Sexta-feira, 14 de Setembro de 2012

A Salto para França , discurso na primeira pessoa

António Cerdeira Seixas, nascido em 1920, natural de Vilar Maior, casado, pai de três filhas.

 Profissão - Pintor

 

O Zé Pequeno e o Ronda foram dos primeiros a ir para França. Estávamos sempre a ouvir que lá se ganhava muito. Saímos daqui foi preciso deixar o dinheiro em depósito, sete contos que era mais ou menos quanto custava uma junta de vacas.

Saímos dia 5  de Outubro de 1962.

Comigo, foram da Vila - António Rasteiro, o irmão Zé Rasteiro,  o Zé Prata e o António Adrião ( já lá tinha estado). do Escabralhado, o Zé Polónia; da Arrifana, o Joaquim Prata e o Joaquim Quelha; da Bismula,  o Joaquim Leitão; de Badamalos, o Zé Mergildo.

Saímos da Vila à tarde, pela Ponte em direção ao Vale de Bolos, com bom tempo, só apanhámos água na saída de Espanha.

Dei sete contos ao Joaquim Rasteiro da Arrifana que era o passador. Não lho demos logo. Tivemos de dar uma fotografia para quando lá chegámos rasgámos a fotografia para o passador trazendo a metade poder receber o dinheiro.

Eu tinha o dinheiro que apurei no mês atrás numa obra da senhora D. Marquinhas da Ruvina da casa que pintei ao senhor Pedro - 18 contos. Não fui em 61 porque tinha gasto o dinheiro na compra de uma mota, uma Famel que custou sete contos. Pedi dinheiro à senhora Evangelina mas diz que já tinha emprestado ao ti Zé Badana que lhe deixou o Pereiro como fiança. Não queriam que eu abalasse. Fui pedir à senhora D. Marquinha da Ruvina, pedi-lhe sete contos e ela disse-me:

- Você não vai! Você fica aqui vai pintar a casa do senhor Pedro.

 Queria que eu fosse a trabalhar para o Colégio da Ruvina. Mas ganhos os 18 contos tratei de ir.

Andava a semear de pão o cabeço da vinha da Cabeça Lagar e foi lá a minha São com a filha mais velha da Lipondina que está em França.

- Ó pai, venha embora que os homens já lá estão à espera na vila.

Cheguei a casa agarrei uma côdea, uma merenda, um ou dois chouriços e lá fomos.

Nem cobertor, nem manta, a roupa que tínhamos no corpo e um pau na mão. Juntámo-nos no Vale de Bolos e fomos passar ao lado de Nave de Haver e ao lado de Poço Velho e era á lusco fusco. Antes de sair estava a fazer vinho o Henrique Meliço.

Tinha uma dorna ali ao pé da casa da Beatriz Monteiro. Diz-me ele:

- Bebe uma pinga, que tão cedo no o voltas a provar!

Olhe agarrei uma caneca, uma tigela e bebi-o! Levava sede. Olhe que muita sede passei eu até chegar aos Pirinéus, tanto que eu cheguei a pôr um lenço onde os porcos andavam e a coar aquela enxovia.

Só andemos de noite. A primeira noite cheguemos a Salamanca a andar. (fiz-lhe reparo da impossibilidade de percorrer a pé tal distância talvez, então fossem duas noites). Chegámos já de dia. Fomos para um hotel e estivemos lá três dias a jogar às cartas, ao montinho com castanhas que apanhámos no caminho. Saímos de Salamanca num carro, depois lá para diante mudámos para uma camioneta que estava carregada de caixas vazias de cerveja, com duas filas de caixas em toda a volta até ao cimo e nós íamos lá dentro. Antes de entrar na camionetas estivemos num palheiro onde se encontravam mais vinte homens que já ali estavam há 10 ou 15 dias. Fiz-lhes a barba a todos. Dez tostões cada um. Quando saíram, coitados,  lançaram-se às maçarocas do milho, comeram como se fossem porcos, cheios de fome. Aí a nós deram-nos de comer feijoada, numas cortelhas onde havia porcos, no meio dos porcos. Aí deram-nos de comer bem, ainda foi o Joaquim Rasteiro mas depois daí para diante já eram franceses ou espanhóis, passavam de uns para os outros, não foi sempre o Joaquim Rasteiro.

 Deixou-nos e entregou-nos a outro, depois fomos até aos Pirinéus. Ainda estou a ver, em Espanha, só comemos uma vez lá no meio dos porcos. Dormimos lá no meio dos porcos e comemos lá. Mas aí enchemos a barriga. Depois entrámos para a camioneta ... Tudo à balda. Uns cagavam aqui, outros mijavam além. Eu tive de subir pelas grades acima e rasgar o forro da camioeta, fazer lá um buraco, não se aguentava o calor. Depois lá mais para diante mandaram-nos sair da camioneta e atirar com os paus que levávamos. Havia outros homens para vir mas não vieram. Ficámos sem os paus. Depois dali fomos sempre a pé até chegar lá. Só andávamos de noite, ainda em Espanha. Mais tarde voltámos a montar noutras camionetas, já em França mas deixaram-nos muito longe. Fomos muito tempo, uma noite  a andar, depois fomos de carro atê Champigny. Deixaram-nos num lugar onde havia espinheiros. - Vá, já cá estais! Demos então a metade da fotografia que levávamos connosco para eles poderem receber o dinheiro em Portugal.

Ficámos ali sem saber para onde ir.

 Eu disse aos da vila:

- Ala, vamos embora! Se formos presos, fomos presos!

Quando, às páginas tantas, andemos para aí uns 3 ou 4 quilómetros, vimos o Chico Henriques, ah!  nem que víssemos Deus do Céu. Vimos o Chico Henriques que tinha ido a renovar o rapicé. Estavam logo ali as Barracas do Ronda, mais à frente as do Zé Pequeno, vimos logo que nos deixaram onde queríamos chegar. Calhámos a encontrar o Chico Henriques. Fomos para casa do Ronda, ofereceu-nos de comer, comemos. O António Rasteiro e o Zé Rasteiro foram para casa do Zé Pequeno e no dia seguinte foi levá-los a Blois.

No dia seguinte  logo fiz uma barraca eu mais o António Adrião naquilo do Ronda. A Conceição fazia-nos de comer. Ao outro dia o ti Zé Júlio da Arrifana veio-me a buscar para o patrão. A partir daí não estive um dia sem trabalho na França. Depois vinha a dormir lá à barraca. Oito dias dormi lá na barraca do Ronda. Depois o patrão logo me arranjou alojamento.

No caminho não tive fome, levava dois chouriços, troquei o chouriço pelo chocolate do Joaquim Leitão que lhe fazia mal aos intestinos.

No caminho davam-nos muito chocolate

Atravessámos um rio a pé, ficámos todos molhados, a roupa enxugou- se no corpo, íamos na camioneta, em Espanha, veio a Guarda Civil, abriu as portas da camioneta que levava as grades de cerveja, ficámos todos calados a ouvir os guardas falar. Calhou a ser num sítio em que desviaram caixas para espreitar e ter três filas de caixas e não duas. Tiraram uma, tiraram duas ... Se tiravam a terceira estávamos desgraçados. Estávamos todos caladinhos a ouvir a conversa dos guardas. Era só uma camioneta com 71 homens. Só andávamos de noite.

Alguns ficaram em S. Denis, nós os da Vila combinámos levarem-nos a Champigny

Quando eu andava a fazer a torre já o Zé Duarte tinha cá vindo e lembro-me de o Chico Bárbara dizer:

 - Pediu-me o dinheiro a mim, já mo pagou e ainda ficou com dinheiroque dava para comprar um bezerro.

A francesa onde trabalhava a minha senhora, arranjou-me ali terreno onde construí barracas que depois eu alugava. Mais tarde acabaram com as barracas. A mim deram-me 200€ para deixar as barracas e ir para um apartamento. Ganhava 96 francos e pagava 60 de renda. Bastava assinar em como arranjava alojamento, logo lhe passavam o rapicé que era o primeiro documento, antes da carta de séjour. O consulado dava o salva conduto.

E assim foi a minha ida para França

publicado por julmar às 19:04
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Manuel Maria a 14 de Setembro de 2012 às 20:42
bela história!


De V G a 15 de Setembro de 2012 às 11:56
http://youtu.be/oYAR2mpiD_g


De Júlio Marques a 15 de Setembro de 2012 às 13:43
Obrigado, Vitor


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Lendas de Portugal

. Requiescat in Pace, Ana D...

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds