Sábado, 30 de Janeiro de 2016

Coisas leves e cousas pesadas

Caindo-me com facilidade o pé para questões filosóficas, direi apenas aquilo que, sem especulação metafísica, qualquer um constata: Há a realidade que representamos pelo pensamento e que traduzimos em palavras. Nesta trilogia do ser, pensamento e linguagem se contêm todas as outras questões, nomeadamente as que nos conduzem ao entendimento da relação do homem com o meio, isto é, à cultura. E nesse seguimento constatamos que a cultura produz o homem que, por sua vez é um produtor de cultura: o ti Zé Silva ou o ti Zé Duro que na forja moldam o ferro, o Faia ou o Lavajo que com a enxada reviram a terra das hortas, o Nunes que lavra a tapada de uma ponta à outra, o Junça que com o toque dos sinos regula o tempo sagrado e a vida profana, o forneiro que coze o pão, a costureira que apronta as vestes, o ti Jerónimo que desbasta a pedra que se há-de conformar ao lugar, o padre que diz a missa, o pastor que apascenta o gado ... e seria um rosário sem fim a enumeração de todas as atividades e gestos, acrescentados das representações mentais e da comunicação entre os homens, mais os sentimentos e emoções experimentados. E  tudo isso é feito na obediência a um código de regras que, como um maestro invisível, leva à execução de uma polifonia admirável. Há na vida uma gramática tão ou mais complexa que a gramática da linguagem. E nem uma nem outra são acompanhadas de livro de instruções. 

Não precisa sair da Vila para entender o que é a cultura. Aqui se passa, o que com o homem se passou e se passa em qualquer lugar: o homem frente à realidade, pensando, agindo e comunicando. Porém, em circunstancias diversas, em tempos e espaços diferentes; com histórias e geografias diferentes. 

E é essa diversidade de fatores que as torna únicas, lhes confere uma identidade. Essa identidade é feita pela sua história que se insere na história da região e do país; pelo espaço em que se desenvolve; pela ação das gentes; pelo poder (autonomia) que tem para preservar a sua identidade. Quando os fatores mudam, muda a cultura segundo as leis da adaptação e conservação. Porém, por vezes, as mudanças são tão rápidas e profundas que tornam impossível a adaptação. Foi o que aconteceu com a cultura de Vilar Maior, um caso paradigmático de muitas outras no interior do país que, lentamente definham e morrem. 

Compreender inteiramente o que se passou e interrogarmo-nos sobre o futuro, parece-nos ser um trabalho urgente. Porque, talvez, nem todo o passado esteja perdido. Em circunstâncias diferentes, é certo, no passado, os reis tiveram de tomar medidas drásticas por causa do despovoamento das terras. 

 

publicado por julmar às 17:57
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds