Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

Personagens do século XX

 Que sabe sobre este homem?

 

Tília e Tintimportintim acertaram e cheio. Trata-se do professor António Esteves Pinheiro, professor do Ensino Primário, no tempo em que isso representava um alto estatuto. Teria ao que ouço alguns dotes literários e já ouvi referências a uma monografia (não publicada) sobre Vilar Maior. Ouvi também que teria sido ele o compositor de versos e música em dada ocasião, cujos versos deficiente e defeituosamente recordo:

(...)

Pois segundo ouvi dizer

Que vão fazer uma estrada

Oxalá venha esse dia

Se não for Zum-Zum

Vai haver muita alegria

Foguetes tum-tum

Bandas na rua da vila

Concerteza até perlim-perlim

Porque a malta sem conforto

Com fartura é sempre assim

(...)

Que acontecimento seria?

Terá sido ele o autor também de outras composições sobre a vila?

 Eu, se o não soubesse não o reconheceria por esta foto, pois, lembro-me dele já reformado e de avançada idade.

De seu jornaleiro, quase criado de servir, foi o ti Faia do Carvalhal e quase sempre colega de enxada o ti António Lavajo. Mas estes, um e outro, bem que merecem um retrato singular.

Aceitam-se, desde já, lamirés para o efeito.

 

publicado por julmar às 08:56
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De "Tília" a 26 de Junho de 2008 às 12:30
Bem, a personagem em questão, apresenta-se com um ar distinto, bem parecido (seria mesmo um galã naquela época), um semblante de pessoa um tanto austera mas cheio de bondade e já me calo, não pensem "os da bola de cristal" que lhes estou a mover concorrência!!!!...).
Perguntar-me-ão: mas de quem se trata??!!-se soubesse já o tinha dito.
Seria um senhor "figura pública" no nosso meio (quem sabe mesmo se extra-muros ...). Concerteza que seriamos muito crianças quando ele tinha este aspecto. Certamente não vivia habitualmente na vila, olhando ao seu aspecto de quem não anda debaixo de todo o género de intempéries ou que labuta diariamente nos campos (....até posso, de algum modo, estar errado, quem sabe?.....).
Sei que não é exactamente isto que se pergunta. Escrevi alguma coisa, entrei em contato convosco...
e isso me alegra.
O resto deixo para vós e quem sabe voltarei, depois de desvendarem o segredo!!!..


De "Tília" a 26 de Junho de 2008 às 12:34
Pensando bem.....vou arriscar um nome: tratar-se-à do Sr. Professor António Esteves Pinheiro????......


De Tintimportintim a 26 de Junho de 2008 às 17:50
Na minha opinião, tratar-se-á de alguém com algum estatuto social, pela sua indumentária e pelo seu olhar que transparece respeito e autoridade. Provavelmente, terá sido um professor que leccionou durante muitos anos em Vilar Maior. Gostava de saber se o meu palpite foi certeiro.


De Maria Adelina Pinheiro Bárbara a 23 de Março de 2009 às 11:51
Bom dia.
O professor António Esteves Pinheiro era meu avô materno e padrinho de baptismo. Sou a filha mais nova da sua filha Alexandrina d'Assunção Franco Dias Pinheiro. Era um homem maravilhoso. Muito ligado à familia, rigoroso mas também muito carinhoso. Ele adorava-me. Tenho saudades dele e também da minha avó. Já agora deixe-me dizer-lhe que a minha mãe ainda é viva e tem 89 anos. Infelizmente tem a doença de Alzheimer e já não nos conhece.
Muito obrigada.
Maria Adelina


De "Tília" a 26 de Junho de 2008 às 21:53
Agora que já tenho a certeza da identidade da pessoa em questão vou dizer alguma coisa acerca da poesia em epígrafe.
Lembro-me de essa letra ser cantada e ensaiada, em jeito de marcha, no largo das portas, com rapazes e raparigas vestidos a rigor. Recordo-me principalmente de, como nos ranchos folclóricos de agora, os rapazes estarem cingidos por uma faixa em volta da cinta.
A memória, já me atraiçoa um pouco mas esse acontecimento estava inserido num encontro de representações das freguesias na sede de concelho.
Lembro-me que um dos adereços era a forma do nosso castelo em cartão com musgos (não serão exactamente musgos..aquelas formações da flora que existem nas paredes do castelo...). Foram retiradas das próprias pedras e coladas nas paredes do dito adereço.
Os ensaios eram à noite, presenciados por muito povo (certamente que seria no verão ou pelo menos, com bom tempo e sem frio).
O Sr. Professor dirigia o ensaio e voltava atrás, quando "a coisa" lhe não parecia ser executada na perfeição.
Recordações (já um tanto desvanecidas....).


De Ribacôa a 27 de Junho de 2008 às 01:09
António Esteves Pinheiro, natural de Malhada Sôrda (Vilarmaiorense por adopção), foi figura proeminente em Vilar Maior, onde casou, constituiu família, exerceu a profissão de professor primário nos anos 40/50 (?) do século passado, onde faleceu e está sepultado .
Era um homem multifacetado já que, para além do dever de ofício (moldar as cabeças - ou pelo menos tentar -) dos jovens daquele tempo e de ser um grande viticultor, possuía raras qualidades artísticas, consubstanciadas na autoria de letras (versos) que ele próprio musicava. Igualmente, ensaiava dramas e outros eventos, cujos artistas eram as próprias gentes de Vilar Maior. Terá sido, aliás, com os versos/canção acima referidos, que ele e as gentes da Vila conquistaram um primeiro lugar num concurso (ou seria um cortejo de oferendas?), levado a cabo lá pelos finais dos anos cinquenta, no Sabugal, com a participação de todas as freguesias do Concelho. Já agora, a primeira estrofe começa assim:

O Vila modernizada
Vai ser falada
Coisa engraçada
(...) Pois segundo ouvi dizer (..)

E tenho quase a certeza que é autor de outras composições sobre Vilar Maior, tais como:

Ó Vilar Maior ó Vila
És a rainha da Beira
No meio de terras lindas
És com certeza a a primeira.

Ó Vilar Maior ó Vila
Tens castelo e pelourinho
Quando se baila na praça
Anda tudo em burburinho
(...) (...)

E Ainda:

Vilar Maior
terra de sonho e de Beleza
Tu és de todas a princesa
Do paraíso aqui da Beira

Vilar Maior
grinaldas compostas de amor
Onde tudo são lindas cores
Vilar Maior, Vilar Maior
que nos convidas a sonhar

Nos teus pinheirais
Ouvem-se cantar
Bonitas donzelas
De noite ao luar
(...)

Esta, ainda não há muitos anos a ouvi cantar (e muito bem cantada) pela juventude da Vila, numa das cálidas noites de Agosto.
Quanto aos seus dotes literários, julgo já ter lido algo da sua autoria. Vou fazer uma pesquisa no velho sótão e o que encontrar, se encontrar, prometo trazê-lo a este espaço.


De pedro cardoso a 27 de Junho de 2008 às 11:15
Caro Professor Julio,
Peço desculpa pelo abuso de usar o seu bolg, mas creio que será por uma razão inquestionável. Permita-me então que informe os nossos conterraneos, que neste momento a realização da Festa em Honra do Sr. dos Aflitos 2008 está seriamente em causa. A comissão para 2008 desistiu dessa missão.
Assim, caros vilarmaiorenses, se realmente sentimos a Nossa Terra, está na hora de nos unir-mos mais que nunca para que a Nossa Festa não desapareça. Creio que ainda estamos a tempo de fazer alguma coisa, mas todos somos poucos para cumprirmos essa tarefa.
Dia 6 de Julho vai realizar-se a segunda reunião com a população, para tentar-MOS encontrar uma solução.
SE SE PERDE ESTE ICONE DE VILAR MAIOR POSSO VOS GARANTIR QUE É O PRINCÍPIO DO FIM (TÃO ANUNCIADO) DE VILAR MAIOR E DAS NOSSAS TRADIÇÕES.
Desistir é próprio dos fracos, e dos fracos não reza a história.



De O Cota a 2 de Julho de 2008 às 15:42
Pois então e à laia de lamiré sobre o retrato dos dois jornaleiros (quase criados) do professor Pinheiro, aí vai um esboço da fotografia que eu lhes traço a preto e branco, pois que naqueles tempos, pelo menos para estes personagens, retrato a cores era impossível.
Assim, para além de um e outro trabalharem quase diariamente em casa do professor, possuíam em comum outras particularidades, tais como:
Para ambos a vida terá sido madrasta, já que a caneta (enxada) com que escreveram (cavaram)durante uma vida, não lhes trouxe nem fortuna, nem cultura. Nasceram pobres e incultos e assim morreram;
A calosidade das suas mãos, podia ser medida pela lisura dos respectivos cabos das enxadas que, saliente-se, eram de um brilho intenso, como se tivessem sido afagados com a lixa do mais fino grão e envernizados a preceito com o melhor dos vernizes. Tudo, porque a descava, a cava ao camalhão e a esborralha das vinhas das Gaiteiras, Porto Sabugal, Buraco , Galhardos, etc., a isso davam azo;
E eles, que tanto labutavam nas vinhas de outrém, tambem comungavam do gosto (ou seria vício?) pelo precioso néctar, o qual, ironicamente, a maioria das vezes compravam. Se o Deus Baco existe, estou certo que ambos pertencerão à sua guarda de honra ou, no mínimo, à legião dos seus eleitos. Outra particularidade e talvez relacionada com a anterior, tem a ver com o facto da garotada assim que pressentia que o vinho lhes tinha subido à cabeça, não mais os largava e logo começavam a ser alvo das suas judiarias, azocrinando-lhes o juízo. Então quem não se lembra do" pintanso" dos rapazes com o António Lavajo e e a luta deste em defesa da sua boina espanhola? Já antes acontecera com O Craveiro, com a Maria Cuca, Com o ti Manel Adrião e tantos outros. Um sortilégio da malta nova que haviam de ter, à falta de outro entretenimento, como que uma espécie de bôbo da côrte para animar as tardes domingueiras.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds