Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2017

Batizados há cem anos

pia baptismal.jpg

No ano de 1917, foram batizados, na Igreja matriz de Vilar Maior, 36 indivíduos, sendo 19 do sexo feminino e 17 do sexo masculino. Agora já não nos lembramos quando foi o último e começamos a perguntar-nos se ou quando voltará a haver um batizado. 

Maria Badana, Júlio Alves Pascoal, Maria da Luz
João Barreira, Francisco Antunes, Matildes
Isabel Maria Bernardo, José Fernandes, Ana dos Anjos
Filomena Calamote, Joaquim Santos, Luísa dos
João Cerdeira, Francisco Monteira, Matilde
António Cerdeira, Manuel Carmo, Maria do 
José Costa, João Fernandes, Lúcia
Maria Cruz, Joaquim  Bárbara, Josefina
Filomena Cunha, José Joaquina, Ana
João Duro, Armando Martins Duro Costa, Virgínia
Francisco Fernandes, João Fernandes Lourença, Teresa
Maria Fernandes, Joaquim Lavajo, Ana
Joaquim Fernandes, Manuel Alves Proença, Valentina
Julieta Freire, Albino Monteiro L., Isabel Maria
João Garcia, Joaquim Monteira, Mariana
Carlos Gata, António Gata, Maria Alves da Cruz
Augusta  Gata, João  Esperança, Maria Neves
Anunciação Gil, José  Ferreira, Isabel Maria
Maria de Jesus Gomes, Manuel Antunes, Prudência
Filomena Leal, Joaquim Fernandes Lourenço, Luísa
Virgínia Margarido, Gabriel Urbana, Ana Clotilde
Olímpia da Conceição Margarido, José Bárbara, Miquelina
Felisbela Nunes, Alípio Ándrade, Isabel
Aurélia Prata, José Augusta, Felismina
Matilde Rasteiro, José Passareira, Maria Amélia
Maria Robalo, José Maria Lourenço, Ana
Hermínia Seixas, José Cerdeira, Ana
Manuel Serrano, António Soares, Rosália Lucrécia
António Silva, José Anjos, Clara dos
José Joaquim Silva, José Martins  Jarmela, Isabel
Adriano Simões, João Ferreira Martins, Ana
José Simplício, António Francisco Silva, Maria
José Tavares, José Afonso Alexandrina, Ana
Francisco Valério, António Prata, Maria
Germano Valério, Joaquim Soares, Maria
Maria xxxxxxxxxxxxxxxxx Dias, Maria Isabel

 

publicado por julmar às 10:52
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 21 de Janeiro de 2017

Caldo escoado

lareira.jpg

Da aldeia da minha infância me ficou memória viva de tudo; de uma maneira muito particular dos cheiros e dos sabores, sobretudo quando uns se combinavam com os outros. Pequeno-almoço só havia aos domingos. A lareira acesa, maior que nos outros dias, havia de dar brasas para colocar no ferro de engomar roupas, para aquecer águas e para fazer ferver panelas das quais uma seria de café, café Leão, cujo aroma intenso se espalhava por toda a casa quando, destapada a panela, se lançava uma enorme brasa que fazia o polmo assentar no fundo.
Nos dias de semana comia-se o almoço pelas nove horas, no tempo de Inverno. Um dos comeres mais frequentes era o caldo escoado: partiam-se batatas às rodelas finas cozidas em panela de ferro de grandeza proporcional ao tamanho da família. Para uma terrina haviam-se partido fatias, dito à maneira de lá fatigas, de pão recesso ou bem assente. Terminada a cozedura, parte da água das batatas é deitada sobre as fatias de pão temperadas com a gordura de pedaços de carne gorda frita (os chicharrões) que acompanham o prato a que se juntou colorau picante – o pimento – comprado em Allamedilla d’el Choco. Este é o prato. Na panela as batatas com o resto da água é o caldo de batata.

publicado por julmar às 11:04
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

A Roda dos Expostos de Vilar Maior

roda exp1.jpg

                               Fotografia exterior (abertura recentemente tapada)

roda exp2.jpg

 

                                                        Imagem do lado interior

Na casa que pertenceu a José Vicente, de alcunha o ti Salazar, e que hoje é propriedade de José João Valente, encontra-se a janela onde funcionava a roda dos expostos ou enjeitados, como hoje tive oportunidade de observar pelo lado interior da casa na janela que dá para a rua, tapada recentemente nas obras em curso. A minha ideia de que pudesse ser ali que colocavam as crianças indesejadas, pude confirmá-la hoje com os meus olhos: por dentro, como pode ver na fotografia, a abertura é em círculo para que a roda pudesse girar e lá está o buraco na parte inferior e na parte superior onde rodava o eixo do cilindro. A casa situa-se a nascente da Igreja da Misericórdia, próxima desta, numa ruela secundária, um pouco escondida como convinha à prática do ato, a Travessa do Churrião. A casa, com uma área de cerca de 40 m2, de rés-do-chão, de piso térreo e lageado, com porta de acesso do lado nascente e a dita janela, sendo a cobertura em telha vã. A casa tem um curral lageado onde se encontra uma cortelha de porco e o poleiro das galinhas. As obras em curso fecharam a janela onde funcionava a roda dos expostos e ligaram a casa à casa contígua que, eventualmente, poderia, à altura do funcionamento da roda constituir uma unidade que funcionaria como proteção das crianças. 

A roda dos expostos, também designada como roda dos enjeitados, era um mecanismo em forma de portinhola giratória rodando na referida janela e com um tapume de alta abaixo de tal forma que era impossível ver de dentro para fora e vice-versa. Deste modo, se protegia a identidade do depositante, a maior parte das vezes a própria mãe da criança, que colocando a criança na roda a girava uma volta completa para que a criança chegasse ao lado de dentro. Puxava, a seguir, uma corda, badalando uma sineta que alertava quem estava do lado de dentro para a chegada de um novo hóspede.

 Este modelo de acolhimento teve inúmeros adeptos pel Europa, sobretudo católica, a aprtir do século XVI. Em Portugal, espalharam um pouco por todo o território a partir de 1498 com o aparecimento das misericórdias.

Em 24  de Maio de 1783, o intendente geral da Polícia do Reino, Pina Manique, reconheceu oficialmente a instituição da roda , pretendendo pôr termo aos infanticídios e acabar com o chocante comércio ilegal de crianças portuguesas na raia, onde os espanhóis as vinham comprar. Com a chegada das ideias liberais, na primeira metade do século XIX, a Roda dos Enjeitados começou a perder a sua importância.

A roda surgia como uma tentativa de pôr termo ao infanticídio e ao abandono dos recém nascidos. Estes 'filhos de ninguém' eram, muitas vezes, filhos de mães solteiras, raparigas pobres e de relações proibidas. Por vezes as mães dos enjeitadas deixavam marcas identificativas, a fim de mais tarde as poderem recuperar. A Câmara tinha a incumbência de arranjar amas para amamentar estas crianças, suportando os respetivos encargos. As crianças eram por volta dos sete anos entregues a famílias onde começavam a aprender tarefas de agricultura, pastroreio ou algum ofício. 

Não conheço, até hje, qualquer notícia escrita acerca da Roda dos expostos da Vila ainda que nas atas camarárias conste o registo de encargos e outras informações relativas aos expostos.

Neste blog em 9-11-2015 publiquei um post sobre o batizado de um exposto:

http://vilarmaior1.blogs.sapo.pt/coisas-do-seculo-xix-na-villa-de-vilar-425712

 

publicado por julmar às 11:39
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

Requiescat in pace, Teresa Narciso

Sem gente a nascer, em Vilar Maior, sentimos que um mundo está a acabar: Inevitável, inexorável, a morte vai batendo, numa e noutra porta, não só dos que ali vivem como dos que partiram para outros lugares. Toda a gente da vila, de uma ou outra forma, nos marca muito, cada um é sempre um pouco de nós. Por isso, quando partem, partimos um pouco também. D. Terezinha, como atenciosamente era tratada faleceu, em Lisboa, no dia 14 de janeiro. Todos os anos, pelo Verão, passava algum tempo na Vila com a família. Ao marido, filhos e restante família, apresentamos as nossas sentidas condolências.

publicado por julmar às 10:58
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2017

Até que enfim, uma boa notícia

Em 2017 é assim

O que vê na fotografia é a construção da plataforma onde será instalada uma antena da operadora NOS que permitirá aos respetivos clientes usufruir de rede de telemóvel. 

Displaying IMG_5045.JPG

 

Em 1953 era assim

Cabina telefónica

Em 24 de Novembro de 1953 a Administração Geral dos Correios, Telégrafos e  Telefones

Ofício a informava que

«a abertura do posto está pendente da vistoria do compartimento onde deve ficar instalado o telefone, a qual se efectuará na semana corrente»

Cerca de 100 anos após a invenção do telefone (1860), chega à Vila a possibilidade de falar para qualquer parte do mundo. Foi instalado  o locutório (cabine que custou 300$00) no Comércio do Senhor Aníbal. A ligação ao recepor final não era direta e, por vezes, era precisa muita paciência. Primeiro ligava-se para Aldeia da Ponte e dali era estabelecida a ligação.

publicado por julmar às 18:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Lendas de Portugal

. Requiescat in Pace, Ana D...

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds