Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

Por Terras do Sabugal, passo a passo - Aldeia da Ribeira

IMG_2246.JPG

(Visita 13-8-2016)

Evolução da População

1864

1878

1890

1900

1911

1920

1930

1940

1950

1960

1970

1981

1991

2001

2011

495

546

558

567

626

610

653

756

8oo

817

359

312

246

198

131

 A partir do censo de 1940 passa a ter mais população do que Vilar Maior e desde 1864 sempre teve mais população do que a Bismula, tendo-se alterado a situação em desfavor de A. Da Ribeira a partir de 2011, embora não saibamos os dados.

Depois de ter ido dezenas de vezes de Vilar Maior a Aldeia da Ribeira, pedantibus, desta vez eu tinha o propósito de o fazer integrado no projeto Por Terras do Sabugal passo a passo. Com os sentidos bem despertos e o sol em frente a espreitar do lado de Almedilla, ia rememorando viagens anteriores, lembrando a excursão feita à Atalaia em ruínas que há-de ter tido pela última vez aquando da passagem das tropas francesas na Guerra Peninsular, a menos que as gentes da Pavorosa dela se tenham servido nas suas incursões de terror que espalharam por estas bandas e que o padre Barroca conhecia como ninguém. Passo a passo cheguei ao cemitério novo de onde se avista o povoado cujo casario desce lá de cima preguiçoso até à Ribeira. Aldeia da Ribeira. Chamam-lhe Ribeira da Aldeia, querendo dizer que é Ribeira de Aldeia Velha onde tem sua nascente. Melhor seria chamarem-na Ribeira das Aldeias: Aldeia Velha, Aldeia da Ponte e Aldeia da Ribeira que banhará, antes que se mande ao Coa, Vilar Maior, onde lhe chamam seu nome verdadeiro – Cesarão e por alcunha Peixeiro.

Como figura destacada surge-nos o Padre João de Matos (1815-1893) de que nos dá notícia MJC,, nascido em A.Ponte e falecido em A. Ribeira onde foi pároco 51 anos. Os elementos mais biográficos são colhidos do relato do carcereiro da cadeia do Sabugal, onde deu entrada em 7 de Agosto de 1873, tendo saído dois dias depois sob fiança. A causa da sua detenção está ligada à sua atividade revolucionária, ligado ao partido legitimista e ligado ao movimento guerrilheiro de um bandido espanhol de nome Montejo, de Valverde d’el Fresno, que era o terror do concelho do Sabugal. Grande pregador, guerrilheiro, dando tudo pela causa miguelista e ferocíssimo inimigo da causa liberal. Foi já dentro do povo que pude ver que um o padre guerrilheiro e excelso pregador não tinha sido esquecidoao colocarem-lhe o nome numa rua.

Nesta época os párocos não eram apenas os mediadores entre Deus e os homens mas também mediadores nos conflitos terrenos e exercia, não raras vezes e por longos períodos o cargo de presidente da junta da paróquia. Assim acontecia no ano de 1850: O padre João de Matos era presidente da Junta de Aldeia da Ribeira e o padre José Inácio de Faria era presidente da Junta de Vilar Maior. O planalto das Moitas – enorme planura coberta de carvalhos que era termo das freguesias da Malhada Sorda, Nave de Haver, A. Ribeira e Vilar Maior – constituía precioso recurso energético para o aquecimento e confeção dos alimentos. Nessa época eram as juntas de freguesia que faziam a administração desse território. No dia de S. Marinho, 11 de Novembro, os moradores das freguesias de Aldeia da Ribeira e Vilar Maior, ao nascer do sol, subiam ao planalto para tomar posse de uma rasa, por família. Aconteceu que se geraram graves conflitos entre habitantes das duas freguesias que obrigou os párocos das duas paróquias a fazer reuniões e a suspenderem a tomada das rasas até estabelecerem um (novo) regulamento, como consta em atas da Junta da Paróquia. Desconheço se estará aqui a origem das hostilidades ou se foi mais uma manifestação de um fenómeno anterior

Desde miúdo que me lembro das rivalidades entre as duas freguesias e das histórias que se contavam de brigas violentas, sobretudo, entre os rapazes da Vila e de Aldeia da Ribeira. Tal despique perdurou e manifestou-se, de forma estrondosa, até ao desenlace trágico do rebentamento dos foguetes da festa do sr dos Aflitos em Vilar Maior em que seis pessoas ficaram desfeitas. Com efeito, cada uma das freguesias queria superar a outra na quantidade de dúzias de foguetes. O povo esqueceu-se reiteradamente da sabedoria que dizem pertencer-lhe – com o fogo não se brinca -, e levou a paciência de Deus ao limite, consentindo na destruição da sua propria casa, sede da misericórdia. 

Aparte as rivalidades e competições, necessárias a elevar a auto-estima e o sentido de pertença a uma comunidade, havia também as solidariedades e complementaridades as trocas de pessoas, de bens e de serviços: namoros e casamentos segundo os rituais de pagamentos de vinho; os lavradores da vila que aqui traziam vacas, burras e éguas em altura de cobrição ao boi, burro e cavalo do ti ‘Grilo’ dando continuidade à vida destas prestimosas alimárias.

O tempo de andar, passo a passo, dá para lembrar tudo isso e, ao passar junto da torre do relógio que sempre conheci encimada com o ninho da cegonha, o relógio bate as oito horas, com o mesmo toque que há mais de cinquenta anos eu ouvia distante daqui, lá para o Vale da Lapa ou Correia num som claro e cristalino que a brisa do lado de Espanha transportava por todo o vale do rio Cesarão.

IMG_2266.JPG

Agora que a Igreja Matriz de S. Pedro estava aberta, aproveitei para entrar. A florista punha todo o seu brio no enfeite da Igreja e dos andores que haviam de sair em procissão pelas ruas da aldeia, no dia seguinte, festa do Santíssimo Sacramento. Calculo que a Igreja deveria estar apinhada de gente no tempo do padre João de Matos, o mais insigne orador da região, atendendo às suas dimensões e ao número de habitantes. Tem uma belíssima capela-mor com o teto forrado de quadros a óleo emoldurados e a talha dourada reveste todo o altar-mor. Ao passas frente à fachada principal lá está sobre a porta "Restaurada em 1940". Passo a ponte e, de regresso a casa, do lado esquerdo - que já estiveram no lado oposto - lá está a capela das alminhas suplicantes:

"Ó vós que passais, tende piedade de nós"  

Guardo uma história de infância  que só não é infame porque tais infâmias são impossíveis na ingenuidade infantil.

publicado por julmar às 15:25
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds