Quinta-feira, 13 de Maio de 2010

E esta, ah?

(Foto de João Marques)
Este é um dos lugares de referência da Vila. Em qualquer outro sítio lhe chamariam de miradoiro ou miradouro. Aqui lhe chamam, incorrectamente, mirante. Talvez tenha sido obra do Sr José Dias que cuidou de o assombrar com uma glicínia. Dali observavam os passantes, que eram quase todos porque ali, na praça, desaguavam as ruas como rios num lago. Tudo o que era vida profana ali se concentrava. Ao cimo da praça, um carro de vacas, uma cadeira em cima e o Chico dos Fóios zanburreando melodias que pares de dançarinos desenhavam em movimentos.
Os mirantes hoje são outros. Mas que (ad)miram e que pasmam está bem patente na foto.
publicado por julmar às 18:22
link | comentar | favorito
8 comentários:
De India a 14 de Maio de 2010 às 14:35
Uma foto inédita. Quem diria que onde antes sómente pessoas tinham direitos de acesso ao mirante, agora as ovelhas também tenham tal previlégio. Não conhecendo por dentro em pormenor o lugar que tão familiar nos é, não admiraria um destes dias vermos lá um burro olhando com curiosidade quem chega á praça. Coisas dos novos tempos. em que as ovelhas trocaram a largueza dos campos pelos quintais intramuros.


De Manuel Maria a 14 de Maio de 2010 às 16:28
E, para comprovar o ditado, um rebanhos com a sua ovelha negra...


De Jarmeleiro a 14 de Maio de 2010 às 17:57
Ora esta!

Arreparem bem nisto.

Eu aquase nem quero crêr no que veijo.
Uma piara de ovellhas no mirante da praça, é cousa nunca vista. Só faltam os fogueteiros em baixo a apichar ao balão e o povileu da vila e arredores, com a música de Loriga a tocar, à espera que ele suba. E as ovelhas no lugar de honra!!!. E veijam bem o ar espantado dos animais! Mas mais espantado e até admirado e triste ficaria o Sr. Zé Dias e até o Sr. Pressôr Pinheiro, se descessem à terra e vissem isto que nós estamos a ver. Cairiam de cú e não iriam acreditar que esta terra esta e este mundo, são os mesmos onde eles viveram. Bem, mas alguns dirão: Ai, e tal , isto não é nenhum lugar santo e... Pois não, mas tem munta importância e por isso não é bom ser tomado por animais em atenção à memória das pessoas. Ovelhas tive eu, muntas e por muntos anos, mas se as tivesse honje não as metia num lugar destes até por saber que elas não se sentem bem aqui. E por môr disso mesmo, eu digo que os animais alem de espantados estão ivergonhados. Isto, pra não dezer mais, como parece querer mostrar aquela que lá está vestida de luto carregado. E eu que já levo muitos anos disto, continuo a dezer cá prós mês botões:
O quê que ainda por aí virá que eu inda não tanha visto?! .
Munto bô tarde pra todos.


De . a 14 de Maio de 2010 às 18:51
Bem, nem tanto ao mar, nem tanto á serra Sr. Jarmeleiro. Na verdade as ovelhas não foram ali encerradas como se de um redil se tratasse. Deviam andar a pastar no quintal anexo e casualmente vieram assomar-se ao mirante para dar fé do que se passava na praça. Digo isto porque após terem tirado o retrato, foram a sua vida. Portanto não chegou a ser um sacrlilégio e aí as culpas teriam de ser assacadas ao seu proprietário.


De João a 14 de Maio de 2010 às 22:50
É meu o comentário anerior. Na verdade creio que os meus dotes de fotografia exterior não serão tão refinados como os da fotografia do interior (do corpo humano), mas estando eu por perto a "mirar" precisamente o blo de Vilar Maior, quando se me deparou tal imagem, corri para a praça e ainda consegui obter este insólito retrato.
Achados que não são de todos os dias.


De Tocador da raia a 17 de Maio de 2010 às 23:24
É só para dizer recordando, que o tocador em cima do carro das vacas ao cimo da praça seria o Chico de Alfaiates ou o dos Forcalhos ,, pois nos Foios não havia. E eu tocador da raia que fui, como o Gestas de Quarta Feira, O Zé Nobre d Alfaiates , um do Seixo do Côa, E talvez o César da Rapoila , embora este sendo bem mais novo, todos lá tocámos na Vila, em grandes bailes da festa que iam madrugada adentro e à luz dum candeeiro de petromax . À belos tempos esses: E se me lá agarro.


De Anónimo a 18 de Maio de 2010 às 08:56
Chico dos Forcalhos, claro.
Obrigado pela correcção.


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2019 às 01:14
É para mim penoso verificar a degradação e a utilização (que julgo acidental) a que este "mirante" foi votado! Lembro-me que pouca utilização teria, a não ser na Festa do Sr. dos Aflitos, nomeadamente quando a família do meu avô para lá ia, fazer lances na tentativa de arrematar na quermesse algo de interesse sendo que, daquilo que me lembro, a minha tia Beatriz era a mais entusiasta.
À época, a sombra era criada por uma planta trepadeira que o cobria por inteiro. e cujo nome desconheço (não é a "minha praia")


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Janeiro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ir ao feixe

. Vilar Maior no século XIX

. Requiescat in pace, Joaqu...

. D. Zézinha - Uma história...

. Encontro anual da gente d...

. Mulheres da minha Terra -...

. Facta carta apud Sabugal

. Perdão Real

. AS GRANDES OBRAS DO SÉCUL...

. Em defesa de mim

.arquivos

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds