notas a noz-moscada, a cânfora e uma adstringência refrescante. O louro é o ingrediente que nunca falta na cozinha portuguesa, sendo perfeito para caldos, guisados, todos os tipos de carne e também arroz. Combine com manjerona, salva, segurelha e tomilho.

Outros: O óleo essencial do fruto é utilizado nos sabões.

Contra-indicações/ Efeitos secundários /Observações:

Contra-indicações: abortiva – antigamente, era utilizada para promover o aborto.

Cuidados: a não ser em cuidados veterinários, as folhas e os frutos não devem ser ingeridas.

 

O loureiro que cura mazelas e condimenta a nossa comida, entrou no folclore do povo. 

Registado em sexta feira da Semana Santa de 2006. Enquanto o povo andava os Passos, a ti Olinda despejava um rosário de versos, como estes

 

Loureiro, verde loureiro

 

Loureiro,  verde loureiro

Loureiro assim ,assim

Enganaste a menina

Casa com ela, ó Joaquim

 

Casar com ela não caso

Porque ela não me faz conta

Loureiro, verde loureiro

Seco no meio, verde na ponta

 

Eu hei-de subir ao loureiro

Corrê-lo de folha em folha

Para que saibas amor

Que eu tenho muitos à escolha

 

Eu hei-de subir ao loureiro

Corrê-lo de nó em nó

Para que saibas meu amor

Que te tenho a ti só

 

Ó loureiro, ó loureiro

Loureiro da baga preta

Na vida dos namorados

Sempre há-de haver quem se meta

 

Eu não tenho coração

Nem partido, nem inteiro

Que o dei ao meu amor

Na sopinha de Loureiro

 

O loureiro é pau verde

Dá-se pelos quintais

Abalou-me o meu amor

Cada vez me alembra mais

publicado por julmar às 19:33
link do post | comentar | favorito
|

Bem mandados, malcriados e criados apenas

A língua é o retrato do povo, e, se quiserem, do indivíduo também. Falar, saber falar, falar bem, falar caro traduz o génio do indivíduo acrescentado pela educação. Mas lá está. Educação era uma palavra que na vila não se usava, era assim uma espécie de palavra chique. O que havia era criação daí resultando indivíduos bem-criados, sendo que estes eram designados como bem mandados, isto é, que obedeciam. Daí que cheguei no âmbito das minhas reflexões teológico-cristãs à conclusão de que apenas existe um único pecado: a desobediência. É daí que surge Lúcifer e depois (se nestas alturas há antes e depois!) toda a saga da queda e regresso ao paraíso. A transgressão é sempre um atentado ao poder. Por isso, os malcriados são aqueles que, em primeiro lugar, não obedecem aos pais. 

Ser mal-criado é, em primeiro lugar, não fazer o que lhe é dado ou o que lhe mandam. Em segundo lugar, é a forma como exprime os seus sentimentos e se comunica com o uso de palavras obscenas, as carvalhadas. Ora a boa educação passava muito pelo uso que se fazia das mesmas. Esperava-se que mulheres e crianças delas não fizessem uso. Quanto aos homens o uso dependia das circunstâncias - do lugar, do tempo, dos circunstantes, dos motivos. Para alguns, a carvalhada era uma espécie de bordão, em que não abriam a boca que não saísse asneira, como uma spécie de jaculatória profana; outros usavam-na apenas em situações de extrema irritação ou indignação; outros encontravam derivados ou substitutos da carvalhada na sua pura crueza, como: catancho,catano, carais, caramba, carago(espanhol), catrino. Para além dos que praguejavam contra acontecimentos, coisas, animais e indivíduos, havia os que praguejavam contra Deus, contra a Virgem e contra os Santos, o que era frequente fazerem nuestros hermanos. Também eu conheci um blasfemador, guardador de cabras nas penedias da Fraga, lançadas com uma indignação tão feroz que até os barrocos se encolhiam e mudavam de cor.

E, finalmente, havia os criados e as criadas que o destino quisera que a bem ou a mal se sujeitassem ao mando dos que podiam e que de nome tinham ser criado do dono.

publicado por julmar às 12:20
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 20 de Maio de 2014

Reconstruir o Largo do Pelourinho



Alguém publicou esta foto no Facebook e que eu republico no blog Vilar Maior Primeiro que já contém um património de memórias considerável. Esta foto, presumivelmente dos anos Quarenta, faz o retrato de gente da Vila - reconheço o sr Raul e esposa -, com ar urbano, e que da cidade vieram visitar a aldeia. Na primeira casa com balcão coberto, propriedade de Manuel Esperança, brinquei ao «Ladrão marcha cão» nos dias de chuvosos de Inverno. A casa seguinte também tinha balcão coberta mas já não é da minha memória. Com engenho e arte será possível reconstruir o largo do Pelourinho. A capa do meu livro tem uma fotografia da antiga casa do Zé Duarte. Com o contributo de todos será possível Fazer-lhe o retrato da primeira metade do século XX.
publicado por julmar às 17:52
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 17 de Maio de 2014

Danças de roda

 

Os da minha idade e mais velhos sabem como eram as tardes dos domingos na Vila, num tempo em que o espetáculo e o divertimento eram feitos do corpo e da voz dos que se queriam divertir, sobretudo rapazes e raparigas. O lugar mais habitual era o largo do Pelourinho. As danças de roda tinham um lugar especial na animação, como esta:

Encadeia

Encadeia, meu encadeado 
Não me aperte a mão
Que me estala o braço
Encadeia, dá-me um beijinho
Encadeia, dá-me um abraço

 

Eu passei numa terra estranha
Pedi esmola, ninguém ma deu
Eu hei-de deixar escrito:
"À fome ninguém morreu"

 

Encadeia, meu encadeado
Não me aperte a mão
Que me estala o braço
Encadeia, dá-me um beijinho
Encadeia, dá-me um abraço

 

Tu dizes que me namoras
Já te andavas a gabar
Tenho toalha mais limpa
Se me quiser alimpar

 

Encadeia, meu encadeado
Não me aperte a mão
Que me estala o braço
Encadeia, dá-me um beijinho
Encadeia, dá-me um abraço

 

Julgavas que eu te queria 
Olha o engano do mundo
Os meus olhos já navegam
Em outro poço mais fundo

publicado por julmar às 11:40
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Maio de 2014

São papoilas, senhores! - Hortêncio da Silva

Maio é o mês das rosas e não as encontro mais copiosas e belas que na Vila. Basta entrar no adro da Igreja matriz e estará envolvido pelo perfume e policromia de um recinto de rosas.

Outra flor que anima a paisagem neste mês são as papoilas diante de cuja beleza é impossível ficar indiferente. Quando havia tapadas de centeio era proliferarem por lá. Mais do que isoladas, são belas quando cobrem manchas de terreno.

Certamente que dessa experiência terá nascido o projeto de ajardinamento da passadeira que conduz ao castelo. E chegado o tempo em que florescem, também aqui floresceram. Em vez de papoilas, papoilinhas. Pequeninas, rentes ao chão, apesar de um ano abundante em chuva até tarde. Ao contrário do cimento obediente, as papoilas, numa sabedoria desconhecida à engenharia ambiental, bem que lhe fez o manguito.

   

publicado por julmar às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

Emigração para Argentina

Estácion Arenales

Muito se falou da emigração para o Brasil e muito trabalho académico se produziu sobre esse tradicional e compreensível fenómeno migratório. Ao contrário, pouco se escreveu sobre o fenómeno migratório para a Argentina, nomeadamente a seguir à Primeira Guerra Mundial. Verdade é que foi um destino para muitos vilarmaiorenses sendo o mais conhecido de todos o Francisco Magalhães, avô da professora Maria Delfina Magalhães. Tivemos recentemente em Vilar Maior, em busca das suas raizes, Norberto Magalhães com esposa e dois filhos. Muitos vilarmaiorenses se dirigiram à Argentina, sendo o anfitrião Francisco Magalhaes como aconteceu aos irmãos Albino Marques e Daniel Marques. A localidade, próxima de Buenos Aires, era Estacion Arenales.

Ora, numa breve pesquisa no Google no site http://lulo-estacion-arenales.blogspot.pt/, encontrará memórias de pessoas e lugares e por lá encontrará em fotografias de vida social para além dos Magallanes(Osvaldo Magallenes), uma extensa família de Proenzas, tão certo serem de Vilar Maior ou de descendentes que o nome da terra se fixou no próprio nome:

Nelba Proenza de Villamayor e Enrique Villamayor.

Fica o desafio ao Norberto e família que nos visitaram e a todos os que tenham por lá ascendentes de os trazermos à memória.

 

0000k2hg

Daniel Marques e esposa

 

publicado por julmar às 11:42
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 12 de Maio de 2014

Geometrias várias

A concepão mais brilhante da natureza foi concebida pelos pitagóricos - todos se lembram do teorema de Pitágoras. A afirmação de que a essência do real são os números foi depois reafirmada por Platão e esteve na origem da ciência moderna com Galileu e Descartes e continua na base de todo o desenvolvimento computacional. 

As fotos que se seguem são interessantes se interpretadas em termos geométricos, vendo como o homem enquadrou os seus desenhos na paisagem.

.
.
publicado por julmar às 18:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

A missa de domingo

Bem mo lembra o meu amigo Paulo - você é meio filósofo! Habituados que estamos a ver tudo pela perspetiva moral, arriscamo-nos ao dogmatismo, que o mesmo é considerar como cegos os que não vêem o mundo que nós vemos. E a perspetiva moral, ou se quisermos carregar a cor moralista, é pouco propícia a meios tons ou ao espetro das cores: preto é preto e branco é branco, como se no próprio preto e no próprio branco não houvesse matizes.

Os dogmáticos lêm da mesma maneira o mundo e os livros. Por isso, sem contemplação, com paixão e sem compaixão anulam, destroem, desacreditam os olhares que não sejam seus. 

Hegel escreve: «a religião é a filosofia dos ignorantes» e o seu discípulo Marx, por sua vez « a religião é o ópio do povo». Entendo a verdade parcial de cada afirmação, ao que os dogmáticos correrao a dizer que não há meias verdades, pois desconhecem ou rejeitam a dialética. Que lhes faça bom proveito. Poderemos dizer que filosofia e religião são abordagens, leituras diferentes da realidade. Talvez, se fosse filósofo por inteiro - como gostam os moralistas que todos sejam - não pudesse ter tanto respeito e compreensão como tenho por aqueles que, na falta de oportunidades para o desenvolvimento da luz natural da razão, encontram na religião o sentido da vida. 

Nesta linha, acho  o trabalho desenvolvido pela igreja do mais alto mérito. No caso da Vila e do interior do país, acho altamente meritório o trabalho dos párocos, e poderemos imaginar o que, à semelhança das escolas, e outras instituições se fechassem as igrejas. Nesta acelerada desertificação é a igreja que continua a sua presença.

Ocorreram-me estes pensamentos, durante a missa de domingo onde estariam cerca de trinta pessoas e veio-me à memória a passagem de S. Mateus: 

"Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles." Mateus 18:20

publicado por julmar às 16:55
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
29

30
31


.posts recentes

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds