Sábado, 28 de Junho de 2014

Cinema em Vilar Maior

A pedido do Sr Presidente da Junta, aqui faço divulgação de sessão de cinema

 

Exm.º Sr. Presidente

 

Serve o presente para informar a freguesia que V. Exa. preside do seguinte:

 

O Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) lançou, em 2013, um conjunto de iniciativas, sob o título genérico de Cinema Português em Movimento, com os objetivos de divulgar e valorizar a produção fílmica nacional, estimular o acesso dos cidadãos à cultura cinematográfica portuguesa e promover a proximidade  entre  este Instituto e a sociedade civil. Neste ano de 2014, já na 2.ª edição do Cinema Português em Movimento, evoca os 40 anos do 25 de Abril.

O Sabugal foi escolhido pela Secretaria de Estado da Cultura para ser o local da Sessão Inaugural desta 2.ª edição, a realizar no dia 4 de julho, pelas 21h00, no castelo do Sabugal. No que respeita às duas restantes sessões, e uma vez que o projeto assenta na exibição ao ar livre nas Aldeias e Vilas do interior do País e já foram sido realizadas sessões em Sortelha e Sabugal na edição de 2013, entendeu a Câmara Municipal que, no corrente ano, as mesmas deveriam realizar-se em Alfaiates e Vilar Maior, respetivamente nos dias 28 e 31 de Agosto, ambos pelas21h30, utilizando os castelos como cenário à projeção fílmica.

No caso de Vilar Maior o filme escolhido é Dot.com (2007), de Luís Galvão Teles, Género: Comédia, Romance, Língua falada: Português, Espanhol, Duração: 99m, Class: M/12.

A sessão decorrerá no interior do castelo. A projeção é da responsabilidade do ICA com apoio logístico da Câmara Municipal do Sabugal.

Assim sendo, e para efeitos de publicitação, anexamos o cartaz do evento que decorrerá em Vilar Maior, bem como os restantes (sessão inaugural e sessão de Alfaiates) para os quais pedimos o favor de, também, fazerem promoção.

Fazemos votos de que esta iniciativa possa diversificar as atividades ligadas às festas religiosas em Vilar Maior e contribua para cumprir com os objetivos a que o ICA se propôs e nos quais nos revemos.

 

Com os melhores cumprimentos,

 

Cláudia Quelhas

publicado por julmar às 19:20
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 24 de Junho de 2014

Natureza, Arte, História

Fotografia de Carlos Fragoso

Discordando do meu amigo Hortêncio que eu sei ser, mais do que um especialista no domínio da Botânica, um amante da Natureza, penso que o arranjo ornamental em torno do Castelo resultou muito bem. Talvez ele se tenha pronunciado demasiado cedo quando neste blog escreveu o post:«São papoilas, senhor». Em tudo, e sobretudo nas coisas da Natureza, é preciso dar tempo ao tempo. E com o tempo as papoilas e demais plantas cresceram e floriram e lá estão para deliciar os olhos de quem seja sensível. Pena que poucos olhos as vejam, mas cada ano que passa há menos gente cá, há menos gente que vem cá. É um problema sério mas ninguém o leva a sério.  O Carlos conseguiu captar e transformar um conjunto de elementos numa obra de arte. Bom trabalho.

Sei, Hortêncio, que não ficas aborrecido, porque o que procuramos está sempre acima das nossas opiniões. E não deixas de ter razão no que disseste. E, felizmente, o que aqui se evidencia na fotografia é a conjugação da História e da Natureza, escondendo o elemento que destruiria esta harmonia a que alguns chamam de serpente. 

Bom trabalho, Carlos. Parabéns!

publicado por julmar às 08:29
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Junho de 2014

Os que por aqui passam - Estatística - Totais - 6 meses

  1. Visitas - 11.732
  2. Média diária de visitas - 65
  3. Visualizações - 5.089
  4. Média diária de Visualizações - 84

 

publicado por julmar às 12:26
link do post | comentar | favorito
|

III Feira de Talentos de Vilar Maior

 

Banca de Fernando Cerdeira - 2013

Pelo terceiro ano consecutivo vamos realizar a Feira de Talentos de Vilar Maior que, em acordo com a Comissão de Festas do Senhor dos Aflitos, terá lugar no dia 15 de Agosto, uma sexta-feira, integrando-se na Festa do Emigrante. 

 Nesta feira você, sim você, é a pessoa mais importante, quer se limite a cirandar por lá, quer compre, quer venda, quer faça um número qualquer desde que esteja presente. Mas já que lá está, porque não dar o melhor de si? Você merece que os outros o apreciem. Então, vá lá descubra, invente, faça qualquer coisa.

De preferência, não trabalhe sózinho: peça ajuda, ofereça ajuda, fale com os familiares, convide os amigos, incentive-os a colaborar consigo. Faça a sua parte que é também opinar, dizer o que se pode fazer numa feira assim, dê sugestões.

Falem, digam coisas, digam que vão participar, façam publicidade do que vão vender ou fazer.Talvez nem sempre o segredo seja a alma do negócio, mas se o for, surpreenda-nos como nas feiras passadas nos surpreendeu o número do ti Fernando e da Céu (e do burro, não vá ficar ogado!), as antiguidades do Carlos Gata e do Fernando Cerdeira e de tantos outros.

A feira é de quem a fizer e o objetivo é conseguir torná-la um evento de relevo na região.

Este blog VILAR MAIOR PRIMEIRO (vilarmaior1) tem como objetivo trabalhar para o engrandecimento da Vila e manter os vilarmaiorenses ligados às suas raizes. A feira é uma forma de o conseguir.

Aqui faremos toda a promoção da feira. E já sabe, é um lugar aberto onde pode livremente opinar, publicitar, informar. Todos os posts aqui colocados serão publicitados no grupo de Vilar Maior, no facebook que é por onde a informação corre mais.

Então, mãos à obra!

publicado por julmar às 10:07
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Junho de 2014

A Ponte, Os Da Ponte

Já dei conta neste blog de lugares e gentes da Vila. Agora será a vez dos Da Ponte, histórias de gente, da nossa gente. Por hoje apenas o início.

Fotografia de Marcos Santos

A Ponte – o lugar 

A ribeira corria indiferente aos transtornos dos que tinham que se haver com o volume e turbulência das suas águas - a hidrografia assim se talhara nos tempos e assim dava cumprimento ao curso da rerum natura. Se as águas turvavam e montavam para as margens, não havia senão dar tempo ao tempo que é no tempo que se nasce e se morre, se constrói e destrói, se sobe e se desce, se ama e se odeia … e, isto sabendo, se espera que as águas se amansem e se aclarem. Assim era para os indígenas que por ali iam curando das suas vidas simples e nem lhes passava pela cabeça que pudesse ser de outro modo, já que o seu saber e a sua técnica aprendidos não iam além de colocar umas toscas pedras em fila, a emergirem na normal corrente da ribeira, para que de pé enxuto, de poldra em poldra, passassem à outra margem. Foi o que fizeram, no sítio das Eiras, onde a largueza e o manso curso do leito aconselhava tal travessia. Um pouco a jusante, com saber e técnica vulgares da engenharia do betão, ilustrados indígenas do século XX fizeram um pontão de cimento e, tementes que as poldras não soubessem nadar e submersas se afogassem, dali as expulsaram, guiados por um senso tacanho e servil de que tudo o que não é útil não presta, apagando assim as marcas por onde os nossos antepassados cuidavam dos teres e haveres (1).

Mandava a lei geral da conservação, em tempos recuados, que se abrigassem nos sítios altos em encostas viradas a sul, que aí construíssem os seus lares, que melhor aí defenderiam as suas vidas. Só muito mais tarde quando, aumentada a população, o direito se foi substituindo à força, a lei ao arbítrio, o arado e a vaca veio superar a enxada e o burro, a ovelha veio superar em número a cabra, só então, a vila saiu do cerco amuralhado que começava no Arco. O símbolo de toda esta lenta mudança ali está erguido em pedra - O Pelourinho! Uma nova idade começa assente na propriedade da terra e no lavrador com a junta de vacas, puxando o carro e o arado, a tornar-se o embrião da classe média, a espinha dorsal da futura sociedade que irá paulatinamente transformar a cultura, a economia e a paisagem.

Havia os campos que, na margem esquerda da ribeira, do cume do Buraco e da Filipa, se inclinavam suaves até ao leito da ribeira e, paulatinamente, se foi estabelecendo o povoado tendo como nova centralidade o Pelourinho na base da contígua colina onde se construiria a casa senhorial de Luís de Bastos (propriedade atual de António Silva Cerdeira) com a melhor e mais extensa propriedade agrícola - O Cerrado.

Aqui tornaremos mais tarde, que queremos falar dos da Ponte, que hoje dizemos serem os do Bairro de S. Sebastião. Sabemos quão importante seria saber da datação desta ponte ou, pelo menos, saber a época em que foi construída, havendo bons argumentos e provas para a considerar romana (2) e havendo outros que a consideram uma construção medieval. Quase certo é que terá sido construída, não para atender às necessidades dos indígenas, mas antes obedecendo a um plano estratégico de interesses mais vastos, nomeadamente de índole militar (3). Nem os indígenas teriam organização, saber e poder para levar a cabo uma obra desta dimensão.

Certo é que dos lugares possíveis em que poderia ser erigida foi este o eleito, no enfiamento da rua mais importante – a rua das Amoreirinhas – que conduzia à cidadela amuralhada e na confluência da rua da Ladeira, da rua Chorreão e da rua da Quelha (atual rua Dr. Diamantino dos Santos).   

Antes da construção da ponte o rio era atravessado um pouco mais acima como mostra a existência do caminho de um lado e outro da ribeira,(foto 1) num sítio onde a largueza do leito diminui a profundidade das águas e onde se dá um quase natural emprezamento das mesmas onde antes da construção da ponte poderá ter existido obra que facilitasse a travessia.

(para continuar)

publicado por julmar às 18:20
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 7 de Junho de 2014

Há 100 anos era assim - Demografia - Óbitos

Em 1914 houve em VM 35 óbitos. Destes 23 não chegaram a completar dois anos. As restantes 12 faleceram com: 73,70, 65(2), 56, 37, 27, 18, 8, 5 (2), 4

Um quadro aterrador com uma mortalidade infantil de 65,7%  e com uma longevidade baixíssima traduz bem as condições de vida que então se viviam. Nem se trata de um ano excepcional, pois isto verifica-se nos anos anteriores e nos anos seguintes

 

Nome

Pai

Mãe

Alexandrina

Fernandes, Francisco

Fernandes, Isabel Vaz

Alexandrina

Fernandes, Francisco

Lourenço, Maria

António

Cerdeira, Manuel

Carmo, Maria

António

Valério, José

Fonseca,Mª

 

António

Silva. José Martins

Augusta, Isabel

António

Fernandes, Joaquim

Lavajo, Aurora

António Simões Ferreira

Simões, José Joaquim

Miquelina, Maria

António Valério

Valério, José

Pinheira, Isabel

Augusta

Gata, João António

Esperança, Maria Neves

Belmira

Gil, Augusto

Soares, Isabel

Francisco

Pinheiro, José Marcos

Monteira, Maria

Francisco Fernandes Vaz

Fernandes, António

Xavier, Maria

Hermínia

Leonardo, Albino

Silva, Isabel Maria

Hermínia dos Anjos Gouveia

Araújo, Alexandre Gonçalves

Gouveia, Mariana

Isabel

Fonseca, Joaquim

Pires, Maria Assunção

Jaime

Marques, Manuel

Monteiro, Joaquina

João

Rasteiro, José

Passareira, Maria Amélia

Joaquim Augusto Fernandes

Fernandes, oaquim

Lourença, Maria

José

Valente, Manuel

Cruz, Isabel

José

Fernandes, Manuel

Ninfa, Isabel

José

Gomes, Manuel

Antunes, Prudência

José André

Jorge, Manuel

André, Maria

José Bárbara

xxxxxxxxxxxxx

yyyyyyyyyy

José Joaquim Simões

Simões, Manuel António

Apresentação, Maria

Josefina

Capelo, José

Monteira, Balbina

Josefina

Valério, Joaquim

Soares, Maria

Júlio

Palos, José

Leopoldina, Maria

Manuel

Badana, Júlio Alves

Monteiro, Maria da Luz

Maria

Proença, Júlio

Badana, Maria Augusto

Maria

Rego, João António

Monteiro, Maria Rosa

Maria da Cruz

Cruz, João

Borregana, Ana

Maria da Luz

Gil, Augusto

Soares, Isabel

Maria Júlia

Jacinto, Júlio

Fonseca, Isabel

Mariana

Ferreira, António Simões

Clotilde, Isabel

Raúl

Araújo, Alexandre Gonçalves

Gouveia, Mariana

Teresa

Gil, José Júlio

Ferreira, Isabel Maria

publicado por julmar às 21:28
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Há 100 anos era assim - Demografia

Em 1914 temos o registo de 29 nascimentos na Vila, gente da idade dos meus pais, muita gente que ainda conheci. Desse ano vive, apenas, sendo ao que sei a pessoa mais idosa da Vila, Alexandrina - Chininha como é conhecida - filha de José Bárbara e Luísa Leitão.

Nome

Pai

Mãe

Alexandrina

Fernandes, Francisco

Fernandes, Isabel Vaz

Alexandrina

Fernandes, Francisco

Lourença, Maria

Alexandrina

Bárbara, José

Leitão, Luísa

Ana

Duarte, José

Dias, Joaquina

António

Margarido, Gabriel

Clotilde, Ana

Benjamim

Leonardo, José

Silva, Maria Isabel da

Deolinda

Duarte, Joaquim

Delfina, Maria

Elvira

Valério, Júlio

Luz, Maria da

Filomena

Prata, José

Augusta, Felismina

Francisco

Marcos, José

Monteira, Maria

Francisco

André, Manuel

Lavajo, Ana

Isabel

Jarmela, José Martins

Lourença. Maria

João

Quelha, António Tavares

Fernandes, Isabel

Joaquim

Afonso, Bernardo

Proença, Isabel Maria

Joaquim

Cruz, José da

Valente, Antónia

Joaquim

Fernandes, Manuel

Afonso, Eduarda

José

Fernandes, Manuel Joaquim

Peres, Isabel Ninfa

José

Gomes, Manuel

Antunes, Prudência

José

Silva, Joaquim António

Martins, Maria de Jesus

Josefina

Marques, Manuel

Monteira, Joaquina

Júlio

Palos, José

Fernandes, Maria Leopoldina

Manuel

Fernandes, José Leopoldino

Conceição, Maria da

Manuel

Fonseca, João

Ribeira, Luísa

Manuel

Alves, Júlio

Monteira, Maria da Luz

Maria

Proença, José Bernardo

Anjos, Ana dos

Maria

Silva, José Martins da

Augusta, Isabel

Maria

Fernandes, João

Lourença, Teresa

Maria

Cruz, Joaquim da

Bárbara,Josefina

publicado por julmar às 14:59
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

. Feira de Talentos de Vila...

. Marias há muitas!

. Vaca loura

. Descubra a sua ascendênci...

. Ter uma aldeia

. Porque hoje é dia da mãe

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds