Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Quem é o personagem?

«Bôs dias lhe dê Deus»

Poucos davam uma saudação tão simples e encenada como a sua: a entoação da curta frase, acompanhada do gesto que leva a mão ao chapéu que nunca tira, era um ritual generosamente executad para todos que com ele se cruzavam fossem ricos ou fossem pobres que a saudação não se nega a ninguém. Ao contrário de tantos outros não se rebaixava junto dos ricos da terra que o seu mundo não tinha fronteiras: pés ao caminho e tanto ia até à vizinha Espanha como aparecia em qualquer aldeia dos arredores na procura do sustento para si e para a Maria. Homem de sete ofícios: coveiro, ceifeiro (mais em terras de Castela), pescador no Cesarão peixeiro com um tesão sem igual, sapateiro remendão de que se cobrava em dinheiro, rematando sempre: «Olhe que me deu um trabalhão» e «olhe que é por ser para si». Festeiro, corria de terra em terra para apreciar a banda música e piscar o olho às viúvas.

 

publicado por julmar às 15:58
link do post | comentar | favorito
|
12 comentários:
De Vilar a 16 de Maio de 2008 às 16:40
A descrição do personagem está (quase) completa. Acrescentaria, apenas, que os sete ofícios pecam por defeito, já que também era coelheiro. Tinha um ferrinho onde caíam que nem tordos. E claro...!!! Como qualquer um, também bebia o seu copinho. De preferência tinto.


De Anónimo a 16 de Maio de 2008 às 18:59
Como esse personagem, gostava do seu copinho.
ele gostaria também de um XIRIPITI .
Alguém me sabe dizer o que é?


De Anónimo a 16 de Maio de 2008 às 20:24
Penso que o homem preferiria dois ou três meios quartilhos a cem XIRIPITIS . Quanto à pergunta, eu só responderei se quem a faz, se comprometer a pagar uma garrafa de whisky, à minha escolha, a ser bebida por todos os que estiverem, no momento, no café do Paulo em Vilar Maior. É uma espécie de castigo, claro.


De Jarmeleiro a 16 de Maio de 2008 às 20:36
Acho que tinto ou branco poco importava . era preciso é que fosse bastante. às várias artes referidas penso que havemos de acressentar as de cadeireiro e cesteiro. Era um bom homem.


De "O Vila" a 16 de Maio de 2008 às 21:06
Respeitante à personagem em questão, parece-me que está tudo dito (estará?...).
Agora de entre os comentaristas, ninguém referiu qual o nome. Estarão todos a pensar: mas quem é que não sabe o nome dele?-Eu não sei se tinha outro nome pois eu apenas o conhecia pelo de "Ti Zé Bicente ".....será só este o seu nome, ainda que pronunciado como eu o fazia??.
Provavelmente seria apenas este!!!.


De Ribacôa a 16 de Maio de 2008 às 22:05
Essa do "tesão sem igual" está espectacular. E até estou em crer que há muito boa gente que já está a fazer conjecturas sobre o verdadeiro significado de tal palavrão . Mas...! Nem sempre o que parece é. E quem o terá herdado?


De Lian a 19 de Maio de 2008 às 15:10
Eu não vou dizer que este é um blog machista mas lá que os homens estão em maioria é um facto. Não é por isso, no entanto, que me vou inibir de perguntar aquilo que tenho que perguntar e que é: Para além do significado comummente conhecido da palavra "tesão", existe outro que eu desconheça? Peço desculpa pela minha ignorância. homens


De julmar a 19 de Maio de 2008 às 16:11
Conferido o dicionário, que nunca tinha consultado para verificar o termo tesão. diz assim: «Rede de pesca de forma alongada, retesada por meio de um arco de vime». Isto para além 'do significado comunmente conhecido'.


De Lian a 19 de Maio de 2008 às 22:24
Pois é! Eu, como habitualmente para uma consulta rápida, fui ao Google vs Vikipédia mas com esta palavra é um desastre. Confesso que nunca me passaria pela cabeça tratar-se de um aparelho de pesca, mesmo atendendo ao contexto da frase. Caso se tratasse de um galrrito ainda lá ia . Bem haja pelo esclarecimento.


De Manuel Maria a 18 de Maio de 2008 às 19:53
Rumor Das Aguas

Sobrevoando os campos
um melro
poisa na mais alta pernada
do velho teixo.

Um bando
de jovens patos
vai na corrente.
Um caracol,
lento, lento, lento,
desce um trancho de couve.

Longínquo,
chega o rumor das águas
a galgarem o açude,
aqui e ali pontuado
pelo tilintar dos chocalhos
de gado a pastar.

debaixo da ponte romana
um grupo de mulheres lava roupa,
que estendem a corar
nos silvados da margem.

Na horta
sobre o rio,
o Lúcio
queima o pasto seco.

Passa à capela,
o Ti Zé Vicente,
que respeitoso se descobre:
- "Bô's" tardes nos dê Nosso Senhor!

Pigarreia,
senta-se no muro do caminho,
gaba as couves-galegas
postas ao longo da regadeira,
refere que o tempo vai bom
para os alfobres,
pergunta pela família
-A quem vivamente se recomenda -
Aconselha a pelo menos de palmo e meio,
o intervalo entre os pés das couves,
e desaparece na curva da ponte.

Na torre batem as sete badaladas
da Tardinha.

Levanta o melro do teixo,
o bando, em fila, sai do rio,
o caracol desaparece entre a relva;
Calam-se os chocalhos do gado,
as mulheres apanham a roupa,
morre a fogueira do Lúcio,

e distante,
o rumor solitário das águas,
galga o Chorrião!




De Dofaleiro a 18 de Maio de 2008 às 23:14
Sendo certo que na Vila todos conhecerão o homem por Ti Zé Vicente, já nas terras vizinhas não tenho tanta certeza disso. Daí e por não constituir qualquer ofensa à sua memória, porque não dizer que se trata do Ti Salazar, alcunha que rivalizava com outras não menos pomposas tais como: Ministro, Bispo, Alcaide, Craveiro Lopes...


De "O Vila" a 18 de Maio de 2008 às 23:55
Obrigado a Dofaleiro . Eu tinha algo que me dizia que a dita personagem era mais conhecida por outro nome e de facto não me enganava. Não me ocorria era o tal nome.
Já agora acrescento à lista referida por Dofaleiro o nome de "médico".


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Lendas de Portugal

. Requiescat in Pace, Ana D...

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds