Quarta-feira, 30 de Abril de 2014

O Pontão do Pinguelo


Vista do Pontão e do caminho com calçada

Caminhos, veredas, carreiros eram tão importantes no passado como hoje o são estradas e auto-estradas e, hoje como ontem, indicam os fluxos de pessoas e de bens. Comunidades mais fechadas e auto-suficientes, é certo, não dispensavam o comércio e nem o acidentado do relevo ou a travessia de cursos de água o impediam. Os meios de deslocação e de transporte eram difíceis, sendo o mais disponível e prático ir a pé o que dava para atalhar caminho. O burro foi até há pouco tempo o mais comum e principal meio de transporte de pessoas e de cargas. Se houvesse de se erigir monumento representativo do trabalho duro com que a vila se forjou seria justo que fosse ao burro. De pouco sustento mas exigindo água límpida, elle puxa o arado, atrela-se à carroça, e para além de gente ele transporta no dorso todo o tipo de carga. 'Anda à roda' - maneira de dizer que põe em marcha a nora - exigindo que seja de olhos vendados, que só assim é suportável um esforço que é de dar com um burro em doido. Afinal, o deus Sísifo dos gregos, fazia o mesmo. Não fora o burro à roda e o homem agarrado ao vareio da cegonha e de pouco serviria a água da riberira ou dos poços na essencial rega do renovo das veigas e das hortas.

Se queremos conhecer a história dos povos não podemos prescindir do estudo das vias de comunicação. A travessia de rios e ribeiras constitui, igualmente, uma investigação importante. Tomemos a questão sobre o rio Cesarão. Uns afirmam que é uma construção romana, outros que é uma construção medieval  baseados na arquitetura e em técnicas construtivas, ligando-as, é certo, a determinados tipos de vias, mas descurando o facto de o rio ter de se atravessar mesmo antes da existência da referida ponte. E se as pontes era preferível construí-las em sítios onde a largura do rio era menor, já as poldras ou os pontões era aconselhável construí-los em sítios onde o rio se alargava. Ora, antes da existência da ponte, fazia-se isso a uns duzentos metros a montante da mesma para passagem de carros no caminho ainda existente de uma e outra margem, desde que o curso das águas não fosse muito abundante. Caso isso acontecesse teriam de ir mais a montante no sítio das eiras donde retiraram as poldras aquando da construção do atual pontão em betão. 

A minha tese, no entanto, é que o Pontão do Pinguelo era a melhor das passagens para a margem direita e que o mesmo é anterior à construção da ponte romana, para uns e românica para outros. Na ausência da ponte, este característico pontão, baixo e largo para passagem de carros é a melhor das passagens num local onde a ribeira se alarga tanto que só esporadicamente, alguns dias do ano poderia negar passagem. Do lado montante, incrustradas no próprio pontão, existem pedras que servem de poldras aos peões. Ou seja, mesmo que as águas cobrissem o pontão, ainda era possível passarem carros, animais e pessoas. Eu próprio testei o que explico no passado mês de Abril, numa altura de cheias em que as águas cobriam parcialmente o pontão e transitei à outra margem. Só isso explica o excelente trecho de calçada (à moda romana) que vai do rio por toda a subida até à Tapada Limpa. E, ainda que o sítio da Correia, tenha tido uma ocupação humana especial - Como provam as casas existentes na referida tapada e a lagareta à porta das mesmas, bem como as sepulturas antropomórficas - dificilmente se justica uma calçada destas que terminasse ali, dado que não seguia para Arrifana. Ora, eu próprio fiz o percurso para verificar que a via continuava passando no fundo do Vale da Lapa e ao cimo da Tapada Limpa em direcção a Vale de Castanheiros, seguindo depois o caminho que vai dar ao caminho para a Malhada Sorda. Por aí se saía para terras de Castela.

Com o alrgamento da povoação para além das confinações do Arco, porta de entrada na urbe, e das muralhas que a cercavam, no descer da encosta do Castelo para a baixa, outras vias surgiram. Porém a via mais importante de acesso ao Castelo é aquela que dele partia junto da porta secundária da muralha (porta da traição?), a norte e que descia (e desce mas em desuso há muito) a encosta do castelo, virada a poente, até entroncar no caminho no sítio do Enxido uns trezentos metros acima do dito pontão.

Outros factos, noutra altura, se aportarão em favor da anterioridade deste pontão em relação à ponte, podendo, para quem mais saiba do que eu, servir  de apoio à tese da romanidade ou medievalidade da ponte.



A falta de Limpeza que não deixa escoar as águas e as poldras insertas no pontão





Um trecho da calçada, ladeada de muros bem construídos



Do castelo ao pontão, a distância será aproximadamente a mesma que à ponte

publicado por julmar às 17:37
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds