Segunda-feira, 5 de Março de 2012

O Buraco (parte 2)

Frente à casa da ti Pureza Lavajo, vivia o irmão Joaquim Lavajo ( falecido em 1947 com 56 anos) casado com Isabel, a casa de quem em menino fui muitas vezes, a mando de minha mãe, buscar a tigela do fermento para fintar o pão. Daquela casa saíram criados a Amélia,a Maria, a Isabel, o António, o Zé e o Chico , todos adriões, gente de trabalho que haveriam de procurar a França quando se deu a debandada geral. Foram e voltaram. Morreram os pais, os filhos saíram e a casa abandonada ano após ano foi cedendo à erosão do tempo e à incúria dos herdeiros: primeiro foi uma telha que se levantou, depois um caibro que apodreceu e levou a um rombo no telhado, depois mais um caibro e outro até caírem todos. Resta a cumieira assente nas paredes desprotegidas e as filas de telhas assentes nas paredes de frente e detrás que o peso das pedras as não deixou ir - processo simples e eficiente de segurar as telhas. A porta e o postigo de carvalho rijo não resistiram à inclemência dos gelos e chuvas de inverno e à exposição ao tórrido calor de verão do meio dia ao sol pôr. Sem porta, sem telhado, lá está o escarção e a toça da porta, indiferente à indiferença dos homens, das mulheres, das crianças que passaram debaixo de si, durante séculos, gerações e gerações. Não sei se alguém reparou na data que ostenta na sua fronte: 1283. Já o dissemos: nesta colina em volta da designada Casa da Torre surgiu o domínio do poder civil municipal, simbolizado no Pelourinho que, posterior, o confirma e que há-de ganhar primado ao poder castrense do Castelo, no Cimo da Vila. Esta é uma inscrição importante e deve ser preservada. Aqui fica o seu registo. A partir desta casa e da do ti Joaquim André, ( nascido em 1912), casado com Maria Lavajo, começavam os campos agricoláveis: a vinha do Cerrado que noutro lado desenvolveremos. Uma casa apenas depois destas , do lado direito, uma casa térrea, a casa do ti Jerónimo ( ou Jerómino, na voz do povo) Fonseca, pedreiro de profissão que aplicava, mesmo às pedras mais pesadas, o princípio de que "contra a força não há resistência", desde que o vinho não faltasse e os ajudantes se movessem "todos há uma", no cântico, em coro, "pedra vai". E a pedra ia mesmo. Crente em Deus mas desconfiado dos seus mandatários, assistia aos actos litúrgicos importantes com espírito crítico que, bem sabemos, causa a maior das ruínas aos dogmas. Ruína maior, ainda, se lhe for acrescentado, o humor, como era o caso. De modo, que um dia assistia, ao grandioso sermão como era o do chamado "Aniversário" durante o período da Quaresma na Igreja da Misericórdia - misere mei, Domine. Estamos de novo na Misericórdia. Juntavam-se os padres das terras vizinhas, os oficiantes que eram em número de 11, e , em latim, salmodiavam, tempo sem fim, as lamentações dos profetas, as longas lamentações do profeta Jeremias, em língua latina, em canto gregoriano que esbarrava logo num "aléeeeee" que nunca mais acabava. "como está sentada solitária aquela cidade, antes tão populosa! Tornou-se como viúva, a que era grande entre as nações! A que era princesa entre as províncias, tornou-se tributária!" Como quem não sabe latim fica-se assim e da destruição da cidade por causa dos pecados dos homens e da ira de Deus, apenas se apercebiam pelo canto lamurioso. O pregador subido ao púlpito, teria de encontrar o conteúdo e a forma de chamar as almas ao arrependimento e o choro das mulheres era o sinal manifesto de que o conseguira. Claro que a forma clássica de o conseguir era a dramatização com as chamas do Inferno. Daquela vez, o pregador que já tentara, por modos vários, alcançar a comoção sem resultado, começou a ameaçar: - Arrependei-vos dos vossos pecados, ó pecadores! Olhai que a lenha de todo o vosso limite, do vosso concelho do Sabugal, do vosso distrito da Guarda, do nosso Portugal, toda a lenha do mundo não chega para fazer a fornalha que é o Inferno, onde ardem as almas daqueles que não se arrependeram dos seus pecados! Esse é o lugar que vos espera!" As mulheres comovidas choravam e, num ou noutro homem soltava- se uma lágrima. Porém, o pedreiro Jerónimo, ao fundo da igreja, na soleira da porta, talvez por causa de trabalhar com pedras, de alma empedernida, comentava: " Anda lá que a mim não me enganas tu", sendo que o enganas é nosso, por não ficar bem escrever aqui a palavra por ele usada. Era assim, o ti Jerómino, forte no corpo, rijo na alma, um verdadeiro maçon. Maçónicos, judeus - os marranos - e comunistas eis a trindade em que se encarnava Belzebu e com que se excluíam os inimigos da fé. O ti Jerómino ouvira contar ao avô histórias de clérigos pouco abonatórias da congruência entre o que se prega e o que se pratica, dando força ao dito: " Bem prega frei Tomás, fazei o que ele diz não façais o que ele faz". Como, regularmente comentava - o padre diz que somos todos irmãos, mas cada um come em sua casa. Ora coisa que ele não digeria bem, era, no dia do aniversário, em quaresma de jejum e abstinência, os oficiantes num total de 11 mais o pregador e o reitor, mais os mesários comerem que nem ....uns abades! E, claro, eu sei o que ele não sabia. Por exemplo, as contas do aniversário do ano de 1861: Jantar aos clérigos e mesários- 13.860; Músicos - 4.320; Clérigo Presidente - 1200; Clérigos oficiantes( 240 cada) - 2.640; Pregador - 2400; Mesa - 480 (os valores são em reis). Um jantar de quase mil reis por pessoa em tempo de jejum e abstinência ... Na casa do ti Jerómino, terminava a vila, no tempo em que havia grandes sermões, se cantava a ira de Deus, os lavradores semeavam o pão, os pedreiros levantavam paredes e os ferreiros aguçavam os picos dos pedreiros e as relhas dos lavradores.
publicado por julmar às 12:39
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Manuel Maria a 9 de Março de 2012 às 10:43
E estavam eles de jejum e abstinência...


De Aradas a 9 de Março de 2012 às 14:02
... Mas para mim a melhor do ti Jerónimo continua ser aquela da seta lançada a S. Sebastião... Aquele que o f.... ritou .


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds