Quinta-feira, 24 de Setembro de 2015

Poemas da escola do meu tempo

Minha Mãe, Minha Mãe!

Minha mãe, minha mãe! ai que saudade imensa, 
Do tempo em que ajoelhava, orando, ao pé de ti. 
Caía mansa a noite; e andorinhas aos pares 
Cruzavam-se voando em torno dos seus lares, 
Suspensos do beiral da casa onde eu nasci. 
Era a hora em que já sobre o feno das eiras 
Dormia quieto e manso o impávido lebréu. 
Vinham-nos da montanha as canções das ceifeiras, 
E a Lua branca, além, por entre as oliveiras, 
Como a alma dum justo, ia em triunfo ao Céu!... 
E, mãos postas, ao pé do altar do teu regaço, 
Vendo a Lua subir, muda, alumiando o espaço, 
Eu balbuciava a minha infantil oração, 
Pedindo ao Deus que está no azul do firmamento 
Que mandasse um alívio a cada sofrimento, 
Que mandasse uma estrela a cada escuridão. 
Por todos eu orava e por todos pedia. 
Pelos mortos no horror da terra negra e fria, 
Por todas as paixões e por todas as mágoas... 
Pelos míseros que entre os uivos das procelas 
Vão em noite sem Lua e num barco sem velas 
Errantes através do turbilhão das águas. 
O meu coração puro, imaculado e santo 
Ia ao trono de Deus pedir, como inda vai, 
Para toda a nudez um pano do seu manto, 
Para toda a miséria o orvalho do seu pranto 
E para todo o crime a seu perdão de Pai!... 

(Excerto do Poema «Aos Simples» , Guerra Junqueiro) 

 

publicado por julmar às 12:31
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 22 de Setembro de 2015

Encantos e (des)encantos da Vila - As Eiras

As Eiras foram, antes do exôdo migratório, um dos espaços centrais da vida desta comunidade. De alto abaixo, pelo mês de Julho, alinhavam-se as medas de centeio, ficando a meio uma larga avenida onde se procedia à malha manual. Espaço comunitário, gerido pela Junta de Freguesia, terminada a faina estival, em domingo certo, a seguir à missa, procedia-se à arrematação, para arrendamento como lameiro de pasto até às malhas seguintes. Foram outros tempos. E agora são outros, e nestes outros parece que andámos muito para trás no que respeita a estética visual. Se fosse um espaço privado, diríam que cada um naquilo que é seu faz o que bem entende. Mesmo aí não será bem assim. Mas quando se trata de um espaço público, como é o caso, há a lamentar que os eleitos do povo façam assim a gestão deste espaço. Obviamente os utilizadores  gerem o espaço de acordo com os seus interesses e de acordo com o contrato celebrado.

sample

                                                                   Antes era assim

DSC_0176.JPG

 Agora é assim

publicado por julmar às 11:46
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 20 de Setembro de 2015

Música do Hino do Senhor dos Aflitos

 O amigo loricence António Luís de Brito, fez-me chegar o hino do Senhor dos Aflitos, uma peça musical que os vilarmaiorenses sabem de cor. Ficamos também a saber que a música é da autoria de Carlos Simões Pereira (tratar-se -á de um músico da banda de Loriga?) e a letra do professor do Ensino Primário, António Esteves Pinheiro, natural de Malhada Sorda, casado em Vilar Maior onde viveu grande parte da sua vida quer na actividade de professor, quer como reformado. Foi uma personagem marcante na vida social e cultural da freguesia. 

publicado por julmar às 21:52
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Setembro de 2015

Casas da Vila

0003q00w

                                                                          Antes 

DSC_0180.JPG

 

                                                                             Depois

Estão de parabéns os proprietários e os artistas que recolocaram o fato que a casa merece. 

publicado por julmar às 19:04
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Setembro de 2015

Oh as casas as casas as casas - Poema de Ruy Belo

HPIM5600.JPG

                                                                 Oh as casas as casas as casas

as casas nascem vivem e morrem
Enquanto vivas distinguem-se umas das outras
distinguem-se designadamente pelo cheiro
variam até de sala pra sala
As casas que eu fazia em pequeno
onde estarei eu hoje em pequeno?
Onde estarei aliás eu dos versos daqui a pouco?
Terei eu casa onde reter tudo isto
ou serei sempre somente esta instabilidade?
As casas essas parecem estáveis
mas são tão frágeis as pobres casas
Oh as casas as casas as casas
mudas testemunhas da vida
elas morrem não só ao ser demolidas
ela morrem com a morte das pessoas
As casas de fora olham-nos pelas janelas
Não sabem nada de casas os construtores
os senhorios os procuradores
Os ricos vivem nos seus palácios
mas a casa dos pobres é todo o mundo
os pobres sim têm o conhecimento das casas
os pobres esses conhecem tudo
Eu amei as casas os recantos das casas
Visitei casas apalpei casas
Só as casas explicam que exista
uma palavra como intimidade
Sem casas não haveria ruas
as ruas onde passamos pelos outros
mas passamos principalmente por nós
Na casa nasci e hei-de morrer
na casa sofri convivi amei
na casa atravessei as estações
respirei – ó vida simples problema de respiração
Oh as casas as casas as casas
publicado por julmar às 16:07
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 15 de Setembro de 2015

Vilar Maior já teve um parque infantil

                                         (Republicação de um post de 14-8-2009)

Os pais (e os avós) gastam boa parte das suas vidas com os filhos, sobretudo na sua meninice. E vão aqui e além para que possam brincar.

Este parque de Vilar Maior, uma obra pequena, foi das mais importantes que por aqui se fizeram. Acabaram com ele em troca de coisa nenhuma. E na vila, nesta época de Verão há muitas crianças que, com um parque, se conheceriam umas às outras e atrás delas os pais que criariam relações e estreitariam laços. E quereriam voltar no ano seguinte, os pequenos e os grandes. É preciso ver a importância das pequenas coisas.

Os personagens das fotos, gente da casa dos trinta, vão gostar de se ver.

publicado por julmar às 11:02
link do post | comentar | favorito
|

Então, e a festa Cândida?

Cãndida.jpg

                                                                                 Fotografia de Manuel Fonseca

Um rosto, entre outros, que este ano não vi. Não sei porquê mas fico incomodado cá por dentro quando não vejo quem tem por hábito estar por cá nos dias da festa. Na Vila não é preciso ser 'importante' para merecer consideração. - Então, como vais Cândida? Então, mais uma vez por cá! E acho eu que toda a gente ficava contente por vê-la e, vendo-a, vinha-nos à memória o marido dela o António que de alcunha era o Craveiro Lopes e que fazia pela vida à sua maneira desde que não exigisse pegar na enxada: vender sardinhas, improvisar jogos na festa com maços de tabaco, trabalhos em que se tocasse em dinheiro. E a mãe da Cândida - a ti Toita - sentada no degrau da rua a cortar couves galegas, com uma faca curvadade de tanto cortar, para fazer o caldo. Corria a década de 50, tempo que havia pobres de pedir uma codinha de pão por Deus.

publicado por julmar às 10:14
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Setembro de 2015

Olhando para o meu umbigo

O meu umbigo sempre esteve situado em Vilar Maior, a Vila, como me apraz dizer. É o cordão umbilical que me liga aos meus antepassados, à Terra, ao Universo. Foi dali que aprendi o mundo e é dali que o mundo ainda continua a ter sentido. Por isso, penso nela, escrevo sobre ela, busco saber mais dela, porque, com isso, nada mais faço senão saber de mim. Sei disso, porque hoje, dei em revisitar este blog onde escrevo na procura de uma foto que precisei e perdi-me com tudo o que por ali passou: óbitos, muitos óbitos e um pensamento incómodo por este caminho qualquer dia não há quem ninguém; abandonos retratados nas casas sem telhados, sem portas e sem janelas assim uma espécie de esqueletos, felizmente que não cheiram mal; e o abandono dos campos traduzida na paisagem deixada entregue ao deus dará que todos sabemos ser o deus do relaxe e do desleixo. E de coisas que não são, não estão como lhe é dado. Mas logo me ocorre que nunca as coisas estão como deviam estar e que essa é a razão porque ainda cá estamos - para remendar, recriar, remediar. E, olhando para muitos dos posts publicados vemos uma Vila que se renova, que lava a cara, que se embeleza; vemos uma vila onde em cada mês de Agosto matam saudades os que a ela continuam ligados por um cordão umbilical; vemos o desfile ilustrado das gentes e dos acontecimentos; lemos histórias da história da vila; lembramos muitos rostos que nos foram familiares e até rostos de crianças que já são adultos.

Agora entendo um leitor do blog que me dizia: - Sabe muitas vezes, salto do facebook para o seu blog. É diferente, não são só fotografias, fotografias. Sabe é que eu também gosto de ler.

Um outro dizia-me que todos os dias lá ia a ver se havia alguma coisa nova. E confesso que é, para mim, um estímulo, tanta gente  manifestar-me o interesse pelo blog.

Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer

Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver.

   Alberto Caeiro, em "O Guardador
   de Rebanhos"

publicado por julmar às 15:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

A Festa - Procissão da Senhora de Fátima

DSC_0261.JPG

 Procissão de Velas, no sábado; procissão do Senhor dos Aflitos, no domingo; procissão da Senhora de Fátima, na segunda feira.

publicado por julmar às 11:33
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 13 de Setembro de 2015

A Festa do Sr dos Aflitos - "Ele está no meio de nós"

DSC_0167.JPG

 

                                                         Missa Campal 

Ao longo do ano há, no calendário litúrgico, diversas festas celebrando acontecimentos relevantes da relação do homem com o sobrenatural, mas aqui na Vila, a FESTA, a festa das festas, era, é ainda, a festa do Senhor dos Aflitos.

A FESTA marcava o fim de um ciclo do trabalho dos homens (quando o trabalho de quase todos era na terra, aqui na sua terra) que acabavam de colher os frutos da terra - a batata, o feijão, o pão, e, em breve, o vinho. Era, pois, o início de Setembro a altura de festejar, a altura para dar graças a Deus. E para pedir e rogar também ao Senhor dos Aflitos.

Os tempos mudaram, todos o sabemos. Até a paisagem mudou, por mor do abandono da cultura da terra, da agricultura. A vida das pessoas e o modo de cuidarem das suas vidas mudou  e, com isso, o calendário

das suas obrigações. Agosto tornou-se para a maioria, sobretudo para os emigrantes, o mês de férias, o mês em que podiam estar na Vila. Nesse contexto, a maior parte das freguesias circunvizinhas mudaram as suas festas para Agosto. Na Vila quis manter-se a tradição, com todo o direito que assiste aos vilarmaiorenses de escolher um caminho diferente, com inerentes dificuldades na escolha dos mordomos, cujo processo de nomeação poderia ser revisto. 

Tudo isso são metodologias e processos susceptíveis de mudança que assegurem aquilo que não deve mudar e, como testemunhas, sabemos que não mudou na festa que acabou de se celebrar: A Fé e Devoção ao Divino Semhor dos Aflitos

São  vivências muito especiais as dos dias da Festa. É especial a Procissão de Velas no sábado, qual dança religiosa no andar cadenciado dos fiéis embalados ao som da filarmónica, iluminados pela mortiça luz das velas e pelas cadentes estrelas dos foguetes; é a reza do terço com meditação sobre os mistérios da vida de Cristo; é a missa campal, que com isto de ser campal acrescenta uma dimensão cósmica de abertura ao transcendente, uma igreja que tem como limite o horizonte celeste; é a procissão onde se cumprem promessas, feitas em horas de aflição, carregando um peso que é mais do que físico e serve de consolo espiritual. 

É um tempo sagrado, num espaço sagrado que emerge do tempo profano. Os vilarmaiorenses e os peregrinos que acorrem à festa do Sr dos Aflitos mais do que em qualquer outro espaço e tempo experienciam nesta festa a manifestação do sagrado. Mesmo os corações mais empedernidos dificilmente resistem à comoção no momento do Adeus. 
A festa religiosa é para os vilarmaiorenses uma autêntica epifânia e toda a liturgia religiosa envolvida em música e cânticos, em ornamentações florais, em promessas cumpridas, no som dos foguetes, no repicar dos sinos e com o coroar da entoação do Hino do Senhor dos Aflitos, dá verdade à afirmação:
"Ele está no meio de nós"!
 
  HINO DO SENHOR DOS AFLITOS
 

I

Nosso Senhor dos Aflitos

De dois anjos ladeado

Atendei corações contritos

Defendei-nos do pecado.

CORO

Ao deixar-te, ó meu Jesus

Ouvi hoje rogos meus

Derramai as vossas bênçãos

Aceitai o meu adeus

II

Nas desditas desta vida

E nas horas de aflição

Teu coração por nós palpita

Sede nossa consolação

III

Rei de Amor, Rei de Beleza

Sois o Deus, sois o Senhor

Canta a Terra Portuguesa

Canta o povo de Vilar Maio

Canta o povo de Vilar Maio

publicado por julmar às 18:19
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

. Feira de Talentos de Vila...

. Marias há muitas!

. Vaca loura

. Descubra a sua ascendênci...

. Ter uma aldeia

. Porque hoje é dia da mãe

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds