Domingo, 22 de Abril de 2012

António Rasteiro, homem do povo

António Rasteiro, homem do povo,
Completamente analfabeto
Mas rico em memórias e afectos..
Sua vida resume-se assim: criado lá em casa desde menino,
Guardando ovelhas e sonhos pelos cabeços,
Emigrou depois a salto para França,
Consumindo-se em saudades da terra distante.
António Rasteiro
Voltou, passados muitos anos voltou,
As botas cobertas da fina poeira da estrada,
E desembarcando nos meus sonhos
Saiu-me ele um dia ao caminho,
De saco cheio de memórias
Ao ombro.
 
Abrigado à sombra da velha Acácia
Escutei então algumas histórias
Ao António Rasteiro,
Que vinha do passado,
Assim… Sem pedir licença,
Com memórias da vida dos meus avós,
Da infância de minha mãe
E da sua.
 
Deixei-o entrar nos meus sonhos.
Nesta terra onde não há guarda-fiscal,
Alfândega, ferrolho à porta.
O saco vinha a abarrotar,
De histórias, de pessoas,
De memórias
Que lhe vergavam
As costas.
 
E o António Rasteiro,
Não lhe podendo mais suportar o peso,
Despejou-o ali no meio da praça,
Assim:
Recordou primeiro como eram cristalinas as águas da fonte velha
E corriam ao desdém pelo caminho, até às Entre-Vinhas;
Falou por alto dos grupos alegres de raparigas que iam lavar à ribeira;
Referiu em pormenor algumas façanhas do Nino Badana no tempo do contrabando;
Contou as peadas de rebanhos que havia no povo,
E enganando-se duas vezes, desculpou-se, fazendo a estimativa por alto;
Falou com saudade do tempo em que foi pastor em casa dos meus avós;
Lembrou quando na meninice ascendia uma grande fogueira no cabeço da Atalaia
Para se aquecer das frias e solitárias noites de pastorícia;
E numa curiosa analepse,
Saltou para a linda sopeira, que lhe aquecia os pés quando foi praça na Cova da Moura.
 
Depois, enigmático,
Concluiu:
-Ah doutor, aquilo é que eram tempos, catano!
 
João Martins 
publicado por julmar às 18:29
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 23 de Abril de 2012 às 17:02
Vamos sentir muito a sua ausência


De egitania a 23 de Abril de 2012 às 22:48
É com imensa pena que tomei conhecimento da sua morte e quando me deslocava à Vila, costumava ficar a conversa com ele durante algum tempo, ali pela Praça. Gostava de ouvir as suas histórias e sinto que mais uma pessoa boa e pura partiu.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Lendas de Portugal

. Requiescat in Pace, Ana D...

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds