Domingo, 18 de Abril de 2010

Salada de meruges

 

A natureza é pródiga! Esta é das raras plantas  aquáticas,existentes por aqui , comestível. Em regueirras e ribeiros de água cresce e fica comestível pela primavera enquanto canta a popa. Logo que ouça o cuco, floresce e torna-se imprópria para consumo.

Este ano já é tarde. Experimente para o próximo ano. Pegue numa cesta e numa tesoura. Se tiver carava é melhor. Vá até aos Vales, à Balsa, ao Porto Sabugal. Se não souber, informe-se junto das pessoas idosas. A da fotografia foi cortada no caminho para o Porto Sabugal na presa do caminho frente à horta do ti António Rasteiro. Lava-se muito cuidadosamente (deve evitar consumir a que se encontra em águas paradas, além de saber a choco pode não terá salubridade), podendo juntar umas gotas de lixívia. Limpe-a de possíveis ervas misturadas. Tempere-a com um bom azeite, sal e vinagre.

Na falta de barbos do Cesarão, serviu-me como acompanhamento de um arroz  de feijão malandrinho com uns carapauzinhos. Pão centeio e um jarro de vinho acabado de sair do tonel e  um queijo fresco para remate, comprado em Aldeia da Dona.

publicado por julmar às 21:28
link | comentar | favorito
10 comentários:
De Ribacôa a 18 de Abril de 2010 às 22:50
Mal terminei a leitura do post e não obstante o facto de ainda não ter digerido o jantar, eis as glândulas salivares a darem sinal de si alagando-me a boca de água. Coisas simples... Um manjar dos deuses.


De forreta a 18 de Abril de 2010 às 22:56
Pois é!
Ainda hã pouco comi uma pratazana dessa terrivel delícia! Ainda por cima colhida no regato da minha regada, por que sabe e se dignou servir-nos ao jantar! Bem haja a quem se dedica dar-nos este prazer!


De v.M. a 18 de Abril de 2010 às 22:57
Posso dizer que sou um privilegiado , pois já este ano comi uma salada de meruges de Vilar Maior e estava bem boa, como seria de esperar.


De Pirilampo a 18 de Abril de 2010 às 23:34
Não posso passar sem deixar os meus agradecimetos ao querido director deste blog por me elucidar sobre a maneira como obter, apanhar e preparar este tipo de salada.
Isto não parece tão inocente como parece e para isso tenho de frisar um comentário ouvido nos Gata's Bar da nossa terra: dizia então um amigo para o outro: se quiseres apanhar uma boa salada de merujes tens de começar por comprar umas galochas e comprar ou pedir emprestada uma moto-serra......ora eu fiquei a pensar no assunto mas logo cheguei á conclusão que estavam a cassoar, como diria o amigo Jarmeleiro. Certamente diziam isto a pensar que eu era de fora e ficaria a cismar naquilo.
Um abraço e uma boa semana de trabalho.


De Pepina a 19 de Abril de 2010 às 10:26
Também tenho saudades de uma boa salada de meruges . Poucos são os sítios onde ela aparece. No mês passada estava num jantar com os meus alunos de mestrado e eis que dois deles (um do Norte e outro do Centro) associaram o concelho do Sabugal à salada de meruges que se come num determinado restaurante. Um deles sonhava que se fosse possível a sua produção em grande escala e a comercialização em IV gama seria uma novidade nos supermercados do país. Eu seria uma consumidora imediata pois pelos campos por onde ando nem vê-las. Como uma plantinha tal delicada e saborosa identifica um concelho com tanta história?! ...


De Manuel Maria a 19 de Abril de 2010 às 15:07
Ainda há um mês comi uma boa pratada delas na casa do João Robalo. Soberbas...


De paula a 19 de Abril de 2010 às 22:15
Uma ementa deliciosa.
Essa é uma excelente salada. Que não como há muito..
Que me lembra a minha avó Assunção e um petisco de bacalhau cru desfiado, temperado com azeite, vinagre, alho e colorau espanhol. Com pão e salada de meruges.
Bem...;-)


De D.Quixote a 19 de Abril de 2010 às 23:02
Ora, nos tempos que correm e quando tanto se fala nas confrarias disto e daquilo, eu digo: Uma confraria da salada de meruges , já. Bom, agora mais a sério; Na última Páscoa, a qual passei em terras Ribacudanas, tive a oportunidade de degustar um bucho acompanhado de batatas cozidas, um tinto maduro Alentejano e da dita salada. Um verdadeiro pitéu, de comer e chorar por mais.


De Manuel Maria a 20 de Abril de 2010 às 13:51
Se é...


De Helena a 19 de Fevereiro de 2016 às 21:36
Bem senhores amantes das meruges... eu não quero ser mazita mas conheço um regato de uns 100 metros que está ladeado dessa ervita deliciosa, concordo. Até doi não conseguir comer toda e, quero dar mas como não conhecem não a aceitam. Não é surreal? Mas é preciso umas boas galochas para a apanhar e a motoserra também é bem pensado! Neste local , o dito regato é bem fundo de água corredia e as ervas tem que se colher só os 2 ou 3 cm de altura nasobre a água. Mas para mim... vale a pena e leio os comentarios comendo uma bela pratada com 2 ovos estrelados e um pedaço de boroa. Não é divinal?


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
24
25

27
28
29
30


.posts recentes

. Carta ao futuro president...

. Uma pedra oferecida pelo ...

. E passados vinte anos com...

. Carta aberta ao president...

. Eleições à porta. Haja o ...

. Requiescat in pace, José ...

. Família Silva Leonardo

. Tornar Vilar Maior uma Al...

. Haja o que houver, venha ...

. Quando a Festa virou trag...

.arquivos

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds