Segunda-feira, 10 de Abril de 2017

Restaurar a Forca da Vila, é preciso

forca duarte.jpg

                     (Livro das Fortalezas de Duarte d'Armas)

Uma das funções da linguagem é a designação das coisas. Com o decurso do tempo muitas coisas deixam de existir. Porém, o nome, por vezes, sobrevive a esse desaparecimento como é o caso de muitos topónimos. No sítio dos Chães da Forca – a gramática diz que devemos dizer Chãos mas quem manda é o povo que é quem faz a língua. Acontece que essa elevação onde ficam os ditos chães se chama o Monte do Arreçaio. Já num outro post falei deste topónimo afirmando que a palavra arreçaio será uma palavra do português arcaico que significa receio. Na linguagem da gente da vila é (era) muito comum antepor-se a partícula a algumas palavras, nomeadamente, ao substantivo receio e ao verbo recear (arrecear, arreceio). E, seguindo a lei do menor esforço, deixam cair um r e pronunciam o lugar dizendo monte do Arsaio. Ligam-se assim pelo mesmo sentimento – o medo – os dois topónimos que assinalam idêntico lugar: Monte do Arsaio e Chães da Forca.

A tudo isto subjaz uma realidade histórica que se encontra documentada no caso concreto de que falamos. A forca (e o receio que provocava) já não existe, mas temos o desenho de Duarte d’Armas (Livro das Fortalezas) onde aparece representada. 

Resta da forca apenas o resto daquilo que seria a sua plataforma: uma construção quadrangular de cerca de quatro metros de lado (equivalendo a uma área interior de dezasseis metros quadrados), com muros de pedra mediana com cerca de 75 centimetros de altura. Talvez a altura original tivesse um metro de altura, dada a quantidade de pedra caída ao longo dos muros, o que aliado à elevação do lugar (790 metros de altitude) lhe dava uma visibilidade extraordinária de todos os pontos da povoação. Dali se defronta uma bela e imensa paisagem. 

A forca articulava-se com uma outra peça do sistema judiciário da época: o Pelourinho. Neste se acorrentavam os criminosos sujeitos a castigo e à exposição ao olhar e vexame público. Se estavam condenados à morte eram conduzidos até ao Monte do Arsaio para serem enforcados. O corpo ficaria pendente na corda, não sabemos por quanto tempo, para que todos pudessem ver a pesada mão da justiça e, assim, fossem dissuadidos de práticas criminosas. 

É preciso restaurar a forca da Vila. Nada de arreceios porque a intenção não é meter medo, nem enforcar criminosos mas ajudar-nos a aprender um pouco. Por outro lado, se queremos dinamizar o turismo (turismo cultural) teremos de procurar construir narrativas que de forma material possam ilustrar a nossa história que é também a história do Homem. Um tal restauro, por força da visibilidade do lugar, ao lado de uma cruz erigida no anos sessenta, convoca o olhar de todos os que vivitem a Vila.

Fica caro? Penso que quinhentos euros serão suficientes para comprar três traves e colocá-las no local. A corda, faço questão de ser eu a oferecê-la.

 

publicado por julmar às 15:33
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De anonimo a 24 de Abril de 2017 às 15:52
Deverá haver ideias melhores para gastar 500 EUR. Uma forca não será uma coisa bonita de se ver no seculo XXI.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds