Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013

E agora com a A25?

Em 30 de Março de 2005 no meu extinto blog "O Pitagórico, a pergunta era:

IP5 - Desenvolvimento do subdesenvolvimento?

Mais uma vez rumei caminho de Vilar Maior onde quase sempre passei a Páscoa. Tomei o IP5 que há-de ficar na história viária portuguesa como um progresso enorme dos que como eu, antes de existir, precisávamos de um dia de Inverno para chegar do Porto à aldeia: O Mini, primeiro, o Carocha, a seguir fizeram a velha estrada vezes sem conta com família e bagagens por curvas e contracurvas de olho nos buracos grandes que se abriam na estrada – quem não se lembra do que era atravessar S. João da Madeira, no tempo em que as estradas nacionais percorriam longitudinalmente aldeias, vilas e cidades? Os últimos dez quilómetros para chegar à aldeia eram feitos em terra batida, com o credo na boca não fosse aparecer algum sítio de difícil transposição. Mas a alegria antecipada de chegar ao lar quente da família ajudava a vencer toda a adversidade. A viagem de regresso complicava-se mais ainda porque era impensável para os pais que se partisse sem levar uma saca de batatas, uns litros de feijão, um resto de cebolas, um garrafão de vinho, mais o enchido, mais o queijo, mais isto, mais aquilo ... em bagageiras modestas para tanta generosidade que obrigava à colocação de grade no tejadilho. O Mini e o Carocha tradicionais concorriam na estrada com os recém chegados japoneses Toyotas e Datsuns, os Kadets da Opel, os 128 da Fiat, a Dyane da Citoen, a 4L da Renault, o Simca 1100, o Peugeot 2004 que de fracas cavalagens e de cilindradas a rondar os 1000 e 1200 constituíam o grosso dos veículos circulantes. Não havia cintos de segurança, não havia ABS, não havia Air-Bags, não havia Ar Condicionado, não havia limites de velocidade senão os que derivavam das máquinas circulantes e do estados das vias, não havia operações Páscoa da GNR e os acidentes eram raros. A bordo ouvia-se rádio quase sempre acompanhado de um fundo ruidoso ou, então, se provido da mais recente tecnologia de leitor de cartuchos, o Roberto Carlos, o Júlio Iglésias, o Carlos do Carmo, os Beatles, o Tom Jones ou outros consoante os gostos. Era no tempo em que a aldeia estava cheia de gente, de gente que conhecíamos e por quem nos interessávamos tanto quanto elas se interessavam por nós. Cumprimentávamo-nos todos de maneira pessoal e demorada. Já sabia que o ti Chico, positivo e bom como era, diria: - O sr. Dr está bom, está gordo! – no tempo em que ser gordo era uma boa notícia.
Depois veio o IP5 e com ele outros carros, outras músicas, outras vidas e mais mortes, e mais morte. Com o IP5, pelo IP5 (não por causa do IP5) mais gente veio para as metrópoles do litoral, menos gente ficou nas nossas aldeias.
O IP5 por onde vim já não é o mesmo. Está em extinção. Dentro em pouco teremos a sua duplicação, transformação em autoestrada. Com que efeitos para a minha aldeia, com que efeitos para as nossas aldeias?

publicado por julmar às 19:20
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds