Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2015

Personagens do século XX, na Vila

CARRO AREIAS.JPG

 

O Plymouth de 1948 do senhor Fernando

 Tudo o que se passava na Europa ia chegando a Portugal, com atraso; tudo o que acontecia em Portugal ia chegando à Vila, com atraso. Chegou a implantação da República, no princípio do século, que aqui teve os seus defensores e os seus inimigos. Com o fim da monarquia a aristocracia local, não residente, por incúria ou falta de meios, descurou  os imóveis. Com o laicismo e  a desconfiança do clero, por parte dos republicanos, a igreja local também sofreu as vicissitudes do resto do país, de que é exemplo elucidativo a perseguição ao, então, pároco Júlio Matias. Daqui foram soldados para a 2ª Guerra Mundial, emigrantes para  a América do Sul (Argentina e Brasil); também aqui não se escapou à Pneumónica em 1918, ano em que houve para cima de sessenta mortes; veio o Estado Novo e aqui encontrou o clima propício do resto do país; por cá graçava a mortalidade infantil, a doença sem remédio que lhe valesse, o analfabetismo como coisa natural e tudo era entregue ao deus dará que era quem cuidava dos pobres e dos indigentes que eram quase todos. Finalmente, na década de 40, descobriu-se que também na Vila havia minério - volfrâmio e estanho que interessavam à indústria de guerra da Alemanha e da Inglaterra. Até que enfim que havia trabalho: de dia na exploração  do minério e de noite no contrabando do mesmo. Emtão jorrou o dinheiro, jorrou a alegria  e jorrou o vinho que, em muito, a sustenta.

Antes de tudo isso, chegara à Vila Fernando Boavida Castelo Branco, vindo de terras para lá da Senhora da Póvoa. As terras da família Pessanha - que possuía as maiores e melhores - estavam em venda e o sr Fernando comprou, não as mais férteis mas as que ficam na margem direita do Cesarão. Ora, foi precisamente nessas que se encontraram as maiores jazidas de minério. Foi sorte? Poderá ter sido, mas como soi dizer-se a sorte protege os audazes e o senhor Fernando era audaz, inteligente e ... tinha olho para o negócio. O senhor Fernando era diferente dos outros proprietários presos a atavismos, explorando o trabalho em relações de patrocinato e troca de favores ao jeito medieval. O senhor Fernando foi o primeiro e único capitalista que houve na Vila: tudo era transformado em dinheiro. O prazer que ele tinha de puxar, no meio da praça, por um bom maço de notas para pagar o dia a este e àquele! 

Ora o automóvel era, à época, um símbolo de prestígio e de riqueza. O senhor Fernando não comprou apenas o Plymouth Special de Luxe Coupé da imagem, mas ainda uma arrastadeira (Citroen) e  um outro ainda que não recordo a marca. Acontecia que dado o mau estado da estrada de terra batida, a provável imperícia do condutor e a mecânica pouco fiável, levava a que quando queria ir a Vilar Formoso chegavam a ficar pela estrada os três automóveis, antes que chegasse ao Alto de Aldeia da Ribeira. Lá tinha que ir o ti Zé Lúcio com uma junda de vacas trazê-los de regresso a casa.

Depois foi ficando mais velho. Acabou o negócio do minério. Os trabalhadores emigraram. O senhor Fernando comprou um Mini Austin. Mas é uma personagem ímpar do século XX na Vila.

publicado por julmar às 18:45
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds