Quarta-feira, 6 de Outubro de 2010

Lenda da Justa e Romance D.Ana - João Martins

 

                        A Lenda da Justa, cujo levantamento Joaquim Correia fez nas “Memorias do Conselho do Sabugal”, de forma incompleta, não é mais que uma versão adaptada localmente do romance D. Ana muito em voga na região de Trás-os-Montes, a que pertenceu o antigo conselho de Vilar Maior. Aqui deixo a prova, pela confrontação entre a versão da Lenda da Justa recolhida por Joaquim Correia por volta de 1900 em Vilar Maior e o romance D. Ana recolhido em 1898 em Maçotes, por Tavares Teixeira e que vem na revista “Portugália” editada por Rocha Peixoto:

Lenda da Justa

(In, Memórias do Concelho do Sabugal)

 

Pela Páscoa de flores

Pela Paixão se dizia

Entrou em Vilar Maior

Uma grande cavalaria.

Levavam cavalos brancos,

Gente de muita valia

Foram-se a esperar as moças

Que iam pr'a missa do dia.

Disse o tenente ao alferes:

-Qual daquelas é a mais linda?

-A de verde bem me agrada,

Mas eu a de azul queria,

Hei-de roubá-la a seu pai

Inda que me custe a vida.

Não era ainda meia-noite

À porta da mãe batia:

-Que fazeis aqui, alferes,

A desoras pela vila?

-Eu não venho por ti , velha,

Venho pela tua filha.

-Minha filha não está cá

Está em casa da prima.

Mas pegou numa candeia,

Indo encontrá-la deitada

Na cama onde dormia.

........................................

-Por diós te peço alferes,

E pela virgem Maria,

Que me deixes só vestir

Uma alva camisinha...

-Se a tu tens de bom linho

Dar-ta -hei de cassa fina.

Por diós te peço alferes

E pela virgem Maria

Que me deixeis rezar,

Só uma Ave Maria,

À Senhora do Castelo

Qu'ela é minha madrinha.

-Olha filha por onde andas,

Não sejas deshonra minha,

Medita nas Barbas brancas,

Que teu pai na cara tinha.

................................................

-Aqui tens, ó velha honrada,

Aqui tens a tua filha,

Ela não se quis vender

Por isso tirei-lhe a vida.

-Espelho onde me eu via

Antes a quero ver morta

Que a sua honra perdida.

.............................................

...............................................

( In, Memórias do Concelho do Sabugal)

 

 

D. Anna

(Recolhido em Maçores em 1898 por Tavares Teixeira)

 

N’aquella «villa viçosa»

Entrou a cavalaria;

Foi por uma rua abaixo

E virou por outra acima.

 

Viu estar numa janella

Duas meninas mui lindas;

Disse o tenente p´ró alferes:

«Qual d’ellas é a mais linda?»

 

-Oh! Aquella d’azul claro

Essa é uma amaravilha

Hei de la roubar à noite

Antes que me custe a vida!-

 

Com vinte e cinco soldados

Foi p’rá sua companhia

E à meia noite em ponto

O tenente à porta batia

 

«- Oh! Quem bate à minha porta,

Olhe que ainda não é de dia!»

- Não é consigo D. Anna,

Mas é com a sua filha!-

 

«Minha filha num ‘stá cá,

Foi a dormir com a tia!»

Entro pela porta adentro

Sem nenhuma cortezia.

 

Sete salas descobriram

Sem acharem na menina;

Chegaram ao aposento

Onde ella estava dormida.

 

Levantou-se a mãe da cama

A dar conselhos à filha:

«Oh! Filha faz pela honra

Que eu também fiz pela minha!»

 

A desgraçada D. Anna

Em lágrimas le dizia:

-Honra as barbas de meu pae

Que a minha já vae perdida!-

 

À’sahida do palácio

O  tenente le procurara:

-Lá em casa de seus pães

Como ella se chamava?-

 

«Em casa de meus pães

Chamava-se-me fidalga;

Agora por esses mundos

Serei infeliz… desgraçada!»

 

Indo lá mais adiante

O tenente le procurara:

-Em casa de seus pães

Como ella era tractada?-

 

«Em casa de meus pães

Comia galinha assada;

Agora por esses mundos

Comerei sardinha salgada!»

 

Indo lá mais adiante

O tenente a acomettia;

E ella, como discreta,

Respondeu: que não queria!

 

 

Puxou por um punhal d’ouro,

Que o cavalleiro trazia,

Meteu-lo por um lado

E o coração le sahia!

 

Pegou n’ella em seus braços

E a sua mãe levou a filha;

E assi mfalou a D. Anna

Para maior tyrania:

 

Oh! D. Anna! Oh! D. Anna

Eis aqui a tua filha!

Honrada e virtuosa

Mui bem le custou a vida.

 

«Justiça do ceo valei-me,

Que na terra não a havia;

P’ra matar o cavaleiro

Que matara a minha filha!»

 

            Justapondo as duas versões, conseguem-se reconstituir, embora não respeitando as quadras e rimas, integralmente as partes perdidas da Lenda da Justa, resultando a seguinte versão que proponho desta lenda:

 

Pela Páscoa de flores

Pela Paixão se dizia

Entrou em Vilar Maior

Uma grande cavalaria.

Levavam cavalos brancos,

Gente de muita valia

Foram-se a esperar as moças

Que iam pr'a missa do dia.

Disse o tenente ao alferes:

-Qual daquelas é a mais linda?

-A de verde bem me agrada,

Mas eu a de azul queria,

Hei-de roubá-la a seu pai

Inda que me custe a vida.

Não era ainda meia noite

À porta da mãe batia:

-Que fazeis aqui, alferes,

A  deshoras pela vila?

Eu não venho por ti , velha,

Venho pela tua filha.

-Minha filha não está cá

Está em casa da prima.

Mas pegou numa candeia,

Indo encontrá-la deitada

Na cama onde dormia

E a desgraçada D. Ana

Em lágrimas lhe dizia:

-Olha filha por onde andas,

Não sejas desonra minha!

Medita nas Barbas brancas,

Que teu pai na cara tinha.

Entraram pela porta adentro 

 Sem nenhuma cortesia.

Sete salas descobriram

Sem acharem a menina;

Chegaram ao aposento

Onde ela dormia.

-Por Deus te peço alferes,

E pela virgem Maria,

Que me deixes só vestir

Uma alva camisinha...

-Se a tu tens de bom linho

Dar-ta -hei de cassa fina.

-Por Deus te peço alferes

E pela virgem Maria

Que me deixeis rezar,

Só uma Ave Maria,

À Senhora do Castelo

Qu'ela é minha madrinha.

Há saída do palácio

O Alferes lhe procurou:

«Lá em casa de seus pais

Como ela se chamava?»

-Em casa de meus pais

Chamava-se-me fidalga;

Agora por esses mundos

Serei infeliz… desgraçada!

Indo lá mais adiante

O Alferes lhe procurara:

«Em casa de seus pais

Como ela era tratada?»

-Em casa de meus pais

Comia galinha assada;

Agora por esses mundos

Comerei sardinha salgada!

Indo lá mais adiante

O Alferes a acometia;

E ela, como discreta,

Respondeu: «que não queria!»

Puxou por um punhal d’ouro,

Que o cavaleiro trazia,

Meteu-lho por um lado

E o coração lhe saia!

Pegou n’ela em seus braços

E a sua mãe levou a filha;

-Aqui tens, ó velha honrada,

Aqui tens a tua filha,

Ela não se quis vender

Por isso tirei-lhe a vida.

-Espelho onde me eu via

Antes a quero ver morta

Que a sua honra perdida.

 

publicado por julmar às 21:27
link | comentar | favorito
1 comentário:
De O Regedor a 8 de Outubro de 2010 às 18:16
Lembro-me vagamente de ter ouvido esta lenda, nao sei kem me contou, mas teria algo ver com as invasoes napoleonicas....


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds