Domingo, 23 de Agosto de 2015

Toponímia - Ponte da Guarda

DSC_0281.JPG

 Hoje sem uso como se pode ver tapado o acesso na margem esquerda, na era do reino das vacas.

DSC_0289.JPG

 Fotografia tirada a montante e que mostra os talha mares

Se falar em toponímia, muita gente não estará bem a topar ou não topa mesmo. Mas se der uma topadela, alto lá que até pode sair asneira como alívio da dor. Certo é que a toponímia me tem ajudado a desvendar ou a esclarcer alguns fatos relacionados com a Vila. E topadelas também não faltaram no passeio de hoje até ao Insumidoiro ou Sumidoiro que fica a juzante do pontão da Pontaguarda ou Ponte da Guarde. Da VIla saía-se para o mundo por algumas saídas principais em direção a centros urbanos maiores. Ora, uma dessas saídas seria, sem dúvida, para a cidade da Guarda. Saía-se pelas Portas. Aí não havia o caminho da Cerca mas apenas o que corre ao cimo do Chão de S. Pedro, seguindo à direita na primeira bifurcação (o outro leva para outra saída pelo Porto do Sabugal), passa a Fonte Nova, um pouco mais abaixo a Fonte Velha, na bifurcação abaixo segue à esquerda, mais abaixo novamente à esquerda e na descida já para a Ribeira de Alfaiates vira à  direita caminhando até à Ribeira. Ora, o que encontra aí não é uma ponte mas um pontão como lhe mostra a imagem. Então porque é que a toponímia não regista o nome de pontão (como acontece no pontão do Porto Sabugal)? Porque anteriormente ao pontão havia efetivamente uma ponte de acordo com a informação contida nas Memórias Paroquiais de Vilar Maior de 1758

«Outra da parte de poente a que chamam Rybeira de Alfaiates que nasce junto do lugar do Souto. Também seo curso de Inverno he arebatado e também seca de veram, tem uma pnte de pao, no lemite desta villa que vae desta villa para a cidade da Goarda e também nam he capás de navegaçam.»

Ora, pois, se se der ao trabalho, há-de topar no lagedo da margem direita com ferros cravados na rocha, resto de prováveis argolas que segurariam a dita ponte. Depois verificará também que o pontão foi construído sobre a antiga construção, nomeadamente nos dois talha mares atuais assentes, mas mais recuados, nos anteriores. 

Certo é que por ali passavam alimárias e gentes a tratar das suas vidas, por conta própria ou a mando de outros, a maior parte em negócios, outros em ócio, como eu no dia de hoje. 

Na margem direita, junto do pontão, um cruzeiro com data assinalada de 1908. Imagine-se o que quiser sobre o que deu origem ao dito cruzeiro: Alguém ali morreu por motivo que desconhecemos, alguém que ia para lá ou vinha para cá, alguém que se matou, alguém que foi morto, alguém que se afogou.

Por mim, dada a data assinalada estárá relacionada com as enormes enchentes de 1908, que aqui arrastaram para a morte  os que, em situação duvidosa, teimaram passar à outra margem, desafiando a turbolente torrente que os tombou nas revoltosas águas que ao Insumidoiro conduziu.

DSC_0193.JPG

 

 

publicado por julmar às 21:47
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Paulo Cunha Lopes a 26 de Agosto de 2015 às 13:34
Congratulo pelo blog e pelas informações acontecimentos, notícias e historias aqui postadas sobre esta fabulosa e encantadora terra - Vilar Maior e seu meio circundante.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ano 2051 - Senhora do Cas...

. Porque andas tu mal comig...

. Sinalização

. Um sítio para pousar a ca...

. Orca, a terra do senhor F...

. Ó sino da minha aldeia

. Que se passa?

. Demografia - Nonagenários...

. Vida de cão!

. Requiescat in pace, Adria...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds