Quarta-feira, 30 de Agosto de 2017

Viagens ao pé da porta - Cabeça da Porca

 

cabeça.jpg

 Nascer do sol visto da Cabeça da Porca

Assistir ao nascer do sol neste mês de Agosto é um privilégio para quem acorda cedo. Mas fazê-lo no Cabeço da Porca, mesmo à beira do Carvalhal, a 830 metros de altitude é uma experiência única. Há tempos que os barrocos daquele cabeço, vistos do castelo da Vila, me desafiavam. Subi, pois, ao mais alto e dali avistei até horizontes longínquos enquanto, sentado, ouvia o silêncio cortado por o zurrar de um burro, pelo ornear das vacas, o latido de um cão e o tinir de campaínhas de cabras que pastavam numa cerca de arame farpado. Perto e longe ouviam-se tiros de caçadores. Observar o cabeço no lugar de tão gigantescos barrocos leva-nos a imaginar figurações de animais esculpidas num tempo sem fim pelos agentes erosivos. Sem esforço maior, lá está uma imponente porca.

Desci para a estrada vencendo a barreira de arame farpado. Uma idosa puxava pela rédea um burro branco. Abrandei o passo para meter conversa. Ora, quem havia de ser? A minha parente Henriqueta, de olhos azuis como o céu do Carvalhal dos dias claros que são quase todos. Fomos aos nossos ascendentes e, subidos dois ou três degraus, lá estava o tronco Monteiro que nos unia. A Henriqueta conta e eu escuto: do tempo que fora professora, da preferência pelo Carvalhal que o barulho da cidade a incomodava, do cancro que vencera, das casas e terras abandonadas ... e do Amilcar, bom um rapaz. Perdera uma mão que segundo a versão, por conveniência à sua reputação, teria sido um acidente com foguetes. Isso não o impedia de fazer a maioria dos trabalhos com perfeição. Aos poucos, o álcool foi-se tornando seu dono e o comportamento foi-se alterando. Mais do que ninguém a Henriqueta foi-lhe valendo como podia até o comportamento se tornar perigosamente agressivo. Era habitual desaparcer por temporadas. Por alturas da festa do S. Marcos, um pastor encontrou-o, no campo, cadáver. Tocaram a sinal e fizeram o funeral.  Passado o largo, frente à capela de S. Marcos, onde a frondosa amoreira sombreia o tronco das vacas, instalação onde o ferreiro compunha os cascos das vacas (dos burros e dos cavalos) e lhes pregava um par de ferraduras, paramos e apontado:

- Esta é a minha casa. Venha tomar o pequeno almoço.

- Obrigado, já tomei.

- Sabe? Era o António Seixas que nos pintava a casa. No tempo dos meus pais era o pai dele, o ti Zé Seixas.

Saí do Carvalhal, pelo caminho que desce até ao Porto Sabugal. Parei ao pontão, olhei a veiga tornada lameiro e fui assaltado por imagens de há cinquenta anos. Tudo tão mudado!

publicado por julmar às 11:29
link do post | comentar | favorito
|

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Lendas de Portugal

. Requiescat in Pace, Ana D...

. Requiescat in pace, Maria...

. Armário Judaico no Baraça...

. Citânia de Oppidanea

. Gente da minha terra

. Viagens ao pé da porta - ...

. Eleições à porta

. Requiescat in pace, Álvar...

. Contradições - O Riba-Côa...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds