Sexta-feira, 27 de Novembro de 2015

Lenda de Vilar Maior.

 Bons sentimentos grandes virtudes, excecional capacidade de trabalho, profunda dignidade, respeito por tudo e grande devoção eram qualidades que já nesse remoto tempo revelava a gente de Vilar Maior, a terra do Sabugal que se ergue num alto vistoso e alegre, entre dois rios: Na margem esquerda e junto do Cesarão, e, na direita, da parte do Sabugal, a Ribeira de Alfaiates. Conquistada aos mouros pelos combativos reis de Leão, dom Dinis tomou-a àqueles monarcas no ano de 1296. Então, Vilar Maior ficou, temporariamente, obedecendo a Portugal e, espiritualmente, ao bispo leonês de Ciudad Rodrigo até que o nosso rei D. João I a uniu espiritualmente ao bispado de Lamego.

Guerras com Castela assinalaram aquela época e a povoação bastante apareceu por estar muito próxima da fronteira. Perto da localidade, sinceramente venerada e com um profundo amor do povo, existe, há muitos e muitos anos, uma linda imagem de Nossa Senhora. Mulheres, homens e jovens, em muitos casos acompanhados de crianças, fazem orações, implorando a proteção da Virgem e formulando promessas, que devota mente cumprem. Foi sempre assim através dos tempos, manifestando amor, carinho, veneração a maior e mais respeitosos ao fazer as suas preces. Com genuflexões constantes, persignando-se com murmúrios sinceros  de rezas e sentindo sempre grandes esperanças, inúmeras pessoas da risonha localidade se aproximavam da admirável imagem.

publicado por julmar às 18:06
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Novembro de 2015

Manuel da Fonseca – “Estradas”

Um romance à maneira antiga

Não era noite nem dia.
Eram campos, campos, campos
abertos num sonho quieto.
Eram cabeços redondos
de estevas adormecidas.
E barrancos entre encostas
cheias de azul e silêncio.
Silêncio que se derrama
pela terra escalavrada
e chega no horizonte
suando nuvens de sangue.
Era a hora do poente,
quase noite e quase dia.
E nos campos, campos, campos
abertos num sonho quieto,
sequer os passos de Nena
na branca estrada se ouviam.
Passavam árvores serenas,
nem as ramagens mexiam,
e Nena, para lá do morro,
na curva desaparecia.
Já da noite que avançava
os longes escureciam.
Já estranhos rumores de folhas
Entre as esteveiras andavam,
quando, saindo um atalho,
veio à estrada um vulto esguio.
Tremeram os seios de Nena
sob o corpete justinho.
E uma oliveira amarela
debruçou-se da encosta
com os cabelos caídos!
Não era ladrão de estradas,
nem caminheiro pedinte,
nem nenhum maltês errante.
Era António Valmorim
que estava na sua frente.
– Ó Nena de Montes Velhos,
se te quisessem matar
quem te havera de acudir?
Sob o corpete justinho
uniram-se os seios de Nena.
– Vai-te António Valmorim.
Não tenho medo da morte,
só tenho medo de ti.
Mas já a noite fechava
a saída dos caminhos.
Já do corpete bordado
os seios de Nena saíam
– como duas flores abertas
por escuras mãos amparadas!. ..
Ai que perfume se eleva
do campo de rosmaninho!
Ai como a boca de Nena
se entreabre fria, fria!
Caiu-lhe da mão o saco
junto ao atalho das silvas
e sobre a sua cabeça
o céu de estrelas se abriu …
Ao longe subiu a lua
como um sol inda menino
passeando na charneca …
Caminhos iluminados
eram fios correndo cerros.
Era um grito agudo e alto
que uma estrela cintilou.
Eram cabeços redondos
de estevas surpreendidas.
Eram campos, campos, campos
abertos de espanto e sonho …

publicado por julmar às 17:45
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 21 de Novembro de 2015

População da Vila

População de VMaior valida.jpg

Após deixar de ser concelho em 1855, a Vila sobe a sua populacão atingindo o seu máximo de sempre em 1886, com 852 habitantes em 220 fogos. A grande queda dá-se de 1940 para 1960 e, sobretudo a partir daí com o grande surto migratório. Se continuássemos o gráfico estaríamos abaixo dos 100 habitantes. 

publicado por julmar às 12:08
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Novembro de 2015

A BATATA E A SUA HISTÓRIA

Como em outras regiões do país, na Vila, a batata tornou-se o alimento de todos os dias, sendo impensável que se pudesse viver sem ela.

  • Batata, o nome botânico da batata,  por ventura  o tubérculo  mais popular do mundo, é solanum tuberosum, não sabemos como, nem de onde proveio, admite-se que tenham sido os espanhóis  a divulgar o seu cultivo e que tenha  chegado à Europa em 1534.
  • Em 1557 entra no léxico português  no tratado dos descobrimentos  por Augusto Gaivão. Sabe-se apenas que todas as variedades de batata  descendem de uma única, originária do Perú.
  • O seu nome, batata, segundo o dicionarista Honaiss deriva do falar dos nativos do Haiti, o Taino e advém do castelhano,«patata».
  • A batata entrou na Europa em 1534 como planta  ornamental  e só a partir de  1570 se começou a vulgarizar como planta alimentar.
  • Porque era cultivada em hortas e pousios  estava por isso isenta   do imposto de dízimo e de outros direitos feudais, o que fez com que  os camponeses a adoptassem rapidamente, tendo o  seu cultivo em Portugal início em meados do século XVI.
  • Uma das primeiras referências à batata , se não a primeira, foi feita em 1545 pelo cronista espanhol  Agustín Zarate  Cosat, na  sua História del descubrimiento y conquista  de la provincia  de Perú. Las  viandas que em aquelas terras comem los índios som maíz cocido y tostado em lugar de pan, e la carne de venado es cocinada a la manera de mojama, existe pescado seco y unas raices de diversos géneros que Elles llaman yucas, camotes y papas.
  • Sabemos portanto (op. cit) que  o conhecimento do tubérculo  que viria a revolucionar  a história da alimentação do povo europeu, data pelo menos  da segunda metade do século XVI e que os navegadores  espanhóis e portugueses o terão provado  no local de origem, mas com isto não se quer dizer  que a população europeia, particularmente a portuguesa  e espanhola  a tenha cultivado de imediato  para seu uso, tanto mais que os médicos da época  tinham dela uma péssima opinião e consideravam-na, entre outras desvirtuosidades; desenxabida, flatulenta, indigesta, debilitante e malsã, adequada apenas ao sustento de  animais (sic). 

  • Durante o final do século XVI e no século XVII a batata não se encontra citada nos livros de receitas da época, embora alguns  escritores  espanhóis  dessa mesma época a  tenham em textos.
  • Foi já no século XVIII que o francês Antoine  Augustin  Parmentier teria convencido Luís XVI de que  essa batata poderia  solucionar os  problemas  alimentares  do povo francês.
  • Foi então que  para divulgação e promoção da batata,  esta fez parte de uma  refeição  servida em Versailles,  a 24  de Agosto de 1785, com toda a corte reunida, para  apreciação da mesma como alimento  humano.
  • A partir daí a batata passou  a vulgarizar-se como alimento humano em França e a aumentar-se  o seu consumo,  passando de alimento malquisto e vilipendiado,  a ter lugar na mesa  dos nobres e burgueses europeus.  
  • Segundo José Hermano Saraiva, Diogo de Sousa, que terá escrito «As cortes de Parnaso», entre 1620 e 1630, seria conhecedor da batata porque a sita na sua poesia. Também Bento Pereira, no seu Thesouro da Língua Portuguesa, 1647, refere a batata. Porém, até aos finais do século XVII e grande parte do seguinte  a batata  continuou a ter uma baixa reputação na Europa, não passando de um alimento pouco conceituado pelas classes altas, utilizada apenas para alimento de animais, de escravos e  de pobres , conceito a que Portugal não fugia.
  • Para confirmação o que acaba de ser dito,  atendemos ao primeiro livro de cozinha  publicado em 1680, Arte de Cozinhar de Domingos Rodrigues, no qual a batata não aparece  mencionada, tal como acontece com outras obras dos seus colegas espanhóis.
  • A batata só aparece como receita de culinária, para gente bem instalada na vida em 1715 e 1729 registada por Francisco Borges Henriques, mesmo assim dizendo que : « o que dá pelo nome de batatada não passa de um puré grosseiro adicionado com o dobro do peso de açúcar em ponto e amêndoa pisada e, se for de nabos, passa a chamar-se nabada», contudo fica-nos a dúvida se a batata referida seria a  Solanum tuberosum (nome  botânico da batata comum, de que temos vindo a falar) ou a Ipomoea batatas ( que é a batata doce), conforme aparece  muitas vezes confundida uma com a outra.
  • A batata comum (Solanum tuberosum) no  início do conhecimento da sua existência   não foi apreciada como alimento humano pelas classes altas, que apenas a usavam como curiosidade gastronómica,  o que se prolongou durante o século XVIII.
  • Lucas Rigaud, um dos cozinheiros de quem  presentemente se fala  muito, por ter sido cozinheiro da corte  portuguesa  nessa época, na sua obra  Cozinheiro Moderno ou Nova Arte de Cozinhar  de 1780, dedica  apenas  duas linhas  à batata  em que  diz: « As batatas depois de cozidas em agoa, e pelladas,  comem-se com molho de manteiga, e mostarda».
  • Só a partir do livro de Paulo Plantier - O Cozinheiro dos Cozinheiros, editado pela primeira vez em 1870, a batata  entra nos tratados de culinária, sendo nesta obra apresentadas 18 maneiras de a cozinhar.
  • À segunda  edição desta obra, veio Ramalho Hortigão (1836-1915), com o prestígio da sua escrita,  dar um grande impulso  à credibilidade da batata  ao  adicionar  à referida  obra uma receita da sua autoria, onde ensina  frigir as batatas   em manteiga fresca vinda de Sintra, a constipa-las  no parapeito de uma janela  e a voltar a submete-las  ao inferno da gordura fervente para que empolem e se transformem no pitéu do qual exalta  a qualidade e o sabor.
  • Seis anos mais tarde, João da Mata  na sua obra «Arte de Cozinha», lançada em Lisboa em 1876, inclui as batatas nas mais variadas receitas, vindo  a torna-las indispensáveis nas variedades de cozinhados em que actualmente se representam.

  • Assim entrou a batata  no século XX como elemento respeitado, não parando a sua escalada nos mais diversos processos que hoje conhecemos: cozida, guisada, estufada , assada, recheada em puré e de toda a maneira  imaginável.
  • A batata demorou a impor-se, mas vencida a desdita do seu desconhecimento, já não é dispensável seja nos processos mais simples, como nos mais sofisticados.

Extracto do  Texto Original – A HERANÇA INCA- de JPL Reis, in Alimentação Humana, S.P.C.N.A.

       ( Sociedade Portuguesa de Ciências da Nutrição e Alimentação),  vol. 14, nº3, 20, coligido  por

                                                                                                                              Palmira Cipriano Lopes

publicado por julmar às 10:24
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Novembro de 2015

Lendas de Portugal e a Capela de Santa Marinha

ajimez a.tif

 

As lendas têm sempre algum fundo de verdade e, esse fundo, é por vezes uma pequena luz que nos orienta para encontrar a verdade. Santa Marinha. Foi o topónimo que me fez andar por lá à procura de vestígios de uma capela. E não foi em vão pois encontrei lá um belo ajimez - uma pedra trabalhada que encimaria uma janela e que, juntamente com meu sogro, transportei para Vilar Maior, podendo ser vista à entrada do museu local. Para mais informação:

http://vilarmaior1.blogs.sapo.pt/274321.html

Então, a lenda reza assim

Já nesse tempo era grande devoção que tinha o povo de Vilar Maior, bonita terra do Sabugal, cuja existência, anos antes, tinha ficado assinalada, primeiro pelo domínio dos mouros, e, mais tarde, pelas lutas de Portugal com Castela. Uma linda imagem de Nossa Senhora já ali se notava, e, era com grande fé que os homens, mulheres e jovens faziam as suas orações. No dizer da tradição, atravessava-se em determinada época histórica, um período em que as relações com o país vizinho sempre se mostravam pouco amistosas, causando preocupações entre o povo que, de modo algum, sentia empobrecer sua devoção. Apesar das desinteligências que se manifestavam, um dia, alguns naturais de Espanha, dirigiram-se para Vilar Maior, lugar que queria atravessar, conduzindo uma imagem de Nossa Senhora, num carro de bois, com esse fato pretendendo revelar a sua fé católica. Aconteceu todavia, - e isso deixou-os estupefactos e preocupados - que as rodas do veículo ficaram solidamente pregadas ao solo e não se lhes tornou possível mudar de posição. Crendo que isso acontecia por falta de força dos animais, desengataram-nos, substituindo-os por outra junta de bois. Eram mais fortes mas, mesmo assim, o carro não se deslocou. Então – diz a lenda - o povo convenceu-se de que se estava na presença de um milagre da Mãe de Deus, que não queria ir para Espanha, mas ficarem Vilar Maior. Por isso, expulsaram os espanhóis e apoderaram-se da imagem da Senhora. Presentemente, respeitando essa vontade de Maria Santíssima, ergue-se na terra uma bonita capela onde Nossa Senhora opera constantes milagres, robustecendo a pura crença popular.

publicado por julmar às 18:52
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Novembro de 2015

O Chafariz - um pouco da sua história

Tenente Palos ouvindo o discursos  de Manuel Esperança que ofertou o chafariz

O local da implantação do chafariz não foi pacífico como podemos testemunhar pelos dois ofícios do Presidente da Câmara:

 25-05-1950

Exmo Senhor Presidente da Junta de Vilar Maior

Para efeitos convenientes e a fim de que se digne informar a comissão que apresentou proposta de arrematação das águas, tenho a honra de comunicar que em princípio a Camara aceita as condições propostas, desde que a liberdade da colocação do chafariz e bebedouro seja condicionada às indicações dadas por mim, aquando da minha visita a essa povoação.

Para ser feita a entrega definitiva, devem aqueles senhores comparecer nesta Camara trazendo o recibo comprovativo do pagamento da dívida à casa Conde § Gião ou, a importância em referência.

A Bem da Nação

O Presidente da Camara

Francisco Maria Manso

30-05-1950

Exmo Senhor Presidente da Junta de Vilar Maior

De acordo com o ofício da Comissão dessa freguesia, queira Vª Excª qual o local onde desejam, sem prejudicar os interesses do público, colocar o chafariz e bebedouro e dizer quais as razões por que não serve o indicado.

Cumpre a esta Camara zelar pelos interesses dos seus munícipes, em geral, parecendo que no referente a essa freguesia não deseja a Junta da sua presidência ir contra este princípio. Devemos, portanto, estar de acordo na defesa do interesse público.

A Bem da Nação

O Presidente da Camara

Francisco Maria Manso

publicado por julmar às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

O que a calçada nos diz

bordejada de verde.jpg

 

Os paralelos da calçada estão bordejados de verde. Chegaram as chuvas de Outono. Caminhantes, nem de noite nem de dia, nem às horas do meio dia. Noutros tempos, outras coisas se diziam:

Pedrinhas desta calçada

Levantai-vos e dizei

Quem vos passeia de noite

Que eu de dia bem o sei. 

publicado por julmar às 11:22
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2015

Coisas do século XIX na Villa de Vilar Maior

Pia baptismal.jpg

 As muitas coisas que o assento de batismo nº10 do ano 1860 nos pode ensinar ou abrir uma porta para o estudo da sociedade, da cultura, da religião e suas instituições. O insólito do caso é tratar-se de um homem - um engeitado colocado na roda dos expostos - com cerca de 26 anos.

Aos treze dia do mez de Setembro, do anno mil oitocentos e sessenta pelas dez horas da manhã, na Igreja parochial desta freguesia, concelho do Sabugal, Distrito Eclesiástico de Alfaiates, Diocese de Pinhel, eu Presbítero Joze Ignacio de Faria, Reitor da mesma freguesia, baptizei solemnemente debaixo de condição e pus os santos Óleos, conforme a um Mandado que do Excelentíssimo Vigário Geral desta Diocese me foi entregue. Tendo corrido naquele tribunal um processo visto não se achar documento algum que comprove ter sido baptizado, eu assim comprovo observando para este acto todas as cerimónias que a Santa Igreja ordena para tal fim. Revestido da sagrada estola, capa e barrete, no meio da porta principal da Igreja veio da sua muito livre vontade apresentando-se de joelhos perante mim examinar em Doutrina Christã e actos de Fé, Esperança e Caridade, Atenção e Contrição respondendo a tudo com muita energia e perguntando ao dito catecúmeno para que fim se me apresentava respondeu que não sabia se era batizado e por isso me pedia por amor de Deus lhe ministrasse o sacramento do baptismo e ser contado no número dos filhos de Deus e ter Direito à Bemaventurança e perguntando como se queria chamar respondeu Joze Monteiro.

Logo lhe dirigi Quid putas ab Eclesia Dei, elle respondeu: Fidem, sem contenção …

Perguntando-lhe que idade teria disse ele que mais ou menos vinte seis ou vinte sete anos que fora exposto que não conhecera pai ou mãe. Atestou este acto muita gente e seus padrinhos e (diante) a todos ele quis ter recebido o Santo Sacramento do Baptismo lhe dirigi um excelente discurso e dando graças a Deus a todos abraçou como irmãos findando este acto com muito regozijo acompanhado de uma excelente banda de muzica. Foram seus padrinhos João António Ferreira, cazado, Professor do Ensino primário e sua molher D. Maria China desta freguesia os quais todos conheço serem os próprios para constar … »

publicado por julmar às 19:03
link do post | comentar | favorito
|

O Facebook há sessenta anos

ribeira já corre.jpg

                                                                  A ribeira já corre

Pelas redes sociais de há sessenta anos - a barbearia do senhor Zé Franco, a presa de Vale de Castanheiros onde as mulheres lavavam roupa suja e botavam nódoas em vidas imaculadas, as eiras cheias de medas onde se malhava no pão e na vida dos ausentes, o caminho do mercado da Miuzela e de Alfaiates levantando nuvens de pó, a taberna do senhor Aníbal Gata onde a verdade vinha sempre ao de cima - circulava a informação local que ia das coisas que toda a gente sabia e serviam para alimentar conversa sendo que o estado do tempo, como ainda hoje , era o lugar mais comum, até rumores da Rússia e do Além. Quando a mãe ditava uma carta ao filho mais novo para mandar ao filho mais velho, falava-lhe de todas estas banalidades sérias, dos fatos e das invenções locais e de como o longínquo chegava aqui:

- Olha Francisco, a ribeira já corre e a gente inté a oice a cantar. Agora as noutes já são munto grandes e eu vou fazer sarão para loja do ti Duarte, pois sempre dividimos o petróleo da candeia por todas, aproveito para fazer a meia ou fiar uma estriga de linho; como sabes eu falo pouco mas ouvem-se lá muntas cousas. A Maria Eufrásia inté deu uns entenderes, no leves a mal, que tu andavas embeixado pela filha do Esteves,  eu fiz-me desapercebida como se lá no estivesse que o melhor é oralhas moucas para palavras loucas. Olha por cá anda tudo um bocado assustado pois o senhor coronel que lê o jornal todos os dias - outro dia até me deu um e forrei o nosso basal que ficou munto lindo - diz que a Rússia quer invadir o mundo inteiro e fechar as igrejas todas e cabar com a religião. O senhor reitor tamém falou nisso e ontem no terço diz que agora íamos rezar sempre três ave marias pela conversão da Rússia. O senhor reitor disse que com ajuda de Salazar e da Nossa Senhora de Fátima Portugal há-de ficar a salvo. A Amarela pariu uma linda bezerrinha e  agora já temos leite pra fazer o queijo. O tê pai ficou munto contente.

No equivalente à imprensa cor-de-rosa misturava-se parte verdade, parte de invenção, de suspeita, de desejo, de inveja em que mexendo e remexendo, acrescentando de um lado e retirando do outro alimentava os dias repetidos em que nada acontecia. 

E, pronto, era mais ou menos assim o facebook há sessenta anos, em que o mais parecido é a ribeira a correr e a cantar.

publicado por julmar às 11:10
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Novembro de 2015

Festum omnium sanctorum

Depois que o estio se finou, que os frutos que a terra deu se recolheram, diminuem os dias e crescem as noites. Homens e Natureza tomados de cansaço como que se preparam para uma longa hibernação. São assim os meses de Outono. Mesmo as festas litúrgicas são mornas e tranquilas. Nada nem ninguém sobressai. Festejam-se todos os Santos, aqueles que não têm direito a lugar em altar de Igreja ou Capela, a mordomia e festa, a procissão e foguetes. Festa de todos os santos anónimos. 

Era, antigamente um tempo bom para a garotada: Sem trabalho de campo, dava para jogar ao Crarambolo com as nozes ou amendoas tiradas à socapa da casa dos pais ou descobertas no rebusco. À socapa se tiravam umas batatas (das maiores) da tulha que a senhora Clemência trocava por milagradas, que assim se chamavam as romãs. E no dia de Todos os Santos, a lembrança que os padrinhos ofereciam era o Santoro - pão que levava azeite e ovos em forma de ferradura.

Pretérito perfeito em que o tempo era ainda todo futuro.

publicado por julmar às 17:26
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds