Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2013

A venda de uma vaca - Dr Leal Freire

Primeiro episódio

Quem compra desfaz no animal.

Quem vende, põe-no nos cornos da  lua.

A vaca   é   mirada, espreitada, apalpada  da  cabeça  ao rabo.

E, por  fim, passeada   para se   ver   como pisa  e  anda.

Se é leiteira, sopesam-lhe os úberes ajoujados, passam-lhe  a  mão por  entre as  pernas, não  vá ela ter  cócegas  ou  escoicear.

E  dão-lhe    palmadinhas   nos  lombos, a  ver   se  é  mansa.

Logo  o vendedor acorre  a  desfazer receios:

-Não se  atarante,  esta  vaca  pode  ordenhá-la  uma  criança

Depois, passa a   gabar  as  qualidades que  não  se  veem - as  encobertas

Mas  o  comprador, orelhas   moucas à catrefa  de  qualidades   apontadas, vai  observando   e debicando nos defeitos:

-Não   é  praininha  das  costas, é  pesadona, é  esquadrilhada, os   sinais são maus...

Quando a querem para  açougue, onde certos defeitos  não  contam, dizem  que  a querem  para  trabalho.

E,  então carregam-lhe   no  que se lhes afigura defeito:

-Casco de  palma raso, mal  encabeçada   de  cornos, alta   de  cernelha ...

As   negociações  estendem-se, delongam-se, prolongam-se

-O  animal é bom, diz-lho  quem sabe - afirma, enérgico, o vendedor.

O comprador rosna.

-Nem   todos dirão  que  serve!

Escamado, gestos esbandalhados, o outro retruca, olhos perros  e voz troante:

-Quem disser  que  não serve, vai preso

O comprador  abana a  cabeça  como ressabiado.

-Não vou com essa, não  como lérias.

E   o dono da  vaca, terminante

Já lhe disse - a vaca   não  tem defeitos

O mercador retruca  desconfiado

-Em  casa é  que se vai ver  se  os  tem  ou não, na  feira tudo são  cantigas.

Ferido, pelo  dito  supeitoso, o  homem  da vaca  cresce  para o outro, exalta-se, faz roda, descobre-se  e  de  chapéu  na mão, olhos  candidos   de  apóstolo   alçados   aos céus, conclama  em  tom religioso

-Deus  Nosso  Senhor  me dê  a  mim, á minha mulher  e aos  meus  filhos, os defeitos  que esta  vaca  tiver.

 

 

Segundo  episódio

 

Finalmente, após varios  diálogos   a  fazer  e  a desfazer   no  animal, assentam  em  que  a    vaca  serve, mas  não se  chegam  ao preço.

Marralham  para trás. Marralham  para   a  frente. Nada. E, de  novo, a  coisa   empanca.

Mas  alguém  que, encostado  ao varapau, coca   a  cena, aproxima-se, mete  bedelho.

É   o  Misseiro, diplomata de  tamancos, chapéu  para  a  nuca  e  véstia  ao ombro.

Mediador interesseiro  que  leva   sempre  rasca  na assadura, quer  seja   pelo  vendedor, quer  seja  pelo  comprado, quando não por  ambos.

Chega-se  á  fala.

Então  em  contratos?

Conversamos, responde  com  pastoral  simplicidade   bíblica  o vendedor, como se  não conhecesse  aquele  tipório

Então  o misseiro vira-se  para   comprador

-Quanto  é  que  ele  pede?

-Doze  notas

-Pois   não pede  por  largo, não  senhor.

O comprador  trava.

-Há que vir para baixo .

-Quanto lhe oferece?

-Sete notas.

-Já  não  falta  tudo, dê-lhe  dez.

-Dou-lhe oito.

O  vendedor, desprendido

-Dê-me  o  ganho  e vou á  vida, são  onze  notas.

-O  quê—arrede  o cavalo  da  chuva

E, outra  vez, o negócio emperra.

Intervém, então, um segundo misseiro.

-Um  a  gemer, outro  a  gemer, não se  faz  nada, arrume-se  com isto. Rache-se    a  diferença   ao meio.

-Pronto, diz  o  comprador—fica   em nove.

-Aqui  está  o  sinal .

E mete  uma nota  à  força, entre   a  camisa  aberta  e o  peito do vendedor, que  reponta   ainda, mas  que  os  misseiros   contêm.

-É   bom  negócio, arrume   e  vá  rabear   para  a  feira.

publicado por julmar às 19:10
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds