Quinta-feira, 13 de Setembro de 2012

Aldeias de Fronteira - Filipa Fava

É sempre com prazer que leio boa literatura. Neste caso, acrescenta-se o tema e a escritora. Sou um admirador da escrita de Filipa Fava cujo talento gostava de mostrar aqui mais vezes e na II Feira de Talentos de Vilar Maior.


«Vou à minha aldeia, respirar ar puro e paz. Ouvir os pássaros de dia e as cigarras à noite. Ver as estrelas, esse luxo não permitido aos citadinos. Passear por ruas poeirentas, dizer bom-dia a quem não conheço. Estar num  sítio onde não há supermercados, só hortas. Viver uns dias rodeada de um silêncio que nem os muitos emigrantes de volta à terrinha perturbam. Relembrar brincadeiras de pequena: mergulhar no rio lamacento, onde cobras fininhas nos roçavam as pernas, andar de burro e de carroça, enfrentar os cães vadios, descobrir esconderijos. Revisitar o cruzeiro, agora só com a vista, dantes subindo monte acima, entre enormes pedregulhos e arbustos de agulhas.

Do cruzeiro vê-se Espanha, à esquerda. E o Castelo, com a sua monumental torre de menagem, à direita. Um desses lugares marcados pela convivência turbulenta com o país vizinho, foi vila de defesa do território português contra o seu eterno inimigo, a quem costumamos chamar “nuestros hermanos”, apodo irónico, bem vistas as coisas, senão fratricida. E é lá que fazemos as compras: claro que não gostamos tanto do pão, nem do azeite do lado de lá, mas o chouriço e as “galletas” são tradição -  coisas que se vão inculcando nas gentes fronteiriças. Antigamente, trazia-se mercadorias “a salto”, ou seja, clandestinamente, sem passar pelo posto da vetusta e néscia Guarda Nacional Republicana. Montavam um burrico ou endureciam as canelas e lá iam irmãos e primos à aventura, fazer um simples recado de mercearia. Se vinham sem levar umas pauladas dos guardas já era uma sorte!

Terra de lavradores e pastores, chegou a sede de concelho. Hoje restam 120 habitantes, que não ocupam as fileiras de casas antigas, de pedra, derrubadas pelo tempo e pelos ladrões. Diz-se pelas bandas que os espanhóis vão aos montes portugueses roubar pedras, que naquela zona são verdadeiros colossos esculpidos pelo vento. Os locais encarregam-se de roubar a dos edifícios, mesmo de pérolas arquitectónicas da região. 

Vou à minha aldeia, Vilar Maior, mas podia ser a aldeia de qualquer português. Não se vai para descansar, mas para ser amolecido pelo tempo, pela mesa farta, pelas mãos toscas do parente afastado que abraça e beija sem cerimónia, pelo fresco da brisa, pelas histórias de família. Prometo trazer uma ou duas de volta. Até lá! »

Texto retirado de http://www.dioivo.eu/cronicas/desde-portugal/1020-aldeias-de-fronteira

publicado por julmar às 16:16
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
29

30
31


.posts recentes

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds