Quarta-feira, 21 de Maio de 2008

Gravanço, grabanzo ou grão de bico

Por mais de uma vez o dissemos: os ricos tinham porcos e galinhas enquanto os pobres se contentavam com marranos e pitas; os ricos comiam sopa, grão-de-bico e feijão frade enquanto os pobres matavam a fome com caldo, gravanços e tchítcharos. Quanto ao sabor não distaria muito um do outro.

O gravanço era o aportuguesamento do grabanzo das vizinhas terras de Castela onde cobria enormes extensões. Por cá, pela vila, aproveitava-se algum chão ou parte de veiga onde a água não subia para se cultivar.  A planta secadal produzia com alguma abundância logo que não se alampasse, caso em que os casulos cheios de ar e vento mais não serviam se não para a garotada se divertir a estalá-los.

Constituíam um substancial alimento guardado para a sopa de domingo a que se misturava massa e para dias de extenuantes trabalhos agrícolas como as ceifas e malhas: e era um regalo ver todo o rancho a laparear do alguidar ao centro da mesa nos idos dos anos 50 do século que deixámos. Enfim, sempre ajudava a variar a dieta quase monótona da caldo de couve galega e da batata cozida ou composta à espanhola. E as maneiras de o preparar e de o acompanhar também tinha algumas variações. Para além das suas propriedades altamente calóricas e da riqueza em celulose aconselhável para o bom funcionamento do intestino, ou li, me disseram ou se me meteu em cisma que tem propriedades afrodisíacas. Quem sobre o assunto souber que se pronuncie.

A maneira mais simples de o cozinhar:

Posto de molho de um dia para o outro, ainda assim convém cozê-lo em panela de pressão procurando que fique bem cozido mas não a desfazer-se. A partir daqui pode servi-lo quente ou frio (agora é chique servi-lo frio como entrada). Pode acompanhar com bacalhau ou com atum. O ovo cozido combina muito bem. Essencial mesmo é regar com um bom azeite (até devia ser proibido azeite que não fosse bom), cebola picada e salsa, ou seja, molho verde. Acompanhe com um bom vinho maduro. Neste caso, prefira branco.

Bom apetite.

 

 

publicado por julmar às 20:58
link do post | comentar | favorito
|
17 comentários:
De josnumar a 21 de Maio de 2008 às 23:31
"Ai que já me comeram o caldo dos gravanços!"
Disse eu, em voz alta, voltado para a minha mãe e a olhar para a terrina vazia.
Esta cena ocorreu em tempo de ceifa, quando à hora do jantar (almoço) o rancho parou à sombra de dois velhos carvalhos.
A risota que se gerou serviu de enfeite para as saborosas milharas( papas de milho) com um fio de puro mel.


De Vilar a 22 de Maio de 2008 às 15:32
Pois eu, ao almoço de hoje, não deixei que ninguém me comesse as papas na cabeça. O guisado de gravanços com mãozinhas de borrego acompanhado de uma salada de meruges, estava uma delicia . A sobremesa? Qual quê...! Um caldo de grão de bico com umas folhas de nabiça e um "relãozinho" de arroz, bem basto (capaz de segurar a colher em pé dentro do caço), tão ao gosto dos ceifeiros. A acompanhar um tinto do lavrador. Quanto aos eventuais efeitos afrodisíacos deste verdadeiro manjar dos Deuses fico a aguardar. Prevejo, isso sim, é que já haja por aí alguém com água na boca.


De Dofaleiro a 23 de Maio de 2008 às 00:03
Com água na boca diz Vilar. E será originada pelo cheiro do manjar dos deuses ou serão as tais virtudes afrodisíacas dos gravanços a dar sinais de si ?


De "O Canivete" a 22 de Maio de 2008 às 23:39
Há dias, Lian dava-nos conta de que o blog, na sua intervenção, era maioritariamente masculino; pois aqui está um tema em que as mulheres podiam, com o saber de experiência feito, meter a "colherada". Não é que não haja bons cozinheiros homens (se há!!!!). Sabemos no entanto que nos "tempos do antigamente" estes percebiam mais das lides do campo e era a "patroa" quem sabia mais da vida da cozinha.
Por isso, qu'é delas??!!-Vamos a isto mulheres!!...
Quanto às propriedades de natureza afrodisíaca, os ceifeiros consumiam os gravanços para ter força para ceifar ou será que era para ir "à pesca" com o tal aparelho de apanhar peixes??!!!!.


De Lian a 23 de Maio de 2008 às 12:58
"Olhe que não Dr. olhe que não". Isso de saber mais, e quem tem que saber o quê, é muito relativo. É que, embora eu não tenha conhecimento de causa, alguém (dos tempos de antigamente) me contou que mesmo nas lides do campo, principalmente nas ceifas, havia muitas mulheres que davam autênticos bigodes (e parece que algumas não tinham só buço) aos homens. Dito de outra forma; davam-lhes água pela barba. Logo, também elas comiam esse alimento de grande "sustânça", não só para competirem com os homens a ceifar, mas também para poderem cumprir o papel de "patroas", fazendo mais sopas e outras sopas. Mas lá está; A desdobrarem-se em várias tarefas, se calhar não havia gravanços capazes de lhes gerar qualquer outro efeito, que não fosse o de dotar o organismo dos nutrientes essencialmente vitais. A ser assim, os homens bem poderiam ir à pesca mas...! sozinhos, munidos do tal aparelho ou, caso por ele não optassem, podiam ir de cana de pesca na mão.
PS. 1- Não é que me incomode, mas continuo a pensar que seria bom se aparecessem por aqui mais elementos femininos.
PS. 2- Tão ou mais importante que ceifar, cozinhar, cozer meias, ou mesmo ir à pesca, é ser capaz de semear uma boa leira de bom humor e saber cultivá-la a preceito.


De "O Canivete" a 23 de Maio de 2008 às 18:37
Lian , estou inteiramente de acordo com o seu comentário. No entanto em relação ao último parágrafo... é de pensar, meditar, e nunca mais esquecer -"ser capaz de semear uma boa leira de bom humor e saber cultivá-la a preceito"....é lindo e é poesia da melhor!!!!!. O mundo seria bem diferente se todos tentássemos fazer um pouco dessa tal sementeira.


De Katekero a 23 de Maio de 2008 às 19:08
Inteiramente de acordo. Nota VINTE para as pertinentes e sábias palavra (quais frescos e saborosos legumes) colhidas na horta de Lian.


De Pepina a 23 de Maio de 2008 às 19:06
O grão de bico (Cicer arietinum ) é uma das leguminosas mais nutritivas. Para além de ser rico em hidratos de carbono (57,8%) é o também em proteinas (22,1%) e minerais nomeadamente P , Mg , Fe , K , Co e Mn . Parece estar na sua composição a razão da sua utilização. Os antigos já o sabiam pois, como na altura da ceifa e da malha a força era tão necessária o grão muitas vezes fazia parte do almoço (sem bacalhau nem atum). Com esta composição é pois possível que tenha muitos efeitos...positivos!!.
Fiquei contente ao encontrar este blog pois assim consigo ter contacto com a VILA. É a minha terra de BI e de alguns dias de férias quando era pequena. Os tempos vão passando e as visitas cada vez são menos mas o carinho pela terra é muito. Muito do que aqui é falado também por mim é conhecido ao porque o vivi, ou porque os meus avós e pais contavam.
Bm Haja pela feliz ideia de criar um blog sobre a Vila


De julmar a 23 de Maio de 2008 às 21:15
Ora seja muito bem vinda a este espaço de liberdade, de partilha, de memória e de projecto de futuro também.
Também como Pepina, li que o grão de bico se diria em latim Cicer arietinum. Ora, acontece que muitas vezes, os que sabem um pouco de latim enganam com o ditado «quem não sabe latim, fica-se assim» .
Como se sabe Cícero foi, talvez, para além de filósofo, o maior escritor da República Romana. Ora, mesmo para aqueles que apenas sabem latim de ouvido experimentem pronunciar Cícero e chícharo.
Deve, concerteza haver uma confusão entre grão de bico e chícharo.
Pepina, apareça sempre!


De Pepina a 25 de Maio de 2008 às 12:26
Não sendo maçadora aqui vão alguns esclarecimentos sobre o assunto. De latim não sei nada, mas quando comecei a entrar no mundo das plantas também estas dúvidas me apareceram pois a linguagem que eu usava (a da Vila) não era exactamente aquilo que os botânicos entendiam ou seja: chícharo (na Vila) é o feijão-frade ou feijão chícharo (Vigna unguiculata ); o chícharo (dos botânicos) é o mesmo que erva gramicha - alimento para coelhos (Lathyrus cicera) e não para serve alimentação humana; nenhuma destas sementes é parecida. Em comum só têm o ser leguminosas. Espero ter ajudado a esclarecer.


De "O Vila" a 25 de Maio de 2008 às 14:05
Ora estamos em presença de mais uma fonte que nos vai ajudar na descoberta de novas coisas para nós desconhecidas.
É esta uma das facetas do "nosso" blog....aprender!.
Não tendo a certeza absoluta do sexo, arrisco em dizer que a "nossa" Lian vai ter companhia. Já não falando de Lagartixa (seria ele ou ela??) que anda um pouco arredia destas lides!!.
Um bom dmingo para todos.


De Lian a 26 de Maio de 2008 às 15:09
"O Vila". Não sei se me engano mas parece-me andar algo ansioso por saber quem é quem e qual o sexo dos participantes neste blog. Ora, se me permite e sem ofensa, dou-lhe o seguinte conselho: não se preocupe com isso porque nesta matéria só vendo. Tentar descobrir é o mesmo que discutir o sexo dos anjos. Conhece a recente peripécia por que passou o jogador brasileiro Ronaldo? É um bom exemplo do que acabo de dizer. Lembro que estamos num blog igual a todos os outros mas diferente, pela positiva, de muitos deles. Igual porque ninguém é obrigado a identificar-se. Diferente num aspecto que considero muito importante, qual seja, o de não ter detectado até hoje qualquer ataque pessoal à honra e ao bom nome de quem quer que fosse. O que, a acontecer, tenho a certeza que o Director não deixará de actuar em conformidade, apagando os respectivos comentários. Portanto deixemos isso pra " lá" como diz o brasileiro. A mim não me interessa se na sua leira (que espero bem tratada) existem mais ou menos pepinos, tomates, ervilhas, grelos, rabanetes ou gravanços. Votos de muita e boa participação, agora com os reforços femininos que vão chegando.


De "O Vila" a 26 de Maio de 2008 às 17:46
Creio que será mais aconselhável tratarmos bem a tal leira de bom-humor semeada. Aceito de bom grado os conselhos, quando tenham razão de ser. Não é meu costume tentar entrar no íntimo do pensamentos dos outros e já vivi o suficiente para refrear os sentimentos de ansiedade e curiosidade latentes em muitas pessoas de idade mais jovem. Sou uma pessoa muito calma e paciente.
Em todo o caso, se alguém se sentiu ofendido com algo que tenha opinado, devo dizer que não o fiz com intenção e se a interpretação foi diferente, peço as minhas desculpas!!.


De Manuel Maria a 26 de Maio de 2008 às 17:12
Lá perto Jùlio...

Cicer, Ciceronis em Lat. significa feijão pequeno. E Cicero era ápodo (alcunha) do famoso escritor latino por ter na extremidade nazal uma cicatriz precisamente na forma de um pequeno feijão.


De cinda leonardo a 26 de Maio de 2008 às 10:07
Ei!
Encontrei-te!!!
Adorei ler tudo. Foi uma sensação de intimidade familiar extraordinária. Obrigada por estes momentos tão bons.
Beijinhos para ti e família.
Cinda


De julmar a 26 de Maio de 2008 às 16:34
É um imenso gosto saber-te por cá. Divulga o nosso blog, lê e dá a tua achega.


De "O Canivete" a 26 de Maio de 2008 às 17:58
Aqui não há mas nem meios mas, em relação com anonimatos - escarrapachaste aí o teu nome e toda a gente sabe que és; por isso sabendo de quem se trata, não posso deixar passar o ensejo de te mandar um grande beijinho.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Lendas de Portugal

. Requiescat in Pace, Ana D...

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds