Segunda-feira, 9 de Junho de 2008

Nomes de Família

Analisanso os óbitos do século XX em Vilar Maior, indo ao último nome do pai, podemos contar 121 apelidos, 49 filhos de pai incógnito e alguns apelidos menos comuns ou bizarros como: Bizarro, Chamusca, Calamote, Bailão, Passareira, Pobre ... e outros comuns por aqui mas raros a nível nacional como Rasteiro ou Cerdeira. Então, a pergunta é: Qual o apelido mais comum durante o século XX?

publicado por julmar às 22:32
link do post | comentar | favorito
|
12 comentários:
De O Cota a 11 de Junho de 2008 às 00:28
A meu ver, o apelido mais comum seria precisamente Rasteiro, até porque não sei se li ou se ouvi algures, que os Rasteiros atingiam grande longevidade. Penso não errar se disser que todas as pessoas das terras vizinhas (Arrifana, Batocas, -Aldeia da Ribeira -?), com esse apelido, pertencem à mesma árvore genealógico dos de Vilar Maior. O apelido Silva também devia abundar nos registos mas aqui talvez derivasse de linhagens distintas. Bizarro pertenceria à anexa Arrifana. Com apelido Calamote , sei da existência de famílias muito antigas na Ruvina e Sabugal. Passareira diz-me qualquer coisa ligada a funcionário ligado às finanças/impostos da Câmara do Sabugal?


De julmar a 11 de Junho de 2008 às 12:18
Nem sempre o que parece é e os nomes apontados estão longe de ser os mais comuns.


De Tília a 11 de Junho de 2008 às 12:40
Já li algures o nome de Calamote , relacionado com pessoa nossa conterrânea ou indirectamente ligada a Vilar Maior. No momento não me ocorre mas sei que é pessoa muito "badalada" em "O Renascer" ou outro órgão de informação nosso conhecido.
Relativamente aos nomes mais habituais, arriscaria o nome de Santos....


De Anónimo a 11 de Junho de 2008 às 19:13
A aposta no apelido SANTOS é lógica como seria a de SILVA que são em termos nacionais os que levam a palma. Há uma razão antiga para tal mas que por respeito aos Silvas e aos Santos não digo.
Os Rasteiros parecem circunscrever-se mesmo a Vilar Maior. Fiz até hoje muitas andanças, conheci muita gente, ninguém que tivesse tal nome. Faça a experiência consulte uma lista telefónica e verá. Quanto a Cerdeiras, idem.
Desta vez poderia haver prémio, que provavelmente ninguém o levaria. Continuem a palpitar.


De Anónimo a 11 de Junho de 2008 às 19:14
queria dizer: circunscrever-se a Vilar maior e terras confinanres.


De O Cota a 11 de Junho de 2008 às 23:56
Factos são factos e os factos históricos devidamente comprovados são incontornáveis. Por isso, julgo não errar se disser que a abundância de tais apelidos (Silva e Santos), está ligada à designada "roda dos expostos ou enjeitados" . Muito sucintamente , direi que tinha a ver com a entrega/ recepção de recém-nascidos e crianças abandonadas filhos de pais incógnitos ou sendo conhecidos não tinham mios para os sustentar. Para uma abordagem mais pormenorizada sobre o tema, basta pesquisar no Google . Já agora, nem os Rasteiros nem os Cerdeiras se circunscrevem, apenas a Vilar Maior. Uma pesquisa rápida ao já referido motor de busca Google , é elucidativa.


De Tília a 12 de Junho de 2008 às 21:32
A meu ver, essa explicação sobre a origem destes apelidos, apenas viria enriquecer os conhecimentos de quem não esteja a par do porquê da sua existência.
Se é uma história bem fundamentada, ninguém se insurgiria ou se sentiria molestado, pela necessária explicação.


De Tília a 12 de Junho de 2008 às 21:44
Não sendo pessoa que gaste muito tempo a ver telenovelas (não critico quem por elas tenha apreço) mas sei de um personagem que fazia parte do elenco de uma delas e cujo nome "ia" a Cerdeira. Creio que é até um actor bem conhecido!!. Tenho o nome "debaixo da língua" mas não me ocorre neste momento.
Isto apenas para dizer que existem "cerdeiras " sem ser na Vila.


De Manuel Maria a 12 de Junho de 2008 às 11:35
Júlio; pelo assento do livro da irmandade, que deves ter pr aí para consulta,põem aaqui rol dos apelidos das famílias. Seria interessante. Alguns já desapareceram há muito, outros para lá caminham.


De Manuel Maria a 12 de Junho de 2008 às 11:49
Fiquei de queixo caído; Tanto filho da...
Quem diria!
Mas isto explica-se pela reminiscências dos casamentos fundados nas institíções germânicas (godas), não solenes ou de "vox publica", que vigoraram em Leão e que perdurarm até muito depois da alta idade média em Riba-Côa.
Estes casamentos eram celebrados pela gente mais humilde, que não tinha meios para os casamentos religiosos, na base dos quais se elaborava o registo oficial até ao liberalismo.
Aos olhos do povo, estes casamentos eram válidos como os outros. Os filhos, contudo eram registados como filhos de pai incógnito, porque eram fruto de casamento sem assento religioso.


De Anónimo a 1 de Julho de 2010 às 11:14
Há alguns Rasteiros nas zonas de Leiria e de Coimbra, para que conste!!! :)


De Manuel Joaquim Cerdeira Dias a 6 de Julho de 2011 às 18:15
Meus pais nasceram em Vilar Maior. Meu pai, nascido em 1910 é da família dos Badana (Joaquim Dias) e minha mâe dos Cerdeira (Maria Mercês), já falecidos. Perdi o contacto com todos os familiares destas duas famílias. Em 1950, na última ida a Vilar Maior conheci pessoas da Família "dos Areias", como se dizia então.
Quem sabe desta gente?
Saudações para Vós
Cerdeira Dias


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds