Domingo, 12 de Janeiro de 2014

Porra Povo! - Dr Leal Freire

No primeiro quartel do século passado, viveu numa das aldeias do antigo concelho de Vilar Maior um honrado lavrador, mais que meão e a tender mesmo para riquechito que se distinguia pelo seu fervor de católico apostólico e romano.

Tinha duas juntas de vacas e contratava para o seu manejo dois ganhões.

Estes junguiam os animais alta manhã, mas só seguiam para a arada ou carreja depois de assistirem todos os dias a missa inteira, na qual o patrão tomava a sagrada partícula.

Tinha também um pastor que lhe guardava anediado rebanho de cerca  de  cem cabeças  churras  e  uma  dezena  de  cabras.

Zagal  e  reses  recolhiam  ao  aprisco  ou  chão  a    estercar  perto   e  à  vista  de  casa

domingos  e  dias  equiparados  para  que o assoldado  cumprisse  os  preceitos    da  Santa  Madre  Igreja.

Na sua corte das vacas, quente  pelo bafo de  meia  dúzia  de animais, asseada  por  constantes  malhadas  de  palha centeeira  e  alumiada  por  dois  candeeiros   a  petróleo  fazia-se serão, frequentado  quase  por  meio  povo. Reinava ali  a  moral   e  não  se  consentia   a  má  lingua.

Um  homem  de  idade  que aprendera  a  ler  na  tropa  e  que, muito   inteligente  e  aplicado, comprara  livros  de  lendas,l ia   algumas  a  meio  da  seroada, assim entretendo  e  ilustrando o poviléu.

Imprescindível era a reza do terço em que  o  regra  era  o  próprio  Cremos Deus.

Lavrador de teres  e  haveres, não esquecia, mesmo nas  laudes, as  obrigações  terrenas.

O que, por vezes, dava origem a cacofonias hilariantes, nos padre-nossos  e  ave-marias.

Estava-se  no primeiro  e   chegara-se  aquele  ponto – Padre Nosso que estais no Céu, santificado …

Aqui  suspendeu a  oração para perguntar  a um  dos  ganhões  onde metera  ele o óleo de  untar  os  eixos  do carro.

Este  respondeu: Foi no corno.

O  homem  beato  confimou  e  continuou:

Corno seja o vosso nome

Delheres  outra  vez, o hiato  foi  na  Ave-Maria

E  parou  naquele  ponto – Bendita sois vós - quando se  lembrou  de  perguntar  ao outro criado, se  deitara  palha  na  cama  dos  porcos

Ante  uma  resposta  negativa, continuou 

Havias tu de dormir como eles – entre as mulheres

No  meio das  tarefas, cantava-se  o  Cremos Deus.

Mas o coro, por ignorância dizia, em vezes  de  Homens ingratos, homens e gatos.

Muito  religioso, foi  a  intempestade  cultual  que  lhe  criou o   segundo  cognome

O de Porra Povo.

Já vos  conto, justificava  ele.

Em dia do orago, viera  a  aldeia  o  prelado  diocesano.

Acabada a procissão  da  tarde, a  que  o Senhor Bispo presidiu, começou  o  vivório

Vivam os músicos. Viva o Fogueteiro. Vivam os mordomos que entram. Viva o senhor Vigário.

Eram  vivas  e  mais  vivas

Mas  ninguém  se  lembrava   do  Prelado.

Então, gritei   bem   alto:

Viva também o Senhor Bispo, Porra Povo!

 

publicado por julmar às 15:00
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds