Domingo, 4 de Abril de 2021

Feliz Páscoa - Mandar rezar

O que lá vai, lá vai. Entre as coisas que se foram foi o contrato ( entre duas crianças, jovens ou adultos) que na quaresma se fazia, em forma de lenga-lenga, enganchando os dedos mindinhos. No sábado de páscoa o contratante que mandasse primeiro rezar o outro, ganhava o afolar. Por vezes, era preciso muita arte e manha para o ganhar.

Enganchar, enganchar

Tornaremos ao mar

Sábado de aleluia

Mandaremos rezar

Domingo de Páscoa

Daremos o afolar

Reza!

publicado por julmar às 17:16
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 2 de Abril de 2021

Igreja da Senhora do Castelo - Agora vai ter que ser

igreja senhora castelo.jpg

Quando nasci, não foi assim há tão pouco tempo, já lá estava a Igreja da Senhora do Castelo no estado em que hoje a vemos, talvez com um pouco mais de solidez. Desde os anos vinte do século passado, que destruído o corpo feito de cantaria com que construiram o cemitério (cujo primeiro projeto era ser dentro da muralha do castelo), ficou a capela-mor vazia, sem telhado, sem proteção, abandonada ... até hoje. Esta foi a primeira igreja matriz de Vilar Maior e há-de ter sido um dos primeiros centros de culto cristão na zona de Ribacoa. Em 1740, enquanto a Igreja Matriz de S. Pedro se encontrava "derrubada" (termo usado nos assentos de óbito desse ano), serviu de lugar de culto  e também de sepultamento. 

Por mim, que gosto de ruínas, até nem me importaria de a poder ver assim por mais vinte ou trinta anos. Não há ruína mais comovente que a de um templo. Porém, gostria que ela pudesse continuar a segredar o passado para as gerações futuras. Por isso, a solução deverá passar pela consolidação da ruína antes que se desmorone. E isso tem que ser feito agora porque não pode ser adiado e porque há uma associação que congrega vontades e que o tomará a peito. Não é uma obra cara, há exemplos de obras de restauro na região que podem servir de modelo. A Câmaratem os recursos técnicos, nomedamente ao nível de arqueologia e arquitetura e faciltará na burocracia que houver. Existem ideias muito específicas sobre o que deverá ser feito e que deverá incluir um largo que servirá de átrio ao cemitério e à igreja. O primeiro passo poderá ser mesmo a marcação de uma reunião com a Câmara (Presidente, vereador da cultura, arquiteto, arqueólogo...).

Inúmeras vezes este assunto tem tido lugar neste blog. Poderá consultar escrevendo na pesquisa "Senhora do Castelo"  

 

publicado por julmar às 08:35
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 1 de Março de 2021

Gente da minha terra

cimento.JPG

Quatro vidas, quatro emigrantes, quatro histórias por (para) contar, duas mulatas, um pau e um cão no palco onde a vida é real. Talvez num domingo à tarde. Sem máscara e sem medo quando o que foi já era.

publicado por julmar às 17:41
link | comentar | favorito
Sábado, 20 de Fevereiro de 2021

Manto Branco

 

manto branco.JPG

(Fotografia de Sara Rego)
A casa da minha avó Isabel era junto do Muro, na vizinhança contígua da ti Olímpia e da ti Rosalia e, do lado oposto ao da rua (a rua Direita a que os desentendidos trocaram por Rua do Arco) morava a ti Ana do ti Manel Valério. Mal aprendi a andar e, consolidado o modo de descer as escadas do balcão que davam à rua, que era onde começava o mundo, fui explorando o chafariz que, torneiras sempre abertas, alimentavam o pio onde, burros e vacas, ao som do assobio dos seus donos, desfiando melodia própria para o ato, se dessedentavam. Nós garotos pequenos, na impossibilidade de chegar ao jorro das torneiras atrombávamos no pio. A pouco e pouco o mundo ia- se alargando até à Praça e ao Pelourinho e até à casa da avó Isabel que se havia de tornar um lugar mágico por mor de uma mistura dos sons do ofício, da voz da avó, dos cheiros da cozinha e da habitual fatiga do trigo espanhol. Neste cirandar pelas ruas ia- me dando a conhecer às gentes que por lá moravam há muitos anos e eu todos os dias lhes ia registando os rostos, os gestos os feitos e os feitios, as coisas que transportavam e o cão, o burro e a cabra que os acompanhavam. As cenas repetiam- se diariamente com o Ti João Valente sempre em cima da burra a comer um naco de pão, o ti João Costa de chapéu de feltro com um sacho comprido ao ombro, o ti Salazar de chapéu e garrafa debaixo do braço e a saudação pronta ‘ bôs dias lhe dê Deus’, e o António tão borracho a ir de parede a parede e a andar de gatas ao atravessar a ponte. Era um mundo de gente muito igual, declinada em infinitas diferenças que me maravilhavam. Decorei-lhes a voz e a veste, as medidas e os modos, a cor e o coração, o andar e as andanças, a palavra e o silêncio. Aprendi-os de cor tal como a vida sabendo-a sem saber. E hoje sabe- me bem sabê-lo e acoito em mim estas ternas memórias do menino de cinco anos que um dia de regresso da viagem à  casa da avó os pés se enterravam tão fundo no manto branco de neve que a mão direita de meu pai teve de me socorrer. Corria o Inverno de 1956.
 
publicado por julmar às 11:18
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2021

Projeto "Tornar Vilar Maior uma aldeia cultural" - Os ciprestes

ciprestes1.jpg

Vai fazer um ano, em 27 do mês em curso, que iniciámos neste blog o arranque do projeto "Tornar Vilar Maior numa Aldeia Cultural" https://vilarmaior1.blogs.sapo.pt/como-tornar-vilar-maior-numa-aldeia-499222.

Nessa altura, lançámos o repto de fazer um painel com o Hino do Senhor dos Aflitos, a instalar na capela ou no largo. O repto foi aceite pelos conterrâneos Olívia Dias e Albino Dias encontrando-se a obra, em final de execução, feita em suporte cerâmico de azulejo. Para parecer e escolha do local exato da obra foi dado conhecimento ao Pároco e à comissão da Fábrica da Paróquia. 

Num post recente https://vilarmaior1.blogs.sapo.pt/tornar-a-vila-numa-aldeia-cultural-522264

de 26 de janeiro de 2021, propusemos que, no largo do Senhor dos Aflitos, fossem plantados seis ciprestes para homenagear os seis mortos do trágico acidente de há cinquenta anos dando a este lugar aspecto de um pequeno santuário. Os ciprestes a plantar em agosto (?) terão de ser envasados e deverão ter uma altura de cerca de 3 ou 4 metros. O preço por árvore rondará os cento e trinta euros. Acrescerá o custo do transporte. Já vários conterrâneos mostraram vontade em oferecer um. No entanto, os familiares das vítimas poderão estar interessados em fazer essa oferta e, naturalmente, sendo essa a sua vontade, deverão ter preferência.

" Tornar Vilar Maior uma Aldeia Cultural " é possível e é uma questão de sobrevivência. Por isso, Junta de Freguesia, Misericórdia, Associação, Fábrica da Paróquia, Mordomia da Festa do Senhor dos Aflitos, terão de, unidas, ser capazes da sua concretização . Este blog, Vilar Maior minha terra minha gente, contiinuará a fazer a sua parte.

publicado por julmar às 17:42
link | comentar | favorito
Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2021

Quando a festa virou tragédia - Vilar Maior, domingo, 5 de setembro de 1971

IMG_0442.JPG

O centro da vida sagrada e profana, desde tempos imemoriais, rodava à volta da festa - Festa em honra do Divino Senhor dos Aflitos - celebrada, sempre, no primeiro domingo do mês de Setembro e sempre com as mesmas liturgias sagrada e profana. Sábado: chegada da banda – quase sempre a de Loriga - com salva de foguetes percorrendo as ruas; distribuição dos músicos pelas casas dos residentes, onde comiam e pernoitavam; Procissão das velas da Igreja Matriz para a Capela do Senhor dos Aflitos, em cujo largo se rezava o terço; seguia-se o lançamento do balão e, depois, era o baile pela noite dentro. Domingo, bem cedo, a filarmónica subia ao adro para tocar a alvorada a que se seguia o lançamento de foguetes no Arressaio. Este era o momento que se haveria de mostrar aos da terra e aos das terras vizinhas, com mensagem especial para Aldeia da Ribeira (rivalidades antigas), que a festa ia ser rija: dúzias e dúzias de foguetes e morteiros a troar pelo ar que se ia enchendo de fumo e, a concluir, uma latada (centenas de foguetes dispostos de modo a subirem e rebentarem em simultâneo). Descia a banda do Cimo da Vila e vinha até à Praça, de onde dispersava para o pequeno-almoço. As mordomas, raparigas solteiras, tinham prontos os cestos para, pelas ruas, de casa em casa, ao som da filarmónica, recolherem as prendas que haveriam de ser arrematadas na Quermesse. As donas de casa preparavam o almoço, o melhor de todos os almoços do ano e, pelas ruas, sentia-se o cheiro das comidas e das especiarias; as mães tratavam de vestir os filhos mais novos e todos punham brio nos fatos e vestidos. Sons, cheiros, cores e sabores que só naquele dia eram assim. A banda passa a praça e segue pela Rua de Baixo. Segue sem parar (sorte para a banda e os que acompanhavam) frente à porta principal da Igreja da Misericórdia, onde os fogueteiros rodeados de populares preparavam os foguetes que haviam de atroar no final da procissão, no Adeus e Recolha da Imagem do Senhor dos Aflitos.

 E só Deus sabia o que ia acontecer: um foguete que se recusou a subir incendiou os que no Largo estavam a ser preparados dando origem a um primeiro estrondo (e) que se propagou aos que estavam no anexo da igreja gerando um segundo estrondo que se ouviu pelas terras circunvizinhas e causou cinco mortes súbitas, alguns feridos ligeiros, alguns feridos graves, um dos quais - transportado para o Hospital da Universidade de Coimbra - viria a falecer. Seis vidas ceifadas sem aviso prévio, duas delas ainda com o futuro todo pela frente:

Artur Manuel Osório da Fonseca, (de) 10 anos, residente na Damaia (que) viera com seus pais para visitar os familiares e assistir à festa;

José Silva Cerdeira, (de) 15 anos, seminarista, ao contrário dos restantes que tiveram morte imediata, foi transportado, com feridas e queimaduras graves, para os Hospitais da Universidade de Coimbra onde viria a falecer;

 Adriano da Cruz, (de) 40 anos, casado, emigrante em França que, junto da porta da sua casa, na companhia do seu sogro Aurélio, assistiam ao preparo do fogo;

António Cunha Cerdeira, (de) 50 anos, casado, segundo cabo da Guarda Nacional Republicana a prestar serviço no lugar do Rochoso;

José Carlos Sousa Filipe, (de) 22 anos, solteiro, de Porto da Carne, ajudante do fogueteiro;

Aurélio Prata, (de) 70 anos, casado, residente em Vilar Maior.

À época, havia apenas uma estrada de terra batida e um telefone público. Tal não impediu que, por uma razão bem triste, Vilar Maior se tornasse notícia em todos os jornais regionais e nacionais, na Rádio e na Televisão. Ouvido o estrondo, acorreu gente das terras vizinhas e o socorro dos bombeiros do Sabugal (não tinham telefone, noticiou um jornal), da Guarda, de Celorico da Beira, Pinhel e Penamacor, o destacamento do Regimento de Infantaria nº12 da Guarda. A população local foi a primeira a remover destroços e retirar os feridos. Esteve o senhor Governador Civil da Guarda e o senhor Presidente da Câmara do Sabugal. Compareceu, também, o subdelegado de saúde do Sabugal e o Dr Viana de Vilar Formoso.

A festa tinha acabado. E o que se seguiu é indescritível. Todos os que assistiram têm a sua história pessoal a contar de como tiveram sorte por ter ido, por ter ficado, por isto ou aquilo. Como dizia um amigo meu, sempre que acontecia uma tragédia, grande que fosse, podia ser pior. E podia. A banda da música, com toda a comitiva que a acompanhava, tinha mesmo acabado de ali passar. Foi por um triz, ou como aqui se dizia, por uma unha negra.

As autoridades mandam inquirir.

Um jornal noticia que “Está a averiguar em que circunstâncias ocorreu a tragédia o sargento Faria da Guarda Nacional Republicana”; A Capital noticia: “Decorridos dias sobre a tragédia (…)o inquérito prossegue a cargo da PSP da Guarda … “. A notícia prossegue com o comandante da PSP a declarar que a causa da explosão ainda não está apurada pois “supõe-se que tenha sido descuido do ajudante do fogueteiro ou a queda de alguma cana de foguetes sobre determinada quantidade deles. Acrescentou, que ao contrário do que foi anunciado, a quantidade de foguetes explodidos não eram 600 mas 250 dúzias e que os prejuízos da capela e das casas adjacentes estavam cobertos pelo seguro. Na verdade, ninguém pareceu muito interessado em levar a cabo uma investigação séria.

Também as pessoas, passado o terror e a aflição do momento, começaram a interrogar-se sobre o acontecido, como é que tinha sido possível e, mais timidamente, de quem era a culpa. Na verdade, além dos mortos e da dor dos familiares que não tem preço, a igreja foi completamente destruída e casas, sobretudo, as mais próximas ficaram gravemente danificadas, e muitas outras com telhados destruídos e vidros partidos.

Há uma outra responsabilidade que não é individual mas que diz respeito à comunidade e à sua cultura. Havia um forte sentimento de pertença à comunidade (e) que se afirmava em relação às vizinhas em relação às quais se julgava superior e as festas eram altura para o afirmar. A forma predileta de o afirmar eram os foguetes: era preciso que os ouvissem na intensidade sonora e na duração. Havia uma especial rivalidade com Aldeia da Ribeira cuja festa, se não erro, era oito dias antes. E era uma escalada de ano para ano. Mas, também, porque as pessoas apreciavam os foguetes. A festa era mais ou menos ‘rija’ consoante a quantidade e a qualidade dos foguetes. Havia três pilares que determinavam a qualidade da festa: a banda de música, os foguetes e o pregador e, por vezes, um quarto - o conjunto musical (mais recuadamente o tocador da concertina). Mas o foguetório era o principal cujos defensores, perante aqueles que achavam que se tratava de uma forma gratuita e desproporcionada de gastar dinheiro, respondiam, prontamente: Não há festa sem foguetes! E, ano após ano, cada mordomia, por brio, queria mostrar uma festa mais rija que a anterior. Cada vez mais foguetes, cada vez mais morteiros, morteiros que, desta vez, justificaram o nome: mataram e destruíram. A Igreja da Misericórdia era a imagem desoladora que mostrava o poder do fogo que, no seu anexo, estava alojado: completamente esventrada, sem telhado, paredes derrubadas, altares destruídos, imagens caídas.

São assim os humanos! Talvez, inconscientemente, fosse o mesmo sonho dos que construíram a torre de Babel para chegar ao céu; talvez quisessem, com o troar dos foguetes abrir a porta do céu.

São assim os humanos! Chorados os mortos, movidos pela fé, recolheram as pedras e reconstruíram a misericórdia de Deus. Forte é a fé dos homens.

São assim os humanos! No ano seguinte, não houve festa, não houve foguetes. O tempo cicatriza as feridas. A vida tem de retomar o ritmo e a vida não pode existir sem festa. E, para alguns, não pode haver festa sem foguetes. Por isso, fez-se uma casa para guardar o fogo. E os foguetes voltaram. Menos, com mais segurança. Tão seguros que a casa do fogo ficou inútil, vazia para sempre.

São assim os humanos! Quarenta e nove anos depois do acidente não há festa. Uma epidemia silenciosa, mais perigosa do que os foguetes e morteiros, abateu-se sobre o nosso planeta Terra.

São assim os humanos! No momento em que alinhavo estas escrita (janeiro-2021) não sabemos se no cinquentenário da festa que não se concluiu, faremos festa. Mas se a fizermos, deveríamos, por respeito aos mortos, ser capazes de fazer festa sem foguetes. Nem um!

publicado por julmar às 18:55
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2021

A Vila e suas gentes

raul.jpg

Pela segunda vez publico esta fotografia. Quanto aos fotografados, quatro jovens bem maduros, de matriz rural, a viver na cidade. Se não estiver errado temos o Raul, o Zé Osório, o João Bárbara e não sei quem é o jovem de chapéu. As casas atrás, eram propriedade do senhor Alexandre Araújo. Mas o que agora me surpreendeu, não foi a galinha, nem o caminhante, mas o cais da praça e a enorme árvore (provavelmente uma acácia semelhante à que havia no Pelourinho) ao fundo da praça, frente ao mirante. O chafariz ainda não existia e nesse local havia um quintal de João Marques de que é possível ver uma nesga, do lado direito. O muro da praça parece danificado, destruído, inacabado? Será uma foto dos anos trinta ou quarenta?

publicado por julmar às 19:19
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2021

Requiescat in pace, Elvira Fonseca

Elvira Fonseca1 (3).JPG

Somos cada vez menos, estamos cada vez mais sós. Desta vez, foi a ti Elvira que nos deixou. Mulher de trabalho e de um trato afável que não ficava pela salva seca, havia sempre um pouco de conversa sobre a vida. Viúva de José Cerdeira, filha do ti Jerómino, irmã do Francisco, do José, do António e do Carlos. Aos filhos (à Maria, ao Zé Carlos, ao Chico), aos netos e restante família, sentidas condolências.

publicado por julmar às 19:33
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2021

Requiescat in pace, Maria dos Anjos André

mariia andre1.png

Tivemos conhecimento da morte de Maria dos Anjos André que já algum tempo residia  no Lar de Nave de Haver. Cada vez somos menos. Aos familiares apresentamos as nossas condolências.

 

publicado por julmar às 20:30
link | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2021

Tornar a Vila numa aldeia cultural - Largo do Senhor dos Aflitos

ciprestes.jpg

Os ciprestes

A fotografia era a que tinha mais à mão,  um memorial próximo e, na verdade, foi daí que nasceu a minha ideia tornada agora sugestão.

Celebra-se este ano o cinquentenário do trágico acidente da explosão dos foguetes ocorrido na manhã do dia 5 de de Setembro de 1971, dia da Festa do Senhor dos Aflitos, do qual resultaram seis vítimas mortais. Devido à pandemia não sabemos como será ou se haverá festa. De todo o modo, deveríamos pensar uma forma de lembrar e homenagear os que morreram. Quanto mais sugestões melhor. 

 Por mim, penso poder integrar-se no projeto "Tornar a Vila uma aldeia cultural" que , em posts anteriores aqui tem sido divulgado.

Já dei conhecimento à Comissão Fabriqueira da Paróquia que está em execução (ou talvez concluído)  um painel de azulejos com o Hino do Senhor dos Aflitos a ser colocado na capela ou no largo do Senhor dos Aflitos.

Por mim sugeria que neste largo fossem plantados seis ciprestes como memória de cada um dos falecidos. Porquê os ciprestes e não outro tipo de árvore? Se se derem ao trabalho de observar ou, de preferência, contemplar um cipreste, descobrirão a resposta. Este largo merece ser pensado, transformado num pequeno santuário.

Tenho insistido que há muitos pequenos projetos que podem ser realizados sem custo ou a um custo reduzido. E, tratando-se de árvores, têm o seu tempo próprio.

 

 

publicado por julmar às 12:16
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds