Domingo, 28 de Fevereiro de 2016

Enterrar os mortos

A última das obras de misericórdia- talvez não a menos importante - manda que enterremos os mortos. Com o evoluir da civilização a sensibilidade para com os animais leva-nos a que preceitos que eram destinados aos humanos os tornemos extensíveis àqueles. Naturalmente, também por razões de salubridade. No tempo que por aqui me vou alongando já fiz o enterro de um gato e hoje de uma raposa, à entrada da vila.

raposa.jpg

publicado por julmar às 18:44
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 21 de Fevereiro de 2016

Mais segurança na Vila

PASSADEIRA.jfif

 Primeiro pintaram o traço central. Agora, à entrada da Vila, as barras horizontais brancas são importante sinalização visual e sonora de alerta aos automobilistas para redução da velocidade. Alguns dizem que deveriam ser barreiras que obrigassem a efetiva  redução de velcidade. 

PONTE GUARDA.jfif

 Há mais tempo sinalizaram este pontão sobre o rio, só muito tempo depois de aqui ter encontrado a morte um motociclista num despiste fatal. Nunca ali passo que não recorde a imagem do homem morto, lá em baixo, estendido, metade do corpo sobre a areia, a outra imersa na água.  

Pergunta: Ficaria assim tão caro ( se é que deveríamos falar em preço) colocar umas guardas laterais? 

publicado por julmar às 18:25
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 14 de Fevereiro de 2016

Balada de Neve

neve.jfif

Através da vidraça, ainda que não ficasse tudo da cor do linho

Uma poesia assim, tinha que ser de um poeta natural da Guarda. Poema que vinha nas antologias do ensino do meu tempo e que fazia parte dos poemas que sabíamos, que sei ainda, de cor.

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
. Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho…

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança…

E descalcinhos, doridos…
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!…

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
e cai no meu coração.

Augusto Gil

publicado por julmar às 18:35
link do post | comentar | favorito
|

Missa na Vila

igrja.jfif

 Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles. (Mateus cap.18, vs 21)

Mateus 18:20

Poucos. Mais do que dois ou três. Mas poucos. Por vezes, são poucos mas crescem e multiplicam-se. Não será o caso que já ninguém está para aí virado. 

Para uma análise sociológica da Vila. Missa de Domingo, 14 de Fevereiro de 2016

Total de pessoas presentes - 22

Sexo masculino -9

Sexo feminino - 13

Idade: Dos 15 aos 91 anos

           Menos de sessenta: O padre( 27 anos?) e a acólita (15 anos)

No activo: o padre, um engenheiro, uma estudante

Pessoas que nunca saíram da Vila - 2

Pessoas que emigraram - 9 (3 homens, 6 mulheres)

Pessoas que nunca emigraram - 13

Casais presentes - 3

Professores reformados - 5 (3 mulhreres e 2 homens)

 

publicado por julmar às 16:08
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2016

Coisas simples

meruges.jfif

 

Se não conseguir juntar a boa vida a uma vida boa escolho sempre a última (é só uma pitada de filosofia!). A confecção de uma e outra não exige especial sabedoria. Já a combinação das duas tem mais que se lhe diga. No caso,  munido de uma tesoura e de um saco, arranjei uma boa companhia para um passeio pelas bordas do Cesarão até à Casa Branca (um lugar onde Deus podia ter criado Adão e Eva, assim o quisesse) onde desembocam as águas vindas das Canadas e em cujas águas correntes colhi as moruges ou merugens (à moda da vila) que limpas de outras ervas e bem lavada temperei com sal grosso, azeite e vinagre. Pão oferecido por um amigo que o fabrica com lenha da Correia, vinho oferecido por um familiar que o tem de seu trato e cuidado, queijo e enchidos do que se pôde arranjar ... bom se isto não é uma vida boa, o que é?

Por curiosidade, achei interessante ter encontrado em Londres, num supermercado, à venda moruges. Diferentes na quantidade, no preço, na cor ... quanto ao sabor não sei.

publicado por julmar às 18:32
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 7 de Fevereiro de 2016

Escrita na pedra

Assim reza a lápide:

AQUI JAZ MARIA IZABEL DA CUNHA CARDOZO

NASCEU A 25 DE OUTUBRO DE 1856

FALECEU A 28 DE JANEIRO DE 1915

SAUDADE

Publicámos aqui, no ano passado, a transcrição da lápide do padre Bernardo da Cunha Cardozo que se encontra à entrada do portão que dá acesso ao aidro. Certamente seriam irmãos e o artista que talhou e gravou as campas o mesmo. A que agora apresentamos encontra-se encostada ao muro frontal do cemitério, junta de duas outras campas. Os documentos em pedra resistem ao passar dos anos se mãos de gente igorante as não partirem à marretada, como aconteceu a várias. 

 

 

publicado por julmar às 18:48
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2016

Trovisco - Florêncio da Silva

trovsco.JPG

 Há muito que não damos conta da flora da Vila. Desta vez, vamos saber um pouco de uma planta que por cá existia, continua a existir, só que já ninguém lhe liga, como se deixou de ligar a muitas outras. Trata-se do trovisco que existe um pouco por todo o lado, pois prospera em terrenos pobres e rochosos, gostando de lugares ensolarados e suportando bem as temperaturas locais.

Trata-se de uma planta arbustiva, rnamental, crescendo até aos 2 metros, com ramos delgados e folhas perenes, florescendo no fim da primavera e amadurecendo os frutos no verão. Estes frutos, bolinhas pequenas, começam verdes, passam a uma colração alaranjada e quando maduros são pretos. 

As aves apreciam sobremaneira os seus frutos que podem ser usados pel homem como laxante, se tiver cuidado na quantidade, pois toda a planta é altamente tóxica. 

Os nossos historiadores dão conta que já na primeira dinastia era usada para fazer pescarias, costume que, infelizmente, chegou até nós. As águas ficam de tal mod envenenadas que não só matam todo o tipo de vida aquática como podem provocar a morte de animais, domésticos ou selvagens, que bebam  água onde foi deitado. 

A casca é muito resistente e flexível razão por que os pastores, quando uma rês partia uma perna, a usavam para atar uma tala.

Utilidade em Agricultura Biológica: Refúgio para afídeos úteis e repelente de toupeira.

publicado por julmar às 19:16
link do post | comentar | favorito
|

Lugares da minha vida

parbio.jfif

 

Tenho o privilégio de há 25 anos poder disfrutar diariamente deste espaço privilegiado que é o Parque Bilológico de Avintes, em Vila Nova de Gaia, considerado entre os melhores da Europa. Deste modo, alimento e fortaleço a minha matriz rural com um passeio, habitualmente, matinal e sinto-me transportado à vida da Vila de há sessenta anos. Entro e recebe-me um pavão com o seu prodigioso leque policromático; adiante num lago patos e cisnes, mais acima grous e uma dúzia de cegonhas que resolveram não emigrar e ficar permanentemente por aqui. Aves de todas as espécies e feitios, algumas em semi cativeiro, domésticas e selvagens; do princípio ao fim há o cantar constante de aves. Só porque na natureza é tudo tão importante não poderei afirmar que as aves constituem o seu principal património; só porque não faz sentido falar em dinheiro não direi que aqui se encontram aves de preço inimaginável. Por tudo isso existe aqui um centro de cuidados e recuperação de aves. Pelo caminho saltam, coelhos em abundância, há raposas, texugos, cabras-bravas, javalis, corços e até bisontes. Claro, há também os animais domésticos, desde as galinhas, perus, patos, cabras - a quem a minha neta se delicia a dar bolotas - o marrano, os burros, as vacas. Das várias quintas existentes com as suas noras, destaco a que é primorosamente cultivada: a quinta de Santo Tusso com todas as alfaias agrícolas e valências de uma quinta tradicional. A casa mobilidada, a adega e moínho contíguos no melhor dos retratos que podemos ter do que era a vida rural de outrora. E, lá no fundo, o rio. Não é o Cesarão nem o substitui: é o Febros que também canta e quando chove em demasia, se enfurece e me corta a passagem para a outra margem. 

nora.jfif

 

publicado por julmar às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

. Feira de Talentos de Vila...

. Marias há muitas!

. Vaca loura

. Descubra a sua ascendênci...

. Ter uma aldeia

. Porque hoje é dia da mãe

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds