Domingo, 16 de Março de 2008

Memórias de infância

Que terá esta rocha (barroco, se diz por cá) diferente de tantas outras?

 

Vilar responde de forma completa:

O "barroco" é diferente de tantos outros mas é igual a outros tantos. explicando melhor; É diferente de todos os que não teem feitio de rampa e é igual todos quantos tem essa característica. A diferença está no facto deste se encontrar ali bem juntinho ao arco, a dois passos da antiga escola (hoje museu). Ora, como naqueles tempos havia muitos garotos mas não existiam os modernos escorregas, chegada a hora do recreio a garotada dando asas à sua imaginação, toca de escorregar no barroco, de todas as naneiras e feitios. De costas, de rabo, de bruços... Depois, acontecia o previsível. As já de si estafadas e cossadas roupas é que pagavam. Era mais um remendo que "tinha de ser deitado" - termo usado para pôr um remendo) e não poucas vezes mais um par de lostras que se ganhava, já que o dinheiro não abundava e o tempo era precioso.
publicado por julmar às 19:53
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De Manuel Maria a 16 de Março de 2008 às 23:00
é ao arco, nã é? tem um desenho qualquer, não tem?


De Lagartixa a 17 de Março de 2008 às 17:59
Então não é que Manuel Maria tem razão? Numa de bom observador, eu consigo deslindar uma ave (galinha ?) no canto superior esquerdo e uma cabeça (de um cão ?) a emergir do interior da rocha do lado direito por baixo da árvore. Como os fotógrafos, hoje em dia, escorados nas sofisticadas tecnologias conseguem operar milagres! Quando por ali passar hei-de confirmar.


De "O Canivete" a 17 de Março de 2008 às 22:22
Da referência que é feita a figuras de animais na superficie do dito escurgadoiro " para mim é novidade...eu que o percorri sei lá quantas vezes de olhos para cima com 3º para baixo, com os da frente para baixo e o terceiro para cima....nunca me dei conta da existência de tais figuras!!!!(não estou a duvidar da sua existência...).


De Vilar a 17 de Março de 2008 às 00:17
O "barroco" é diferente de tantos outros mas é igual a outros tantos. explicando melhor; É diferente de todos os que não teem feitio de rampa e é igual todos quantos tem essa característica. A diferença está no facto deste se encontrar ali bem juntinho ao arco, a dois passos da antiga escola (hoje museu). Ora, como naqueles tempos havia muitos garotos mas não existiam os modernos escorregas, chegada a hora do recreio a garotada dando asas à sua imaginação, toca de escorregar no barroco, de todas as naneiras e feitios. De costas, de rabo, de bruços... Depois, acontecia o previsível. As já de si estafadas e cossadas roupas é que pagavam. Era mais um remendo que "tinha de ser deitado" - termo usado para pôr um remendo) e não poucas vezes mais um par de lostras que se ganhava, já que o dinheiro não abundava e o tempo era precioso.


De "O Vila" a 17 de Março de 2008 às 15:47
Quando decidiamos ir divertirnos para esse barroco,
para dele tirarmos o efeito de "escorrega" diziamos ..."vamos pr'ó escurgadoiro ". E era asiim que eu e a Ana Maria da Olimpia nos iamos divertir para lá. Ambos vestidos com vestidos (passe o pleonasmo). Lembram-se que nessa altura os meninos de 3/4 anitos também usavam vestidos??(e esta hen ???!!!!) . Os de agora ficarão tão admirados que dirão com toda a propriedade: Ena kum katano !!!!!....


De Lian a 17 de Março de 2008 às 22:46
Não penso que nessa altura os meninos usassem vestidos (A ser assim, andariam travestidos). Agora mais a sério: Julgo que o que eles e elas usavam era uma peça de vestuário uni sexo de nome frandulo . Uma espécie de bibe.


De "O Vila" a 17 de Março de 2008 às 23:12
Lian tem toda a razão. Já depois de ter escrito o meu comentário, lembrei-me que de facto era frandulo o termo que se usava para aquele tipo de vestimenta que hoje faria roer-se de inveja uma Fátima Lopes (faria um sucesso com uma passagem de modelos, apresentando miudos de palmo e meio vestidos com aquela indumentária) . Ainda estou a ver o meu, azul com pintinhas brancas.
Do que realmente já não me lembro é do seu real feitio e já não sei se era mais parecido com uma bata escolar ou com o aludido vestido.
Em todo o caso fico grato pela correção (com um vestido !!!!!-também seria demais......).


De Ribacôa a 18 de Março de 2008 às 00:08
Não sei se se há por ali figuras de animais. Mas sei que existe um aspecto que salta à vista, o qual até um cego consegue detectar, apalpando. O barroco levou tamanho tratamento com a garotada a coçar-se sobre ele, que até à data nem um único musgo conseguiu vingar sobre ele. E embora havendo algumas semelhanças quanto ao aspecto, nem um marrano acabado de matar e depois de chamuscado, barbeado e bem lavado se apresentaria tão lustroso. Será caso para dizer: Abençoados (C..) polidores.


De Beatriz Silva a 14 de Novembro de 2008 às 22:29
sim esta rocha é muito diferente das outra !
Era o melhor escorrega que existia em Vilar Maior!


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Lendas de Portugal

. Requiescat in Pace, Ana D...

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds