Quinta-feira, 6 de Junho de 2013

BRUXARIAS - Dr Leal Freire

A bruxaria  é  um  fenomeno  mundial, com rituais  semelhantes  ou mesmo idênticos   em  todos  os  tempos   e  em  todas  as latitudes.

As bruxas da Tessalia de que nos fala Apuleyo juntavam-se com os mesmos unguentos que  se  usavam  aqui  em  Ribacoa.

Como as dos sertões brasílicos usam  as  vassouras  muito  anteriores   às  navegações

de  Pedro  Alvares   Cabral, mas  ainda  hoje  em  voga nos nossos  aquelares

Esta palavra, de origem  galaica, mas  com  certa  voga  entre  nós, até  porque   não  totalmente  traduzivel  significa    local  de  encontro  de  bruxas, RODA  dir-se-á  aqui  em  Ribacoa:

Na  roda  nua  e  descarnada

Do  lameiro  que  foi  da  confraria

Herdade  em  pecado  arrematada

Pelo  irmão do juiz  da  mordomia

Funciona, noite  velha, a  horas  mortas,

Uma  escola  de  bruxedos  e  feitiço

 

Diz-se  na  vila  que  ali  levou  sumiço

Levado  pelo  necro cão das  unhas  tortas

Um  rapazola  atrevido  mas  noviço

Que  vendo  sua  irmã  abrir  as portas

Numa  noite de sem lua  nem  estrelas

A seguiu mudo  até  á   bacanal.

 

Era meia-noite, era  a  hora  fatal

Estavam  as  bruxas  acendendo  as  velas

Luzeiros  ténues, círios   de  funeral

Que  o demo  roubara  a   desoras  nas  capelas

Cotos  de velas, amarelas, encardidas

Nos  enterros  de  avarentos  e  usurários

 

 

Na  sinistra função, dois  lampadários

Torneados   em  caveiras  de  homícidas

Tornavam  mais   tenebrosos  os cenários

Com  suas  luzes  mais  amortecidas

Quando no meio de  um  silêncio  sepulcral

Enfeitado  a  negro  o demo  chega…

 

Vejamos  agora  um  aquelarre  das  terras  castelhanas   do  charro.

Sobre la puerta del caserio, la  flor  del  cardo con su  rubia    pelambrera  que  el  cierzo  despeina  y  esparce, trae    hasta   nuestros  dias  el  recuerdo  de  practicas   suprersticiosas   enraizadas  desde  antiguo   en  el  alma  del  campesino. La flor del cardo, por  su morfologia, es un símbolo – amuleto - contra  las   tinieblas    encubridoras   de  los  malos  espiritus -VADE  RETRO   contra   las  volanderas    

 

Fala-se  de    bruxos  e  de  bruxas

E  os  bruxos e  bruxas  existiram, foram  homens  e  mulheres   de carne  e osso  como nós - tipos   anormais, patológicos  mesmo, mas reais.

Queimados, torturados, justiçados  antigamente  nos  autos  de   fé.

Divertidos   excentricamente    nas  noites  de  roda

Entao  como  em  sinal  de  quem  renega

A  fé  jurada  na  pia  batismal

A bruxa-chefe  que  turbada  não sossega

Enquanto não  beija  o génio  do mal

Ergue  ao  alto  o  cabo da  vassoura

Que  voando a trouxe  ao aquelarre...

 

 

O  senhor  da  noite, depois  com  a   cauda  varre

A  roda  calva  e  nua, a terra  moura

E  atrás  dele  em bacanico  arre-arre

Jurando  pela  sura  e  pela  toura

As  aprendizas  em  número  sempre  impar

Para  a missa  negra  erguem o  altar...

 

Depois  sobrevem  a  confissão

Onde  pecado  são  as obras  pias

E causa  de louvor  o vil pecado

 

Segundo  o apurado  em  autos  de fé levados a efeito pelos   tribunais da Inquisição, os ajuntamentos  de  bruxas   redundavam   muitas  vezes  em orgias de sexo.  O  poeta  intuiu-o:

 

Então  corta os ares  sinistro  brado

Infernal  e medonha  gritaria

A signigficar  que  se encontra  terminado

Um  curso   mais  de  feitiço  e  bruxaria

E as  noviças, agora  bruxas  encartadas

São o  festim  do grande  bacanal.

 

Quantos  destemperos o génio do mal

Ou  dos  homens  a  imaginação  desenfreada

Inventou   em lucubração  fatal

Todos  são na  roda  praticados....

 

Neste sentido, os ajuntamentos para o bruxedo  foram  uma  realidade

E  daí   o sentido  da  afirmação:

Eu  nao  acredito   em  bruxas,mas  que as  há, há....

 

 

publicado por julmar às 16:52
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds