Quinta-feira, 2 de Julho de 2015

Dos milagres de Stª Eufémia da Freineda

o bebado.jpg

 

Pede-me Manuela Gata Esperança:

Gostava de publicar uma história, de um amigo (incógnito) com fortes raízes na região, passada em Vilar Maior e uma ida à festa da Stª Eufémia, com passagem obrigatória pelo cabeço do Arreçaio.   Junto um desenho alusivo do autor.

Vilar Maior sempre teve grandes adoradores do deus Baco, era cada piela…. Lembro-me do Junça da Burra, que me ia buscar ao comboio ao Noéme de burro, que trabalhava esporadicamente em casa de minha avó, de quem assisti um dia a uma bebedeira monumental depois de ter “comido” uma malga de ginjas. Explico melhor, a minha avó era especialista a fazer ginjinha (nada a ver com a zurrapa do mesmo nome que se vende aí aos turistas e que tanto apreciam). Aquilo era a bebida fina dada às visitas de cerimónia lá de casa preparada um ano antes. Basicamente eram ginjas açúcar e aguardente a macerar num garrafão. Após alguns meses havia a trasfega para garrafas de licor e o excesso das ginjas, nada se perdia, ia fazer a felicidade do Junça, que naquele dia, ainda sem beber um copo, curtia uma bebedeira só de ginjas.

Mas de quem eu quero falar é de outro, o Alípio e do milagre de Santa Eufémia da Freineda, para quem não saiba, santa do Sec. III, DC consagrada à Virgindade e eu era-o, na altura ainda um miúdo que ia passar férias a casa da minha avó a Vilar Maior, só os dois, que saudades. Então à época havia o Alípio, sempre avinhado, que quando me apanhava junto ao nosso portão tinha por brincadeira de mau gosto assustar-me, dizendo “corto-te o pirilau”, outras vezes era “capo-te”, sacando do bolso um canivete espanhol. Em segredo, eu andava muito assustado com a perda da virgindade e mais, da virilidade, até que chegaram as Festas da Santa Eufémia da Freineda. Que animação, uma roda-viva. Passavam pela Vila muitos peregrinos vindos de outras terras, paravam para se refrescar no chafariz e seguiam pelo Cabeço do Arreçaio acima, a pé, de burro ou de mula, que naqueles tempos não havia estradas, pelo que não havia automóveis, salvo o do Sr. Fernando Boavida, homem de ideias largas e avançadas no tempo, mas que empanava cada vez que teimava em sair de carro. Ia-se à Freineda por fé, por entretenimento, pelos copos, fosse lá pelo que fosse e lá foi na leva o Alípio, mais por Baco, penso, do que pela Santa. No fim das festas começam a regressar os peregrinos que trazem a notícia, “O Alípio MORREU”. Mas como? Não sabiam.

Naquele tempo já havia telefone público no Sr. Aníbal, dava-se à manivela, esperava-se umas horas e lá se conseguia falar para Lisboa ou Porto, jamais para a Freineda. Jamé dizem os franceses. Por fim, alguém esclareceu; o Alipio tinha feito uma aposta em como era capaz de beber um litro de aguardente, mas seria um litro? “Quem conta um conto acrescenta um ponto” diz o povo. O certo é que apostou, ganhou e MORREU.

Uma morte santa, podia ter morrido de cirrose, de doença prolongada mas não, morreu feliz, no seu meio ambiente, entre amigos, conservado em álcool, isto só pode ser um milagre graças à Santa Eufémia. O corpo regressou a Vilar Maior mais tarde e assisti à sua chegada na Praça, ainda o estou a ver, hirto, montado num macho, todo vestido de branco, tinham-lhe tirado as calças e o casaco e vinha em ceroulas e camisola interior, com a cabeça pendente. Montado atrás no mesmo macho vinha um homem, este vivo, que o abraçava pelo peito, lembrava uma cena bíblica, fantasmagórica. Ali estava à minha frente o homem que queria fazer uma mutilação genital, a minha e não teve tempo. Mais um milagre.

       Nunca fui à Freineda, mas devo uma vela à Santa.

 

16/VI/2015

 

publicado por julmar às 21:00
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds