Quinta-feira, 16 de Janeiro de 2014

As Gestas imperam na paisagem

As giestas, ou gestas na vila, são tão comuns que dificilmente nos apercebemos de quão importantes são e, sobretudo, de quão importantes foram no passado. Mesmo os académicos e interessados no mundo vegetal parece não lhe atribuir grande importância como poderá confirmar se experimentar uma procura no Google. Mesmo a Wikipédia, essa enciclopédia que cresce a cada dia, não diz mais que:

«Giesta é a designação vulgar de várias espécies botânicas arbustivas pertencentes à tribo Genisteae sobretudo dos géneros SpartiumGenista eCytisus, mas também outros géneros menores», acrescentando a foto e classificação que se segue:

Genista monspessulana

Classificação científica
Reino: Plantae
Ordem: Fabales
Família: Fabaceae
Subfamília: Faboideae
Tribo: Genisteae

Porém existem para cima de 25 géneros de giestas, sendo que a mais comum na vila é a da maia branca, seguindo-se a da maia amarela, conhecida popularmente como gesta negral. 

Ora,  quase que poderíamos dizer que até aos anos sessenta doséculo passado a vida seria muito difícil sem esta planta arbustiva que crescia apenas onde não estorvava a agricultura: nos cabeços e nas beiradas dos muros. O seu principal uso, era sem dúvida como combustível. Não haveria lar sem lareira, essa pedra onde o lume da família nunca se apagava. Era a lareira o centro do lar, o lugar onde se aqueciam os corpos, onde se cozinhavam os alimentos, onde a luz se acendia na noite e, onde, por mor dos cuidados do corpo se alimentava a alma com a conversa, com o desfiar de histórias, com rezas pelos vivos e pelos mortos. Ora, para quem é da aldeia (no tempo em que não havia acendalhas) sabe bem que não há modo de apichar o lume sem uma raminha de gesta, ou um braçado delas para fazer arder a lenha mais grossa. Iniciar uma combustão não é fácil sem a criação das condições necessárias e suficientes. Se a gesta fosse verde, se a gesta estiver molhada, se estiver verde e molhada, nada a fazer. Papel mesmo de jornal era uma raridade, palha era mal empregada. 

Além das lareiras, eram ainda as gestas que alimentavam os três fornos públicos que coziam o pão toda a semana noite e dia. E, quando foi no início da emigração a exaustão e recursos era tanta que os forneiros já não sabiam onde procurar gestas para aquecer os fornos. Porque além de combustível, seu principal uso, as giestas eram, quando tenras, alimento de cabras e ovelhas; eram usadas, na escassez de palha, usadas para fazer a cama ao vivo, tendo assim também uma função de fertilizante.

Tinham também usos ligados ao sagrado como era o caso do toco (fogueira) do natal e no caso das variedades Bela-luz e Rosmaninho usadas para fazer as feiras do S. João. 

Hoje são um elemento dominante na paisagem sobretudo na época da floração em que alguns cabeços vestidos de branco, semelham um grande nevão. A razão deste domínio na paisagem é a ausência de cabras, de ovelhas e de agricultura, aliada ao fato da facilidade de propagação das sementes e da facilidade de reprodução e crescimento.continuam a ser, sem dúvida, o principal combustível, mas agora dos incêndios que pintam a paisagem a preto. 

Outros usos menores, ainda que importantes: Serviam para fazer nagalhos, preferindo-se para o efeito as negrais; a sua casca verde servia para fazer ataduras; a sua parte lenhosa para fazer sonivas; serviam para infligir castigo aos animais e às crianças quando eram transformadas em fustigas; a fustiga era o principal instrumento do jogo designado A Fustigada; Serviam ainda como vassouras para varrer ruas, eirados, etc.

Ainda que importante não me consta que apareça nas canções populares.

publicado por julmar às 16:16
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds