Quinta-feira, 29 de Outubro de 2015

Mudar a paisagem a ferro e fogo

DSC_0060.JPG

 

O livro de assentos de António Gata é um manancial de informação a partir da qual, com paciência e trabalho, seria possível reconstruir o quadro físico e social da Vila dos anos 30. A terra é, quase, a fonte exclusiva donde vem o sustento para as gentes que tem que sustentar. Por isso, é preciso aproveitá-la ao máximo. Cada chanca de terra é preciosa. É preciso torná-la o mais produtiva possível abarbeitando-a, estrumando-a, regando-a. Por isso, se constroem muros para suster as terras, para as proteger da voracidade das cabras e outro gado; por isso se estoiram lages e barrocos para tornar veiga a tapada ou o cabeço; por isso se fazem poços, minas, presas, se doma o rio em margens confinadas por muros, se erguem os passeios para os burros passeando em círculo arruparem água para as regadeiras talhadas em granito; A pedra omnipresente desafiando a capacidade dos homens. Pedra dura que gasta e desgasta o homem que só com ferro e fogo a consegue vencer. Por isso, estamos numa terra de ferreiros que calçam os animais, ferram os rodados dos carros, protegem os tamacos da frági madeira de amieiro, aguçam as relhas dos lavradores, afiam os ponteiros e picos dos pedreiros. Nada se faria sem a forja do ferreiro. É ali que o homem se afirma sobre a natureza, é ali que no malhar do ferro quente se fazem as armas e as ferramentas.

Das vendas feitas no comércio de António Gata, o ferro, em diferentes modalidades (ferro sueco, aço, arame, vargalhão, verguinha ...) o cupa um lugar de destaque. 

Nada disso poderia ser feito sem a esperança de um mundo melhor que poderá ser a fé no mundo que há-de vir. Mas enquanto não chega há que suportar este vale de lágrimas e o vinho era o único produto do homem que estava à altura. Por isso, aquele que pode trata de arranjar uma latada no quintal, uma ramada à porta de casa, ou transformar um monte em vinha, se para tal tiver o poder. 

E olhando para uma das páginas que vimos a seguir surprende-nos a venda de dois produtos: rastilho e vinho. Trata-se de Clemência Cardozo (1881-1967), na data dos factos que mencionamos, isto é, 1930, uma senhora com 51 anos, provavelmente viúva. O seu pai não consta do registo de baptismo por se tratar de um conhecido adre de uma terra vizinha. Era uma adorável senhora na sua velhice a casa de quem ia, no tempo das milagradas (romãs), trocar batatas, que discretamente tirava da tulha dos meus pais, por aquela deliciosa fruta.

Estamos, então, em Outubro de 1930 e a senhora Clemência, resolveu transformar em realidade o sonho que seu marido Bernardo Simões não tivera tempo de realizar: plantar uma vinha ou, talvez, mais uma vinha. E, então, de Outubro a Dezembro, gasta a senhora a quantia de 63$60 em rastilho. Continua o gasto do mesmo produto em Janeiro e Fevereiro de 1931 com a importância de 26$40. Claro que se comprava rastilho também comprava pólvora. Ora, aí está um produto que nunca aparece registado no livro, ou porque efetivamente o não tivesse, ou por questões legais não fosse registado. E a ferro e fogo, surribando, arroteando o terreno ficou preparado para o plantio. É assim que no último de Fevereiro aparece o registo da compra de bacelos no valor de 150$00. No mesmo dia e pela primeira vez o registo de uma compra de meio cântaro de vinho, no valor de 7$50. Certamente, tinha produção de vinho que com os muitos trabalhadores que trazia terá terminado. Assim aparece um mês de Maio em que apeanas háa registos de compra de vinho, cerca de 75 litros num valor de 81$20.

Havia boas razões para investir no plantio da vinha: Era a cultura que mais salários dava a ganhar (em épocas do ano em que a oferta de trabalho era mais escassa), nunca era suficiente, dava lucro a quem o cultivava e a quem o vendia e consolava quem o consumia.

Veio a CEE com as uas políticas agrárias e mudou a paisagem. Premiou-se o arranque das vinhas. O ferro emigrou para Champigny mudado em pá e pioche. O fogo domesticado da forja do ferreiro desaparecu e ficou à solta o fogo selvagem que reduziu tudo a cinzas.

DSC_0062.JPG

 

publicado por julmar às 09:39
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds